Teledermatologia: uma interface entre a atenção primária e atenção especializada em Florianópolis

Iago Gonçalves Ferreira, Dannielle Fernandes Godoi, Elaine Regina Perugini, André de Bastiani Lancini, Ronaldo Zonta

Resumo


Introdução: A aplicação do telediagnóstico em dermatologia pode apresentar diversos benefícios como a redução do tempo de espera para consultas com especialistas focais, triagem de doenças graves - principalmente neoplasias - e educação permanente de profissionais. Objetivo: Relatar a experiência da implantação do serviço de teledermatologia no município de Florianópolis - Santa Catarina - e o impacto inicial do processo no acesso e qualificação da assistência aos pacientes com afecções dermatológicas. Métodos: Estudo observacional, transversal e descritivo. Foram utilizados dados do sistema de prontuário eletrônico municipal, base de dados da plataforma Telessaúde-SC e documentos públicos institucionais da Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis entre os anos de 2013 e 2017. Resultados: O serviço de teledermatologia foi implementado no município de Florianópolis em 2015, por meio da adesão ao Sistema Integrado Catarinense de Telemedicina e Telessaúde. O processo de adequação ocorreu por meio da aquisição de equipamentos, adaptações na infraestrutura e capacitações de servidores. No período analisado, verificou-se redução de 52,6% na taxa de encaminhamentos para dermatologia, com expressiva diminuição no tempo de espera para consulta de cerca de 3 anos, em 2013 e 2014, para 20 dias em 2017. Nota-se tendência à qualificação dos encaminhamentos ao serviço, com redução nos laudos emitidos com classificação azul, manejados na APS, e aumento de laudos com classificação amarela, referenciados para dermatologia. Conclusão: A implantação da teledermatologia em Florianópolis representou um grande avanço para o processo de integração entre a Atenção Primária à Saúde e Atenção Especializada, contribuindo para a redução nas filas de espera e na qualificação dos encaminhamentos, com potencial para o aprimoramento da coordenação do cuidado e educação continuada dos profissionais.


Palavras-chave


Telemedicina; Dermatologia; Atenção Primária à Saúde; Atenção Secundária à Saúde; Medicina de Família e Comunidade

Texto completo:

PDF/A

Referências


World Health Organization. Telemedicine: opportunities and developments in member states. Report on the second global survey on eHealth. Geneva: World Health Organization; 2010.

Almino MAFB, Rodrigues SR, Barros KSB, Fonteles AS, Alencar LBL, Lima LLD, et al. Telemedicina: um instrumento de educação e promoção da saúde pediátrica. Rev Bras Educ Med. 2014;38(3):397-402. https://doi.org/10.1590/S0100-55022014000300015

Piropo TGN, Amaral HOS. Telessaúde, contextos e implicações no cenário baiano. Saúde Debate. 2015;39(104):279-87. https://doi.org/10.1590/0103-110420151040413

Soirefmann M, Blom MB, Leopoldo LR, Cestari TF. Telemedicina: uma revisão da literatura. Rev HCPA. 2008;28(2):116-9.

Rezende EJC, Melo MCB, Tavares EC, Santos AF, Souza C. Ética e telessaúde: reflexões para uma prática segura. Rev Panam Salud Publica. 2010;28(1):58-65. https://doi.org/10.1590/S1020-49892010000700009

Coates SJ, Kvedar J, Granstein RD. Teledermatology: from historical perspective to emerging techniques of the modern era: part I: History, rationale, and current practice. J Am Acad Dermatol. 2015;72(4):563-74. https://doi.org/10.1016/j.jaad.2014.07.061

Tensen E, van der Heijden JP, Jaspers MW, Witkamp L. Two Decades of Teledermatology: Current Status and Integration in National Healthcare Systems. Curr Dermatol Rep. 2016;5:96-104. https://doi.org/10.1007/s13671-016-0136-7

Brasil. Conselho Federal de Medicina [Internet]. Resolução nº 2.227 de 13 de dezembro de 2018. Dispõe sobre a telemedicina como forma de prestação de serviços médicos mediados por tecnologias [Acesso 2019 Fev 5]. Disponível em: http://www.portal.cfm.org.br/images/PDF/resolucao222718.pdf

Brasil. Conselho Federal de Medicina [Internet]. Nota informativa. Conselheiros do CFM revogam a Resolução nº 2.227/2018, que trata da Telemedicina. [Acesso 2019 Fev 24]. Disponível em: https://portal.cfm.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=28096:2019-02-22-15-13-20&catid=3

Nunes AA, Bava MCGC, Cardoso CL, Mello LM, Trawitzki LVV, Watanabe MGC, et al. Telemedicina na Estratégia de Saúde da Família: avaliando sua aplicabilidade no contexto do PET Saúde. Cad Saúde Coletiva. 2016;24(1):99-104. https://doi.org/10.1590/1414-462X201600010187

Gomes TM, Moura ATMS, Aguiar AC. Dermatologia na atenção primária: um desafio para a formação e prática médica. Rev Bras Educ Med. 2012;36(1):125-8. https://doi.org/10.1590/S0100-55022012000100017

Brasil. Ministério da Saúde. Manual de Telessaúde para Atenção Básica / Atenção Primária à Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

Mariani AW, Pêgo-Fernandes PM. Telemedicine: a technological revolution. Sao Paulo Med J. 2012;130(5):277-8. https://doi.org/10.1590/S1516-31802012000500001

Miot AH, Paixão MP, Wen CL. Teledermatologia: Passado, presente e futuro. An Bras Dermatol. 2005;80(5):523-32. https://doi.org/10.1590/S0365-05962005000600011

Lee JJ, English JC 3rd. Teledermatology: A Review and Update. Am J Clin Dermatol. 2018;19(2):253-60. https://doi.org/10.1007/s40257-017-0317-6

Whited JD. Teledermatology. Med Clin North Am. 2015;99(6):1365-79. https://doi.org/10.1016/j.mcna.2015.07.005

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [Internet]. Cidades e Estados - Florianópolis. Rio de Janeiro: IBGE; 2018. [Acesso 2019 Fev 24]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/sc/florianopolis.html

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica [Internet]. Nota técnica - Informações sobre as ações e programas do Departamento de Atenção Básica – Florianópolis - SC. Brasília: Ministério da Saúde; 2019 [Acesso 2019 Fev 24]. Disponível em: http://dab2.saude.gov.br/sistemas/notatecnica/frmListaMunic.php

von Wangenheim A, Nunes DH. Direct Impact on Costs of the Teledermatology-Centered Patient Triage in the State of Santa Catarina. Florianópolis: Instituto Nacional para Convergência Digital - Universidade Federal de Santa Catarina; 2018. p. 9-13.

Spedo SM, Pinto NRS, Tanaka OY. O difícil acesso a serviços de média complexidade do SUS: o caso da cidade de São Paulo, Brasil. Physis. 2010;20(3):953-72. https://doi.org/10.1590/S0103-73312010000300014

Stevenson P, Finnane AR, Soyer HP. Teledermatology and clinical photography: safeguarding patient privacy and mitigating medico-legal risk. Med J Aust. 2016;204(5):198-200e1. https://doi.org/10.5694/mja15.00996

Silva CS, Souza MB, Duque IA, Medeiros LM, Melo NR, Araújo CA, et al. Teledermatologia: correlação diagnóstica em serviço primário de saúde. An Bras Dermatol. 2009;84(5):489-93. https://doi.org/10.1590/S0365-05962009000500007

Tandjung R, Badertscher N, Kleiner N, Wensing M, Rosemann T, Braun RP, et al. Feasibility and diagnostic accuracy of teledermatology in Swiss primary care: process analysis of a randomized controlled trial. J Eval Clin Pract. 2015;21(2):326-31. https://doi.org/10.1111/jep.12323

Yarak S, Ruiz EES, Pisa IT. A Teledermatologia na Prática Médica. Rev Bras Educ Med. 2017;41(2):346-55. https://doi.org/10.1590/1981-52712015v41n2rb20160042

Fogel AL, Sarin KY. A survey of direct-to-consumer teledermatology services available to US patients: explosive growth, opportunities and controversy. J Telemed Telecare. 2017;23(1):19-25. https://doi.org/10.1177/1357633X15624044




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc14(41)2003

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Iago Gonçalves Ferreira, Dannielle Fernandes Godoi, Elaine Regina Perugini, Ronaldo Zonta, André de Bastiani Lancini

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia