“A sua consulta tem cor?” Incorporando o debate racial na Medicina de Família e Comunidade

um relato de experiência

Palavras-chave: Atenção Primária à Saúde, Medicina de Família e Comunidade, População Negra, Racismo.

Resumo

A Atenção Primária à Saúde (APS), a medicina e, em especial a Medicina de Família e Comunidade, sob a perspectiva do mito da democracia racial, contribuem para o racismo institucional na saúde, à medida em que silenciam e invisibilizam as iniquidades em saúde vivenciadas pela população negra brasileira e os impactos do racismo no processo de saúde e adoecimento. Este artigo traz o relato de experiência da construção e aplicação de uma oficina, intitulada “A sua consulta tem cor?”, que objetiva promover debate sobre a saúde da população negra entre profissionais de saúde da APS e estudantes de medicina, com o intuito de sensibilização ao  tema e promoção de uma prática de cuidado antirracista. Com a construção e aplicação da oficina, foi possível perceber a falta de conhecimento dos participantes sobre como reconhecer e abordar situações de racismo na prática da APS. Como potencialidades, a oficina promoveu sensibilização e reflexão crítica sobre a importância de abordar a temática racial, possibilitou o protagonismo e representatividade de profissionais de saúde e estudantes de medicina negros na facilitação dos grupos, promoveu espaços institucionais para o debate do tema e formou novos facilitadores para estimular a multiplicação da oficina nos mais diversos cenários. Como desafios, a falta de interesse no tema por parte de gestores e instituições torna a abordagem do tema incerta e dependente da vontade e comprometimento de um ou outro indivíduo. Além disso, a oficina aborda múltiplos temas, mas não encerra a necessidade de seguir e aprofundar a discussão sobre os impactos do racismo na saúde da população negra brasileira. 

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rita Helena Borret, Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro / Universidade Estácio de Sá - Rio de Janeiro / Escola Nacional de Saúde Pública - FIOCRUZ

NegreX, GT SPN, AMFaC-RJ

Referências

(1) Garaeis VH. A história da escravidão negra no Brasil. Portal Geledés [Internet]. 2012 Jul. Disponível em: www.geledes.org.br

(2) Freyre G. Casa grande & senzala. Rio de Janeiro (RJ): José Olympio; 1969.

(3) Ministério da Saúde (BR). Gabinete do Ministro. Portaria nº 992, de 13 de maio de 2009. Institui a Política Nacional de Saúde Integral da População Negra. Diário Oficial União, Brasília (DF), 13 mai 2009.

(4) Senado Federal (BR). Secretaria de Editoração e Publicações. Coordenação de Edições Técnicas. Constituição da República Federativa do Brasil. Texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, com as alterações determinadas pelas Emendas Constitucionais de Revisão nos 1 a 6/94, pelas Emendas Constitucionais nos 1/92 a 91/2016 e pelo Decreto Legislativo no 186/2008. Brasília (DF): Senado Federal; 2016.

(5) Lopes F. Experiências desiguais ao nascer, viver, adoecer e morrer: tópicos em saúde da população negra no brasil. In: Seminário Nacional de Saúde da População Negra. Brasília, Distrito Federal, 18-20 ago 2004. Brasília (DF): Ministério da Saúde/Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial; 2004.

(6) Perpétuo IHO. Raça e acesso às ações prioritárias na agenda de saúde reprodutiva. Jornal da Rede Feminista de Saúde. 2000 Jun;22:10-6.

(7) Giovanetti MR, Santos NJS, Westin CP, Darré D, Gianna MC. A implantação do quesito cor/raça nos serviços de DST/Aids no Estado de São Paulo. Saúde Soc. 2007 Ago;16(2):163-70.

(8) Jones CP. Confronting institutionalized racism. Phylon. 2002;50(1-2):7-22.

(9) Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico. Indicadores de Vigilância em Saúde, analisados segundo a variável raça/cor. Brasília (DF): Ministério da Saúde. 2015;46(10):1-35.

(10) Jaccoud L, Silva J, Soares S, Rosa W. Igualdade racial. In: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), ed. Políticas sociais – acompanhamento e análise no 16, 2008. Brasília (DF): Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA); 2008 Nov;(16). No prelo.

(11) Instituto da Mulher Negra (Geledés). Centro Feminista de Estudos e Assessoria (CFEMEA). Guia de enfrentamento do racismo institucional. São Paulo (SP): Ibraphel Gráfica; 2013.

(12) Paixão M, Rossetto I, Montovanele F, Carvano LM. Relatório anual das desigualdades raciais no Brasil; 2009-2010. Constituição cidadã, seguridade social e seus efeitos sobre as assimetrias de cor ou raça. Rio de Janeiro (RJ): Garamond Universitária; 2014.

(13) Carmichael S, Ture K, Hamilton CS. Black power: the politics of liberation. New York (NY): Vintage Books; 1967.

(14) Werneck J. Racismo institucional e saúde da população negra. Saúde Soc. 2016;25(3):535-49.

(15) Theophilo RL, Rattner D, Pereira EL. Vulnerabilidade de mulheres negras na atenção ao pré-natal e ao parto no SUS: análise da pesquisa da Ouvidoria Ativa. Ciênc Saúde Coletiva. 2018 Nov;23(11):3505-16.

(16) Viellas EF, Domingues RMSM, Dias MAB, Gama SGN, Theme Filha MM, Costa JV, et al. Assistência pré-natal no Brasil. Cad Saúde Pública. 2014;30(Supl 1):S85-S100.

(17) Marinho A, Cardoso SS, Almeida VV. Desigualdade de transplantes de órgãos no Brasil: análise do perfil dos receptores por sexo e raça/cor. Brasília (DF): Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA); 2011.

(18) Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa e ao Controle Social. Universidade de Brasília, Observatório de Saúde de Populações em Vulnerabilidade. Óbitos por suicídio entre adolescentes e jovens negros 2012 a 2016. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2018.

(19) Buss PM, Pellegrini Filho A. Iniquidades em saúde no Brasil, nossa mais grave doença: comentários sobre o documento de referência e os trabalhos da Comissão Nacional sobre determinantes sociais da saúde. Cad Saúde Pública. 2006 Set;22(9):2005-8.

(20) Matos CC, Tourinho FS. Saúde da população negra: percepção de residentes e preceptores de Saúde da Família e Medicina de Família e Comunidade. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2018;13(40):1-12.

(21) Hone T, Rasella D, Barreto ML, Majeed A, Millet C. Association between expansion of primary healthcare and racial inequalities in mortality amenable to primary care in Brazil: a national longitudinal analysis. PLoS Med. 2017 Mai;14(5):e1002306.

(22) Ayres JRCM. Sujeito, intersubjetividade e práticas de saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2001;6(1):63-72.

(23) Senna DM, Lima TF. Saúde da população negra na atenção primária à saúde: a questão da violência. In: Batista LE, Werneck J, Lopes F, orgs. Saúde da população negra. Petrópolis (RJ): DP et Alii; 2012. p. 153-71.

(24) Allen J, Gay B, Crebolder H, Heyrman J, Svab I, Ram P. Evans P, eds. A definição europeia de medicina geral e familiar (clínica geral/medicina familiar). Ljubljana, Slovenia: WONCA Europa; 2002.

(25) Lermen Junior N. Currículo baseado em competências para medicina de família e comunidade. Rio de Janeiro (RJ): Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC); 2015.

(26) Silva MF, Souza PGA. Luta, resistência e transformação na medicina: um quilombo chamado NegreX. In: Canavese D, Soares EO, Bairros F, Polidoro M, Rosado RM, orgs. Equidade étnicorracial no SUS: pesquisas, reflexões e ações em saúde da população negra e dos povos indígenas. Série: Atenção Básica e Educação na Saúde [Internet]. Porto Alegre (RS): Editora Rede Unida; 2018; [acesso em 2019 Out 12]; 15:128-37. Disponível em: http://historico.redeunida.org.br/editora/biblioteca-digital/serie-atencao-basica-e-educacao-na-saude/equidade-etnicorracial-no-sus-web

(27) Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC). Grupo de Trabalho em Saúde da População Negra (GT-SPN). Ata de fundação e eixos/objetivos [Internet]. Curitiba (PR): SBMFC/GT-SPN; 2017 Nov; [acesso em 2020 Mai 18]. Disponível em: http://www.sbmfc.org.br/wp-content/uploads/media/file/GT%20SPN%20-%20Ata%20alterada%20(2).pdf

(28) Cineclube Atlântico Negro. Anamnese [animação/vídeo]. Rio de Janeiro (RJ): Cineclube Atlântico Negro; 2016 Nov; [acesso em 2019 Out 12]. Disponível em: https://vimeo.com/193686465

(29) McWhinney IR, Freeman T. Manual de medicina de família e comunidade. 3ª ed. Porto Alegre (RS): Artmed; 2010.

(30) Twine FW. A white side of black Britain: the concept of racial literacy. Ethn Racial Stud. 2004;27(6):878-907.

(31) Schucman LV. Entre o “encardido”, o “branco” e o “branquíssimo”: raça, hierarquia e poder na construção da branquitude paulistana [tese]. São Paulo (SP): Universidade de São Paulo (USP)/Instituto de Psicologia - Psicologia Social; 2012.

(32) Monteiro MCS. Desafios da inclusão da temática étnico-racial na educação permanente em saúde. In: Batista LE, Werneck J, Lopes F, orgs. Saúde da população negra. Coleção negras e negros: pesquisas e debates. 2ª ed. Petrópolis (RJ): Ministério da Saúde; 2012. p. 142-52.

(33) Scheffer M, Cassenote A, Guilloux AGA, Miotto BA, Mainardi GM. Demografia médica no Brasil 2018. São Paulo (SP): FMUSP/CFM/CREMESP; 2018.

Publicado
2020-11-18
Como Citar
Borret, R. H., Silva, M. F. da, Jatobá, L. R., Vieira, R. C., & Oliveira, D. O. P. S. de. (2020). “A sua consulta tem cor?” Incorporando o debate racial na Medicina de Família e Comunidade : um relato de experiência. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 15(42), 2255. https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2255
Seção
Relatos de Experiência