Violência contra mulher em contexto de vulnerabilidade social na Atenção Primária: registro de violência em prontuários

Palavras-chave: Violência contra a Mulher. Vulnerabilidade Social. Atenção Primária à Saúde. Registros de Saúde Pessoal.

Resumo

Objetivo: Investigar o registro dos tipos de violência sofridos e as condutas tomadas, por profissionais de saúde, incluindo a notificação, frente ao relato de situação de violência por mulheres em contexto de vulnerabilidade social atendidas na Atenção Primária à Saúde. Método: Estudo quantitativo, transversal, descritivo e observacional, pela análise de prontuários, considerando todos os registros realizados até o último dia do ano de 2015, de mulheres acima de 18 anos que residam nas áreas de abrangência de dois Centros de Saúde, consideradas áreas de vulnerabilidade social. Resultados: A amostra final foi de 769 prontuários, sendo que em 3,77% havia relato de violência sofrida. Destes, 45% foi do tipo física, seguido por 24%, psicológica; o principal agressor foi o parceiro íntimo (41%); 58% dos relatos foram registrados por médicos, em Centros de Saúde. Houve algum tipo de conduta para 89% dos casos (medicação, encaminhamento ou retorno). Apenas 7% dos casos foram notificados. Conclusões: Os dados desse estudo sugerem que possa haver sub-registro das situações de violência em áreas de vulnerabilidade social em Florianópolis, tendo em vista os poucos casos registrados e notificados em um conjunto de 729 prontuários. Observou-se que esteja relacionada a isso a falta ou pouca sensibilização e capacitação dos profissionais para identificar situações de violência, bem como registrar, notificar e dar prosseguimento ao acompanhamento às pessoas que vivem nessa situação. Portanto, é necessário difundir e capacitar os profissionais de saúde para a detecção, registro, condutas, notificação e seguimento das situações de violência.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Telma Libna Rodrigues Borburema, Secretaria Municipal de Saúde da Prefeitura de Florianópolis.

Graduada em Medician pela Universidade Federal de Santa Catarina

Médica Residente em Medicina de Família e Comunidade

Secretaria Municipal de Saúde da Prefeitura de Florianópolis

Alice Pinto Pacheco, Secretaria Municipal de Saúde da Prefeitura de Florianópolis.

Graduada em Medician pela Universidade do Estado do Pará

Médica Residente em Medicina de Família e Comunidade

Secretaria Municipal de Saúde da Prefeitura de Florianópolis

Anelise Alves Nunes, Secretaria Municipal de Saúde da Prefeitura de Florianópolis.

Graduada em Medician pela Universidade Federal de Santa Catarina

Médica Residente em Medicina de Família e Comunidade

Secretaria Municipal de Saúde da Prefeitura de Florianópolis

Carmen Leontina Ojeda Ocampo Moré, Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Departamento de Psicologia.

Doutorado e Mestrado em Psicologia (Psicologia Clínica).

Atua no Derpatamento de Psicologia da UFSC, Coordenadora do Programa de Pós-graduação em Psicologia.

Scheila Krenkel, Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Departamento de Psicologia.
Mestre em Psicologia, pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina (2014) e, atualmente, é doutoranda do mesmo Programa (área de concentração: Saúde e Desenvolvimento Psicológico).

Referências

Organização Pan-Americana de Saúde - OPAS. Prevención de la violencia: La evidencia. El Paso, TX: OPS. (Série de orientações sobre prevención de la violencia). [Internet] 2013. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/85671/1/9789275317488_spa.pdf?ua=1

Krug EG, Dahlberg LL, Mercy JA, Zwi AB, Lozano R. World report on violence and health. Geneva: World Health Organization; 2000. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.opas.org.br/wp-content/uploads/2015/09/relatorio-mundial-violencia-saude.pdf

World Health Organization - WHO. Global status report on violence prevention 2014. Geneva: World Health Organization; 2014. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.who.int/violence_injury_prevention/violence/status_report/2014/report/report/en

Waiselfisz JJ. Mapa da Violência 2015: homicídio de mulheres do Brasil. Brasília; 2015. [Internet] 2015. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2015/MapaViolencia_2015_mulheres.pdf

United Nations. General Assembly. Declaration of the elimination of violence against women. Proceedings of the 85th Plenary Meeting. Geneva: United Nations; 1993. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.un.org/documents/ga/res/48/a48r104.htm

Brasil. Lei Nº11.340, de 7 de agosto de 2006. Brasília; 2006. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm

Schraiber LB, d’Oliveira AFPL, França-Junior I, Pinho AA. Violência contra a mulher: estudo em uma unidade de atenção primária à saúde. Rev Saúde Pública. 2002;6(4):470-7. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102002000400013&lng=en. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102002000400013

Santos ACW, Moré CLOO. Impacto da violência no sistema familiar de mulheres vítimas de agressão. Psicol Ciênc Prof. 2011;31(2):220-35. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932011000200003&lng=en&nrm=iso. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932011000200003

Gregory A, Ramsay J, Agnew-Davies R, Baird K, Devine A, Dunne D, et al. Primary care identification and referral to improve safety of women experiencing domestic violence (IRIS): protocol for a pragmatic cluster randomised controlled trial. BMC Public Health. 2010;10-54. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://bmcpublichealth.biomedcentral.com/articles/10.1186/1471-2458-10-54 DOI: http://dx.doi.org/10.1186/1471-2458-10-54

Kronbauer JFD, Meneghel SN. Perfil da violência de gênero perpetrada por companheiro. Rev Saúde Pública. 2005;39(5):695-701. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102005000500001&lng=en. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102005000500001

Ayres JRCM. França-Junior I, Calazans GJ, Saletti Filho HC. O Conceito de Vulnerabilidade e as Práticas de Saúde: novas perspectivas e desafios. In: Czeresnia D, Freitas CM, orgs. Promoção da Saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; 2003. p.117-39.

Kind L, Orsini MLP, Nepomuceno V, Gonçalves L, Souza GA, Ferreira MFF. Subnotificação e (in)visibilidade da violência contra mulheres na atenção primária à saúde. Cad Saúde Pública. 2013;29(9):1805-15. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: ttp://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2013000900020&lng=en. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00096312

Schraiber LB, d’Oliveira AFPL, Couto MT. Violência e saúde: contribuições teóricas, metodológicas e éticas de estudos da violência contra a mulher. Cad Saúde Pública. 2009;25(Supl.2):S205-16. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2009001400003&lng=en. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2009001400003

Pedrosa CM, Spink MJP. A violência contra mulher no cotidiano dos serviços de saúde: desafios para a formação médica. Saude Soc. 2011;20(1):124-35. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902011000100015&lng=en. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902011000100015

De Ferrante FG, Santos MA, Vieira EM. Violência contra a mulher: percepção dos médicos das unidades básicas de saúde da cidade de Ribeirão Preto, São Paulo. Interface (Botucatu). 2009;13(31):287-99. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832009000400005&lng=en. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832009000400005

Signorelli MC, Taft A, Pereira PPG. Intimate partner violence against women and healthcare in Australia: charting the scene. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(4):1037-48. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232012000400025&lng=en. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012000400025

Galindo SRW, Souza MR. O perfil epidemiológico dos casos

notificados por violência doméstica, sexual e/ou outras violências interpessoais em Chapadão do Sul (MS). BIS Bol Inst Saúde. 2013;14(3):296-302. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://periodicos.ses.sp.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1518-18122013000400007&lng=es

Medronho RA, Bloch KV. Epidemiologia. 2º ed. São Paulo: Atheneu; 2009.

Prefeitura Municipal de Florianópolis. Secretaria Municipal de Saúde. Áreas de Interesse Social por Unidades Locais de Saúde e Regionais de Saúde. 2007. [acesso 2017 Ago 25]. Disponível em: http://www.pmf.sc.gov.br/arquivos/arquivos/pdf/10_11_2009_9.21.48.f59ae736583946fb6056d553e15d1581.pdf

IBM Corp. Released 2010. IBM SPSS Statistics for Windows, Version 19.0. ArmonkY: IBM Corp; 2010.

Valdez-Santiago R, Ruiz-Rodríguez M. Violencia doméstica contra las mujeres: ¿cuándo y cómo surge como problema de salud pública? Salud Pública Méx. 2009;51(9):501-11. [Internet]. 2009. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0036-36342009000600009&lng=es DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0036-36342009000600009

Oliveira CC, Almeida MAS, Morita I. Violência e saúde: concepções de profissionais de uma Unidade Básica de Saúde. Rev Bras Educ Med. 2011;35(3):412-20. [Internet]. 2011 [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022011000300016&lng=en&nrm=iso DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022011000300016

Schraiber LB, d’Oliveira AFPL, França-Junior I, Diniz S, Portella AP, Ludermir AB, et al. Prevalência da violência contra a mulher por parceiro íntimo em regiões do Brasil. Rev Saúde Pública. 2007;41(5):797-807. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102007000500014&lng=en. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102007000500014

Moura LBA, Gandolfi L, Vasconcelos AMN, Pratesi R. Violências contra mulheres por parceiro íntimo em área urbana economicamente vulnerável, Brasília, DF. Rev Saúde Pública. 2017;43(6):944-53. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102009000600005&lng=en. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102009005000069

Büchele MLC, Philippi JMS. Mapeamento da Violência Contra a Mulher em Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Rede Feminista de Saúde. Florianópolis; 2015. [acesso 2017 Jan 1]. Disponível em: http://redesaude.org.br/comunica/wp-content/uploads/2015/03/MAPEAMENTO-DA-VIOL%C3%8ANCIA-CONTRA-A-MULHER-EM-FLORIAN%C3%93POLIS.pdf

d’Oliveira AFPL, Schraiber LB, França-Junior I, Ludermir AB, Portella AP, Diniz CS, et al. Fatores associados à violência por parceiro íntimo em mulheres brasileiras. Rev Saúde Pública. 2009;43(2):299-311. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102009000200011&lng=en. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102009005000013

Terra MF, d’Oliveira AFPL, Schraiber LB. Medo e vergonha como barreiras para superar a violência doméstica de gênero. Athenea Digit. 2015;15(3):109-25. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://atheneadigital.net/article/view/v15-n3-terra-doliveira-schraiber/1538. DOI: http://dx.doi.org/10.5565/rev/athenea.1538

Rodrigues EAS. Abordagem da violência na Atenção Primária à Saúde: correspondência entre as percepções e vivências de profissionais e usuários. Dissertação (Dissertação de mestrado): Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Medicina Belo Horizonte; 2014. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/handle/1843/BUBD-A2MH89

Osis MJD, Duarte GA, Faúndes A. Violência entre usuárias de unidades de saúde: prevalência, perspectiva e conduta de gestores e profissionais. Rev Saúde Pública. 2012;46(2):351-8. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102012000200018&lng=en. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102012005000019

d’Oliveira AFPL, Schraiber LB. Mulheres em situação de violência: entre rotas críticas e redes intersetoriais de atenção. Rev Med. 2013;92(2):134-40. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/revistadc/article/view/79953. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v92i2p134-140

Vasconcelos MS, Holanda VR, Albuquerque TT. Perfil do agressor e fatores associados à violência contra mulheres. Cogitare Enferm. 2006;21(1):1-10. [Internet]. 2016 [acesso 2017 Jan 20]; Disponível em: http://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/41960. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v21i1.41960

Silva LEL, Oliveira MLC. Violência contra a mulher: revisão sistemática da produção científica nacional no período de 2009 a 2013. Ciênc Saúde Coletiva. 2015;20(11):3523-32. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232015001103523&lng=en. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-812320152011.11302014

Moré CLOO, Krenkel S. Violência no contexto familiar. 1º ed. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2014.

Sousa MH, Bento SF, Osis MJD, Ribeiro MP, Faúndes A. Preenchimento da notificação compulsória em serviços de saúde que atendem mulheres que sofrem violência sexual. Rev Bras Epidemiol. 2015;18(1):94-107. [Internet]. [acesso 2017 Jan 20]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2015000100094&lng=en. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1980-5497201500010008

d’Oliveira AFPL, Schraiber LB, Hanada H, Durand J. Atenção integral à saúde de mulheres em situação de violência de gênero - uma alternativa para a atenção primária em saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2009;14(4):1037-50. [Internet]. [acesso 2017 Jul 9]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232009000400011&lng=en. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232009000400011

Publicado
2017-10-10
Como Citar
Borburema, T. L. R., Pacheco, A. P., Nunes, A. A., Moré, C. L. O. O., & Krenkel, S. (2017). Violência contra mulher em contexto de vulnerabilidade social na Atenção Primária: registro de violência em prontuários. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 12(39), 1-13. https://doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1460
Seção
Artigos de Pesquisa