Teleconsulta: nova fronteira da interação entre médicos e pacientes

  • Carlos André Aita Schmitz Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
  • Marcelo Rodrigues Gonçalves Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
  • Roberto Nunes Umpierre Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
  • Ana Célia da Silva Siqueira TelessaúdeRS-UFRGS
  • Otávio Pereira D'Ávila TelessaúdeRS-UFRGS
  • Cynthia Goulart Molina Bastos TelessaúdeRS-UFRGS
  • Rafael Gustavo Dal Moro TelessaúdeRS-UFRGS
  • Natan Katz TelessaúdeRS-UFRGS
  • Erno Harzheim Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Palavras-chave: Telemedicina. Ética Clínica. Consulta Remota. Brasil

Resumo

A teleconsulta, uma ação de telessaúde, apesar de ser regulamentada em vários países, ainda não é permitida no Brasil. O presente texto explora a situação da teleconsulta na América do Norte, na Europa e em outros países, fazendo um paralelo com a situação nacional dentro da medicina e de outras profissões da saúde. Ao final, por meio do referencial utilizado, é construída uma argumentação de forma a assumir um posicionamento favorável à regulamentação da teleconsulta no país.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Carlos André Aita Schmitz, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM (2000), residência em Medicina de Família e Comunidade pelo Centro de Saúde Escola Murialdo (2002), especilaização em Sanitarismo pela Escola de Saúde Pública do RS (2006) e mestrado em Geomática pelo Programa de Pós-graduação em Geomática da UFSM (Linha de pesquisa: Dinâmica Espaço Temporal de Informações Georreferenciadas). Atualmente é Coordenador Executivo do Núcleo de TelessaúdeRS através de projeto de colaboração técnica entre a UFSM e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul e doutorando em epidemiologia pela UFRGS. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Medicina de Família e Comunidade, atuando principalmente nos seguintes temas: estratégia saúde da família, planejamento e gestão em saúde pública, georeferenciamento, vigilância em saúde, vigilância epidemiológica e imageamento médico.

Referências

Bashshur RL, Shannon GW, Smith BR, Alverson DC, Antoniotti N, Barsan WG, et al. The empirical foundations of telemedicine interventions for chronic disease management. Telemed J E Health. 2014;20(9):769-800. DOI: http://dx.doi.org/10.1089/tmj.2014.9981

World Health Organization - WHO. Telemedicine: opportunities and developments in member states. Geneva: WHO; 2010.

Sood S, Mbarika V, Jugoo S, Dookhy R, Doarn CR, Prakash N, et al. What is telemedicine? A collection of 104 peer-reviewed perspectives and theoretical underpinnings. Telemed J E Health. 2007;13(5):573-90. DOI: http://dx.doi.org/10.1089/tmj.2006.0073

Brasil. Ministério da Saúde. Manual de Telessaúde para Atenção Básica/Atenção Primária à Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Montgomery A, Hunter D, Blair E, Hendricksen M. Telemedicine Today: The State of Affairs. 2015. [acesso 2017 Nov 30]. Disponível em: https://altarum.org/sites/default/files/uploaded-publication-files/TELEMEDICINE-State%20of%20Affairs_030615.pdf DOI: http://dx.doi.org/10.1089/tmj.2015.9997

H.R. 3750 (113th): Telehealth Modernization Act of 2013. To promote the provision of telehealth by establishing a Federal standard for telehealth, and for other purposes. [acesso 2016 Dez 6]. Disponível em: https://www.govtrack.us/congress/bills/113/hr3750

European Commission. Competitive and Innovation Programme. UNIversal Solutions in Telemedicine Deployment for European HEALTH care (Grant Agreement No 325215). [S.l.]: European Commission; 2013.

Darkins AW, Carey MA. Telemedicine and telehealth: Principles, policies, performance and pitfalls. New York: Springer; 2000.

Campbell JL, Fletcher E, Britten N, Green C, Holt T, Lattimer V, et al. The clinical effectiveness and cost-effectiveness of telephone triage for managing same-day consultation requests in general practice: a cluster randomised controlled trial comparing general practitioner-led and nurse-led management systems with usual care (the ESTEEM trial). Health Technol Assess. 2015;19(13). [acesso 2016 Dez 6]. Disponível em: https://www.journalslibrary.nihr.ac.uk/hta/hta19130#/abstract

Latoya T, Capistrant G. State Telemedicine Gaps Analysis: Physician Practice Standards & Licensure. Washington: American Telemedicine Association; 2014.

Care Committee. Vancouver Division of Family Practice. Telemedicine White Paper. Vancouver: Vancouver Division of Family Practice; 2014.

International Telecommunication Union. Mejores prácticas de liderazgo, innovación y gestión pública en e-salud: Los casos de Brasil, México y Perú. Geneva: ITU; 2014. [acesso 2017 Nov 30]. Disponível em: https://www.itu.int/en/ITU-D/Regional-Presence/Americas/Documents/PBLCTNS/20140331-ehealth-SP.pdf

Mitchell JG. The uneven diffusion of telemedicine services in Australia. J Telemed Telecare. 1999;5 Suppl 1:S45-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1258/1357633991932504

Hasegawa T, Murase S. Distribution of telemedicine in Japan. Telemed J E Health. 2007;13(6):695-702. DOI: http://dx.doi.org/10.1089/tmj.2007.0013

TelessaúdeRS-UFRGS. Núcleo de Telessaúde da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: TelessaúdeRS-UFRGS. Telessaúde Transparência; 2017. [acesso 2017 Nov 30]. Disponível em: https://www.ufrgs.br/telessauders/transparencia

Green LA, Fryer GE Jr, Yawn BP, Lanier D, Dovey SM. The ecology of medical care revisited. N Engl J Med. 2001;344(26):2021-5. DOI: http://dx.doi.org/10.1056/NEJM200106283442611

Kloetzel K. O Diagnóstico Clínico: Estratégia e Táticas. In: Duncan BB, Schmidt MI, Gugliani ERJ, Duncan MS, Giugliani C. Medicina ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. 4ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2013.

Souza DK, Peixoto SV. Estudo descritivo da evolução dos gastos com internações hospitalares por condições sensíveis à atenção primária no Brasil, 2000-2013. Epidemiol Serv Saúde. 2017;26(2):285-94.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria Nº 2.073, de 31 de agosto de 2011. Regulamenta o uso de padrões de interoperabilidade e informação em saúde para sistemas de informação em saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde, nos níveis Municipal, Distrital, Estadual e Federal, e para os sistemas privados e do setor de saúde suplementar. Brasília: Diário Oficial da União; 2011.

Brasil. Conselho Federal de Medicina. Sociedade Brasileira de Informática em Saúde. Manual de Certificação para Sistemas de Registro Eletrônico em Saúde (S-RES). Certificação 2013. Brasília: Conselho Federal de Medicina; 2013.

Becker Sander G, Medeiros Borges M, do Prado Fay JH, Costa D, Cesar Gadelha Vieira A, Bucciolli Guernelli M, et al. Health Interoperability into Practice: Results of the Development of a Consent Form in a Pilot Project in a Health District in São Paulo, Brazil. Stud Health Technol Inform. 2015;216:1007.

Publicado
2017-12-21
Como Citar
Schmitz, C. A. A., Rodrigues Gonçalves, M., Nunes Umpierre, R., da Silva Siqueira, A. C., Pereira D’Ávila, O., Goulart Molina Bastos, C., Dal Moro, R. G., Katz, N., & Harzheim, E. (2017). Teleconsulta: nova fronteira da interação entre médicos e pacientes. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 12(39), 1-7. https://doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1540
Seção
HISTÓRIAS DA LINHA DE FRENTE