Perspectivas acerca do cuidado com a saúde das pessoas em situação de rua

Autores

  • Fernanda Gomes Faria Universidade Federal Fluminense – Rio de Janeiro (RJ), Brasil.
  • Rodrigo Siqueira-Batista 2Universidade Federal de Viçosa, Department of Medicine and Nursing – Viçosa (MG), Brazil / Faculdade Dinâmica do Vale do Piranga, School of Medicine – Ponte Nova (MG), Brazil. https://orcid.org/0000-0002-3661-1570

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc17(44)2548

Palavras-chave:

Pessoas em situação de rua, Necessidades e Demandas de Serviços de Saúde, atenção primária à saúde, Políticas de saúde.

Resumo

Introdução: As pessoas em situação de rua (PSR) estão submetidas, cotidianamente, a significativos riscos, entre os quais se destacam aqueles atinentes à saúde. Objetivo: Discutir as principais questões relativas ao cuidado à saúde das PSR. Métodos: Realizou-se investigação teórica a partir da leitura e apreciação de textos e documentos atuais dirigidos ao tema, a fim de destacar (1) os conceitos chave apresentados e (2) a argumentação desenvolvida. Resultados e discussão: O caminho percorrido em tal empreitada considerou (1) a concepção de saúde-doença e as necessidades e demandas de saúde dessas populações, (2) as políticas públicas e o papel dos serviços na atenção à saúde da PSR e (3) o papel da Atenção Primária à Saúde (APSD), com ênfase no trabalho dos Consultórios na Rua. Conclusões: A sistematização reflexivo-crítica empreendida buscou a delimitação de elementos do aparato jurídico-social e ético-político que envolvem os processos de ampliação do cuidado de tais usuários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Faria FG, Siqueira-Batista, R. (Bio)ética e população em situação de rua: entre Agamben e Derrida. Rev Bioét 2020;28(4):628-36. http://doi.org/10.1590/1983-80422020284426 DOI: https://doi.org/10.1590/1983-80422020284426

Boff L. Saber cuidar. Ética do humano - compaixão pela terra. 20ª ed. Petrópolis: Editora Vozes; 2014.

Assumpção ELA. A vida em cenas de uso de crack: ensaio de análise institucional e bioética [tese de doutorado]. Niterói: Universidade Federal Fluminense; 2016.

Santos ACB, Silva AF, Sampaio DL, Sena LX, Gomes VR, Lima VLA. Antropologia da saúde e da doença: contribuições para a construção de novas práticas em saúde. Revista do NUFEN 2012;4(2):11-21.

Scliar M. História do conceito de saúde. Physis Rev Saúde Coletiva 2007;17(1):29-41. https://doi.org/10.1590/S0103-73312007000100003 DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-73312007000100003

Almeida Filho N. O que é saúde? Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2011.

Santos BS. Um discurso sobre as ciências. Porto: Afrontamento; 1987.

Minayo MCS. Saúde: concepções e políticas públicas. In: Amâncio Filho A, Moreira MCGB. Saúde, trabalho e formação profissional. Rio de Janeiro: Fiocruz; 1997. p. 31-9 [acessado em 20 out. 2021]. Disponível em: http://books.scielo.org/id/9tc7r/pdf/amancio-9788575412787-04.pdf

Alves PC, Rabelo MC. Repensando os estudos sobre representações e práticas em saúde/doença. In: Alves PC, Rabelo MC. Antropologia da saúde: traçando identidade e explorando fronteiras. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 1998. p. 107-21 [acessado em 20 out. 2021]. Disponível em: http://books.scielo.org/id/by55h/pdf/alves-9788575414040-07.pdf DOI: https://doi.org/10.7476/9788575414040

Monken M, Barcellos C. Vigilância em saúde e território utilizado: possibilidades teóricas e metodológicas. Cad Saúde Pública 2005;21(3):898-906. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2005000300024 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2005000300024

Canesqui AM. Notas sobre a produção acadêmica de antropologia e saúde na década de 80. In: Alves PC, Minayo MCS. Saúde e doença: um olhar antropológico. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 1994. p. 13-32 [acessado em 20 out. 2021]. Disponível em: http://books.scielo.org/id/tdj4g/pdf/alves-9788575412763-02.pdf

Sarti C. Corpo e doença no trânsito dos saberes. Rev Bras Ciên Soc 2010;25(74):77-90. https://doi.org/10.1590/S0102-69092010000300005 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-69092010000300005

Guimarães CF, Meneghel SN. Subjetividade e saúde coletiva: produção de discursos na re-significação do processo saúde-doença no pós-moderno. Revista Mal-Estar e Subjetividade 2003;3(2):353-71.

Batistella CEC. Análise da situação de saúde: principais problemas de saúde da população brasileira. In: Fonseca AF, Corbo AMDA. O território e o processo saúde-doença. Rio de Janeiro: EPSJV/Fiocruz; 2007. p. 121-58.

Silva JPV, Batistella C, Gomes ML. Problemas, necessidades e situação de saúde: uma revisão de abordagens para a reflexão e ação da equipe de saúde da família. In: Fonseca AF. O território e o processo saúde-doença. Rio de Janeiro: EPSJV/Fiocruz; 2007. p. 159-176.

Teixeira CF. Modelos de Atenção voltados para a qualidade, efetividade, equidade e necessidades prioritárias de saúde. In: Teixeira CF, Paim JS, Villasbôas AL. Promoção e Vigilância da Saúde. Salvador: ISC; 2002. p. 81-2.

Luz MT. Especificidade da contribuição dos saberes e práticas das Ciências Sociais e Humanas para a saúde. Saúde Soc 2011;20(1):22-31. https://doi.org/10.1590/S0104-12902011000100004 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-12902011000100004

Moraes DE, Canôas SS. O conceito de “território” e seu significado no campo da Atenção Primária à Saúde. Rev Des Social 2013;1(9):49-57.

Campos CMS, Bataiero MO. Necessidades de saúde: uma análise da produção científica brasileira de 1990 a 2004. Interface – Comunic Saúde Educ 2007;11(23):605-18. https://doi.org/10.1590/S1414-32832007000300014 DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-32832007000300014

Minayo MCS. Saúde-doença: uma concepção popular da etiologia. Cad Saúde Pública 1988;4(4):363-81. https://doi.org/10.1590/S0102-311X1988000400003 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X1988000400003

Lobato LVC, Giovanella L. Sistemas de saúde: origens, componentes e dinâmica. In: Giovanella L, Escorel S, Lobato LVC, Noronha JC, Carvalho A. Políticas e Sistema de Saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2012. p. 89-120. DOI: https://doi.org/10.7476/9788575413494

Costa APM. População em situação de rua: contextualização e caracterização. Textos & Contextos 2005;4(1):1-15.

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Decreto no 7.053, de 23 de dezembro de 2009. Institui a Política Nacional para a População em Situação de Rua e seu Comitê Intersetorial de Acompanhamento e Monitoramento, e dá outras providências. Diário Oficial da União, de 24 de dezembro de 2009. Seção 1. p. 16. [acessado em 15 fev. 2018] Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d7053.htm.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa, Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Saúde da população em situação de rua: um direito humano. Brasília: Ministério da Saúde; 2014. [acessado em 20 out. 2021]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_populacao_situacao_rua.pdf

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei no 8.742, de 07 de dezembro de 1993. Dispõe sobre a organização da Assistência Social e dá outras providências. Diário Oficial da União, Seção 1, de 8 de dezembro de 1993, p. 18769. [acessado em 15 fev. 2018]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8742compilado.htm.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde: PNPS: revisão da Portaria MS/GM no 687, de 30 de março de 2006. Brasília: Ministério da Saúde; 2015. [acessado em 20 out. 2021]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pnps_revisao_portaria_687.pdf

Varanda W, Adorno RCF. Descartáveis urbanos: discutindo a complexidade da população de rua e o desafio para políticas de saúde. Saúde e Sociedade 2004;13(1):56-69. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-12902004000100007

Gohn MG. Movimentos sociais e redes de mobilização civis no Brasil contemporâneo. Petrópolis: Vozes, 2013.

Caponi S. Georges Canguilhem y el estatuto epistemológico del concepto de salud. História, Ciências, Saúde 1997;IV(2):287-307. https://doi.org/10.1590/S0104-59701997000200006 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-59701997000200006

Matta GC, Morosini MGV. Atenção primária à saúde. In: Pereira IB. Dicionário da educação profissional em saúde. Rio de Janeiro: EPSJV; 2008. p. 44-9. [acessado em 20 out. 2021]. Disponível em: https://www.epsjv.fiocruz.br/sites/default/files/l43.pdf

Coelho MO, Jorge MSB. Tecnologia das relações como dispositivo do atendimento humanizado na atenção básica à saúde na perspectiva do acesso, do acolhimento e do vínculo. Ciên Saúde Coletiva 2009;14(Supl 1):1523-31. https://doi.org/10.1590/S1413-81232009000800026 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232009000800026

Noronha R. Experiência participativa mobilizadora de enfermagem: condições prévias para o autocuidado. Rev Bras Enf 1986;39(1):34-43. https://doi.org/10.1590/S0034-71671986000100005 DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-71671986000100005

Hallais JAS, Barrros NF. Consultório na Rua: visibilidades, invisibilidades e hipervisibilidade. Cad Saúde Pública 2015;31(7):1497-504. https://doi.org/10.1590/0102-311X00143114 DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311X00143114

Declaração de Alma-Ata sobre cuidados primários. Conferência Internacional sobre Cuidados Primários em Saúde; 1978. [acessado em 20 out. 2021]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/declaracao_alma_ata.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria no 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Ministério da Saúde; 2017. [acessado em 20 out. 2021]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html

Bermudez KM, Siqueira-Batista R. “Many holes tied together with ropes”: the concept of network for mental health professionals. Saude Soc 2017;26(4):904-19. https://doi.org/10.1590/S0104-12902017170298 DOI: https://doi.org/10.1590/s0104-12902017170298

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde; 2014. [acessado em 20 out. 2021]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/nucleo_apoio_saude_familia_cab39.pdf

Silva LAN, Harayama RM, Fernandes FP, Lima JG. Acesso e acolhimento na Atenção Básica da região Oeste do Pará. Saúde Debate 2019;43(122):742-54. https://doi.org/10.1590/0103-1104201912207 DOI: https://doi.org/10.1590/0103-1104201912207

Motta LCS, Siqueira-Batista R. Estratégia Saúde da Família: clínica e crítica. Rev Bras Educ Med 2015;39(2):196-207. https://doi.org/10.1590/1981-52712015v39n2e00912014 DOI: https://doi.org/10.1590/1981-52712015v39n2e00912014

Franco TB. As redes na micropolítica do processo de trabalho em saúde. In: Pinheiro R, Matos RA. Gestão em redes. Rio de Janeiro: LAPPIS-IMS/UERJ-ABRASCO; 2006. [acessado em 20 out. 2021]. Disponível em: http://www.uesc.br/atencaoasaude/publicacoes/redes_na_micropolitica_do_processo_trabalho_-_tulio_franco.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria no 122, de 25 de janeiro de 2011. Define as diretrizes de organização e funcionamento das Equipes de Consultório na Rua. Diário Oficial da União nº 19, Seção 1, p. 46, de 26 de janeiro de 2012. [acessado em 22 jan. 2018]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt0122_25_01_2012.html

Macerata IM. Experiência POP RUA: implementação do “Saúde em Movimento nas Ruas” no Rio de Janeiro, um Dispositivo Clínico/Político na Rede de Saúde do Rio de Janeiro. Rev Polis e Psique 2013;3(2):207-19. https://doi.org/10.22456/2238-152X.46178 DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.46178

Engstrom EM, Teixeira MB. Equipe “Consultório na Rua” de Manguinhos, Rio de Janeiro, Brasil: práticas de cuidado e promoção da saúde em um território vulnerável. Ciên Saúde Coletiva 2016;21(6):1839-48. https://doi.org/10.1590/1413-81232015216.0782016 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015216.0782016

Jorge JS, Corradi-Webster CM. Consultório de Rua: contribuições e desafios de uma prática em construção. Saúde Transform Soc 2012;3(1):39-48.

Santos VE, Soares CB, Campos CMS. Redução de danos: análise das concepções que orientam as práticas no Brasil. Physis Revista da Saúde Coletiva 2010;20(3):995-1015. https://doi.org/10.1590/S0103-73312010000300016 DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-73312010000300016

Santos EC, Azevedo FGS. As práticas itinerantes de cuidado no contexto da saúde mental no Brasil. Rev Psi Divers Saúde 2016;5(1):95-105. https://doi.org/10.17267/2317-3394rpds.v5i1.851 DOI: https://doi.org/10.17267/2317-3394rpds.v5i1.851

Araujo E, Schramm FR. Princípios da clínica na rua e os funcionamentos do crack. Rev Bioét 2017;25(3):473-81. http://doi.org/10.1590/1983-80422017253204 DOI: https://doi.org/10.1590/1983-80422017253204

Teixeira MB, Belmonte P, Engstron EM, Lacerda A. Os invisibilizados da cidade: o estigma da população em situação de rua no Rio de Janeiro. Saúde Debate 2019;43(7):92-101. https://doi.org/10.1590/0103-11042019S707 DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042019s707

Viegas SMF, Nitschke RG, Bernardo LA, Tholl AD, Borrego MAR, Soto PJL, et al. Quotidiano de equipes de consultório na rua: tecendo redes para a promoção da saúde. Esc Anna Nery 2021;25(3):e20200222. https://doi.org/10.1590/2177-9465-EAN-2020-0222 DOI: https://doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2020-0222

Campos A. População de rua: um olhar da educação interprofissional para os não visíveis. Saúde Soc 2018;27(4):997-1003. https://doi.org/10.1590/S0104-12902018180908 DOI: https://doi.org/10.1590/s0104-12902018180908

Publicado

2022-03-04

Como Citar

1.
Faria FG, Siqueira-Batista R. Perspectivas acerca do cuidado com a saúde das pessoas em situação de rua. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 4º de março de 2022 [citado 25º de setembro de 2022];17(44):2548. Disponível em: https://www.rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/2548

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa

Plaudit