Análise do desempenho das Residências Médicas de Medicina de Família e Comunidade e Multiprofissional em Saúde da Família segundo os indicadores do PMAQ-AB das equipes da Atenção Primária

Dulce Pimenta Gonçalves, Maria Clara Lélis Ramos Cardoso, Thatiane Lais Santos Silva, Tatiana Almeida de Magalhães, Alisson Araújo

Resumo


Introdução: A Residência Médica de Medicina de Família e Comunidade e a residência Multiprofissional em Saúde da Família contribuem, para além do aprendizado, à qualidade do atendimento à comunidade, e a avaliação desse processo mantém a qualidade do serviço, sendo os indicadores instrumentos que permitem planejamentos em saúde. Objetivo: Avaliar o desempenho da Residência Médica de Medicina de Família e Comunidade e residência Multiprofissional em Saúde da Família da Atenção Básica pelo monitoramento dos indicadores de qualidade do PMAQ-AB. Métodos: Realizou-se estudo transversal com análise da série histórica de dados secundários do PMAQ-AB (2011 a 2013) referentes aos indicadores do 1º e 2º ciclo das equipes com residentes e ou egressos da residência da Atenção Básica. Realizou-se análise descritiva, com frequência absoluta e relativa, e média e desvio padrão dos dados. Resultados: 38,6% das equipes no 1º ciclo e 34,66% do 2º ciclo apresentavam egressos da residência. Atendimentos de pré-natal média de 8,75 (±2,24), gestantes com pré-natal em dia, média de 91,43% (±8,91). Crianças menores de quatro meses com aleitamento exclusivo, 82,51% (±13,17) e 93,91% (±6,59) de crianças menores de um ano com vacina em dia. Pessoas com diabetes 60,27% (±16,28) e hipertensão 61,31% (±12,04). Consultas médicas por cuidado continuado/programado com média de 26,00% (±22,22). Satisfação do usuário 100% com desempenho mediano ou acima da média. Conclusão: O estudo evidenciou predominância de avaliação positiva das equipes avaliadas acerca dos indicadores da saúde da mulher, criança, produção geral e avaliação externa, porém alcançou baixo desempenho no indicador de doenças crônicas.


Palavras-chave


Indicadores Básicos de Saúde; Internato e Residência; Avaliação dos Serviços de Saúde; Avaliação de Desempenho Profissional

Texto completo:

PDF/A

Referências


Ferraz F. Educação Permanente/Continuada no Trabalho: um direito e uma necessidade para o desenvolvimento pessoal, profissional e institucional [dissertação]. Florianopólis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2005.

Haddad MCFL. A residência de enfermagem na formação profissional. Ciênc Cuid Saúde. 2012;11(2):223-5.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; 2010 [acesso 2017 Ago]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/

Ceccim RB. Educação Permanente em Saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface Comun Saúde Educ. 2005;9(16):161-77. https://doi.org/10.1590/S1414-32832005000100013

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual instrutivo para as equipes de atenção básica e NASF. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Andrade LOM, Barreto ICHC, Bezerra RC. Atenção Primária à Saúde e estratégia saúde da família. In: Campos GWS, Minayo MCS, Akerman M, Drumond Júnior M, Carvalho YM, orgs. Tratado de Saúde Coletiva. São Paulo. Hucitec; 2006. p. 783-836.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade na Atenção Básica (PMAQ): Material instrutivo. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Starfield B. Atenção Primária: Equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: Unesco, Ministério da Saúde; 2002.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Melhoria Contínua da Qualidade na Atenção Primária à Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Yamamoto TS, Machado MTC, Silva Júnior AG. Educação permanente em saúde como prática avaliativa amistosa à integralidade em Teresópolis, Rio de Janeiro. Trab Educ Saúde. 2015;13(3):617-38. https://doi.org/10.1590/1981-7746-sip00058

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ): Manual Instrutivo. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

Cavalcanti PCS, Oliveira Neto AV, Sousa MF. Quais são os desafios para a qualificação da Atenção Básica na visão dos gestores municipais? Saúde Debate. 2015;39(105):323-36.

Portela LR, Dias, MAS, Vasconcelos MIO. Programa Nacional da Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica: análise da Autoavaliação em Sobral, Ceará. Sanare (Sobral, Online). 2013; 12(1): 40-5.

França T. Sistema de Informação em Atenção Básica: um estudo exploratório [dissertação]. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública; 2001.

Paschoal AS, Mantovani de Fátima M, Meier MJ. Percepção da educação permanente, continuada e em serviço para enfermeiros de um hospital de ensino. Rev Esc Enferm USP. 2007;41(3):478-84. https://doi.org/10.1590/S0080-62342007000300019

Montes Claros. Prefeitura de Montes Claros. Secretaria Municipal de Saúde. Relatório de Gestão. Montes Claros; 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. AMAQ: autoavaliação para melhoria do acesso e da qualidade. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2013.

Seidl H, Vieira SP, Fausto MCR, Lima RCD, Gagno J. Gestão do trabalho na Atenção Básica em Saúde: uma análise a partir da perspectiva das equipes participantes do PMAQ-AB. Saúde Debate. 2014; 38(n. esp): 94-108.

Tomasi E, Fernandes PAA, Fischer T, Siqueira FCV, Silveira DS, Thumé E, et al. Qualidade da atenção pré-natal na rede básica de saúde do Brasil: indicadores e desigualdades sociais. Cad Saúde Pública. 2017; 33(3): e00195815.

Viellas EF, Domingues RMSM, Dias MAB, Gama SGN, Theme Filha MM, Costa JV, et al. Assistência pré-natal no Brasil. Cad Saúde Pública. 2014; 30(Suppl 1):S85-S100.

Alves CR, Andrade MC, Santos CLS. Longitudinalidade e formação profissional: fundamentos para o desempenho das equipes de saúde da família. Saúde Debate. 2016;40(111):268-78. https://doi.org/10.1590/0103-1104201611121

Machado GAB. Organização do processo de trabalho vivenciada pelas Equipes de Saúde da Família do município de São Sebastião do Paraíso/MG, a partir da adesão ao Programa de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ - AB) [Monografia]. Formiga: Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Medicina, Núcleo de Educação em Saúde Coletiva; 2013. 44 f.

Sasieni P, Castanon A, Cuzick J. Screening and adenocarcinoma of the cervix. Int J Cancer. 2009;125(3):525-9. https://doi.org/10.1002/ijc.24410

Leão CDA, Caldeira AP, de Oliveira MMC. Atributos da atenção primária na assistência à saúde da criança: avaliação dos cuidadores. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2011;11(3):323-34. https://doi.org/10.1590/S1519-38292011000300013

Harzheim E. Evaluación de la atención a la salud infantil de Programa Saúde da Familia em la región sur de Porto Alegre, Brasil [Tese]. Alicante: Universidad de Alicante, Departamento de Salud Pública; 2004.

Ribeiro L da CC, Rocha RL, Ramos-Jorge ML. Acolhimento às crianças na atenção primária à saúde: um estudo sobre a postura dos profissionais das equipes de saúde da família. Cad Saúde Pública. 2010; 26(12): 2316-22. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2010001200010

Araújo JP, Silva RMM, Collet N, Neves ET, Toso BRGO, Vieira CS. História da saúde da criança: conquistas, políticas e perspectivas. Rev Bras Enferm. 2014;67(6):1000-7. https://doi.org/10.1590/0034-7167.2014670620

Barbosa MR. Análise do 1º ciclo do programa nacional de melhoria do acesso e da qualidade na atenção básica (PMAQ-AB) em um município de médio porte [dissertação]. Juiz de Fora: Universidade Federal de Juiz de Fora, Faculdade de Medicina; 2014.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Regulação, Avaliação e Controle de Sistemas. Diretrizes para a Programação Pactuada e Integrada da Assistência à Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Machado LE, Campos R. O impacto da diabetes melito e da hipertensão arterial para a saúde pública. Rev Saúde Meio Ambiente. 2014; 3(2):53-61.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Parâmetro para programação das ações básicas de saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2001.

Moreira KS, Lima CA, Vieira MA, Costa SM. Educação permanente e qualificação profissional para atenção básica. Saúde Pesqui. 2017; 10(1): 101-9.

Pinto HA, Ferla AA, Ceccim RB, Florêncio AR, Barbosa MG, Stédile NLR, et al. Atenção Básica e Educação Permanente em Saúde: cenário apontado pelo Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB). Divulg Saúde Debate. 2014;51:145-60.

Cardoso AVL, Chain APN, Mendes RIP, Ferreira e Ferreira E, Vargas AMD, Martins AMEBL, et al. Assessment of the management of the Family Health Strategy via the tool Assessment for Quality Improvement in municipalities of Minas Gerais, Brazil. Ciênc Saúde Coletiva. 2015; 20(4): 1267-84. https://doi.org/10.1590/1413-81232015204.01832014

Gonçalves CR, Cruz MT, Oliveira MP, Morais AJD, Moreira KS, Rodrigues CAQ, et al. Recursos humanos: fator crítico para as redes de atenção à saúde. Saúde Debate. 2014;38(100):26-34.

Protasio APL, Gomes LB, Machado LS, Valença AMG. Satisfação do usuário da Atenção Básica em Saúde por regiões do Brasil: 1º ciclo de avaliação externa do PMAQ-AB. Ciênc Saúde Coletiva. 2017; 22(6): 1829-44. https://doi.org/10.1590/1413-81232017226.26472015




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc14(41)1879

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia