Hiperuricemia assintomática - tratar ou não tratar? - Uma revisão baseada na evidência

Helena Maria Ribeiro Fernandes, Ana Catarina Andrade Peixoto, Bruno Santos Maia, Filipe Ribeiro Melo, Pedro Nuno Rego Miranda

Resumo


Introdução: A avaliação dos níveis séricos de ácido úrico é realizada com frequência nos Cuidados de Saúde Primários, porém sem evidência científica que a justifique. A abordagem terapêutica subsequente constitui frequentemente um desafio clínico, particularmente no caso da hiperuricemia assintomática (HA). O objetivo desta revisão foi rever a evidência sobre a pertinência do tratamento da HA. Métodos: Pesquisa de normas de orientação clínica (NOC), revisões sistemáticas (RS), meta-análises (MA) e estudos originais (EO) no Medline e outros sítios de Medicina Baseada na Evidência, publicados desde abril de 2012 até abril de 2016, em inglês, espanhol e português. Termos MeSH: “hyperuricemia” e ”asymptomatic conditions”. Resultados: Cinco estudos cumpriam os critérios de inclusão: uma MA, três RS e um EO. A MA e o EO recomendam o tratamento da HA, para a prevenção da disfunção renal e para prevenção de eventos cardiovasculares (CV), respetivamente. Duas RS não recomendam o tratamento da HA e uma recomenda uma decisão individualizada para valores de uricemia acima de 9mg/dL, particularmente para a prevenção da gota. Conclusões: A evidência científica disponível é escassa, com limitações, e controversa no que diz respeito à instituição de tratamento farmacológico. O significado clínico da HA e sua relação causal com ocorrência de crises agudas de gota, disfunção renal e doença cardiovascular ainda são incertos. Não existe evidência científica que justifique o tratamento farmacológico da HA em doentes assintomáticos (SOR B). São, por isso, necessários mais estudos, metodologicamente robustos e orientados para o paciente.


Palavras-chave


Hiperuricemia. Doenças Assintomáticas Ácido Úrico. Atenção Primária à Saúde

Texto completo:

PDF/A

Referências


Akkineni R, Tapp S, Tosteson AN, Lee A, Miller KL, Choi HK, et al. Treatment of asymptomatic hyperuricemia and prevention of vascular disease: a decision analytic approach. J Rheumatol. 2014;41(4):739-48. DOI: http://dx.doi.org/10.3899/jrheum.121231

Zhu Y, Pandya BJ, Choi HK. Prevalence of gout and hyperuricemia in the US general population: the National Health and Nutrition Examination Survey 2007-2008. Arthritis Rheum. 2011;63(10):3136-41. DOI: http://dx.doi.org/10.1002/art.30520

Viazzi F, Leoncini G, Pontremoli R. Cardiovascular and renal effects of hyperuricaemia and gout. Reumatismo. 2012;63(4):253-62. DOI: http://dx.doi.org/10.4081/reumatismo.2011.253

Vinik O, Wechalekar MD, Falzon L, Buchbinder R, van der Heijde DM, Bombardier C. Treatment of asymptomatic hyperuricemia for the prevention of gouty arthritis, renal disease, and cardiovascular events: a systematic literature review. J Rheumatol Suppl. 2014;92:70-4. DOI: http://dx.doi.org/10.3899/jrheum.140465

Emmerson BT. The management of gout. N Engl J Med. 1996;334(7):445-51. DOI: http://dx.doi.org/10.1056/NEJM199602153340707

Wang H, Wei Y, Kong X, Xu D. Effects of urate-lowering therapy in hyperuricemia on slowing the progression of renal function: a meta-analysis. J Ren Nutr. 2013;23(5):389-96. DOI: http://dx.doi.org/10.1053/j.jrn.2012.08.005

Kim SY, Guevara JP, Kim KM, Choi HK, Heitjan DF, Albert DA. Hyperuricemia and coronary heart disease: a systematic review and meta-analysis. Arthritis Care Res (Hoboken). 2010;62(2):170-80. DOI: http://dx.doi.org/10.1002/acr.20065

Zechman E. What to Do--or Not--About Asymptomatic Hyperuricemia. [citado 17 Jan 2017]. Disponível em: http://www.medpagetoday.com/resource-center/Gout/Asymptomatic-Hyperuricemia/a/49781

Macías N, Goicoechea M, de Vinuesa MS, Verdalles U, Luño J. Urate reduction and renal preservation: what is the evidence? Curr Rheumatol Rep. 2013;15(12):386. DOI: http://dx.doi.org/10.1007/s11926-013-0386-3

Ebell MH, Siwek J, Weiss BD, Woolf SH, Susman J, Ewigman B, et al. Strength of recommendation taxonomy (SORT): a patient-centered approach to grading evidence in the medical literature. Am Fam Physician. 2004;69(3):548-56. DOI: http://dx.doi.org/10.3122/jabfm.17.1.59

Graf SW, Whittle SL, Wechalekar MD, Moi JH, Barrett C, Hill CL, et al. Australian and New Zealand recommendations for the diagnosis and management of gout: integrating systematic literature review and expert opinion in the 3e Initiative. Int J Rheum Dis. 2015;18(3):341-51. DOI: http://dx.doi.org/10.1111/1756-185X.12557

Araújo F, Cordeiro I, Teixeira F, Rovisco J, Ramiro S, Mourão AF, et al. Portuguese recommendations for the diagnosis and management of gout. Acta Reumatol Port. 2014;39(2):158-71.




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1396

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia