Análise das prescrições de medicamentos na atenção primária à saúde de um município Centro-potiguar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc17(44)2432

Palavras-chave:

Assistência farmacêutica, Prescrições de medicamentos, Atenção primária à saúde.

Resumo

Introdução: A não conformidade de prescrições de medicamentos com normativas que regulamentam esse processo é uma realidade do processo de cuidado em saúde. Objetivo: Este estudo teve como objetivo analisar prescrições médicas e odontológicas do sistema primário de saúde do município de Angicos, Rio Grande do Norte de acordo com a legislação em vigor. Métodos: Desenvolveu-se estudo transversal de caráter descritivo-exploratório. Constituíram objeto de análise segundas vias de prescrições e receituário de controle especial elaborados por todos os médicos e odontólogos lotados na atenção primária desse município, no período de janeiro a junho de 2018. Verificaram-se itens como presença de nome do paciente, idade, sexo, via de administração, dosagem/concentração, duração do tratamento, nomenclatura do medicamento, carimbo e assinatura do prescritor. Resultados: Analisaram-se 3.725 prescrições, em que 566 (15,19%) estavam não conformes com a legislação, sendo mais problemáticos os itens identificação do usuário (68,02%), data da prescrição (34,10%), nomenclatura do medicamento por denominação comum brasileira/internacional (18,02%), duração do tratamento (13,96%) e posologia (10,60%). Conclusões: Esses resultados apontam para a necessidade de que estratégias de educação permanente e fiscalização quanto ao cumprimento da legislação sejam desenvolvidas de forma mais assídua.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

World Health Organization. Medication without harm: global patient safety challenge on medication safety. Geneva: World Health Organization; 2017.

Marchon SG, Mendes Junior WV. Segurança do paciente na atenção primária à saúde: revisão sistemática. Cad Saúde Pública 2014;30(9):1815-35. https://doi.org/10.1590/0102-311X00114113 DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311X00114113

Panesar SS, Silva D, Carson-Stevens A, Cresswell KM, Salvilla SA, Slight SP, et al. How safe is primary care? A systematic review. BMJ Qual Saf 2016;25(7):544-53. https://doi.org/10.1136/bmjqs-2015-004178 DOI: https://doi.org/10.1136/bmjqs-2015-004178

Medeiros SG, Virgílio LA, Santos VEP. Segurança do paciente na atenção primária: uma scoping review. Rev APS 2019;22(2):423-39. https://doi.org/10.34019/1809-8363.2019.v22.16743 DOI: https://doi.org/10.34019/1809-8363.2019.v22.16743

Olaniyan JO, Ghaleb M, Dhillon S, Robinson P. Safety of medication use in primary care. Int J Pharm Pract 2015;23(1):3-20. https://doi.org/10.1111/ijpp.12120 DOI: https://doi.org/10.1111/ijpp.12120

Bates DW, Cullen DJ, Laird N, Petersen LA, Pequeno SD, Servi D, et al. Incidence of adverse drug events and potential adverse drug events. JAMA 1995;274(1):29-34. https://doi.org/10.1001/jama.1995.03530010043033 DOI: https://doi.org/10.1001/jama.274.1.29

Montserrat-Capella D, Suárez M, Ortiz L, Mira JJ, Duarte HG, Reveiz L. Frequency of ambulatory care adverse events in Latin American countries: the AMBEAS/PAHO cohort study. Int J Qual Health Care 2015;27(1):52-9. https://doi.org/10.1093/intqhc/mzu100 DOI: https://doi.org/10.1093/intqhc/mzu100

World Health Organization. Medicines: rational use of medicines. Geneva: World Health Organization; 2010.

Pedroso ERP, Oliveira RG. Blackbook: clínica médica. Belo Horizonte: Blackbook; 2007.

Duncan BB, Schmidt MI, Giugliani ERJ. Medicina ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. 3a ed. Porto Alegre: Artmed; 2004.

Silva JSD, Almeida PHRF, Perini E, Pádua CAM, Rosa MB, Lemos GS. Erros de prescrição e administração envolvendo um medicamento potencialmente perigoso. Rev Enferm UFPE on line 2017;11(10):3707-17. https://doi.org/10.5205/reuol.12834-30982-1-SM.1110201702

Brasil. Lei n° 5.991, de 17 de dezembro de 1973. Dispõe sobre controle sanitário do comércio de drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos, e dá outras providências. Brasil; 1973.

Brasil. Lei n° 9.787, de 10 de fevereiro de 1999. Altera a Lei nº 6.360, de 23 de setembro de 1976, que dispõe sobre a vigilância sanitária, estabelece o medicamento genérico, dispõe sobre a utilização de nomes genéricos em produtos farmacêuticos e dá outras providências. Brasil; 1999.

Brasil. Portaria n° 344, de 12 de maio de 1998. Aprova o Regulamento Técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial. Brasil; 1998.

Brasil. RDC n° 20, de 05 de maio de 2011. Dispõe sobre o controle de medicamentos à base de substâncias classificadas como antimicrobianos, de uso sob prescrição, isoladas ou em associação. Brasil; 2011.

Madruga CMD, Souza ESM. Manual de orientações básicas para prescrição médica. Brasília: CRM-PB; 2011.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Conheça cidades e estados do Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2017 [acessado em 17 set. 2021]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br

Prefeitura de Florianópolis. Relação Municipal de Medicamentos – REMUME. Lista de medicamentos disponibilizados pelo SUS em Florianópolis. 2017 [acessado em 5 janeiro 2022]. Disponível em: http://www.pmf.sc.gov.br/arquivos/arquivos/pdf/13_10_2017_13.55.42.3cce57f5063705bcaa513f6ff952173c.pdf

Gomes LS, Oliveira ABM, Batista CL, Feitosa EL, Silva Júnior FTS, Mesquita MVN, et al. Avaliação da prescrição de medicamentos em uma unidade básica de saúde. In: I Congresso de Farmácia Clínica do Piauí – I CINFAPI. Teresina: Revista Interdisciplinar de Ciências Médicas; 2017.

Guzatto P, Bueno D. Análise de prescrições medicamentosas dispensadas na farmácia de uma unidade básica de saúde de Porto Alegre-RS. Rev HCPA & Fac Med Univ Fed Rio Gd do Sul 2007;27(3):20-6. https://doi.org/10183/23585

Ferrari CKB, Brito LF, Oliveira CC, Moraes EV, Toledo OR, David FL. Falhas na prescrição e dispensação de medicamentos psicotrópicos: um problema de saúde pública. Rev Ciênc Farm Básica Apl 2013;34(1):109-16.

DATASUS. Sistema de informação de atenção básica: produção e marcadores. Rio Grande do Norte; 2015 [acessado em 17 set. 2021]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br

Jacobsen TF, Mussi MM, Silveira MPT. Análise de erros de prescrição em um hospital da região do sul do Brasil. Rev Bras Farm Hosp Saúde São Paulo 2015;6(3):23-6.

Ev LS, Guimarães AG, Castro VS. Avaliação das prescrições dispensadas em uma unidade básica de saúde do município de Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil. Lat Am J Pharm 2008;27(4):543-7.

Laste C, Torres ILS, Deitos A, Souza AC, Souza A, Kauffmann C, et al. Análise de prescrições médicas dispensadas em farmácia no Sistema Único de Saúde. Rev HCPA 2013;33(1):15-25. https://doi.org/10183/157968

Silva LSN, Rocha MVIL, Batista AM. Prescrições de medicamentos sujeitos a controle especial em um município do Seridó Potiguar, Brasil. Infarma Cien Farm 2021;3(2):167-74. http://doi.org/10.14450/2318-9312.v33.e2.a2021.pp167-174 DOI: https://doi.org/10.14450/2318-9312.v33.e2.a2021.pp167-174

Silva Júnior FC; Batista AM. Prescrições de antimicrobianos em unidades básicas de saúde de um município do Seridó Potiguar, Brasil. Infarma Cien Farm 2019;31(4):271-6. http://doi.org/10.14450/2318-9312.v31.e4.a2019.pp271-276 DOI: https://doi.org/10.14450/2318-9312.v31.e4.a2019.pp271-276

Bandeira VAC, Hermann CTS, Siqueira CM, Oliveira KR. Análise das prescrições dispensadas em uma unidade básica de saúde do município de Ijuí-RS. Saúde (Santa Maria) 2015;41(1):229-38. http://doi.org/10.5902/2236583415553 DOI: https://doi.org/10.5902/2236583415553

Alecrim JS, Castro JM, Miranda GM, Reinaldo FAF, Lacerda DCA, Reis JF, et al. Avaliação da prevalência de erros de prescrições recebidas em uma instituição de utilidade pública do Vale do Aço-MG. Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde 2017;21(2):70-4. http://doi.org/10.17921/1415-6938.2017v21n2p70-74 DOI: https://doi.org/10.17921/1415-6938.2017v21n2p70-74

World Health Organization. How to investigate drug use in health facilities: selected drug use indicators. Genebra: World Health Organization; 1993.

Organização Mundial da Saúde. Guia para a boa prescrição médica. Porto Alegre: Artmed; 1998.

Souza PHR, Oliveira MAS. Indicadores de prescrição médica: uma revisão sistemática 2015;27(1):5-13. http://doi.org/10.14450/2318-9312.v27.e1.a2015.pp5-13 DOI: https://doi.org/10.14450/2318-9312.v27.e1.a2015.pp5-13

Silva AS, Maciel GA, Wanderley LSL, Wanderley AG. Indicadores do uso de medicamentos na atenção primária de saúde: uma revisão sistemática. Rev Panam Salud Publica 2017;41:e132. http://doi.org/10.26633/RPSP.2017.132 DOI: https://doi.org/10.26633/RPSP.2017.132

Costa GMP, Oliveira MAS. Estudo das prescrições de psicotrópicos em uma farmácia da cidade de Sobral, Ceará, Brasil. Infarma Cien Farm 2017;29(1):27-33. http://doi.org/10.14450/2318-9312.v29.e1.a2017.pp27-33 DOI: https://doi.org/10.14450/2318-9312.v29.e1.a2017.pp27-33

Silva M, Oliveira APM, Pereira KD, Amaral KMM, Sousa MRN, Barros SS, et al. Avaliação do nível de conhecimento das prescrições em atenção primária à saúde. Research, Society and Development 2021;10(5):1-15. http://doi.org/10.33448/rsd-v10i5.14487 DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v10i5.14487

Zanetti MOB, Marchetti JM, Andrade RCG. Compreensão do usuário da atenção primária à saúde sobre o tratamento farmacológico: uma análise comparativa. J Appl Pharm Sci 2020;(7):1-10.

Torres MLD, Sousa LMG, Melo GC, Magalhães Júnior AAM, Firmo WCA. Prescrição de psicotrópicos e especialidade médica: estudo em uma farmácia comercial no município do Maranhão. Revista Científica do ITPAC 2014;7(4):1-6.

World Health Organization. Patient safety curriculum guide: multi-professional edition. Geneva: World Health Organization; 2011.

Publicado

2022-03-04

Como Citar

1.
Jota C de A, Batista AM. Análise das prescrições de medicamentos na atenção primária à saúde de um município Centro-potiguar. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 4º de março de 2022 [citado 28º de maio de 2022];17(44):2432. Disponível em: https://www.rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/2432

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa