Percepção de escolares e enfermeiros quanto às práticas educativas do programa saúde na escola

Palavras-chave: Serviços de Saúde Escolar, Promoção da Saúde, Enfermeiros, Relações Enfermeiro-Paciente, Conhecimentos em Saúde, Atitudes e Prática em Saúde, Atenção à Saúde.

Resumo

Objetivo: Identificar as dificuldades do enfermeiro nas ações desenvolvidas no PSE e avaliar a percepção dos alunos sobre o programa. Métodos: 6 enfermeiros e 358 alunos de escolas públicas vinculadas ao PSE do município de Parnaíba-Piauí-Brasil responderam a um questionário pré-testado, adequado ao público alvo: escolares ou profissionais. Resultados: Alunos reconheceram a atuação do enfermeiro no cenário escolar, mas a maioria relatou que não houve avaliação dos problemas de saúde, que não teve pressão arterial verificada, que não foram orientados sobre hábitos nutricionais e que nunca receberam orientações sobre vacinação. A ação com maior coerência nas respostas entre os participantes foi aferição do peso e altura (65,6%) e a de menor foi a avaliação da visão (15,4%). Conclusão: Os enfermeiros destacam que o excesso de atribuições na UBS, a ausência de envolvimento das escolas e a falta de articulação intersetorial são os principais problemas para a boa execução do PSE.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Katrine Nascimento de Carvalho, Faculdade São Leopoldo Mandic - Campinas, SP, Brasil.

Enfermeira. Mestre. Departamento de Saúde Coletiva, Faculdade São Leopoldo Mandic, Campinas, São Paulo, Brasil; Professora no Curso de Enfermagem. Faculdade Uninassau - Unidade Parnaíba, Piauí, Brasil.

Luciane Zanin, Faculdade São Leopoldo Mandic - Campinas, SP, Brasil.

Cirurgia Dentista. Doutora. Professora no Departamento de Saúde Coletiva, Faculdade São Leopoldo Mandic, Campinas, SP, Brasil.

Referências

(1) Sperândio AM, Carvalho FFB, Nogueira J, Zancan L, Akerman M. 10 years of the National Health Promotion Policy: progress and challenges. Ciênc Saúde Coletiva. 2016 Jun;21(6):1681-2. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015216.10862016

(2) Ferreira IR, Vosgerau DS, Moysés SJ, Moysés ST. Normative measures of the Health in the School Program: content analysis associated with ATLAS TI software. Ciênc Saúde Coletiva. 2012 Dez;17(12):3385-98. DOI: https://doi.org/10.1590/s1413-81232012001200023

(3) Eberhardt TD, Reis LF. Programa Saúde na Escola – PSE: estruturado de acordo com os princípios do SUS?. Anais do 5º Seminário Nacional Estado e Políticas Sociais. As políticas sociais nas transições latinoamericanas no século XXI: tendências e desafios. Cascavel, Paraná; 9-12 out 2011. Cascavel (PR): Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE); 2011. p. 1-14.

(4) Cesário NCM, Costa RJV, Pereira JT. O enfermeiro no ambiente escolar: práticas educativas atuais e eficazes. Revista Tecer. 2014 Mai;7(12):38-47.

(5) 5. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde na escola. Cadernos de Atenção Básica, n. 24. Série B. Textos Básicos de Saúde. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2009.

(6) Ministério da Educação (BR). Secretaria da Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Manual da educação integral em jornada ampliada para obtenção de apoio financeiro por meio do programa dinheiro direto na escola–PDE/educação integral: no exercício de 2011. Brasília (DF): Ministério da Educação; 2011.

(7) Carvalho FFB. A saúde vai à escola: a promoção da saúde em práticas pedagógicas. Physis. 2015 Out/Dez;25(4):1207-27. DOI: https:// doi.org/10.1590/S0103-73312015000400009

(8) Pires LM, Queirós PS, Munari DB, Melo CF, Souza MM. A enfermagem no contexto da saúde do escolar: revisão integrativa da literatura. Rev Enfermagem UERJ. 2012 Dez;20(spe 1):668-75.

(9) Costa GM, Figueredo RC, Ribeiro MS. A importância do enfermeiro junto ao PSE nas ações de educação em saúde em uma escola municipal de Gurupi – TO. Rev Científica ITPAC. 2013 Abr;6(2):1-12.

(10) Costa GMC, Cavalcanti VM, Barbosa ML, Celino SDM, França ISX, Sousa FS. Promoção de saúde nas escolas na perspectiva de professores do Ensino Fundamental. Rev Eletr Enf. 2013 Jun;15(2):506-15. DOI: https://doi.org/10.5216/ree.v15i2.15769

(11) Maciel ELN, Oliveira CB, Frechiani JM, Sales CMM, Brotto LDA, Araújo MD. Project Learning Health in School: the experience of positive impact on the quality of life and health determinants of members of a community school in Vitória, Espírito Santo State. Ciênc Saúde Coletiva. 2010 Mar;15(2):389-96. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232010000200014

(12) Machado WD, Oliveira KMCP, Cunha CG, Araújo Júnior DG, Silvino RHS, Araújo MS. “Dias Programa Saúde na Escola”: um olhar sobre a avaliação dos componentes. Rev Sanare. 2016;15(1):62-8.

(13) Ministério da Saúde. Ministério da Educação (BR). Caderno do Gestor do PSE. Brasília (DF): Ministério da Saúde/Ministério da Educação; 2015.

(14) Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 1977.

(15) R Core Team. Foundation for Statistical Computing. A language and environment for statistical computing [Internet]. Vienna: R Core Team Foundation for Statistical Computing; 2015.

(16) Silva KL, Sena RR, Gandra EC, Matos JAV, Coura KRA. Promoção da saúde no programa saúde na escola e a inserção da enfermagem. Rev Min Enferm. 2014 Jul/Set;18(3):614-22. DOI: https://doi.org/10.5935/1415-2762.20140045

(17) Maia JA, Menezes FA, Santos PAM. Percepção dos pais sobre a importância de acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil. DêCiência em Foco. 2017;1(2):53-63.

(18) Sousa MC, Esperidião MA, Medina MG. Intersectorality in the ‘Health in Schools’ Program: an evaluation of the political-management process and working practices. Ciênc Saúde Coletiva. 2017 Jun;22(6):1781-90. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232017226.24262016

(19) Nickel DA, Lima FG, Silva BB. Modelos assistenciais em saúde bucal no Brasil. Cad Saúde Pública. 2008 Fev;24(2):241-6. DOI: https:// doi.org/10.1590/S0102-311X2008000200002

(20) Belotti L, Martinelli KG, Garcia EM, Santos MLL, Pacheco KTS, Esposti CDD. Evolução da atenção em saúde bucal antes e após a política nacional de saúde bucal. Rev Bras Pesqui Saúde. 2019;21(3):30-8.

(21) Santiago LM, Rodrigues MT, Oliveira Junior AD, Moreira TM. School Health Program implementation in Fortaleza-CE: performance of the Family Health Strategy staff. Rev Bras Enferm. 2012 Nov/Dez;65(6):1026-9. DOI: https://doi.org/10.1590/s0034-71672012000600020

(22) Faial LCM, Silva RMCRA, Pereira ER, Souza LMC, Bessa RT, Faial CSG. Saúde na escola: contribuições fenomenológicas a partir da percepção do aluno adolescente. Rev Enferm UFPE On Line. 2017;11(1):24-30.

(23) Ministério da Saúde. Ministério da Educação (BR). Manual instrutivo: programa saúde na escola. Brasília (DF): Ministério da Saúde/ Ministério da Educação; 2013.

(24) Medeiros ERD, Pinto ESG, Paiva ACS, Nascimento CPA, Rebouças DGC, Silva SYB. Facilidades e dificuldades na implantação do Programa Saúde na Escola em um município do nordeste do Brasil. Rev Cuid. 2018;9(2):2127-34. DOI: https://doi.org/10.15649/cuidarte.v9i2.514

(25) Barreto MASC. Caracterizando e correlacionando dislexia do desenvolvimento e processamento auditivo. Rev Psicopedagogia. 2009;26(79):88-97.

(26) Baggio MA, Berres R, Gregolin BPS, Aikes S. Introduction of the School Health Program in the city of Cascavel, Paraná State: report of nurses. Rev Bras Enferm. 2018;71(Supl 4):1540-7. DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0188

Publicado
2020-12-21
Como Citar
1.
Carvalho KN de, Zanin L, Martão Flório F. Percepção de escolares e enfermeiros quanto às práticas educativas do programa saúde na escola. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 21º de dezembro de 2020 [citado 17º de janeiro de 2021];15(42):2325. Disponível em: https://www.rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/2325
Seção
Artigos de Pesquisa