Maternagem: estratégia de prevenção em saúde para formação de sujeitos saudáveis

  • Gabriela dos Santos Buccini APS Santa Marcelina Faculdade de Saúde Pública - USP
  • Marina Lucia Pereira de Almeida Tulha APS Santa Marcelina
Palavras-chave: Relações Mãe-Filho, Saúde Materno-Infantil, Prevenção Primária, Promoção da Saúde

Resumo

Após o primeiro ano de experiência do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF), realizou-se uma análise das principais demandas ou sintomas. Na população infantil, observaram-se dificuldades relacionadas à linguagem, aprendizagem, comportamento e vinculação. Na população adulta, foram encontradas dificuldades relacionadas à autonomia no processo saúde/doença, corpo e resolução de conflitos. Com base nas diretrizes da Atenção Básica, elaborou-se uma intervenção para lidar com as queixas provenientes dos vínculos frágeis que constituem as relações parentais, acarretando consequências para o desenvolvimento ou formação dos sujeitos. Para tanto, criou-se o grupo de Maternagem, que se trata da atividade de cuidar que propicia à criança atenção necessária e suporte emocional para um desenvolvimento neuropsicomotor saudável. Trata-se de um grupo terapêutico-educativo. Em relação às mães, observou-se mudança no posicionamento em relação à educação e colocação de limites, elaboração de conflitos familiares, reflexão sobre sua relação com seus pais, aprimoramento da escuta e vinculação. Nos bebês, observou-se melhora na vinculação, na aceitação do toque materno e nos limites, maior tranquilidade e aprimoramento das habilidades neuropsicomotoras. O desafio é tratar de maternagem com sujeitos que foram pouco maternados, portanto, vulneráveis, pouco autônomos, com dificuldade de estabelecer relações pautadas na confiança/segurança. Em muitos momentos, as mães é que são maternadas, ressignificando seus primeiros vínculos, recuperando o brincar e a fantasia. Acredita-se que a mudança do sujeito-mãe possa ocorrer por meio da transformação da relação mãe-bebê, o que será determinante na formação do sujeito-bebê e possibilitará a ressignificação das relações familiares, produzindo saúde.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Gabriela dos Santos Buccini, APS Santa Marcelina Faculdade de Saúde Pública - USP
Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo. APS Santa Marcelina.
Marina Lucia Pereira de Almeida Tulha, APS Santa Marcelina
Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo. APS Santa Marcelina.

Referências

Albuquerque LM. Desafios para a implantação da estratégia Saúde da Família: a (re)formação dos profissionais. Rev Bras Saúde Fam. 2006; 7(10): 49-51.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção á Saúde. Departamento de Atenção Básica. Portaria GM Nº 648, 28 de Março de 2006. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Brêtas JRS, Silva CV. Mudanças na vida privada familiar: repercussões para a maternagem e o desenvolvimento da criança. Acta Paul Enf. 1998; 11(1): 38-45.

Winnicott DW. A família e o desenvolvimento individual. São Paulo: Martins Fontes; 1993.

Winnicott DW. Os bebês e suas mães. São Paulo: Martins Fontes; 1999.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Cadernos de Atenção Básica. Diretrizes do NASF: Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Penteado RZ, Servilha EAM. Fonoaudiologia em saúde pública/coletiva: compreendendo prevenção e o paradigma da promoção da saúde. Distúrb Comun. 2004; 6(1): 107-16.

Santos da Silva MR. A Construção de uma trajetória resiliente durante as primeiras etapas do desenvolvimento da criança: o papel da sensibilidade materna e do suporte social. [tese]. Florianópolis: Departamento de Enfermagem, Universidade Federal de Santa Catarina; 2003.

Böing E, Crepaldi MA. Os efeitos do abandono para o desenvolvimento psicológico de bebês e a maternagem como fator de proteção. Estud Psicol (Campinas). 2004; 21(3): 211-26.

Publicado
2011-08-10
Como Citar
Buccini, G. dos S., & Tulha, M. L. P. de A. (2011). Maternagem: estratégia de prevenção em saúde para formação de sujeitos saudáveis. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 6(20), 203-206. https://doi.org/10.5712/rbmfc6(20)257
Seção
Relatos de Experiência