Infecções comunitárias do trato urinário em Divinópolis, MG: avaliação do perfil de resistência bacteriana e do manejo clínico

  • Vanessa Machado Ferreira Universidade Federal de São João del-Rei
  • Lucas Nicolas Viana Rossiter Universidade Federal de São João del-Rei
  • Nicole Faraje Ferreira Aragão Universidade Federal de São João del-Rei
  • Otávio Augusto Pinto Universidade Federal de São João del-Rei
  • Paola Mara Santos Universidade Federal de São João del-Rei
  • Pedro Henrique Alves Cardoso Universidade Federal de São João del-Rei
  • Thaís Braga Cerqueira Universidade Federal de São João del-Rei
  • Débora Moura Fernandino Universidade Federal de São João del-Rei
  • Gustavo Machado Rocha Universidade Federal de São João del-Rei http://orcid.org/0000-0001-8255-1559
Palavras-chave: Escherichia coli. Resistência Microbiana a Medicamentos . Atenção Primária de Saúde. Uso Racional de Medicamentos.

Resumo

Objetivo: Analisar o perfil de resistência bacteriana e o manejo clínico das infecções do trato urinário (ITU) no município de Divinópolis, MG. Métodos: Trata-se de estudo transversal descritivo, cujos dados foram obtidos a partir das uroculturas positivas realizadas no primeiro semestre de 2015 no Laboratório Municipal de Microbiologia e por meio de entrevistas com médicos atuantes na atenção básica de Divinópolis, MG. Resultados: Das uroculturas avaliadas (N=802), 72,8% isolaram a bactéria Escherichia coli, sendo 38,6% delas resistentes ao sulfametoxazol+trimetoprima, 33,0% ao norfloxacino, 31,8% ao ciprofloxacino e 9,0% à nitrofurantoína. Dos 57 médicos entrevistados, 73,5% solicitam, habitualmente, algum exame laboratorial para cistite aguda não complicada. Os antimicrobianos de primeira escolha no tratamento empírico das ITU, segundo os entrevistados, foram norfloxacino (56,1%), sulfametoxazol+trimetoprima (19,3%), ciprofloxacino (10,5%) e nitrofurantoína (8,8%). Conclusão: Os dados encontrados indicam que as taxas de resistência bacteriana às quinolonas nas ITU são elevadas e que a terapia empírica adotada pela maioria dos médicos entrevistados vai contra esse perfil de resistência. Por outro lado, foi encontrada uma baixa resistência à nitrofurantoína, demonstrando a necessidade de elaboração de protocolo local de tratamento.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Vanessa Machado Ferreira, Universidade Federal de São João del-Rei
Curso de Medicina, Universidade Federal de São João del-Rei
Lucas Nicolas Viana Rossiter, Universidade Federal de São João del-Rei
curso de Medicina da Universidade Federal de São João del-Rei
Nicole Faraje Ferreira Aragão, Universidade Federal de São João del-Rei
curso de Medicina da Universidade Federal de São João del-Rei
Otávio Augusto Pinto, Universidade Federal de São João del-Rei
curso de Medicina da Universidade Federal de São João del-Rei
Paola Mara Santos, Universidade Federal de São João del-Rei
curso de Medicina da Universidade Federal de São João del-Rei
Pedro Henrique Alves Cardoso, Universidade Federal de São João del-Rei
curso de Medicina da Universidade Federal de São João del-Rei
Thaís Braga Cerqueira, Universidade Federal de São João del-Rei
Curso de Medicina, Universidade Federal de São João del-Rei
Débora Moura Fernandino, Universidade Federal de São João del-Rei
curso de Medicina da Universidade Federal de São João del-Rei
Gustavo Machado Rocha, Universidade Federal de São João del-Rei
Doutor e Mestre em Saúde Pública pela Universidade Federal de Minas Gerais (2014); graduação em Medicina pela Universidade Federal de Minas Gerais (2003). Professor Adjunto de Infectologia do curso de Medicina da Universidade Federal de São João Del-Rei, Campus Centro-Oeste Dona Lindu, Divinópolis-MG. 

Referências

Levi CE. Principais síndromes infecciosas: Manual de Microbiologia Clínica para o Controle de Infecção em Serviços de Saúde. Brasília: Agência Nacional de Vigilância Sanitária; 2004. [acesso 2017 Out 10]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_microbiologia_completo.pdf

Pires MCS, Frota KS, Martins Junior PO, Correia AF, Cortez-Escalante JJ, Silveira CA. Prevalência e suscetibilidades bacterianas das infecções comunitárias do trato urinário, em Hospital Universitário de Brasília, no período de 2001 a 2005. Rev Soc Bras Med Trop. 2007;40(6):643-7. [acesso 2017 Out 10]. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822007000600009

Muller EV, Santos DF, Corrêa NAB. Prevalência de microrganismos em infecções do trato urinário de pacientes atendidos no laboratório de análises clínicas da Universidade Paranaense - Umuarama - PR. Rev Bras Anal Clin. 2008;40(1):35-7. [acesso 2017 Out 10]. Disponível em: http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&lang=p&nextAction=lnk&base=LILACS&exprSearch=%22Rev.%20bras.%20anal.%20clin/2008,40(1)%22&indexSearch=TA

Heilberg IP, Schor N. Abordagem diagnóstica e terapêutica na infecção do trato urinário - Itu. Rev Assoc Med Bras. 2003;49(1):109-16. [acesso 2017 Out 10]. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302003000100043

Roriz-Filho JS, Vilar FC, Mota LM, Leal CL, Pisi PCB. Infecção do trato urinário. Medicina. 2010;43(2):118-25. [acesso 2017 Out 10]. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v43i2p118-125

Murray PR, Rosenthal KS, Pfaller MA. Microbiologia Médica. Rio de Janeiro: Elsevier; 2009.

Miranda EJP, Oliveira GSS, Roque FL, Santos SR, Olmos RD, Lotufo PA. Susceptibility to antibiotics in urinary tract infections in a secondary care setting from 2005-2006 and 2010-2011, in São Paulo, Brazil: Data from 11,943 urine cultures. Rev Inst Med Trop. 2014;56(4):313-24. [acesso 2017 Out 10]. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0036-46652014000400009

Araujo KL, Queiroz AC. Análise do perfil dos agentes causadores de infecção do trato urinário e dos pacientes portadores, atendidos no Hospital e Maternidade Metropolitano-SP. J Health Sci Inst. 2012;30(1):7-12. [acesso 2017 Out 10]. Disponível em http://189.2.156.229/comunicacao/publicacoes/ics/edicoes/2012/01_jan-mar/V30_n1_2011_p7-12.pdf

Braoios A, Turatti TF, Meredija LCS, Campos TRS, Denadai FHM. Infecções do trato urinário em pacientes não hospitalizados: etiologia e padrão de resistência aos antimicrobianos. J Bras Patol Med Lab. 2009;45(6):449-56. [acesso 2017 Out 10]. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1676-24442009000600003

Correia C, Costa E, Peres A, Alves M, Pombo G, Estevinho L. Etiologia das infecções do tracto urinário e sua susceptibilidade aos antimicrobianos. Acta Med Port. 2007;20:543-9. [acesso 2017 Out 10]. Disponível em: https://bibliotecadigital.ipb.pt/bitstream/10198/517/1/acta%20medica%20port.pdf

Sacomani CAR, Resplande J, Carvalho M, Dambros M, Simões R, Bernardo WM. Infecção urinária na mulher: Investigação Diagnóstica. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Urologia. [acesso 2017 Out 10]. Disponível em: http://portaldaurologia.org.br/publicacoes/diretrizes/

Lopes HV, Tavares W. Diagnóstico das infecções do trato urinário. Rev Assoc Med Bras. 2005;51(6):306-8. [acesso 2017 Out 10]. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302005000600008

Brasil. Ministério da Saúde. Uso Racional de Medicamentos: temas selecionados. Brasília: Ministério da Saúde; 2012. [acesso 2017 Out 10]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/uso_racional_medicamentos_temas_selecionados.pdf

World Health Organization - WHO. Medicines use in primary care in developing and transitional countries: Fact book summarizing results from studies reported between 1990 and 2006. Geneva: World Health Organization; 2009. [acesso 2017 Out 10]. Disponível: em http://www.who.int/medicines/publications/who_emp_2009.3/en/

Gupta K, Hooton TM, Naber KG, Wullt B, Colgan R, Miller LG, et al. International clinical practice guidelines for the treatment of acute uncomplicated cystitis and pyelonephritis in women: A 2010 update by the Infectious Diseases Society of America and the European Society for Microbiology and Infectious Diseases. Clin Infect Dis. 2011;52(5):e103-20. [acesso 2017 Out 10]. DOI: http://dx.doi.org/10.1093/cid/ciq257

McEwen LN, Farjo R, Foxman B. Antibiotic prescribing for cystitis: how well does it match published guidelines? Ann Epidemiol. 2003;13(6):479-83. [acesso 2017 Out 10]. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/S1047-2797(03)00009-7

Koch CR, Ribeiro JC, Schnor OH, Zimmermann BS, Müller FM, D’ Agostin J, et al. Resistência antimicrobiana dos uropatógenos em pacientes ambulatoriais, 2000-2004. Rev Soc Bras Med Trop. 2008;41(3):277-81. [acesso 2017 Out 10]. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822008000300010

Soares LA, Nishi CYM, Wagner HL. Isolamento das bactérias causadoras de infecções urinárias e seu perfil de resistência aos antimicrobianos. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2006;2(6):84-92. [acesso 2017 Out 10]. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc2(6)29

Kahan E, Kahan NR, Chinitz DP. Urinary tract infection in women-physician’s preferences for treatment and adherence to guidelines: a national drug utilization study in a managed care setting. Eur J Clin Pharmacol. 2003;59(8-9):663-8. [acesso 2017 Out 10]. DOI: http://dx.doi.org/10.1007/s00228-003-0673-4

Borgmann S, Jakobiak T, Gruber H, Schröder H, Sagel U. Ciprofloxacin treatment of urinary infections results in increased resistance of urinary E. coli to ciprofloxacin and co-trimoxazole. Pol J Microbiol. 2009;58(4):371-3. [acesso 2017 Out 10]. Disponível em: http://www.pjm.microbiology.pl/archive/vol5842009371.pdf

Sanchez GV, Master RN, Karlowsky JA, Bordon JM. In vitro antimicrobial resistance of urinary Escherichia coli isolates among U.S. outpatients from 2000 to 2010. Antimicrob Agents Chemother. 2012;56(4):2181-3. [acesso 2017 Out 10]. DOI: http://dx.doi.org/10.1128/AAC.06060-11

Esmerino LA, Gonçalves LG, Schelesky ME. Perfil de sensibilidade antimicrobiana de cepas Escherichia coli isoladas de infecções urinárias comunitárias. Publ UEPG Ciênc Biol Saúde. 2003;9(1):31-9. [acesso 2017 Out 10]. Disponível em: www.revistas2.uepg.br/index.php/biologica/article/download/357/365

Swei Lo D, Ragazzi SLB, Gilio AE, Martinez MB. Infecção urinária em menores de 15 anos: etiologia e perfil de sensibilidade antimicrobiana em hospital geral de pediatria. Rev Paul Pediatr. 2010;28(4):299-303. [acesso 2017 Out 10]. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-05822010000400003

Santana TCFS, Pereira EMM, Monteiro SG, Carmo MS, Turri RJG, Figueiredo PMS. Prevalência e resistência bacteriana aos agentes antimicrobianos de primeira escolha nas infecções do trato urinário no município de São Luís - MA. Rev Patol Trop. 2012;41(4):409-18. [acesso 2017 Out 10]. DOI: http://dx.doi.org/10.5216/rpt.v41i4.21704

Cardoso NS. Avaliação da susceptibilidade de Escherichia coli, isoladas de infecções humanas, aos antimicrobianos usuais [Trabalho de Conclusão de Curso]. Divinópolis: Faculdades Integradas Pitágoras; 2013.

Bitencourt JS, Pavanelli MF. Urinary infection in patients of public health care of Campo Mourão-PR, Brazil: bacterial prevalence and sensitivity profile. J Bras Patol Med Lab. 2014;50(5):346-1. [acesso 2017 Out 10]. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/1676-2444.20140038

Slekovec C, Leroy J, Vernaz-Hegi N, Faller JP, Sekri D, Hoen B, et al. Impact of a region wide antimicrobial stewardship guideline on urinary tract infection prescription patterns. Int J Clin Pharm. 2012;34(2):325-9. [acesso 2017 Out 10]. DOI: http://dx.doi.org/10.1007/s11096-012-9606-6

Prefeitura de Divinópolis. Laboratório amplia exames e reduz espera. 2016. [acesso 2017 Ago 5]. Disponível em: http://www.divinopolis.mg.gov.br/portal/noticias/0/3/3958/Laborat%C3%B3rio-amplia-exames-e-diminui-espera

Clinical and laboratory Standards Institute. Methods for Dilution Antimicrobial Susceptibility Tests for Bacteria That Grow Aerobically; Approved Standard-Ninth Edition. 2012;32 Suppl 2:M07-A9. [acesso 2017 Out 10]. Disponível em: http://clsi.org/

Brasil. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Contagem Populacional. 2010. [acesso 2017 Ago 5]. Disponível em https://cidades.ibge.gov.br/v4/brasil/mg/divinopolis/panorama

Brasil. Diário Oficial da União. Lei Nº 12.871, de 22 de Outubro de 2013. Institui o Programa Mais Médicos, altera as Leis Nº 8.745, de 9 de dezembro de 1993, e nº 6.932, de 7 de julho de 1981, e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União; 2013.

Cunha MA, Assunção GLM, Medeiros IM, Freitas MR. Antibiotic resistance patterns of urinary tract infections in a northeastern Brazilian capital. Rev Inst Med Trop. 2016;58:2. [acesso 2017 Out 10]. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1678-9946201658002

Fasugba O, Gardner A, Mitchell BG, Mnatzaganian G. Ciprofloxacin resistance in community- and hospital-acquired Escherichia coli urinary tract infections: a systematic review and meta-analysis of observational studies. BMC Infect Dis. 2015;15:545. [acesso 2017 Out 10]. DOI: http://dx.doi.org/10.1186/s12879-015-1282-4

Reis ACC, Santos SRS, Souza SC, Saldanha MG, Pitanga TN, Oliveira RR. Ciprofloxacin resistance pattern among bacteria isolated from patients with community-acquired urinary tract infection. Rev Inst Med Trop. 2016;58:53. [acesso 2017 Out 10]. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1678-9946201658053

Rodrigues WF, Miguel CB, Nogueira APO, Ueira-Vieira C, Paulino TP, Soares SC, et al. Antibiotic resistance of bacteria involved in urinary infections in Brazil: a cross-sectional and retrospective study. Int J Environ Res Public Health. 2016;13(9):918. [acesso 2017 Out 10]. DOI: http://dx.doi.org/10.3390/ijerph13090918

Guneysel O, Suman E, Ozturk TC. Trimethoprim-sulfamethoxazole resistance and fosfomycin susceptibility rates in uncomplicated urinary tract infections: time to change the antimicrobial preferences. Acta Clin Croat. 2016;55(1):49-57. [acesso 2017 Out 10]. DOI: http://dx.doi.org/10.20471/acc.2016.55.01.8

Rossignol L, Vaux S, Maugat S, Blake A, Barlier R, Heym B, et al. Incidence of urinary tract infections and antibiotic resistance in the outpatient setting: a cross sectional study. Infection. 2017;45(1):33-40. [acesso 2017 Out 10]. DOI: http://dx.doi.org/10.1007/s15010-016-0910-2

van Hecke O, Wang K, Lee JJ, Roberts NW, Butler CC. The implications of antibiotic resistance for patients’ recovery from common infections in the community: a systematic review and meta-analysis. Clin Infect Dis. 2017;65(3):371-82. [acesso 2017 Out 10]. DOI: http://dx.doi.org/10.1093/cid/cix233

Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia, Sociedade Brasileira de Infectologia, Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, Sociedade Brasileira de Nefrologia, Colégio Brasileiro de Radiologia. Infecção urinária não complicada na mulher: diagnóstico. Rev Assoc Med Bras. 2011;57(3):258-61. [acesso 2017 Out 10]. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-42302011000300004

Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia, Sociedade Brasileira de Infectologia, Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, Sociedade Brasileira de Nefrologia. Diretrizes Clínicas na Saúde Suplementar: Infecção urinária não complicada na mulher: tratamento. 2011 [acesso 2017 Out 10]. Disponível em: http://diretrizes.amb.org.br/ans/infeccao_urinaria_nao-complicada_na_mulher-tratamento.pdf

Publicado
2017-11-17
Como Citar
Ferreira, V. M., Rossiter, L. N. V., Aragão, N. F. F., Pinto, O. A., Santos, P. M., Cardoso, P. H. A., Cerqueira, T. B., Fernandino, D. M., & Rocha, G. M. (2017). Infecções comunitárias do trato urinário em Divinópolis, MG: avaliação do perfil de resistência bacteriana e do manejo clínico. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 12(39), 1-13. https://doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1553
Seção
Artigos de Pesquisa