Bases para um Novo Sanitarismo

  • Gustavo Diniz Ferreira Gusso Pesquisador independente. São Paulo, SP
  • Daniel Knupp Pesquisador independente. Belo Horizonte, MG
  • Thiago Gomes da Trindade Pesquisador independente. Natal, RN
  • Nulvio Lermen Junior Pesquisador independente. Florianópolis, SC
  • Paulo Poli Neto Pesquisador independente. Curitiba, PR
Palavras-chave: Reforma dos Serviços de Saúde, Atenção Primária à Saúde, Sistema Único de Saúde

Resumo

As reformas dos sistemas de saúde dos países da Europa Ocidental e Canadá na segunda metade do século XX inspiraram o movimento conhecido como Reforma Sanitária no Brasil. Esses países implementaram sistemas de saúde socializados integrando financiamento público e serviços privados, alguns originados da universalização do seguro-saúde (bismarckiano) outros da arrecadação geral de impostos (beveridgeano). Nesse processo, um dos fatores que mais evoluiu foi a contratualização, que permite a identificação de fraudes e promove a saúde no nível individual e coletivo em vez do uso indiscriminado dos serviços. No Brasil, a Constituição de 1988 lança as bases para um sistema universal de saúde financiado por impostos gerais que permite a ampliação de serviços privados sem regulação estatal, mas cofinanciados pelo Estado por meio da isenção fiscal e subsídios para servidores públicos. Nesse cenário, cresce a dicotomia, e a sobreposição entre serviços estatais e privados é agudizada.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Gustavo Diniz Ferreira Gusso, Pesquisador independente. São Paulo, SP

Doutor em Ciências Médicas

Professor da Disciplina de Clinica Geral e Propedêutica da Universidade de São Paulo

Daniel Knupp, Pesquisador independente. Belo Horizonte, MG
.
Thiago Gomes da Trindade, Pesquisador independente. Natal, RN
.
Nulvio Lermen Junior, Pesquisador independente. Florianópolis, SC
.
Paulo Poli Neto, Pesquisador independente. Curitiba, PR
.

Referências

Teixeira SF, org. Reforma Sanitária: em busca de uma teoria. São Paulo: Cortez/Abrasco; 1989.

Starfield B. Primary care: an increasingly important contributor to effectiveness, equity, and efficiency of health services. SESPAS report 2012. Gac Sanit. 2012;26 Suppl 1:20-6. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.gaceta.2011.10.009

Dawson B. Informe Dawson sobre el futuro de los serviços médicos y afines, 1920. Washington: Organización Panamericana de la Salud, Publicacion Científica nº 93;1964.

Gérvas J. Perez Fernandez M. Organização da Atenção Primária à Saúde em Outros Países. In: Gusso G, Lopes JM. Tratado de Medicina de Família e Comunidade: Princípios, Formação e Prática. ArtMed: Porto Alegre; 2012.

Gérvas J, Pérez Fernández M, Starfield BH. Primary care, financing and gatekeeping in western Europe. Fam Pract. 1994;11(3):307-17. DOI: http://dx.doi.org/10.1093/fampra/11.3.307

Giovanella L. A atenção primária à saúde nos países da União Européia: configurações e reformas organizacionais na década de 1990. Cad Saúde Pública. 2006;22(5):951-63. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2006000500008

Brasil. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. São Paulo: Revista dos Tribunais; 1997.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 234, de 07 de fevereiro de 1992. Edição da Norma Operacional Básica do Sistema Único de Saúde para 1992 (NOB-SUS/92). Brasília: Ministério da Saúde; 1992.

Roemer MI. National Strategies for Health Care Organization: a World Overview. Ann Arbor: Health Administration Press; 1985.

Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO/Ministério da Saúde; 2002.

Starfield B, Hyde J, Gérvas J, Heath I. The concept of prevention: a good idea gone astray? J Epidemiol Community Health. 2008;62(7):580-3. DOI: http://dx.doi.org/10.1136/jech.2007.071027

Rose G. Estratégias da medicina preventiva. Porto Alegre: Artmed; 2010. 192p.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção em Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual do instrumento de avaliação da atenção primária à saúde. Primary Care Assessment Tool PCATool-Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção em Saúde, Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

An Optimal remuneration system for General Practitioners. [homepage na Internet] Nederlandse Zorgautoriteit. [Acesso 27 Jul 2014]. Disponível em: http://www.nza.nl/104107/230942/Paper_-_An_Optimal_remunera1.pdf

Starfield B, Kinder K. Multimorbidade e sua mensuração. In: Gusso G, Lopes JM. Tratado de Medicina de Família e Comunidade: Princípios, Formação e Prática. Porto Alegre: ArtMed; 2012.

Review of the General Medical Services - global sum formula [homepage na Internet] National Health System [Acesso 27 Jul 2014]. Disponível em: http://www.nhsemployers.org/~/media/Employers/Documents/Primary%20care%20contracts/GMS/GMS%20Finance/Global%20Sum/frg_report_final_cd_090207.pdf

CARMS [home page na Internet]. Canadian Resident Matching Service. [Acesso 9 Abr 2014]. Disponível em: https://www.carms.ca/

McWhinney IR, Freeman T. Manual de medicina de família e comunidade. 3a ed. Porto Alegre: ArtMed; 2010.

Gusso G, Poli Neto P. Gestão da Clínica. In: Gusso G, Lopes JMC. Tratado de medicina de família e comunidade: princípios, formação e prática. ArtMed: Porto Alegre; 2012. p.159-66.

Jamoulle M, Gusso G. Prevenção quaternária: primeiro não causar dano. In: Gusso G, Lopes JMC, orgs. Tratado de medicina de família e comunidade: princípios, formação e prática. ArtMed: Porto Alegre; 2012. p. 2015-211.

Welch HG, Schwartz L, Woloshin S. Overdiagnosed: making people sick in the pursuit of health. Boston: Beacon Press; 2011.

Alfradique ME, Bonolo Pde F, Dourado I, Lima-Costa MF, Macinko J, Mendonça CS, et al. Ambulatory care sensitive hospitalizations: elaboration of Brazilian list as a tool for measuring health system performance (Project ICSAP--Brazil). Cad Saude Pública. 2009;25(6):1337-49. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2009000600016

Feinstein AR. The need for humanised science in evaluating medication. Lancet. 1972;2(7774):421-3. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(72)91814-4

Stewart M, Brown JB, Weston WW, McWhinney IR, McWilliam CL, Freeman TR. Patient centered medicine: transforming the clinical method. London: Radcliffe Publishing; 2014.

Franco TB, Bueno WS, Merhy EE. O acolhimento e os processos de trabalho em saúde: o caso de Betim, Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Pública. 1999;15(2):345-53. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1999000200019

Oliveira GN. O projeto terapêutico como contribuição para a mudança das práticas de saúde [Dissertação de mestrado]. Campinas: Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas; 2007.

Campos GWS. Equipes de referência e apoio especializado matricial: um ensaio sobre a reorganização do trabalho em saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 1999;4(2):393-403. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81231999000200013

Cunha GT. A construção da Clínica ampliada na atenção básica. São Paulo: Hucitec; 2005. p.212.

Weed LL. Medical records that guide and teach. N Engl J Med. 1968;278(11):593-600. PMID: 5637758 DOI: http://dx.doi.org/10.1056/NEJM196803142781105

World Organization of National Colleges, Academies, and Academic Associations of General Practitioners/Family Physicians. Classificação Internacional de Atenção Primária (CIAP 2). 2ª ed. Florianópolis: Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade; 2009.

Damásio A. Em busca de Espinosa: prazer e dor na ciência dos sentimentos. São Paulo: Companhia das Letras; 2004. p.358.

Gérvas J, Pérez Fernandez M. Uma atenção primária forte no Brasil. Relatório sobre como fortalecer os acertos e corrigir as fragilidades da estratégia saúde da família. [acesso em 11 jan 2012]. Disponível em: www.sbmfc.org.br/media/file/documentos/relatoriofinal_portugues.pd

Casajuana J, Gérvas J (directores). La renovación de la atención primaria desde la consulta. Madrid: Springer-Health Care Ibérica; 2012.

Gérvas J. Atención Primaria, de la teoría a la práctica. Cad Saúde Pública. 2008;24 Sup1:S24-S26.

Publicado
2015-09-30
Como Citar
Gusso, G. D. F., Knupp, D., Trindade, T. G. da, Junior, N. L., & Neto, P. P. (2015). Bases para um Novo Sanitarismo. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 10(36). https://doi.org/10.5712/rbmfc10(36)1056
Seção
ENSAIOS