Pesquisa operativa para adequação das agendas num serviço de Atenção Primária

  • Ana Maria Sant' Ana Prefeitura Municipal de Curitiba
Palavras-chave: Acesso aos Serviços de Saúde. Agendamento de Consultas. Acolhimento. Assistência Centrada no Paciente. Continuidade da Assistência ao Paciente.

Resumo

Introdução: Em 2014 a Unidade de Saúde Mãe Curitibana adotou o modelo “carve-out” de organização das agendas, destinando metade das consultas para agendamentos e metade às denominadas consultas de acolhimento, que são reservadas para atendimentos no mesmo dia. Objetivos: Avaliar a proporção de utilização das consultas agendadas e de acolhimento ofertadas. Métodos: Estudo observacional descritivo aplicando formulário de variáveis à totalidade dos pacientes registrados na agenda eletrônica da área denominada “Verde” da Unidade de Saúde Mãe Curitibana, no período de 22 de junho a 24 de julho de 2015. Resultados: Foram 393 mulheres (67%) e 194 homens (33%), com 35,43% das consultas sendo de pessoas acima de 60 anos. Um total de 451 (77%) registros eram de pacientes da área e 136 (23%) de outras áreas. Houve faltas a 13% das consultas. A taxa de aproveitamento de consultas (número de comparecimentos/total de consultas ofertadas) foi de 78,77% (271/344) para as consultas agendadas e 67,89% (239/352) para os acolhimentos. Dos acolhimentos realizados, 45% foram destinados a pacientes de outras áreas. Conclusão: A taxa de aproveitamento é maior para as consultas agendadas, demonstrando uma necessidade de ajuste na oferta de consultas. A proporção de pacientes de outras áreas às consultas de acolhimento compromete a continuidade do cuidado.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Ana Maria Sant' Ana, Prefeitura Municipal de Curitiba

Médica Especialista em Medicina de Família e Comunidade atuando na Secretaria Municipal de Saúde do Município de Curitiba

 

Referências

Murray M, Tantau C. Same-day appointments: exploding the access paradigm. Fam Pract Manag. 2000;7(8):45-50.

Murray M, Berwick DM. Advanced access: reducing waiting and delays in primary care. JAMA. 2003;289(8):1035-40. DOI:

http://dx.doi.org/10.1001/jama.289.8.1035

Murray M, Davies M, Boushon B. Panel size: how many patients can one doctor manage? Fam Pract Manag. 2007;14(4):44-51.

Vidal TB. O acesso avançado e sua relação com o número de atendimentos médicos em atenção primária à saúde [Dissertação]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2013. 87 p.

Prefeitura Municipal de Curitiba/Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba/Departamento de Atenção Primária à Saúde/Coordenação do Acesso e Vínculo. Novas possibilidades de organizar o acesso e a agenda na atenção primária à saúde. Curitiba: Prefeitura Municipal de Curitiba; 2014 [acesso 2017 Jun 1]. Disponível em: http://www.saude.curitiba.pr.gov.br/images/cartilha%20acesso%20avan%C3%A7ado%2005_06_14.pdf

Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba - IPPUC. Nosso Bairro: Centro Cívico. Lucimara Wons, coordenadora. Curitiba: IPPUC, 2015. [acesso 2016 Set 8] Disponível em: http://ippuc.org.br/nossobairro/anexos/03-Centro%20C%C3%ADvico.pdf

Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba - IPPUC. Nosso Bairro: Bom Retiro. Lucimara Wons, coordenadora. Curitiba: IPPUC, 2015. [acesso 2016 Set 8]. Disponível em http://ippuc.org.br/nossobairro/anexos/13-Bom%20Retiro.pdf

Secretaria Municipal de Saúde. Curitiba. Prontuário Eletrônico e-Saúde. Relatório Domicílio Usuário Sintético [acesso em 06/07/15]. Disponível em http://www.saude.curitiba.pr.gov.br/

Izecksohn M, Ferreira J. Falta às consultas médicas agendadas: percepções dos usuários acompanhados pela Estratégia de Saúde da Família, Manguinhos, Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. 2014;9(32):235-41. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc9(32)960

Perron NJ, Dao MD, Kossovsky MP, Miserez V, Chuard C, Calmy, et al. Reduction of missed appointments at an urban primary care clinic: a randomised controlled study. BMC Fam Pract. 2010;11:79. DOI: http://dx.doi.org/10.1186/1471-2296-11-79

Martin C, Perfect T, Mantle G. Non-attendance in primary care: the views of patients and practices on its causes, impact and solutions. Fam Pract. 2005;22(6):638-43. DOI: http://dx.doi.org/10.1093/fampra/cmi076

George A, Rubin G. Non-attendance in general practice: a systematic review and its implications for access to primary health care. Fam Pract. 2003;20(2):178-84. DOI: http://dx.doi.org/10.1093/fampra/cmi076

Kaplan-Lewis E, Percac-Lima S. No-Show to primary care appointments: why patients do not come. J Prim Care Community Health. 2013;4(4):251-5. DOI: http://dx.doi.org/10.1177/2150131913498513

Rose KD, Ross JS, Horwitz LI. Advanced access scheduling outcomes: a systematic review. Arch Intern Med. 2011;171(13):1150-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1001/archinternmed.2011.168

Bennett KJ, Baxley EG. The effect of a carve-out advanced access scheduling system on no-show rates. Fam Med. 2009;41(1):51-6.

Murray M. Answers to your questions about same-day scheduling. Fam Pract Manag. 2005;12(3):59-64.

Salisbury C. Does advanced access work for patients and practices? Br J Gen Pract. 2004;54(502):330-1.

Salisbury C, Goodall S, Montgomery AA, Pickin DM, Edwards S, Sampson F, et al. Does Advanced Access improve access to primary health care? Questionnaire survey of patients. Br J Gen Pract. 2007;57(541):615-621.

Gerard K, Salisbury C, Street D, Pope C, Baxter H. Is fast access to general practice all that should matter? A discrete choice experiment of patients’ preferences. J Health Serv Res Policy. 2008;13 Suppl 2:3-10. DOI: http://dx.doi.org/10.1258/jhsrp.2007.007087

Kiran T, O’Brien P. Challenge of same-day access in primary care. Can Fam Physician. 2015;61(5):399-400.

Phan K, Brown SR. Decreased continuity in a residency clinic: a consequence of open access scheduling. Fam Med. 2009;41(1):46-50.

Salisbury C, Montgomery AA, Simons L, Sampson F, Edwards S, Baxter H, et al. Impact of Advanced Access on access, workload, and continuity: controlled before-and-after and simulated-patient study. Br J Gen Pract. 2007;57(541):608-14.

Vedsted P, Sokolowski I, Olesen F. Open Access to General Practice Was Associated with Burnout among General Practitioners. Int J Family Med. 2013;2013:383602. DOI: http://dx.doi.org/10.1155/2013/383602

Ahluwalia S, Offredy M. A qualitative study of the impact of the implementation of advanced access in primary healthcare on the working lives of general practice staff. BMC Fam Pract. 2005;6:39. DOI: http://dx.doi.org/10.1186/1471-2296-6-39

Tesser CD, Poli Neto P, Campos GWS. Acolhimento e (des)medicalização social: um desafio para as equipes de saúde da família. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(Suppl 3):3615-24. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000900036

Goodall S, Montgomery A, Banks J, Sampson F, Pickin M, Salisbury C. Implementation of Advanced Access in general practice: postal survey of practices. Br J Gen Pract. 2006;56(533):918-23.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Acolhimento à Demanda Espontânea. Brasília: Ministério da Saúde; 2011. [acesso 2017 Jun 1]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/miolo_CAP_28.pdf

Takeda S. A Organização de Serviços de Atenção Primária à Saúde. In: Duncan BB, Schmidt MI, Giugliani ERJ, Duncan MS, Giugliani C. Medicina Ambulatorial. Condutas de Atenção Primária Baseadas em Evidências. Porto Alegre: Artmed; 2013. p. 19-32.

Publicado
2017-07-25
Como Citar
Sant’ Ana, A. M. (2017). Pesquisa operativa para adequação das agendas num serviço de Atenção Primária. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 12(39), 1-9. https://doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1459
Seção
Artigos de Pesquisa