O Acesso das Pessoas Transexuais e Travestis à Atenção Primária à Saúde: uma revisão integrativa

Lourenço Barros de Carvalho Pereira, Ana Cláudia Santos Chazan

Resumo


Introdução: Travestis, transexuais e transgêneros (trans) fazem parte das minorias sexuais. São vítimas de estigmatização, discriminação e violência desde a infância, o que os leva muitas vezes à marginalização. Posto isso, se faz necessário políticas públicas que lhes forneçam condições para o exercício da cidadania. O presente trabalho apresenta os resultados de uma revisão integrativa sobre o acesso das pessoas trans aos serviços de saúde da atenção básica. Métodos: Coleta de dados realizada em dezembro de 2017 nas plataformas MEDLINE, SciELO e LILACS, utilizando os descritores em associação: transexual, transgênero ou travesti, acesso e atenção primária, atenção básica ou saúde. Os estudos deveriam ser publicados a partir de 2007 e estarem disponíveis gratuitamente. Resultados: Dos 578 estudos encontrados (incluídos as repetições) foram selecionados 6, provenientes do Brasil, EUA e África do Sul. Cinco com metodologia qualitativa e uma revisão sistemática. O acesso à Atenção Primária à Saúde (APS) por parte da população trans encontra barreiras multidimensionais. Há entraves políticos, socioeconômicos, organizacionais, técnicos e simbólicos, porém as barreiras técnicas são as mais impactantes ao acesso. Conclusão: Para que haja um acesso equitativo, livre de preconceitos e de discriminação, e cuidado pautados na empatia e compaixão, faz-se necessário incluir a temática diversidade sexual e de gênero na formação dos profissionais de saúde na graduação, na pós-graduação e, principalmente, na educação permanente daqueles implicados aos cuidados das pessoas trans. A APS, ao fazer valer seus atributos, mostra-se como o cenário ideal para o cuidado longitudinal destas pessoas.



Palavras-chave


Acesso aos Serviços de Saúde; Atenção Primária à Saúde; Pessoas Transgênero; Medicina de Família e Comunidade

Texto completo:

PDF/A

Referências


TvT Research Project. Trans Murder Monitoring. Transrespect versus Transphobia Worldwide (TvT) project website; 2016 [acesso 2017 Set 8]. Disponível em: www.transrespect.org/en/research/ trans-murder-monitoring/

Priberam. Priberam Informática; 2017 [acesso 2017 Set 8]. Disponível em: http://www.priberam.pt/

Romano VF. As Travestis no Programa Saúde da Família da Lapa. Saúde Soc. 2008;17(2):211-9.

Benendetti MR. Toda feita: o corpo e o gênero das travestis. Rio de Janeiro: Garamond; 2005.

Abreu de Jesus WLA, Assis MMA. Revisão sistemática sobre o conceito de acesso nos serviços de saúde: contribuições do planejamento. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(1):161-70. https://doi.org/10.1590/S1413-81232010000100022

Broeiro P. Justiça social e lei dos cuidados inversos. Rev Port Med Geral Fam. 2016;32(3):167-9.

Giovanella L, Fleury S. Universalidade da Atenção à Saúde: acesso como categoria de análise. In: Eibenschutz C, org. Política de Saúde: o público e o privado. Rio de Janeiro: Fiocruz; 1995. p. 177-98.

Brasil. Presidência da República/Casa Civil/Subchefia para assuntos jurídicos. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: Presidência da República; 1988.

Brasil. Presidência da República. Lei 8080/90 | Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília: Presidência da República; 1990.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Transexualidade e Travestilidade na Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2015. 194 p.

Popadiuk GS, Oliveira DC, Signorelli MC. A Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros (LGBT) e o acesso ao Processo Transexualizador no Sistema Único de Saúde (SUS): avanços e desafios. Ciênc Saúde Coletiva. 2017;22(5):1509-20. https://doi.org/10.1590/1413-81232017225.32782016

Travassos C, Martins M. Uma revisão sobre os conceitos de acesso e utilização de serviços de saúde. Cad Saúde Pública. 2004;20(Suppl 2):S190-S198.

Souza MT, Silva MD, Carvalho R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein. 2010;8(1 Pt 1):102-6.

Ganong LH. Integrative reviews of nursing research. Res Nurs Health. 1987;10(1):1-11. https://doi.org/10.1002/nur.4770100103

Critical Appraisal Skills Programme (CASP) [acesso 2017 Dez 28]. Disponível em: www.casp-uk.net/casp-tools-checklists

Rodrigues LBB, Silva PCS, Peruhype RC, Palha PF, Popolin MC, Crispim JA, et al. A atenção primária à saúde na coordenação das redes de atenção: uma revisão integrativa. Ciênc Saúde Coletiva. 2014; 19(2): 343-52. https://doi.org/10.1590/1413-81232014192.18032012

Newman-Valentine D, Duma S. Injustice to transsexual women in a hetero-normative healthcare system. Afr J Prim Health Care Fam Med. 2014;6(1):a574. https://doi.org/10.4102/phcfm.v6i1.574

Muller MI, Knauth DR. Desigualdades no SUS: o caso de atendimento às travestis é ‘babado’! Cad EBAPE.BR. 2008;6(2):1-14.

Rocon PC, Sodré F, Zamboni J, Rodrigues A, Roseiro MCFB. O que esperam pessoas trans do Sistema Único de Saúde? Interface (Botucatu). 2018;22(64):43-53.

Freire EC, Araujo FCA, Souza AC, Marques D. A clínica em movimento na saúde de TTTS: caminho para materialização do SUS entre travestis, transexuais e transgêneros. Saúde Debate. 2013;37(98):477-84. https://doi.org/10.1590/S0103-11042013000300011

Dietz E, Halem J. How Should Physicians Refer When Referral Options Are Limited for Transgender Patients? AMA J Ethics. 2016;18(11):1070-8.

Whitehead J, Shaver J, Stephenson R. Outness, Stigma, and Primary Health Care Utilization among Rural LGBT Populations. PLoS One. 2016; 11(1):e0146139. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0146139

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Starfield B. Atenção Primária: Equilíbrio Entre Necessidades de Saúde, Serviços e Tecnologia. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde; 2002.

Assis MMA, Jesus WLA. Acesso aos serviços de saúde: abordagens, conceitos, políticas e modelos de análise. Ciênc Saúde Coletiva. 2012; 17(11):2865-75. https://doi.org/10.1590/S1413-81232012001100002

Unglert CVS. O enfoque da acessibilidade no planejamento da localização e dimensão de serviços de saúde. Rev Saúde Pública. 1990; 24(6):445-52. https://doi.org/10.1590/S0034-89101990000600002

Silva NN, Pedroso GC, Puccini RF, Furlani WJ. Desigualdades sociais e uso de serviços de saúde: evidências de análise estratificada. Rev Saúde Pública. 2000;34(1):44-9. https://doi.org/10.1590/S0034-89102000000100009

Coordenadoria de Controle de Doenças, Centro de Referência e Treinamento – Dst/Aids (SP/BR). Portaria CCD/CRT- nº a-1, de 27 de janeiro de 2010. Cria o protocolo clínico nos ambulatórios de saúde para travestis e transexuais. Diário Oficial do Estado; Poder Executivo, São Paulo, SP, 28 jan. 2010. Seção I. São Paulo: Diário Oficial. p. 33.

Arán M, Murta D, Lionço T. Transexualidade e Saúde Pública no Brasil. Ciênc. Saúde Coletiva. 2009;14(4):1141-9.

Silva SM, Spiassi AL, Alves DC, Guedes DJ, Leigo RO. Redução de danos: estratégia de cuidado com populações vulneráveis na cidade de Santo André - SP. Saúde Soc. 2009;18(Suppl 2):100-3.

Neer AF. Obstáculos y facilitadores para garantizar el derecho a la salud integral trans en el Gran Buenos Aires y La Plata. Rev Argent Salud Pública. 2016;7(29):26-30.

Parker R, Aggleton P, orgs. Cidadania e Direitos, Nº 1: Estigma, Discriminação e AIDS. Rio de Janeiro: Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS – ABIA; 2001.

Reisner SL, Bradford J, Hopwood R, Gonzalez A, Makadon H, Todisco D, et al. Comprehensive transgender healthcare: the gender affirming clinical and public health model of Fenway Health. J Urban Health. 2015;92(3):584-92. https://doi.org/10.1007/s11524-015-9947-2

Brasil. Ministério da Saúde. Carta dos direitos dos usuários da saúde. 2ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2007. 9 p.

Deutsch MB, ed.; Center of Excellence for Transgender Health. Guidelines for the Primary and Gender-Affirming Care of Transgender and Gender Nonbinary People. 2nd ed. San Francisco; University of California; 2016.

Lewis EB, Vincent B, Bret A, Gibson S, Walsh RJ. What Your Patient Is Thinking - I am your trans patient. BMJ. 2017;357:j2963. https://doi.org/10.1136/bmj.j2963

Pennington J, Knight T. Through the lens of hetero-normative assumptions: re-thinking attitudes towards gay parenting. Cult Health Sex. 2011;13(1):59-72. http://dx.doi.org/10.1080/13691058.2010.519049

Projeto de Lei 5002/2013. Lei João Nery, Lei da identidade de Gênero. Dispõe sobre o direito à identidade de gênero e altera o artigo 58 da Lei 6.015 de 1973. Brasília: Câmara dos Deputados; 2013.

Nery JW. Viagem Solitária: memórias de um transexual 30 anos depois. São Paulo: LeYa Brasil; 2011.




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc14(41)1795

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Lourenço Barros de Carvalho Pereira, Ana Cláudia Santos Chazan

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia