Reorganização do modelo de atenção às pessoas vivendo com HIV: A experiência do município de Florianópolis/SC

Palavras-chave: Atenção Primária à Saúde, HIV, Médicos de Família

Resumo

Introdução: O Médico de Família e Comunidade tem como função cuidar dos agravos mais comuns em seu território adstrito e coordenar o cuidado dos usuários. A infecção pelo vírus da imunodeficiêcia humana, por ser uma condição comum em várias populações e comunidades, deve ser uma doença de interesse deste profissional. Métodos: Trata-se de estudo descritivo, relato de experiência, vivenciado por preceptor e residente no município de Florianópolis. Resultados: O presente artigo pretende discutir a reorganização do atendimento às pessoas vivendo com o vírus e a importância da atenção primária na aplicação de diferentes abordagens preventivas e na construção da meta 90-90-90. Conclusão: A busca da descentralização no cuidado desta população mostra-se como uma grande potencialidade local para o cumprimento do objetivo de melhorar os indicadores de controle da doença, destacando-se fatores locais como a rede de atenção primária estruturada, a gestão eficiente e a busca da qualificação profissional.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Vitor Menoita Pinto, Escola de Saúde Pública de Florianópolis
Médico de Família e Comunidade
Nuno de Mattos Capeletti, Prefeitura Municipal de Florianópolis
Médico de Família e Comunidade atuando no Centro de Saúde Carianos no município de Florianópolis

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Cuidado integral às pessoas que vivem com HIV pela Atenção Básica - Manual para a equipe multiprofissional. 2015. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. O Manejo da Infecção pelo HIV na Atenção Básica – Manual para Profissionais Médicos. 2015. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Profilaxia Pré-Exposição (PrEP) de Risco à Infecção pelo HIV Versão Preliminar. Brasília: Ministério da Saúde; 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para manejo da infecção pelo HIV em adultos. 2017. Brasília: Ministério da Saúde; 2017.

Messaging Primer & Consensus Statement. Risk of sexual transmission of HIV from a person living with HIV who has an undetectable viral load. 2017.

U=U taking off in 2017. Lancet HIV. 2017;4(11):e475.

UNAIDS. 90-90-90 Uma meta ambiciosa de tratamento para contribuir para o fim da epidemia de AIDS. 2015. [acesso 2017 Nov 29]. Disponível em: https://unaids.org.br/wp-content/uploads/2015/11/2015_11_20_UNAIDS_TRATAMENTO_META_PT_v4_GB.pdf

Zambenedetti G, Silva RAN. Descentralização da atenção em HIV-Aids para a atenção básica: tensões e potencialidades. Physis Rev Saúde Coletiva. 2016;26(3):785-806. https://doi.org/10.1590/s0103-73312016000300005

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. HIV/AIDS na Atenção Básica: Material para Profissionais de Saúde e Gestores. 2017. Brasília: Ministério da Saúde; 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. 5 passos para a implementação do manejo da infecção pelo HIV na Atenção Básica - Manual para gestores. 2014. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade - SBMFC. Currículo Baseado em Competências para Medicina de Família e Comunidade; 2014. [acesso 2017 Dez 10]. Disponível em: https://www.sbmfc.org.br/wp-ontent/uploads/media/Curriculo%20Baseado%20em%20Competencias(1).pdf

Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde; 2002.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Caderno de boas práticas em HIV/AIDS na Atenção Básica. 2014. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Florianópolis. Secretaria Municipal de Saúde. Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico número 3 de Dezembro de 2016. HIV/AIDS em Florianópolis – Cascata 90/90/90. 2017.

Florianópolis. Secretaria Municipal de Saúde. Diretoria de Atenção à Saúde. Apoio Matricial Regulado da Infectologia – Projeto Piloto de Apoio Matricial Regulado da Infectologia. 2017.

Florianópolis. Secretaria Municipal de Saúde. Diretoria de Atenção à Saúde. Critérios de Alta Ambulatorial de PVHA para o – Projeto Piloto de Apoio Matricial Regulado da Infectologia. 2017.

Florianópolis. Secretaria Municipal de Saúde. Diretoria de Atenção à Saúde. Protocolo de Acesso Infectologia. 2017.

Fair A. PACK Brasil Adulto. Kit de Cuidados em Atenção Primária. Ferramenta de manejo clínico em Atenção Primária à Saúde. Cape Town: University of Cape Town Lung Institute’s Knowledge Translation Unit; 2017.

Florianópolis lança campanha para zerar transmissão de HIV [acessado em: 30 dez 2017]. Disponível em http://www.pmf.sc.gov.br/entidades/saude/?pagina=notpagina&menu=&noti=19147

Publicado
2019-03-27
Como Citar
Pinto, V. M., & Capeletti, N. de M. (2019). Reorganização do modelo de atenção às pessoas vivendo com HIV: A experiência do município de Florianópolis/SC. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 14(41), 1710. https://doi.org/10.5712/rbmfc14(41)1710
Seção
Relatos de Experiência