Práticas integrativas e complementares na residência em Medicina de Família e Comunidade

um relato de experiência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2087

Palavras-chave:

Medicina de Família e Comunidade, Internato e Residência, Atenção Primária à Saúde

Resumo

Problema: Ao utilizar as práticas integrativas e complementares (PICs), em seu processo de trabalho, o profissional de saúde tem outras ferramentas que podem ajudar a responder e explicar de forma rápida e menos iatrogênica os sintomas não explicáveis para a biomedicina. Entretanto, o ensino destas práticas nos Programas de Residência Médica em Medicina de Família e Comunidade tem sido difusa e escassa. Métodos: Trata-se de um relato de experiência de uma equipe de Saúde da Família, na periferia de uma capital do Nordeste/Brasil, que utilizou a auriculoterapia nos usuários acompanhados entre os meses de agosto a dezembro de 2016. Resultados: A oferta da auriculoterapia traz vários aprendizados e desafios. O processo iniciado com apoio da RMFC evidenciou, o que já se observava em outros espaços, grande aceitação da população, fruto também, da demanda reprimida por outras formas de cuidado. Percebeu-se grande acolhimento de profissionais e usuários que, superando preconceitos, viram a oportunidade de ampliar sua caixa de ferramentas no cuidado ao usuário e a si mesmo. Como limites para a oferta da auriculoterapia na USF, destacamos: falta de espaços adequados, materiais insuficientes para as sessões, baixo investimento da gestão local em educação permanente para trabalhadores em PICs. Conclusão: Acredita-se que as PICs vêm contribuindo para a qualificação e ampliação do cuidado no PRMFC, sobretudo, nos serviços de Atenção Básica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Vanessa de Oliveira Bezerra, Universidade Federal da Paraíba

Centro de Ciências Médicas. Residência em Medicina de Família e Comunidade.

Ricardo Andre Medeiros Negreiros, Universidade Federal da Paraíba

Centro de Ciências Médicas.

Maria do Socorro Trindade Morais, Universidade Federal da Paraíba

Departamento de Promoção de Saúde. Graduação em Enfermagem, Especialização em Saúde da Família, Mestrado em Enfermagem, e Doutorado em Educação, todos pela Universidade Federal da Paraiba (UFPB).

Referências

(1) Barros NF, Spadacio C, Costa MV. Trabalho interprofissional e as práticas integrativas e complementares no contexto da atenção primária à saúde: potenciais e desafios. Saúde Debate. 2018 Set;42(spe1):163-73. DOI: http://doi.org/10.1590/0103-11042018s111 DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042018s111

(2) Faqueti A, Tesser AD. Utilização de medicinas alternativas e complementares na atenção primária à saúde de Florianópolis/SC, Brasil: percepções de usuários. Ciênc Saúde Coletiva. 2018 Ago;23(8):1-10. DOI: http://doi.org/10.1590/1413-81232018238.22012016 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232018238.22012016

(3) Losso LN, Freitas SFT. Avaliação do grau da implantação das práticas integrativas e complementares na Atenção Básica em Santa Catarina, Brasil. Saúde Debate. 2017 Set;41(spe3):171-87. DOI: http://doi.org/10.1590/0103-11042017s313 DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042017s313

(4) Azevedo E, Pelicioni MCF. Práticas integrativas e complementares de desafios para a educação. Trab Educ Saúde. 2011 Nov;9(3):1-10. DOI: http://doi.org/10.1590/S1981-77462011000300002 DOI: https://doi.org/10.1590/S1981-77462011000300002

(5) Souza MP. Tratado de auriculoterapia. Brasília: LR Artes Gráfica e Editora Ltda.; 2013; [acesso em 2019 Abril 15]. Disponível em: https://pt.scribd.com/document/388085558/Tratado-de-Auriculoterapia-Prof-Marcelo-Pereira-de-Souza

(6) Soares RS, Oliveira FP, Melo Neto AJ, Barreto DS, Carvalho ALB, Sampaio J, et al. Residência em medicina de família e comunidade: construindo redes de aprendizagens no SUS. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2018;13(40):1-8. DOI: http://doi.org/10.5712/rbmfc13(40)1629 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc13(40)1629

(7) Gusso G, Lopes JMC. Tratado de Medicina de Família e Comunidade: princípios, formação e prática. Porto Alegre: Artmed; 2012.

(8) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Coordenação geral de áreas técnicas/DAB/SAS. Formação em auriculoterapia para profissionais de saúde da atenção básica [Internet]. Florianópolis (SC): UFSC; 2016; [acesso em 2019 Abril 18]. Disponível em: http://auriculoterapiasus.ufsc.br/informacoes-gerais/

(9) Morais MST, Miranda GA, Cahino IB, Santos MAL, Lima NP. Práticas Integrativas e Complementares na Atenção Primária à Saúde: perspectiva dos Agentes Comunitários de Saúde inseridos em uma Unidade de Saúde da Família nova conquista. In: Cruz PJSC, Xavier Filho MCS. Extensão, Saúde e Formação Médica: caminhos de construção de experiências extensionistas, suas possibilidades e limites para a promoção da saúde e a formação médica. João Pessoa (PB): Editora do CCTA; 2017; [acesso em 2019 Abril 18]. Disponível em: http://www.ccm.ufpb.br/vepopsus/wp-content/uploads/2018/02/Extens%C3%A3o-Sa%C3%BAde-e-Forma%C3%A7%C3%A3o-M%C3%A9dica-Editora-do-CCTA-2017.pdf

(10) Contatore OA, Barris NF, Durval MR, Barrio PCCC, Coutinho BD, Santos JA, et al. Uso, cuidado e política das práticas integrativas e complementares na Atenção Primária à Saúde. Ciênc Saúde Colet. 2015 Out;20(10):3263-73. DOI: http://doi.org/10.1590/1413-812320152010.00312015 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-812320152010.00312015

(11) Salles SAC. Homeopatia, universidade e SUS: resistências e aproximações. São Paulo (SP): Editora Hucitec; 2008. DOI: http://doi.org/10.1590/S1413-81232011001000033 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232011001000033

(12) Spadacio C, Castellanos MEP, Barros NF, Alegre SM, Tovey P, Broom A. Medicinas alternativas e complementares: uma metassíntese. Cad Saúde Pública. 2010 Jan;26(1):7-13. DOI: http://doi.org/10.1590/S0102-311X2010000100002 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2010000100002

(13) Contatore AO, Tesser CD, Barros NF. Medicina chinesa/acupuntura: apontamentos históricos sobre a colonização de um saber. História, Ciências, Saúde – Manguinhos [Internet]. 2018 Jul/Set; [citado 2019 Abril 25]; 25(3):841-58. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/hcsm/v25n3/0104-5970-hcsm-25-03-0841.pdf DOI: https://doi.org/10.1590/s0104-59702018000400013

(14) Tesser CD. Práticas complementares, racionalidades médicas e promoção da saúde: contribuições poucos exploradas. Cad Saúde Pública. 2009 Ago;25(8):732-42. DOI: http://doi.org/10.1590/S0102-311X2009000800009 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2009000800009

(15) Tesser CD, Garcia AV, Vendruscolo C, Argenta CE. Réplica: promoção da saúde e cuidado, símbolos e práticas. Ciênc Saúde Coletiva [Internet]. 2011; [citado 2019 Abril 25]; 16(11):4311-4. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232011001200002&script=sci_abstract&tlng=pt DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232011001200002

(16) Thiago SC, Tesser CD. Percepção de médicos e enfermeiros da Estratégia de Saúde da Família sobre terapias complementares. Rev Saúde Pública. 2011 Abr;45(2):249-57. DOI: http://doi.org/10.1590/S0034-89102011005000002 DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-89102011005000002

Downloads

Publicado

2020-10-09

Como Citar

1.
Bezerra V de O, Negreiros RAM, Morais M do ST. Práticas integrativas e complementares na residência em Medicina de Família e Comunidade: um relato de experiência . Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 9º de outubro de 2020 [citado 20º de janeiro de 2022];15(42):2087. Disponível em: https://www.rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/2087

Edição

Seção

Relatos de Experiência

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.