Revisão sobre o uso de inibidores de cotransportador sódio-glicose 2 e agonistas de peptídeo 1 em pessoas com diabetes mellitus tipo 2 e doença cardiovascular

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc17(44)2428

Palavras-chave:

diabetes mellitus tipo 2, doenças cardiovasculares, inibidores do transportador 2 de sódio-glicose, peptídeo 1 semelhante ao glucagon

Resumo

Introdução: Introdução: Diabetes mellitus tipo 2 é um importante e crescente problema de saúde para todos os países. Objetivo: Este trabalho visa avaliar a qualidade da evidência disponível sobre os fármacos inibidores de sódio-glicose 2 e agonistas de glucagon 1 em pessoas com diabetes mellitus e doença cardiovascular aterosclerótica. Métodos: Realizou-se revisão integrativa utilizando as bases de dados MEDLINE via PubMed, Embase via Cochrane Library, Cochrane Library, LILACS via BVS. A pergunta de pesquisa foi estruturada da seguinte forma: população – pessoas com diabetes mellitus tipo 2 e doença cardiovascular estabelecida; intervenção – tratamento usual exceto insulina + inibidores de sódio-glicose 2 ou tratamento usual exceto insulina + agonistas de glucagon 1; controle - tratamento usual exceto insulina + placebo; desfecho – mortalidade geral, mortalidade por causas cardiovasculares, morbidade, efeitos adversos. Resultados: Selecionaram-se dois estudos sobre empagliflozina. Esse medicamento associado ao tratamento usual foi superior ao placebo associado ao tratamento usual no desfecho primário (HR 0,86; IC95% 0,74–0,99; p=0,04), na redução de hospitalização por insuficiência cardíaca (HR 0,65; IC95% 0,50–0,85; p=0,002), da mortalidade cardiovascular (HR 0,62; IC95% 0,49–0,77) e da mortalidade geral (HR 0,68; IC95% 0,57–0,82; p<0,001). No subgrupo de pessoas com diabetes que não usavam insulina, houve benefício com empagliflozina em relação ao desfecho primário (HR 0,79; IC95% 0,64–0,97; DR 2,5; NNT 40) e a mortes de causa cardiovascular (HR 0,61; IC95% 0,44–0,85; DR 2; NNT 49). Houve heterogeneidade entre os subgrupos com benefício de empagliflozina no desfecho primário apenas para aqueles com idade ³65 anos (p=0,01) e hemoglobina glicada <8,5 (p=0,01). Em relação às mortes por causas cardiovasculares, houve diferença (p=0,05) com o uso de empagliflozina reduzindo o risco somente no subgrupo com índice de massa corporal <30. Não houve diferença significativa em relação ao placebo para acidente vascular encefálico fatal e não fatal, tampouco no desfecho composto de acidente vascular encefálico debilitante não fatal e acidente vascular encefálico fatal (HR 0,81; IC95% 0,43–1,50; p=0,50). Houve mais pessoas acometidas por acidente vascular encefálico no grupo intervenção em que a hemoglobina glicada inicial era ≥8,5%, favorecendo o placebo (p=0,01). Conclusões: Os dados encontrados favorecem o benefício de utilizar esse medicamento no Sistema Único de Saúde em pessoas com doenças cardiovasculares. Entretanto, houve heterogeneidade entre grupos populacionais, o que pode ajudar a delinear estratégias de uso para esses medicamentos. São necessários mais estudos para avaliar qual seria o motivo de não haver benefício em desfechos cerebrovasculares isoladamente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

International Diabetes Federation. IDF Diabetes Atlas Ninth Edition 2019 [Internet]. 2019 [acessado em 09 de março de 2019]. Disponível em: https://diabetesatlas.org/upload/resources/material/20191218_144459_2019_global_factsheet.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saúde 2013 [Internet]. Rio de Janeiro: IBGE; 2014 [acessado em 09 de março de 2019]. 181 p. Disponível em: ftp://ftp.ibge.gov.br/PNS/2013/pns2013.pdf

Oliveira JEP, Montenegro Júnior RM, Vencio S. Diretrizes 2017-2018 [Internet]. 2018. p. 3-383.

Currículo baseado em competências para Medicina de Família e Comunidade [Internet]. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade; 2014 [acessado em 09 de março de 2019]. Disponível em: http://www.sbmfc.org.br/wp-content/uploads/media/Curriculo Baseado em Competencias(1).pdf

Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência T e IED de AF e IE. Relação Nacional de Medicamentos Essenciais: RENAME 2017. Brasília: Ministério da Saúde; 2017. 210 p.

American Diabetes Association. 9. Pharmacologic approaches to glycemic treatment: standards of medical care in diabetes–2019. Diabetes Care 2019;42(Suppl 1):S90-102. https://doi.org/10.2337/dc19-S009 DOI: https://doi.org/10.2337/dc19-S009

Kaiser Permanente Care Management Institute. Clinical practice guidelines [Internet]. 2019 [acessado em 09 de março de 2019]. Disponível em: http://kpcmi.org/files/diabetes-clinician-guide-kpcmi.pdf

U.S. Department of Health and Human Services, Food and Drug Administration, Center for Drug Evaluation and Research. Guidance for Industry Diabetes Mellitus — Evaluating Cardiovascular Risk in New Antidiabetic Therapies to Treat Type 2 Diabetes [Internet]. U.S. Department of Health and Human Services, Food and Drug Administration, Center for Drug Evaluation and Research (CDER); 2008 [acessado em 09 de março de 2019]. Disponível em: https://www.fda.gov/media/71297/download

Mannucci E, Monami M. Cardiovascular safety of incretin-based therapies in type 2 diabetes: systematic review of integrated analyses and randomized controlled trials. Adv Ther 2017;34(1):1-40. https://doi.org/10.1007/s12325-016-0432-4 DOI: https://doi.org/10.1007/s12325-016-0432-4

Neeland IJ, Salahuddin U, McGuire DK. A Safety Evaluation of Empagliflozin for the Treatment of Type 2 Diabetes. Expert Opin Drug Saf 2016;15(3):393-402. https://doi.org/10.1517/14740338.2016.1135900 DOI: https://doi.org/10.1517/14740338.2016.1135900

Zhang Z, Chen X, Lu P, Zhang J, Xu Y, He W, et al. Incretin-based agents in type 2 diabetic patients at cardiovascular risk: compare the effect of GLP-1 agonists and DPP-4 inhibitors on cardiovascular and pancreatic outcomes. Cardiovasc Diabetol 2017;16(1):31. https://doi.org/10.1186/s12933-017-0512-z DOI: https://doi.org/10.1186/s12933-017-0512-z

Cheng JWM, Badreldin HA, Patel DK, Bhatt SH. Antidiabetic agents and cardiovascular outcomes in patients with heart diseases. Curr Med Res Opin 2017;33(6):985-992. https://doi.org/10.1080/03007995.2017.1284052 DOI: https://doi.org/10.1080/03007995.2017.1284052

Reis JG, Martins MFM, Lopes MHBM. Indicativos de qualidade para artigos de Revisão Integrativa [internet]. Rio de Janeiro: Arca Repositório Institucional da Fiocruz; 2015[acessado em 23 de março de 2019]. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/10952?locale=es

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Consultas [Internet]. [acessado em 15 de junho de 2019]. Disponível em: https://consultas.anvisa.gov.br/#/medicamentos/

Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyses. Prisma transparent reporting of systematic reviews and meta-analyses [Internet]. [acessado em 15 de junho de 2019]. Disponível em: http://www.prisma-statement.org/

Scottish Intercollegiate Guidelines Network. Checklists [Internet]. [acessado em 15 de junho de 2019]. Disponível em: https://www.sign.ac.uk/what-we-do/methodology/checklists/

Zinman B, Wanner C, Lachin JM, Fitchett D, Bluhmki E, Hantel S, et al. Empagliflozin, Cardiovascular Outcomes, and Mortality in Type 2 Diabetes. N Engl J Med 2015;373(22):2117-28. https://doi.org/10.1056/NEJMoa1504720

Zinman B, Inzucchi SE, Lachin JM, Wanner C, Fitchett D, Kohler S, et al. Empagliflozin and cerebrovascular events in patients with type 2 diabetes mellitus at high cardiovascular risk. Stroke. 2017;48(5):1218-25. https://doi.org/10.1161/STROKEAHA.116.015756 DOI: https://doi.org/10.1161/STROKEAHA.116.015756

Zinman B, Wanner C, Lachin JM, Fitchett D, Bluhmki E, Hantel S, et al. Empagliflozin, cardiovascular outcomes, and mortality in type 2 diabetes. N Engl J Med. 2015;373(22):2117-28. https://doi.org/10.1056/NEJMoa1504720 DOI: https://doi.org/10.1056/NEJMoa1504720

Publicado

2022-04-02

Como Citar

1.
Garcia JN, Côrrea de Oliveira J. Revisão sobre o uso de inibidores de cotransportador sódio-glicose 2 e agonistas de peptídeo 1 em pessoas com diabetes mellitus tipo 2 e doença cardiovascular. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 2º de abril de 2022 [citado 28º de maio de 2022];17(44):2428. Disponível em: https://www.rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/2428

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa