Internações por condições sensíveis à atenção primária em Novo Hamburgo, Rio Grande do Sul

Jocinei Santos de Arruda, Juvenal Soares Dias da Costa

Resumo


Objetivos: O presente estudo teve por objetivo analisar a tendência das internações por condições sensíveis à atenção primária (ICSAP) em Novo Hamburgo, comparando-a com o restante do Estado do Rio Grande do Sul, e relacionando-a com os investimentos financeiros em saúde e a cobertura da Estratégia Saúde da Família (ESF) no município, no período de 1998 a 2012. Métodos: Foi realizado um estudo ecológico. Os dados foram coletados do Sistema de Internações Hospitalares do SUS. As causas de ICSAP foram baseadas na lista do Ministério da Saúde. A tendência das ICSAP em Novo Hamburgo e no restante do Estado do Rio Grande do Sul foram analisadas por meio dos seus coeficientes padronizados, pelas médias móveis a cada três anos e pela Regressão Binomial Negativa. Foi realizada análise de correlação entre as variáveis de interesse. Resultados: Apesar do aumento de 329,26% nos investimentos financeiros e da expansão da cobertura por ESF no período, atingindo 20,20% da população, não houve diminuição nas tendências dos coeficientes de ICSAP em Novo Hamburgo. No restante do Rio Grande do Sul houve redução nas ICSAP, contudo, os coeficientes foram maiores do que em Novo Hamburgo no período estudado. Conclusões: Embora no presente estudo não tenha sido encontrada associação entre a diminuição nos coeficientes de ICSAP com o aumento da cobertura pela ESF, incremento do investimento financeiro em saúde, investimento financeiro em APS e o gasto per capita em saúde, há evidências que estes estejam correlacionados. Provavelmente, a cobertura de ESF não foi suficiente para impactar as ICSAP.


Palavras-chave


Qualidade da Assistência à Saúde. Atenção Primária à Saúde. Hospitalização. Saúde da Família. Financiamento da Assistência à Saúde.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Billings J, Zeitel L, Lukomnik J, Carey TS, Blank AE, Newman L. Impact of socioeconomic status on hospital use in New York City. Health Aff (Millwood). 1993;12(1):162-73. DOI: http://dx.doi.org/10.1377/hlthaff.12.1.162

Gill JM. Can hospitalizations be avoided by having a regular source of care? Fam Med. 1997;29(3):166-71.

Casanova C, Starfield B. Hospitalizations of children and access to primary care: a cross-national comparison. Int J Health Serv. 1995;25(2):283-94. DOI: http://dx.doi.org/10.2190/PCF7-ALX9-6CN3-7X9G

Roos NP, Mustard CA. Variation in health and health care use by socioeconomic status in Winnipeg, Canada: does the system work well? Yes and no. Milbank Q. 1997;75(1):89-111. DOI: http://dx.doi.org/10.1111/1468-0009.00045

Shi L, Samuels ME, Pease M, Bailey WP, Corley EH. Patient characteristics associated with hospitalizations for ambulatory care sensitive conditions in South Carolina. South Med J. 1999;92(10):989-98. DOI: http://dx.doi.org/10.1097/00007611-199910000-00009

Alfradique ME, Bonolo PF, Dourado I, Lima-Costa MF, Macinko J, Mendonça CS, et al. Internações por condições sensíveis à atenção primária: a construção da lista brasileira como ferramenta para medir o desempenho do sistema de saúde (Projeto ICSAP - Brasil). Cad Saúde Pública. 2009;25(6):1337-49. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2009000600016

Mendonça CS, Harzheim E, Duncan BB, Nunes LN, Leyh W. Trends in hospitalizations for primary care sensitive conditions following the implementation of Family Health Teams in Belo Horizonte, Brazil. Health Policy Plan. 2012;27(4):348-55. DOI: http://dx.doi.org/10.1093/heapol/czr043

Batista SRR, Jardim PCBV, Sousa ALL, Salgado CM. Hospitalizações por condições cardiovasculares sensíveis à atenção primária em municípios goianos. Rev Saúde Pública. 2012;46(1):34-42. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102012005000001

Souza LL, Costa JSD. Internações por condições sensíveis à atenção primária nas coordenadorias de saúde no RS. Rev Saúde Pública. 2011;45(4):765-72. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102011000400017

Barreto JOM, Nery IS, Costa MSC. Estratégia de Saúde da Família e internações hospitalares em menores de 5 anos no Piauí, Brasil. Cad Saúde Pública. 2012;28(3):515-26. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012000300012

Campbell SM, Roland MO, Buetow SA. Defining quality of care. Soc Sci Med. 2000;51(11):1611-25. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/S0277-9536(00)00057-5

Mendes A. A longa batalha pelo financiamento do SUS. Saúde Soc. 2013;22(4):987-93. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902013000400002

Mendes EV. O SUS que temos e o SUS que queremos: uma agenda. Rev Min Saúde Pública. 2004;3(4):4-26.

