Estudo da demanda de uma equipe da Estratégia Saúde da Família que utiliza o acesso avançado como modelo de organização da agenda

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc16(43)2378

Palavras-chave:

Atenção Primária à Saúde, Estratégia Saúde da Família, Acesso aos Serviços de Saúde, Agendamento de Consultas, Classificação Internacional de Atenção Primária

Resumo

O acesso oportuno e a continuidade do cuidado são duas medidas operacionais importantes para a prática dos cuidados na Atenção Primária à Saúde (APS). Objetivo: Realizar um estudo da demanda de uma equipe da Estratégia Saúde da Família (ESF) que utiliza o acesso avançado (AA) como modelo de organização da agenda. Métodos: Trata-se de uma análise documental, quantitativa, descritiva e retrospectiva realizada em uma equipe da ESF no Rio de Janeiro. Os 1410 dados foram coletados em uma planilha do Microsoft® Excel® no Google Drive, utilizada no processo de trabalho da equipe e foram tabulados e analisados em planilhas do Microsoft Excel®. Foram incluídos os registros do período de agosto e setembro de 2017 e excluídos os registros no qual o motivo da consulta (MC) não foi preenchido. Os MC foram codificados a partir de demandas, queixas e necessidades expressas nas narrativas dos usuários, e adaptadas à conformidade da codificação da CIAP (Classificação Internacional de Atenção Primária). Resultados: Dos 1392 registros de MC dos usuários restantes, 149 não foram atendidos por motivo de falta, reagendamento ou evasão, totalizando 1243 registros analisados. Predominou o sexo feminino, faixa etária entre 55 e 59 anos, atendimentos realizados em demanda espontânea, pela manhã, principalmente nas primeiras horas do acolhimento e com queixas gerais e não-específicas. Conclusão: Com o AA parece haver uma acessibilidade maior aos usuários que poderão ter o acesso de primeiro contato mais facilmente para a resolução dos seus problemas. Realizar o estudo da demanda possibilita o levantamento de dados para a elaboração de um planejamento para uma melhor organização da agenda refletindo em um melhor atendimento à população de forma resolutiva, oportuna e integral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Luiza Sanchez Palacio Pinheiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ

Acadêmica de Enfermagem do 6° período da Escola de Enfermagem Anna Nery – UFRJ

Júlio Cesar Arruda Canuto Júnior, Secretaria Municipal de Saúde (SMS/RJ), Rio de Janeiro, RJ

Médico de família e comunidade, preceptor do Programa de Residência de Medicina de Família e Comunidade da SMS/RJ

Nereida Lúcia Palko dos Santos, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ

Enfermeira, doutora em enfermagem pela Escola de Enfermagem Anna Nery - UFRJ

Referências

(1) Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário oficial da União. Brasília, DF: 2017.

(2) Ministério da Saúde. Portaria nº 4.279, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário oficial da União. Brasília, DF: 2010.

(3) Murray M, Berwick D. Advanced access: reducing waiting and delays in primary care. JAMA 2003;289(8):1035-40. Estadunidense.

(4) Murray M. Same-Day Appointments: Exploding the Access Paradigm. FPM 2000;7(8):45-50. Estadunidense.

(5) Balasubramanian H, Biehl S, Dai L, Muriel A. Dynamic allocation of same-day requests in multi-physician primary care practices in the presence of prescheduled appointments. Health Care Manag Scl 2014;17(1):31-48. Estadunidense.

(6) Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO; 2002.

(7) Costa ACM, Castro Júnior EF, Reis RS. O planejamento como instrumento de gestão. In: Costa AC, Pinho JRO. Processo de trabalho e planejamento em saúde. São Luís: EDUFMA; 2015. p. 21-32.

(8) Rocha SA, Bocchi SCM, Godoy MF. Acesso aos cuidados primários de saúde: revisão integrativa. Physis (Rio J.) 2016;26(1):87-111.

(9) Rivas J. Advanced Access Scheduling in Primary Care: A Synthesis of Evidence. J Healthc Manag. 2020;65(3):171-184.

(10) Pires Filho LAS, Azevedo-Marques JM, Duarte NSM, Moscovici L. Acesso Avançado em uma Unidade de Saúde da Família do interior do estado de São Paulo: um relato de experiência. Saúde debate. 2019;43(121):605-613.

(11) Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Cadernos de Atenção Básica: Acolhimento à demanda espontânea. Brasília; 2013; 1(28).

(12) Costa ACM, Pinho JRO, Ferreira EB. O planejamento no processo de trabalho das equipes de saúde da família. In: Costa AC, Pinho JRO. Processo de trabalho e planejamento em saúde. São Luís: EDUFMA; 2015. p. 33-50.

(13) World Organization of National Colleges, Academies, and Academic Associations of General Practitioners/Family Physicians. Classificação Internacional de Atenção Primária. 2 ed. Florianópolis: Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade: 2009.

(14) Guibu IA, Moraes JC, Guerra Junior AA, Costa EA, Acurcio FA, Costa KS, et al. Características principais dos usuários dos serviços de atenção primária à saúde no Brasil. Rev Saúde Pública 2017;51 Supl 2:17s.

(15) Landsberg GAP, Savassi LCM, Sousa AB, Freitas JMR, Nascimento JLS, Azagra R. Análise de demanda em Medicina de Família no Brasil utilizando a Classificação Internacional de Atenção Primária. Ciênc Saúde Colet 2012;17(11):3025-36.

(16) Pimentel IRS, Coelho BC, Lima JC, Ribeiro FG, Sampaio FPC, Pinheiro RP, et al. Caracterização da demanda em uma Unidade de Saúde da Família. Rev bras med fam comunidade. 2011;6(20):175-81.

(17) Santos KPB, Ribeiro MTAM. Motivos de consulta mais comuns das pessoas atendidas por uma equipe de saúde da família em Fortaleza - CE. Rev Bras Med Fam Comunidade 2015;10(37):1-11.

(18) Separavich MA, Canasqui AM. Saúde do homem e masculinidades na Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem: uma revisão bibliográfica. Saúde Soc 2013;22(2):415-28.

(19) Gonçalves FC, Faria CCC. O acesso aos serviços de saúde: uma análise na perspectiva do gênero. Revista Perquirere 2016;13(1):135-47.

(20) Ximenes Neto FRG, Queiroz CA, Rocha J, Cunha ICKO. Por que eu não levo meu filho para a consulta de puericultura.... Rev. Soc. Bras. Enferm. Ped. 2010; 10(2):51-9.

(21) Lima L. Estratégia de apoio às famílias para prevenção de internação pediátrica por condições sensíveis à Atenção Primária à Saúde. Botucatu. Dissertação [Mestrado] - Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Faculdade de Medicina de Botucatu. 2018.

(22) Silveira GS, Ferreira PR, Silveira DS, Siqueira FCV. Prevalência de absenteísmo em consultas médicas em unidade básica de saúde do sul do Brasil. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2018;13(40):1-7.

(23) Cirino, FMSB, Schneider Filho, DA, Nichiata, LYI, Fracolli, LA. O Acesso Avançado como estratégia de organização da agenda e de ampliação do acesso em uma Unidade Básica de Saúde de Estratégia Saúde da Família, município de Diadema, São Paulo. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2020;15(42):1-11.

(24) Ansell D, Crispo JAG, Simard B, Bjerre LM. Interventions to reduce wait times for primary care appointments: a systematic review. BMC Health Serv Res. 2017;17(1):1-9.

(25) Lima SAV, Silva MRF, Carvalho EMF, Cesse EAP, Brito ESV, Braga JPR. Elementos que influenciam o acesso à atenção primária na perspectiva dos profissionais e dos usuários de uma rede de serviços de saúde do Recife. Physis (Rio J.). 2015;25(2):635-56.

(26) Marin MJS, Moracvick MYAD, Marchioli M. Acesso aos serviços de saúde: comparação da visão de profissionais e usuários da atenção básica. Rev enferm UERJ. 2014;22(5):629-36.

(27) Carvalho IPA, Carvalho CGX, Lopes JMC. Prevalência de hiperutilizadores de serviços de saúde com histórico positivo para depressão em Atenção Primária à Saúde. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2015;10(34):1-7.

(28) Zoboli ELCP, Santos DV, Schveitzer MC. Pacientes difíceis na atenção primária à saúde: entre o cuidado e o ordenamento. Interface (Botucatu). 2016;20(59):893-903.

(29) Reigada, CLL. Repensando acesso, qualificando o cuidado: relato do trabalho em duas equipes de saúde da família. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2017;12(39):1-7.

(30) Gusso GDF. Classificação Internacional de Atenção Primária (CIAP 2). São Paulo. Tese [Doutorado]. Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo; 2009.

(31) Bryant-Lukosius D, Valaitis R, Martin-Misener R, Donald F, Peña LM, Brousseau L. Enfermagem com prática avançada: uma estratégia para atingir cobertura universal de saúde e acesso universal à saúde. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2017;25:e2826.

(32) Lowen IMV, Peres AM, Ros C, Poli Neto P, Faoro NT. Inovação na prática assistencial do enfermeiro: ampliação do acesso na atenção primária. Rev Bras Enferm. 2017;70(5):898-903.

(33) Ribeiro GC, Padoveze MC. Sistematização da Assistência de Enfermagem em unidade básica de saúde: percepção da equipe de enfermagem. Rev Esc Enferm USP. 2018;52:e03375.

Downloads

Publicado

2021-04-05

Como Citar

1.
Ecco Canuto L, Silva AFL da, Pinheiro LSP, Canuto Júnior JCA, Santos NLP dos. Estudo da demanda de uma equipe da Estratégia Saúde da Família que utiliza o acesso avançado como modelo de organização da agenda. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 5º de abril de 2021 [citado 10º de abril de 2021];16(43):2378. Disponível em: https://www.rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/2378

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa