Envelhecimento, finitude e morte

narrativas de idosos de uma unidade básica de saúde

Palavras-chave: Envelhecimento, Morte, Finitude, Atenção primária à saúde, Estratégia saúde da família.

Resumo

O presente estudo, de caráter qualitativo, descritivo e exploratório, teve como objeto central estudar, através das suas narrativas, a percepção de idosos ativos, com idade de sessenta anos ou mais, sobre aspectos relacionados ao envelhecimento, à finitude e à morte. O objetivo principal foi explorar como estas temáticas poderiam ser abordadas por médicos de família e comunidade e outros profissionais de saúde na Atenção Primária (AP), e desta forma contribuir para um cuidado mais adequado às pessoas e às famílias, em relação à vivência destas últimas etapas da vida. Foram realizadas e gravadas 10 entrevistas com uma amostra de idosos acompanhados em uma Clínica da Família do Rio de Janeiro. A seguir, foram transcritas para estudo por análise de conteúdo segundo Bardin, tendo por base categorias previamente definidas conforme estruturação do questionário aplicado nas entrevistas. Percebeu-se uma necessidade de os idosos conversarem sobre esses temas, mas há carência de espaços para reflexões sobre morte e, principalmente, sobre envelhecimento. Em relação a este, foram obtidos relatos interessantes sobre a diferenciação entre envelhecer e ficar velho. Avalia-se que este estudo trouxe reflexões relevantes sobre a temática além de contribuições para a formação de profissionais e o desenvolvimento de atividades no âmbito da AP e dos Cuidados Paliativos em assuntos relacionados à abordagem de pessoas e famílias passando por situações de envelhecimento, finitude, proximidade da morte e da própria morte, em si.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Pedro Igor Daldegan de Oliveira, Universidade Estadual do Rio de Janeiro

Médico formado pela Universidade Federal de Minas Gerais e pós graduado em Medicina de Família e Comunidade pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro.

Maria Inez Padula Anderson, Universidade Estadual do Rio de Janeiro

Coordenadora da residência de Medicina de Família e Comunidade da Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Referências

(1) Ariès P. História da morte no Ocidente: da Idade Média aos nossos dias / Philippe Ariès; tradução Priscila Viana Siqueira - [Ed. especial] - Rio de Janeiro: Nova Fronteira (Coleção Clássicos para Todos), 2017.

(2) Andrade MAR . Representação da morte: concepções a partir de experiências de vida de idosas usuárias do PSF. Revista Temática Kairós Gerontologia,15(4), “Finitude/Morte & Velhice”, 2012 Ago pp. 309-324.

(3) Vieira RR, Robortella AR, Souza AB, Kerr GS, Oliveira JAC. Vida e morte na atenção primária à saúde: reflexões sobre a vivência do médico de família e comunidade ante a finitude da vida. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2016;11(38):1-7.

(4) Arantes ACQ . A morte é um dia que vale a pena viver. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2016.

(5) Neves, José Luis. Pesquisa Qualitativa – Características, Usos e Possibilidades. Caderno de Pesquisas em Administração, São Paulo, v. 1, nº 3, p.1-5, 1996.

(6) Almeida MSC - Efetividade da escala de depressão geriátrica de cinco itens em população idosa da comunidade (Tese de Doutorado). Porto Alegre: PUCRS, 2010.

(7) Beauvoir S. A velhice, tradução de Maria Helena Franco Monteiro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.

(8) Moreira ASP; Oliveira C . Estudos Interdisciplinares de Representação Social. (2ª ed.). Goiânia (GO): AB. (2000)

(9) Anderson MIP. Saúde e condições de vida do idoso no Brasil (Dissertação de mestrado). Programa de pós-graduação em saúde coletiva, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 1997.

(10) Elias N . A solidão dos moribundos, seguido de envelhecer e morrer (P. Dentzien, Trad.). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. (2001).

(11) Cicirelli VG. Fear of death in older adults: predictions from terror management. Theory Journal of Gerontology: Psychological Sciences. 2002;57B(4), P358–P366 doi:10.1093/geronb/57.4.P358

(12) Rao R, Dening T,Brayne C,Huppert FA. Attitudes toward death: a community study of octoagenarians and nonagenarians. International Psychogeriatrics. 1997; 9: 213-21.

(13) Riviera FJU. Teoria social de Habermas: evolução social, sociedade e poder in Agir comunicativo e planejamento social: uma crítica ao enfoque estratégico [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 1995. 216 p. ISBN: 85-85676-16-7

(14) Corrêa SR. Concepção, percepção e entendimento do processo da morte e do morrer em idosos institucionalizados comparados com idosos da comunidade (Dissertação de mestrado). Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Programa de Ciências Médicas. Área de concentração: Educação e Saúde. 2012

(15) Cicirelli VG. Personality and demographic factors in older adult´s fear of death. The Gerontologist. 1999; 39:569-79.

(16) Oliveira SCF; Araújo LF. A finitude na perspectiva do homem idoso: um estudo das Representações Sociais. Revista Temática Kairós Gerontologia,15(4), “Finitude/Morte & Velhice”, 2012 Ago, pp.66-83. Online ISSN 2176-901X. Print ISSN 1516-2567. São Paulo (SP), Brasil: FACHS/NEPE/PEPGG/PUC-SP

(17) Munday DJ, Murray S. Choice and place of death: individual preferences, uncertainty, and the availability of care. Journal of the Royal Society of Medicine. 2007;100(5):211-215.

(18) Combinatto DS; de Souza QM. Morte: uma visão psicossocial - Estudos de Psicologia, vol. 11, núm. 2, maio-agosto, 2006, pp. 209-216. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Brasil

Publicado
2020-06-23
Como Citar
Oliveira, P. I. D. de, & Padula Anderson, M. I. (2020). Envelhecimento, finitude e morte: narrativas de idosos de uma unidade básica de saúde. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 15(42), 2195. https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2195
Seção
Artigos de Pesquisa