Prevenção quaternária e práticas integrativas e complementares em saúde (I)

aproximação fundamental

  • Charles Dalcanale Tesser Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Florianópolis, SC https://orcid.org/0000-0003-0650-8289
  • Armando Henrique Norman Departamento de Clínica Médica, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Campus Reitor João David Ferreira Lima, s/n, Trindade. Florianópolis, SC, Brasil . 88040-900
Palavras-chave: Prevenção Quaternária, Terapias Complementares, Atenção Primária à Saúde, Medicina de Família e Comunidade, SUS, Sistema Único de Saúde.

Resumo

Introdução: A medicina família e comunitária (MFC) vem desenvolvendo a prevenção quaternária (P4) com uma centralidade no uso crítico de recursos biomédicos. Em paralelo, vem crescendo a grande procura e o uso das práticas integrativas e complemantares em saúde (PICS) por pessoas e profissionais de saúde, com crescentes investigação científica e institucionalização das PICS, sobretudo na atenção primária à saúde (APS). Objetivo: Descrever contribuições potenciais de várias PICS para a prática da P4. Métodos: Ensaio baseado em literatura selecionada assistematicamente, em perspectiva hermenêutica de compreender a interface P4-PICS e descrever sinteticamente contribuições possíveis de PICS para a prática da P4. Resultados e Discussão: O uso de PICS como P4 pode facilitar o autoconhecimento e a crítica dos profissionais; reduzir a medicalização, se assim direcionadas; enriquecer o autocuidado; reduzir a iatrogenia dos cuidados e pluralizar a terapêutica; transformar a observação assistida em terapêutica; otimizar a singularização da abordagem; amplificar/diversificar os estímulos à autocura e fornecer novos entendimentos e vias de acesso à saúde-doença. Conclusão: São amplas e férteis as possibilidades de uso de PICS como P4 na MFC e na APS, tanto na prevenção como no cuidado clínico aos adoecidos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Charles Dalcanale Tesser, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Florianópolis, SC

Médico pela Universidade Estadual de Campinas- UNICAMP (1991), com residência em Medicina Preventiva e Social pela UNICAMP (1993), especialização em Homeopatia pela Associação Paulista de Homeopatia (1997), mestrado em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Campinas (1999) e doutorado em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Campinas (2004). Trabalhou 9 anos como médico generalista e sanitarista na atenção básica no interior paulista (zona rural) e 3 anos como generalista da Saúde da Família em Campinas/SP. Atualmente é professor adjunto da Universidade Federal de Santa Catarina (desde 2006). Tem experiência na área de medicina, atenção primária e organização de serviços de atenção primária à saúde, especialmente na Estratégia Saúde da Família, com ênfase em gestão do trabalho de equipes de Saúde da Família, prática médica na atenção primária e medicinas alternativas e complementares nesse contexto. Tem trabalho de pesquisa e ensino na áreas de modelos assistenciais, organização de serviços e acolhimento na atenção primária, práticas e medicinas alternativas e complementares na atenção primária, prática médica e educação médica na atenção primária. Atualmente é bolsista de produtividade em pesquisa do CNPq, docente da Residência em Medicina de Família e Comunidade da UFSC e preceptor do Internato Médico em Interação Comunitária da UFSC (estágios na atenção primária à saúde). Mais informações: Currículo Lattes

Armando Henrique Norman, Departamento de Clínica Médica, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Campus Reitor João David Ferreira Lima, s/n, Trindade. Florianópolis, SC, Brasil . 88040-900

Graduação em medicina pela Universidade Federal do Paraná-UFPR (1989-1995), Residência em Medicina Geral e Comunitária/Medicina de Família e Comunidade pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná-PUC-PR (1999-2001), mestrado (2010-2011) e doutorado (2012-2015) pela Universidade de Durham, Reino Unido na área da Antropologia Médica. É membro externo do grupo de pesquisa "Conspiracy Theories in Health" do Wolfson Research Institute for Health and Wellbeing. Atuou como supervisor do Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade da Secretaria Municipal de Saúde do município do Rio de Janeiro-PRMFC-Rio (períodos 2012; 2016-2017). Atualmente trabalha como médico de família e comunidade na Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis, como preceptor do PRMFC da SMS Florianópolis e também como tutor dos estudantes de graduação em medicina da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Tem experiência nas áreas da Medicina de Família e Comunidade e da Antropologia Médica, atuando principalmente nos seguintes temas: Pagamento por Performance (P4P), Prevenção Quaternária (P4), Medicalização Social, Rastreamento, Medicina de Família e Comunidade (MFC), Atenção Primária à Saúde (APS), Medicina Preventiva e Medicinas Complementares (Homeopatia).

Referências

(1) Bentzen N. Wonca International Classification Committee. Wonca international dictionary for general/family practice [Internet]. Copenhagen: WONCA; 2003; [acesso em 2020 Out 06]. Disponível em: http://www.ph3c.org/PH3C/docs/27/000092/0000052.pdf

(2) World Health Organization (WHO). WHO traditional medicine strategy: 2014-2023. Geneva: WHO; 2013.

(3) Shirwaikar A, Govindarajan R, Rawat AKS. Integrating complementary and alternative medicine with primary health care. Evid Based Complement Alternat Med. 2013;2013:948308. DOI: https://doi.org/10.1155/2013/948308

(4) Adams J, Hollenberg D, Lui C, Broom A. Contextualizing integration: a critical social science approach to integrative health care. J Manipulative Physiol Ther. 2009 Nov/Dez;32(9)792-8.

(5) Tesser CD. Práticas integrativas e complementares e racionalidades médicas no SUS e na atenção primária à saúde: possibilidades estratégicas de expansão. J Manag Prim Health Care [Internet]. 2018 Ago; [citado ANO Mês dia]; 8(2):216-32. Disponível em: http://www.jmphc.com.br/jmphc/article/view/528

(6) McWhinney IR. Manual de medicina de família e comunidade. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2010.

(7) Kooreman P, Baars EW. Patients whose GP knows complementary medicine tend to have lower costs and live longer. Eur J Health Econ. 2012 Dez;13(6):769-76.

(8) Krug K, Kraus KI, Herrmann K, Joos S. Complementary and alternative medicine (CAM) as part of primary health care in Germany-comparison of patients consulting general practitioners and CAM practitioners: a cross-sectional study. BMC Complement Altern Med. 2016 Out;16(1):409. DOI: https://doi.org/10.1186/s12906-016-1402-8

(9) Sharp D, Lorenc A, Feder G, Little P, Hollinghurst S, Mercer S, MacPherson H. ‘Trying to put a square peg into a round hole’: a qualitative study of healthcare professionals’ views of integrating complementary medicine into primary care for musculoskeletal and mental health comorbidity. BMC Complement Altern Med. 2018 Out;18(1):290. DOI: https://doi.org/10.1186/s12906-018-2349-8

(10) Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Política nacional de práticas integrativas e complementares no SUS. Atitude de ampliação de acesso. Série B. Textos básicos de saúde [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2006. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pnpic.pdf

(11) Tesser CD, Sousa IMC, Nascimento MC. práticas integrativas e complementares na atenção primária à saúde brasileira. Saúde Debate. 2018 Set;42(spe1):174-88. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0103-11042018s112

(12) Schneiderman LJ. The (alternative) medicalization of life. J Law Med Ethics. 2003 Jun;31(2):191-7. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1748-720X.2003.tb00080.x

(13) Kuehlein T, Sghedoni D, Visentin G, Gérvas J, Jamoulle M. Quaternary prevention: a task of the general practitioner. Prim Care [Internet]. 2010; [citado ANO Mês dia]; 10(18):350-4. Disponível em; http://www.primary-care.ch/docs/primarycare/archiv/de/2010/2010-18/2010-18-368_ELPS_engl.pdf

(14) Gadamer H. Verdade e método I. 10ª ed. Petrópolis: Vozes; 2008.

(15) Luz MT, Barros NF. Racionalidades médicas e práticas integrativas em saúde: estudos teóricos e empíricos. Rio de Janeiro: CEPESC/IMS/ABRASCO; 2012.

(16) Clarke TC, Black LI, Stussman BJ, Barnes PM, Nahin RL. Trends in the use of complementary health approaches among adults: United States, 2002-2012. Natl Health Stat Report. 2015;79:1-16.

(17) McWhinney IR. William Pickles Lecture 1996. The importance of being different. Br J Gen Pract. 1996 Jul;46(408):433-6.

(18) McWhinney IR. Family medicine as a science. J Fam Pract. 1978 Jul;7(1):53-8.

(19) Tesser CD. Cuidado clínico e sobre medicalização na atenção primária à saúde. Trab Educ Saúde. 2019;17(2):e0020537. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sol00205

(20) Anjum RL, Copeland S, Rocca E. Rethinking causality, complexity and evidence for the unique patient: a CauseHealth Resource for healthcare professionals and the clinical encounter. Cham: Springer Nature; 2020. DOI: https://doi.org/10.1007/978-3-030-41239-5

(21) Feyerabend PK. Adeus à razão. Lisboa: Edições 70; 1991.

(22) Jaco BR, Norman AH. A filosofia da Medicina de Família e Comunidade segundo Ian McWhinney e Roger Neighbour. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2020 Abr;15(42):1991. DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)1991

(23) Conrad P. The medicalization of society. Baltimore: Johns Hopkins University Press; 2007.

(24) Illich I. Medical nemesis: the expropriation of health. New York: Pantheon; 1976.

(25) Illich I. Medicalization and primary care. J R Coll Gen Pract. 1982 Ago;32(241):463-70.

(26) Correia T. Revisiting medicalization: a critique of the assumptions of what counts as medical knowledge. Front Sociol. 2017 Set;2:14. DOI: https://doi.org/10.3389/fsoc.2017.00014

(27) Ning AM. How holistic is complementary and alternative medicine (CAM)? Examining self-responsibilization in cam and biomedicine in a neoliberal age. Med Res Arch [Internet]. 2018 Mai; [citado ANO Mês dia]; 6(5):1-11. Disponível em: https://journals.ke-i.org/index.php/mra/article/view/1750

(28) Camargo Junior KR. As armadilhas da “concepção positiva de saúde. Physis. 2007 Abr;17(1):63-76. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-73312007000100005

(29) Ning AM. How ‘Alternative’ is CAM? Rethinking conventional dichotomies between biomedicine and complementary/alternative medicine. Health. 2013 Mar;17(2):135-58. DOI: https://doi.org/10.1177/1363459312447252

(30) Scott AL. Paradoxes of holism: some problems in developing an anti-oppressive medical practice. Health. 1999 Abr;3(2):131-49. DOI: https://doi.org/10.1177/136345939900300201

(31) Sered S, Agigian A. Holistic sickening: breast cancer and the discursive worlds of complementary and alternative practitioners. Sociol Health Illn. 2008 Fev;30(4):616-31. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1467-9566.2007.01076.x

(32) Lowenberg JS, Davis F. Beyond medicalisation-demedicalisation: the case of holistic health. Sociol Health Illn. 1994 Nov;16(5):579-99. DOI: https://doi.org/10.1111/1467-9566.ep11348024

(33) Riccò I. Searching for a ‘new magical world’: the contradictions of CAM and new age therapies in the West. Anthropol Med. 2020 Jan;27(1):96-109. DOI: https://doi.org/10.1080/13648470.2018.1544605

(34) Astin JA. Why patients use alternative medicine: results of a national study. JAMA. 1998 Mai;279(19):1548-53. DOI: https://doi.org/10.1001/jama.279.19.1548

(35) Tesser CD, Dallegrave D. Práticas integrativas e complementares e medicalização social: indefinições, riscos e potências na atenção primária à saúde. Cad Saúde Pública. 2020;36(9):e00231519. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00231519

(36) Fries CJ. Governing the health of the hybrid self: Integrative medicine, neoliberalism, and the shifting biopolitics of subjectivity. Health Sociol Rev. 2008;17(4):353-67. DOI: https://doi.org/10.5172/hesr.451.17.4.353

(37) Tesser CD. Medicalização social (II): limites biomédicos e propostas para a clínica na atenção básica. Interface (Botucatu). 2006 Dez;10(20):347-62. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-32832006000200006

(38) Menéndez EL. Modelos de atención de los padecimientos: de exclusiones teóricas y articulaciones prácticas. Ciênc Saúde Coletiva. 2003;8(1):185-207. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232003000100014

(39) Rose N. Beyond medicalisation. Lancet. 2007 Fev;369(9562):700-2. DOI: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(07)60319-5

(40) Foucault M. Microfísica do poder. 18ª ed. Rio de Janeiro: Graal; 1979.

(41) Rose G. Estratégias da medicina preventiva. Porto Alegre: Artmed; 2010.

(42) Sá RF, Nogueira J, Guerra VA. Traditional and complementary medicine as health promotion technology in Brazil. Health Promot Int. 2019 Mar;34(Supl 1):i74-i81. DOI: https://doi.org/10.1093/heapro/day087

(43) Antunes PC. Práticas corporais integrativas: experiências de contracultura na atenção básica e emergência de um conceito para o campo da saúde [tese] [Internet]. Porto Alegre (RS): Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2019. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/203795

(44) Galvanese ATC, Barros NF, d’Oliveira AFPL. Contribuições e desafios das práticas corporais e meditativas à promoção da saúde na rede pública de atenção primária do Município de São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2017;33(12):e00122016. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00122016

(45) Kloetzel K. Medicina ambulatorial: princípios básicos. São Paulo: EPU; 1999.

(46) Tesser CD, Barros NF. Medicalização social e medicina alternativa e complementar: pluralização terapêutica do Sistema Único de Saúde. Rev Saúde Pública. 2008 Out;42(5):914-20. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-89102008000500018

(47) Keene MR, Heslop IM, Sabesan SS, Glass BD. Complementary and alternative medicine use in cancer: a systematic review. Complement Ther Clin Pract. 2019 Mai;35:33-47. DOI: https://doi.org/10.1016/j.ctcp.2019.01.004

(48) Furnham A, Vincent C. Reasons for using CAM. In: Kelner M, Wellman B, Pescosolido B, Saks M, eds. Complementary and alternative medicine: challenge and change. Amsterdam: Harwood Academic Publishers; 2000. p. 61-78.

(49) Dantas F. O medicamento homeopático provoca efeitos adversos ou agravações medicamentos-dependentes?. Rev Homeopatia (São Paulo) [Internet]. 2017; [citado ANO Mês dia]; 80(1-2):174-82. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/hom-12053

(50) Stub T, Musial F, Kristoffersen AA, Alræk T, Liu J. Adverse effects of homeopathy, what do we know? A systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. Complement Ther Med. 2016 Jun;26:146-63. DOI: https://doi.org/10.1016/j.ctim.2016.03.013

(51) Mathie RT, Roberts ER, Rutten ALB. Adverse effects of homeopathy: we clearly need more details. Complement Ther Med. 2016 Dez;29:235. DOI: https://doi.org/10.1016/j.ctim.2016.05.011

(52) Chan MW, Wu XY, Wu JC, Wong SYS, Chung VCH. Safety of acupuncture: overview of systematic reviews. Sci Rep. 2017 Jun;7:3369. DOI: https://doi.org/10.1038/s41598-017-03272-0

(53) Antonio GD, Tesser CD, Moretti-Pires RO. Contribuições das plantas medicinais para o cuidado e a promoção da saúde na atenção primária. Interface (Botucatu). 2013 Set;17(46):615-34. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-32832013005000014

(54) Faqueti A, Tesser CD. Utilização de medicinas alternativas e complementares na atenção primária à saúde de Florianópolis/SC, Brasil: percepção de usuários. Ciênc Saúde Coletiva. 2018 Ago;23(8):2621-30. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232018238.22012016

(55) McWhinney IR. Why we need a new clinical method. Scand J Prim Health Care. 1993;11(1):3-7. DOI: https://doi.org/10.3109/02813439308994894

(56) Tesser CD, Luz MT. Racionalidades médicas e integralidade. Ciênc Saúde Coletiva. 2008 Fev;13(1):195-206. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232008000100024

(57) Stewart M, Brown JB, Weston WW, McWhinney IR, McWilliam CL, Freeman TR. Medicina centrada na pessoa: transformando o método clínico. Porto Alegre: Artmed; 2010.

(58) Norman AH, Tesser CD. Seguindo os passos de McWhinney: da medicina de família à medicina tradicional e complementar. Interface (Botucatu). 2019 Set;23:e190036. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/interface.190036

(59) Santos ACD, Correia IB, Silva RC. O Tao na Medicina de Família e Comunidade: relações entre acupuntura e o método clínico centrado na pessoa. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2019 Mai;14(41):1624. DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc14(41)1624

(60) Coutinho BD, Dulcetti PGS. O movimento Yīn e Yang na cosmologia da medicina chinesa. Hist Ciênc Saúde-Manguinhos. 2015 Set;22(3):797-811. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-59702015000300008

(61) Resch KL, Ernst E. Metodologias de pesquisa em medicina complementar: como garantir que funcionam. In: Ernst E, ed. Medicina complementar: uma avaliação objetiva. São Paulo: Manole; 2001. p. 17-28.

(62) Saretta ME. Feitos e efeitos do placebo: corpo, dor e realidade a partir da Antropologia social [tese] [Internet]. Porto Alegre (RS): Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2019. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/199511

(63) Colloca L, Barsky AJ. Placebo and nocebo effects. N Engl J Med. 2020 Fev;382(6):554-61. DOI: https://doi.org/10.1056/NEJMra1907805

(64) Bystad M, Bystad C, Wynn R. How can placebo effects best be applied in clinical practice? A narrative review. Psychol Res Behav Manag. 2015 Jan;8:41-5. DOI: http://dx.doi.org/10.2147/PRBM.S75670

(65) Davis-Floyd R, St. John G. Del médico al sanador. Buenos Aires: Creavida; 2004.

(66) Coulter I, Snider P, Neil A. Vitalism – a worldview revisited: a critique of vitalism and its implications for integrative medicine. Integrative Med [Internet]. 2019 Jun; [citado ANO Mês dia]; 18(3):60-73. Disponível em: https://fnminstitute.org/wp-content/uploads/2019/08/Coulter-Vitalism-FNMI-IMCJ.pdf

(67) Laplantine F, Rabeyron PL. Medicinas paralelas. São Paulo: Brasiliense; 1989.

(68) Tesser CD. Produção de saber, racionalidades médicas e cuidado: ideias iniciais. In: Nascimento MC, Nogueira MI, orgs. Intercâmbio solidário de saberes em saúde: racionalidades médicas e práticas integrativas e complementares. São Paulo: Hucitec; 2013. p. 80-105.

(69) Joint Commissioning Panel for Mental Health (JCP-MH). Guidance for commissioners of services for people with medically unexplained symptoms [Internet]. London: JCP-MH; 2017; [acesso em 2020 Mai 19]. Disponível em: https://www.jcpmh.info/wp-content/uploads/jcpmh-mus-guide.pdf

(70) Teixeira MZ. Possíveis contribuições do modelo homeopático à humanização da formação médica. Rev Bras Educ Med. 2009 Set;33(3):454-63. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022009000300016

(71) Salles SAC, Ayres JRCM. A consulta homeopática: examinando seu efeito em pacientes da atenção básica. Interface (Botucatu). 2013 Jun;17(45):315-26. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-32832013005000010

(72) Wenceslau LD, Röhr F, Tesser CD. Contribuições da medicina antroposófica à integralidade na educação médica: uma aproximação hermenêutica. Interface (Botucatu). 2014;18(48):127-38. DOI: https://doi.org/10.1590/1807-57622014.0745

(73) Norman AH, Tesser CD. Quaternary prevention: a balanced approach to demedicalisation. Br J Gen Pract. 2019;69(678):28-9. DOI: https://doi.org/10.3399/bjgp19X700517

(74) Tesser CD, Norman AH. Geoffrey Rose e o princípio da precaução: para construir a prevenção quaternária na prevenção. Interface (Botucatu). 2019 Ago;23:e180435. DOI: https://doi.org/10.1590/interface.180435

Publicado
2020-12-22
Como Citar
1.
Tesser CD, Norman AH. Prevenção quaternária e práticas integrativas e complementares em saúde (I): aproximação fundamental. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 22º de dezembro de 2020 [citado 17º de janeiro de 2021];15(42):2551. Disponível em: https://www.rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/2551
Seção
Artigos de Pesquisa