Atributos da Atenção Primária à Saúde e ferramentas de medicina de família no atendimento às diversidades sexual e de gênero: Relato de caso

  • Átila Mourão Lima Universidade do Estado do Rio de Janeiro https://orcid.org/0000-0003-1813-4501
  • Rodrigo Torres do Nascimento Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Carla Moura Cazelli Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Thais Gonçalves Ferrão de Carvalho Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Medicina de Família e Comunidade, Pessoas Transgênero, Minorias Sexuais e de Gênero

Resumo

Objetivo: Este trabalho objetiva apresentar o médico de família e comunidade como um importante profissional na área da saúde da população de lésbicas, gays, bissexuais e transsexuais. Métodos: Relato de caso ilustrando encontro clínico e uso de ferramentas da medicina de família e comunidade. Conclusões: O médico de família consegue elaborar um projeto comum para o manejo dos problemas dessa população, que, além dos de origem biológica, compreende outros fatores que podem provocar adoecimento: o preconceito que atravessam no mero ato de sair à rua, a pressão de familiares descontentes com sua diversidade, sexual ou de gênero, a dificuldade psicológica da pessoa para se livrar dos seus próprios tabus e preconceitos para se permitir aceitar novas identidades

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Átila Mourão Lima, Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Médico de Família e Comunidade pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, preceptor do Programa de Residência da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro.
Rodrigo Torres do Nascimento, Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Professor de Artes Visuais, Especialista em Gênero e Sexualidade e Doutorando em Educação pelo PROPED-UERJ.
Carla Moura Cazelli, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Professora assistente do Departamento de Medicina Integral, de Família e Comunidade, Médica titulada MFC SBMF, Mestre em ciências de saúde pública da Ensp Sergio Arouca Fiocruz

Thais Gonçalves Ferrão de Carvalho, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Médica de Família e Comunidade do Hospital Universitário Pedro Ernesto, Preceptora do Programa de Residência Médica do Hospital Universitário Pedro Ernesto no CMS Heitor Beltrão.

Referências

Nogueira MI, Guedes CR. Da graduação biomédica à Medicina de Família: aprendendo a se tornar um “médico da pessoa”. Physis. 2013; 23(2):439-60. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-73312013000200007

Gusso G, Lopes JMC. Tratado de Medicina de Família e Comunidade: Princípios, Formação e Prática. Porto Alegre: Artmed; 2012.

Freeman TR. Manual de medicina de família e comunidade de McWhinney. 4a ed. Porto Alegre: Artmed; 2018.

Heck JE, Sell RL, Gorin SS. Health care access among individuals involved in same-sex relationships. Am J Public Health. 2006; 96(6):1111-8. DOI: https://doi.org/10.2105/AJPH.2005.062661

Cochran SD, Mays VM, Bowen D, Gage S, Bybee D, Roberts SJ, et al. Cancer-related risk indicators and preventive screening behaviors among lesbians and bisexual women. Am J Public Health. 2001;91(4):591-7. DOI: https://doi.org/10.2105/AJPH.91.4.591

Marrazzo JM, Koutsky LA, Kiviat NB, Kuypers JM, Stine K. Papanicolaou test screening and prevalence of genital human papillomavirus among women who have sex with women. Am J Public Health. 2001;91(6):947-52. DOI: https://doi.org/10.2105/AJPH.91.6.947

Kass NE, Faden RR, Fox R, Dudley J. Homosexual and bisexual men’s perceptions of discrimination in health services. Am J Public Health. 1992;82(9):1277-9. DOI: https://doi.org/10.2105/AJPH.82.9.1277

Fitzpatrick R, Dawson J, Boulton M, McLean J, Hart G, Brookes M. Perceptions of general practice among homosexual men. Br J Gen Practice. 1994;44(379):80-2.

Kerr LR, Mota RS, Kendall C, Pinho Ade A, Mello MB, Guimarães MD, et al.; HIVMSM Surveillance Group. HIV among MSM in a large middle-income country. AIDS. 2013;27(3):427-35. DOI: https://doi.org/10.1097/QAD.0b013e32835ad504

Gruskin EP, Hart S, Gordon N, Ackerson L. Patterns of cigarette smoking and alcohol use among lesbians and bisexual women enrolled in a large health maintenance organization. Am J Public Health. 2001; 91(6):976-9. DOI: https://doi.org/10.2105/AJPH.91.6.976

Teixeira-Filho FS, Rondini CA. Ideações e tentativas de suicídio em adolescentes com práticas sexuais hetero e homoeróticas. Saude Soc. 2012; 21(3):651-67. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-12902012000300011

Transgender Europe’s Trans Murder Monitoring. Trans Murder Monitoring Absolute Numbers. Berlin: Trans Respect [Internet]. 2017; [acesso 2019 Jan 16]. Disponível em: https://transrespect.org/en/tmm-update-trans-day-remembrance-2017/

Mott L. Homo-afetividade e direitos humanos. Rev. Estud Fem 2006;14(2):509-21. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2006000200011

Goffman E. Estigma: Notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4a ed. Rio de Janeiro: LTC; 1981.

Kerr L. Comportamento, atitudes, práticas e prevalência de HIV e sífilis entre homens que fazem sexo com homens (HSH) em 10 cidades brasileiras. Brasília: Ministério da Saúde/Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais; 2009.

Heilborn ML. Ser ou estar homossexual: dilemas de construção da identidade social. In: Barbosa RM, Parker R, orgs. Sexualidades brasileiras. Rio de Janeiro: Relume-Dumará; 1996. p. 136-45.

Costa AHC. Homens que fazem Sexo com Homens (HSH): Uma categoria, muitos significados. In: Anais do 25º Simpósio Nacional de História; 2009 Jul 12-17; Fortaleza, CE, Brasil. Fortaleza: Associação Nacional de História.

Brito AM, Castilo EA, Szwarcwald CL. AIDS e infecção pelo HIV no Brasil: uma epidemia multifacetada. Rev Soc Bras Med Trop. 2001;34(2):207-17. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822001000200010

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais. 1ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2013. [acesso 2019 Jan 16]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_saude_lesbicas_gays.pdf

Lionço T. Atenção integral à saúde e diversidade sexual no Processo Transexualizador do SUS: avanços, impasses, desafios. Physis. 2009;19(1):43-63. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312009000100004

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção a Saúde. Portaria Nº 457, de 19 de agosto de 2008. Brasília: Ministério da Saúde; 2008. [acesso 2017 Nov 27]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/sas/2008/prt0457_19_08_2008.html

Brasil. Ministério da Saúde. Ministério da Saúde habilita novos serviços ambulatoriais para processo transexualizador. Brasília: Ministério da Saúde; 2017. [acesso 2017 Jul 17]. Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/27125-ministerio-da-saude-habilita-novos-servicos-ambulatoriais-para-processo-transexualizador

Publicado
2019-08-15
Como Citar
Lima, Átila M., do Nascimento, R. T., Cazelli, C. M., & de Carvalho, T. G. F. (2019). Atributos da Atenção Primária à Saúde e ferramentas de medicina de família no atendimento às diversidades sexual e de gênero: Relato de caso. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 14(41), 1785. https://doi.org/10.5712/rbmfc14(41)1785
Seção
Especial Diversidade e Direitos Humanos na APS