Mendes EV. As redes de atenção à saúde. 2ª ed. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2011.

Ferreira JBB, Borges MJG, Santos LL, Forster AC. Internações por condições sensíveis à atenção primária à saúde em uma região de saúde paulista, 2008 a 2010. Epidemiol Serv Saúde. 2014;23(1):45-56. DOI: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742014000100005

Rehem TCMSB, Egry EY. Internações por condições sensíveis à atenção primária no estado de São Paulo. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(12):4755-66. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011001300024

Lilienfeld AM, Lilienfeld DE. Foundations of epidemiology. 2nd ed. New York: Oxford University Press; 1980.

Latorre MRDO, Cardoso MRA. Análise de séries temporais em epidemiologia: uma introdução sobre os aspectos metodológicos. Rev Bras Epidemiol. 2001;4(3):145-52. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2001000300002

Oliveira G, Pacheco M. Mercado Financeiro: Objetivo e Profissional. Curitiba: Fundamento; 2006.

Amado AM, Mollo MLR. Noções de macroeconomia: razões teóricas para as divergências entre economistas. São Paulo: Manole; 2003.

Rosenberg D. Trend analysis and interpretation. Key concepts and methods for maternal and child health professionals. Rockville: Division of Science, Education and Analysis Maternal and Child Health Bureau; 1997.

Chen PY, Popovich PM. Correlation: Parametric and Nonparametric Measures. Thousand Oaks: Sage Publication; 2002.

Macinko J, de Oliveira VB, Turci MA, Guanais FC, Bonolo PF, Lima-Costa MF. The influence of primary care and hospital supply on ambulatory care-sensitive hospitalizations among adults in Brazil, 1999-2007. Am J Public Health. 2011;101(10):1963-70. DOI: http://dx.doi.org/10.2105/AJPH.2010.198887

Campos AZ, Theme-Filha MM. Internações por condições sensíveis à atenção primária em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil, 2000 a 2009. Cad Saúde Pública. 2012;28(5):845-55. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012000500004

Fernandes VBL, Caldeira AP, Faria AA, Rodrigues Neto JF. Internações sensíveis na atenção primária como indicador de avaliação da Estratégia Saúde da Família. Rev Saúde Pública. 2009;43(6):928-36. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102009005000080

Figueiró AC, Hartz ZM, Thuler LC, Dias AL. Meta-evaluation of baseline studies of the Brazilian Family Health Strategy Expansion Project: a participatory and formative approach. Cad Saude Pública. 2010;26(12):2270-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2010001200006

Carvalho SC, Mota E, Dourado I, Aquino R, Teles C, Medina MG. Hospitalizations of children due to primary health care sensitive conditions in Pernambuco State, Northeast Brazil. Cad Saude Pública. 2015;31(4):744-54. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00069014

Aquino R, de Oliveira NF, Barreto ML. Impact of the family health program on infant mortality in Brazilian municipalities. Am J Public Health. 2009;99(1):87-93. DOI: http://dx.doi.org/10.2105/AJPH.2007.127480

Santos NR. SUS, política pública de Estado: seu desenvolvimento instituído e instituinte e a busca de saídas. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(1):273-80. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000100028

Mendes EV. 25 anos do Sistema Único de Saúde: resultados e desafios. Estud Avanç. 2013;27(78):27-34. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142013000200003

Macinko J, Harris MJ. Brazil’s family health strategy--delivering community-based primary care in a universal health system. N Engl J Med. 2015;372(23):2177-81. DOI: http://dx.doi.org/10.1056/NEJMp1501140

Bittencourt SA, Camacho LAB, Leal MC. O Sistema de Informação Hospitalar e sua aplicação na saúde coletiva. Cad Saúde Pública. 2006;22(1):19-30. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2006000100003

Abaid RA. Análise da confiabilidade dos diagnósticos das autorizações de internação hospitalar: um estudo em Santa Cruz do Sul [Dissertação de mestrado]. Santa Cruz do Sul: Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC); 2012.

Brasil VP, Costa JSD. Hospitalizações por condições sensíveis à atenção primária em Florianópolis, Santa Catarina - estudo ecológico de 2001 a 2011. Epidemiol Serv Saúde. 2016;25(1):75-84.




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1256

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia