Acesso às consultas médicas nos serviços públicos de saúde

  • Orlene Veloso Dias Universidade Estadual de Montes Claros, Unimontes
  • Flávia Ferreira Araújo Universidade Estadual de Montes Claros, Unimontes
  • Rayana Meireles de Oliveira Universidade Estadual de Montes Claros, Unimontes
  • Rosângela Barbosa Chagas Universidade Estadual de Montes Claros, Unimontes
  • Simone de Melo Costa Universidade Estadual de Montes Claros, Unimontes
Palavras-chave: Acesso aos Serviços de Saúde. Visitas a Consultório Médico. Comportamento do Consumidor.Sistema Único de Saúde

Resumo

Objetivo: Avaliar o acesso às consultas médicas em serviços públicos de saúde. Métodos: Pesquisa transversal, analítica de base populacional, em município de porte médio, no estado de Minas Gerais, Brasil. Os dados foram coletados a partir de questionário semiestruturado a uma amostra representativa do município, de 2150 indivíduos. O tratamento estatístico considerou o nível de significância p<0,05. Resultados: Dos entrevistados, 19,4% afirmaram ter procurado um profissional/serviço público de saúde nos 15 dias anteriores à entrevista. Entre esses, 75,6% foram na Atenção Primária à Saúde (APS). A maior procura foi por parte do sexo feminino (p<0,001) e os sem plano de saúde (p<0,001). A maioria (77,2%) foi atendida na primeira vez que procurou o serviço de saúde pública. Pode-se destacar uma maior prevalência ao não acesso quando a procura foi na APS e para tratamento/reabilitação (p<0,05). A utilização de consultas médicas no ano foi observada para 54,4%, com maiores médias para mulheres, adultos e sem plano (p<0,05). Conclusão: Necessita-se repensar a gestão de saúde pública e as práticas dos profissionais para efetivar o acesso às consultas médicas. Assim, sugere-se adotar medidas de acolhimento e educação permanente junto aos profissionais da saúde da família.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Orlene Veloso Dias, Universidade Estadual de Montes Claros, Unimontes
Mestre em Enfermagem. Doutoranda em enfermagem. Professora do Departamento de Enfermagem da Universidade Estadual de Montes Claros, Unimontes
Flávia Ferreira Araújo, Universidade Estadual de Montes Claros, Unimontes
Médica graduada pela Universidade Estadual de Montes Claros, Unimontes
Rayana Meireles de Oliveira, Universidade Estadual de Montes Claros, Unimontes
Estudante da Universidade Estadual de Montes Claros, Unimontes
Rosângela Barbosa Chagas, Universidade Estadual de Montes Claros, Unimontes
Professora do Departamento de Enfermagem da Universidade Estadual de Montes Claros, Unimontes
Simone de Melo Costa, Universidade Estadual de Montes Claros, Unimontes
Doutora em Odontologia- Saúde Coletiva, Mestre em Ciências da Saúde. Especialista em Saúde Pública e Bioética.

Referências

Silva Júnior ES, Medina MG, Aquino R, Fonseca ACF, Vilasbôas ALQ. Acessibilidade geográfica à atenção primária à saúde em distrito sanitário do município de Salvador, Bahia. Rev Bras Saude Mater Infant. 2010;10(Suppl 1):s49-s60. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1519-38292010000500005

Figueroa Pedraza D, Cavalcanti Costa GM. Accesibilidad a los servicios públicos de salud: la visión de los usuarios de la Estrategia Salud de la Familia. Enferm Glob. 2014;13(1):267-78. DOI: http://dx.doi.org/10.6018/eglobal.13.1.170901

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - um panorama da saúde no Brasil: acesso e utilização dos serviços, condições de saúde e fatores de risco e proteção à saúde 2008. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.

Jesus WLA, Assis MMA. Revisão sistemática sobre o conceito de acesso nos serviços de saúde: contribuições do planejamento. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(1):161-70. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000100022

Donabedian A. An introduction to quality assurance in health care. New York: Oxford University Press; 2002.

Travassos C, Viacava F. Acesso e uso de serviços de saúde em idosos residentes em áreas rurais, Brasil, 1998 e 2003. Cad. Saúde Pública. 2007;23(10):2490-502. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2007001000023

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Vigitel Brasil 2010: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde; 2011. 152 p.

Dargatz DA, Hill GW. Analysis of survey data. Prev Vet Med. 1996;28(4):225-37. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/0167-5877(96)01052-5

Szwarcwald CL, Damacena GN. Amostras complexas em inquéritos populacionais: planejamento e implicações na análise estatística dos dados. Rev Bras Epidemiol. 2008;11(Suppl1):38-45. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2008000500004

Assis MMA, Villa TCS, Nascimento MAA. Acesso aos serviços de saúde: uma possibilidade a ser construída na prática. Ciênc Saúde Coletiva. 2003;8(3):815-23. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232003000300016

Andrade MV, Noronha K, Barbosa ACQ, Rocha TAH, Silva NC, Calazans JA, et al. A equidade na cobertura da Estratégia Saúde da Família em Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Pública. 2015;31(6):1175-87. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00130414

Jusot F. Lesinégalités de recoursaux soins: bilan et évolution. Rev Epidemiol Sante Publique. 2013;61(Suppl 3):163-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.respe.2013.05.011

Garcia-Subirats I, Vargas I, Mogollón-Pérez AS, De Paepe P, Silva MR, Unger JP, et al. Barriers in access to healthcare in countries with different health systems. A cross-sectional study in municipalities of central Colombia and north-eastern Brazil. Soc Sci Med. 2014;106:204-

DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.socscimed.2014.01.054

Reis RS, Coimbra LC, Silva AAM, Santos AM, Alves MTSSB, Lamy ZC, et al. Acesso e utilização dos serviços na Estratégia Saúde da Família na perspectiva dos gestores, profissionais e usuários. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(11):3321-31. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013001100022

Miquilin IOC, Marín-León L, Monteiro MI, Corrêa Filho HR. Desigualdades no acesso e uso dos serviços de saúde entre trabalhadores informais e desempregados: análise da PNAD 2008, Brasil. Cad Saúde Pública. 2013;29(7):1392-406. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2013000700013

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Acolhimento nas práticas de produção de saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Lima MADS, Ramos DD, Rosa RB, Nauderer TM, Davis R. Acesso e acolhimento em unidades de saúde na visão dos usuários. Acta Paul Enferm. 2007;20(1):12-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002007000100003

Takemoto MLS, Silva EM. Acolhimento e transformações no processo de trabalho de enfermagem em unidades básicas de saúde de Campinas, São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2007;23(2):331-40. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2007000200009

Silva TF, Romano VF. O acolhimento e o Núcleo de Apoio à Saúde da Família no município do Rio de Janeiro: fragmentos, perspectivas e reflexões. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2015;10(34):1-7. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc10(34)1010

Lima SAV, Silva MRF, Carvalho EMF, Pessoa EAC, Brito ESV, Braga JPR. Elementos que influenciam o acesso à atenção primária na perspectiva dos profissionais e dos usuários de uma rede de serviços de saúde do Recife. Physis. 2015;25(2):635-56. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312015000200016

Boing AF, Matos IB, Arruda MP, Oliveira MC, Njaine K. Prevalência de consultas médicas e fatores associados: um estudo de base populacional no sul do Brasil. Rev Assoc Med Bras. 2010;56(1):41-6. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302010000100014

Dias-da-Costa JS, Gigante DP, Horta BL, Barros FC, Victora CG. Utilização de serviços de saúde por adultos da coorte de nascimentos de 1982 a 2004-5, Pelotas, RS. Rev Saúde Pública. 2008;42(Suppl 2):51-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102008000900008

Pilger C, Menon UM, Mathias TAF. Health services use among elderly people living in the community. Rev Esc Enferm USP. 2013;47(1):213-20. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342013000100027

Barata RB. Acesso e uso de serviços de saúde. Considerações sobre os resultados da Pesquisa de Condições de Vida 2006. São Paulo Perspect. 2008;22(2):19-29.

Oliveira LS, Almeida LGN, Oliveira MAS, Gil GB, Cunha ABO, Medina MG, et al. Acessibilidade a atenção básica em um distrito sanitário de Salvador. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(11):3047-56. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012001100021

Terraneo M. Inequities in health care utilization by people aged 50+: evidence from 12 European countries. Soc Sci Med. 2015;126:154-63. PMID: 25562311 DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.socscimed.2014.12.028

Regidor E, Martínez D, Calle ME, Astasio P, Ortega P, Domínguez V. Socioeconomic patterns in the use of public and private health services and equity in health care. BMC Health Serv Res. 2008;8:183. DOI: http://dx.doi.org/10.1186/1472-6963-8-183

Costa SM, Araújo FF, Martins LV, Nobre LLR, Araújo FM, Rodrigues CAQ. Agente Comunitário de Saúde: elemento nuclear das ações em saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(7):2147-56. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000700030

Costa SM, Souza LPS, Souza TR, Cerqueira ALN, Botelho BL, Araújo EPP, et al. Práticas de trabalho no âmbito coletivo: profissionais da equipe Saúde da Família. Cad Saúde Coletiva. 2014;22(3):292-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1414-462X201400030011

Publicado
2017-01-14
Como Citar
Dias, O. V., Araújo, F. F., Oliveira, R. M. de, Chagas, R. B., & Costa, S. de M. (2017). Acesso às consultas médicas nos serviços públicos de saúde. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 11(38), 1-13. https://doi.org/10.5712/rbmfc11(38)1185
Seção
Artigos de Pesquisa