Contribuições técnicas e socioculturais da prevenção quaternária para a atenção primária à saúde

caminhos e desafios

Palavras-chave: Prevenção Quaternária, Atenção Primária à Saúde, Sistema Único de Saúde, Medicina de Família e Comunidade, Sobremedicalização.

Resumo

Introdução: No contexto do Sistema Único de Saúde, o conceito da prevenção quaternária adentra timidamente os níveis de atenção à saúde, no entanto, sofre expansão significativa no âmbito da atenção primária à saúde. Objetivo: Identificar por meio da sistematização de evidências científicas, as contribuições técnicas e socioculturais da prevenção quaternária no âmbito da atenção primária à saúde no Brasil. Métodos: Trata-se de uma revisão integrativa de estudos presentes nas bases de dados científicas da Scientific Electronic Library Online, Biblioteca Virtual em Saúde, biblioteca virtual da Comissão de Aperfeiçoamento de Pessoal do Nível Superior e MEDLINE via PubMed com a utilização dos descritores “prevenção quaternária” e “atenção primária à saúde”, em inglês e português. Resultados: O corpus de análise foi composto por 22 artigos, sendo que a produção científica sobre o tema se deu de forma mais intensa a partir do ano de 2015 e, em sua maioria, possuíam como abordagem metodológica ensaios teóricos. Dentre as contribuições técnicas destacaram-se a introdução do ensino da prevenção quaternária de modo continuado aos graduandos e profissionais; a construção de protocolos e documentos de amparo profissional; a utilização de modelos explicativos dinâmicos na socialização do quadro clínico; a conduta profissional com os usuários e as contribuições socioculturais envolvendo mudanças na percepção profissional e comunitária sobre o fenômeno saúde-doença, assim como o incentivo a práticas de desmedicalização sociocultural em relação à dor, incapacidade, desconforto, envelhecimento, nascimento e morte. Conclusão: Apesar do reconhecimento das potencialidades da prevenção quaternária, faz-se necessário fortalecer estratégias que possibilitem o desenvolvimento de políticas públicas para fomentar e gerenciar alianças estratégicas com tomadores de decisão, profissionais de saúde e cidadãos, para fomentar a redução de diagnósticos e tratamentos excessivos, contribuindo com a qualidade do cuidado.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Fernanda Beatriz Melo Maciel, Universidade Federal da Bahia, Instituto Multidisciplinar em Saúde, Vitória da Conquista, Salvador, BA, Brasil.

Bacharela em Saúde pela Universidade Federal da Bahia (2018). Atualmente graduanda em Medicina junto ao Instituto Multidisciplinar em Saúde, Campus Anísio Teixeira, UFBA. Foi monitora do protejo de extensão HIV/AIDS: Educar para desmitificar, atuando principalmente nos seguintes temas: HIV/AIDS, infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), representações e conhecimento das ISTs entre universitários, práticas de prevenção e promoção da saúde. Participa da iniciação científica como voluntária no projeto de Integração de Ações de Vigilância, Prevenção e Controle de Doenças Tropicais Negligenciadas: Perspectivas Epidemiológicas e Operacionais para Hanseníase e Doença de Chagas no SUS no Sudoeste do Estado da Bahia

Hebert Luan Pereira Campos dos Santos, Universidade Federal da Bahia, Instituto Multidisciplinar em Saúde, Vitória da Conquista, Salvador, BA, Brasil.

Bacharel em Saúde pela Universidade Federal da Bahia (2018). Atualmente, graduando em Medicina pelo Instituto Multidisciplinar em Saúde(IMS)/UFBA e bolsista do Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde/Interprofissionalidade). Compõe a equipe de pesquisadores do estudo Integração de ações de vigilância, prevenção e controle de Doenças Tropicais Negligenciadas: perspectivas epidemiológicas e operacionais para Hanseníase e Doença de Chagas no SUS no sudoeste do Estado da Bahia. Membro do grupo de pesquisa Programa Integrado em Epidemiologia e Avaliação de Impactos na Saúde das Populações do Instituto de Saúde Coletiva(ISC)/UFBA.

Nilia Maria de Brito Lima Prado, Universidade Federal da Bahia, Instituto Multidisciplinar em Saúde, Vitória da Conquista, Salvador, BA, Brasil.

Doutora em Saúde Pública (ISC/UFBA) (2017) com estágio doutoral no Instituto de Higiene e Medicina Tropical da Universidade Nova de Lisboa (IHMT/UNL). Professora adjunta da Universidade Federal da Bahia,Campus Anísio Teixeira. Docente permanente do Mestrado em Saúde Coletiva e do Mestrado em Psicologia da Saúde (IMS/UFBA). Vice líder do Grupo de Pesquisa Observatório Baiano de Redes de Atenção à Saúde (OBRAS) -  na UFBA, pesquisadora no Programa Integrado de Pesquisa e Cooperação Técnica em Formação e Avaliação da Atenção Básica (GRAB) ISC/UFBA e pesquisadora do Observatório de Análise Política em Saúde (OAPS/ISC/UFBA)- eixo Atenção Primária e Promoção da Saúde e do Núcleo de Epidemiologia e Saúde Coletiva (NESC /UFBA/IMS/CAT). Membro da Associação Latina para Análise de Sistemas de Saúde (ALASS).

Referências

(1) Leavell H, Clark EG. Medicina Preventiva. São Paulo: McGraw-Hill, 1976.

(2) Jamoulle M, Gomes LF. Prevenção quaternária e limites em medicina. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2013 Abr/Jul;9(31):186-91. DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc9(31)867

(3) Tesser CD. Prevenção quaternária para a humanização da atenção primária à saúde. Mundo Saúde. 2012;36(3):416-26.

(4) Jamoulle M. Quaternary prevention: prevention as you never heard before. Belgium: WONCA International Dictionary For General/Family Practice; 2000.

(5) Gomes LF, Gusso G, Jamoulle M. O ensino e a aprendizagem da prevenção quaternária. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2015 Abr/Jun;10(35):1-14. DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc10(35)1050

(6) Martins C, Godycki-Cwirko M, Heleno B, Brodersen J. Prevenção quaternária: revendo o conceito. Eur J Gen Pract. 2018 Jan;24(1):106-11.

(7) Brodersen J, Schwartz LM, Woloshin S. Overdiagnosis: how cancer screening can turn indolent pathology into illness. APMIS. 2014 Aug;122(8):683-9.

(8) Jamoulle M. Prevenção quaternária: primeiro não causar dano. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2015 Abr/Jun;10(35):1-3. DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc10(35)1064

(9) Norman AH, Tesser CD. Prevenção quaternária na atenção primária à saúde: uma necessidade do Sistema Único de Saúde. Cad Saúde Pública. 2009 Set;25(9):2012-20.

(10) Norman AH, Tesser CD. Prevenção quaternária: as bases para sua operacionalização na relação médico-paciente. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2015 Abr/Jun;10(35):1-10. DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc10(35)1011

(11) Moraes CF, Neiva T, Vianna LG. Prevenção em saúde na prática médica: da primária à quaternária. Rev Gest Saúde. 2015;6(2):1418-2.

(12) Tesser CD. Por que é importante a prevenção quaternária na prevenção?. Rev Saúde Pública. 2017;51:116.

(13) Tesser CD, Norman AH. Geoffrey Rose e o princípio da precaução: para construir a prevenção quaternária na prevenção. Interface (Botucatu). 2019;23:e180435. DOI: https://doi.org/10.1590/interface.180435

(14) Harzheim E, Chueiri PS, Umpierre RN, Gonçalves MR, Siqueira ACS, D’Avila OP, et al. Telessaúde como eixo organizacional dos sistemas universais de saúde do século XXI. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2019;14(41):1881. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc14(41)1881

(15) Modesto AAD. Nem tudo que reluz é ouro: discutindo prevenção quaternária a partir de ditados populares. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2019;14(41):1781. DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc14(41)1781

(16) Tesser CD. Cuidado clínico e sobremedicalização na atenção primária à saúde. Trab Educ Saúde. 2019;17(2):e0020537. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00205

(17) Barbosa AP, Ricacheneisky LF, Daudt CG. Prevenção e rastreamento de neoplasias femininas: mama e colo do útero. Acta Méd. 2018;39(2):335-45.

(18) Gross DMP, Camacho ACL, Leandro R, Daher DV, Mota CP. Prevenção quaternária na gestão da atenção primária à saúde: revisão integrativa. Rev Enferm UFPE. 2016;10(4):3608-19.

(19) Tesser CD, Knobel R, Andrezzo HFA, Diniz SD. Violência obstétrica e prevenção quaternária: o que é e o que fazer. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2015;10(35):1-12. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc10(35)1013

(20) Tesser CD, Norman AH. Differentiating clinical care from disease prevention: a prerequisite for practicing quaternary prevention. Cad Saúde Pública. 2016 Out;32(10):e00012316. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311X00012316

(21) Norman AH, Hunter DJ, Russell AJ. Linking high-risk preventive strategy to biomedical-industry market: implications for public health. Saude Soc. 2017 Jul/Set;26(3):638-50. DOI: https://doi.org/10.1590/s0104-12902017172682

(22) Mangin D, Heath I. Multimorbidade e prevenção quaternária (P4). Rev Bras Med Fam Comunidade. 2015 Abr/Jun;10(35):1-5. DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc10(35)1069

(23) Modesto AAD, Lima RLB, D’Angelis AC, Augusto DK. A not-so-blue November: debating screening of prostate cancer and men’s health. Interface (Botucatu). 2018;22(64):251-62.

(24) Pizzanelli M, Jamoulle M. Vacinação contra o vírus do papiloma humano à luz da prevenção quaternária. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2019;14(41):1800. DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc14(41)1800

(25) Alber K, Kuehlein T, Schedlbauer A, Schaffer S. Medical overuse and quaternary prevention in primary care – a qualitative study with general practitioners. BMC Fam Pract. 2017;18:99. DOI: https://doi.org/10.1186/s12875-017-0667-4

(26) Pausch M, Schedlbauer A, Weiss M, Kuehlein T, Hueber S. Is it really always only the others who are to blame? GP’s view on medical overuse. A questionnaire study. PLoS One. 2020;15(1):e0227457. DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0227457

(27) Santos JA. Autoexames mamário e testicular nos rastreamentos oncológicos: uma questão de prevenção quaternária?. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2015 Jul/Set;10(36):1-6. DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc10(36)1094

(28) Costa OC, Reis A. Questões epistemológicas e bioéticas da prevenção quaternária. Physis. 2012;22(4):1485-1502. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-73312012000400012

(29) Bae JM. Implementation of quaternary prevention in the Korean healthcare system: lessons from the 2015 Middle East respiratory syndrome coronavirus outbreak in the Republic of Korea. J Prev Med Public Health. 2015 Nov;48(6):271-3.

(30) Almenas M, Hidalgo CE, Pineda CA, Muñoz E, Armadillo MLR, Salvatierra E, et al. Quaternary prevention: how to do, how to teach. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2018 Out;13(Supl 1):69-83.

(31) Maldonado JMS, Marques AB, Cruz A. Telemedicine: challenges to dissemination in Brazil. Cad Saúde Pública. 2016;32(Supl 2):e00155615. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00155615

(32) Brito FG, Rodrigues AAA, Destro Filho JA. Telemedicina como instrumento de soporte en la atención primaria a la salud. Latin Am J Telehealth [Internet]. 2017; [citado 2020 Junho 09]; 4(2):155-60. Disponível em: http://cetes.medicina.ufmg.br/revista/index.php/rlat/article/view/187/361

(33) Tesser CD, D’Ávila TLC. Por que reconsiderar a indicação do rastreamento do câncer de mama?. Cad Saúde Pública. 2016;32(5):e00095914. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00095914

(34) Treadwell J, McCartney M. Sobrediagnóstico e tratamento excessivo: médicos generalistas - é hora de uma revolução na medicina. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2016;11(38):1-5. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc11(38)1400

(35) Lima R. Prevenção quaternária e bioética em tempos de Covid-19. Rio de Janeiro (RJ): Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC); 2020 Mai; [acesso em 202 Maio 07]. Disponível em: https://www.sbmfc.org.br/noticias/artigo-prevencao-quaternaria-e-bioetica-em-tempos-de-covid-19/

(36) Widmer D, Herzig L, Jamoulle M. Prévention quaternaire: agir est-il toujours justifié en médecine de famille?. Rev Med Suisse. 2014;10(430):1052-6.

(37) Pellin PP, Rosa RS. Prevenção quaternária conceito, importância e seu papel na educação profissional. Saberes Plurais: Educação na Saúde. 2018;2(3):9-22.

(38) Santos HLPC, Maciel FBM, Flores REL, Ferreira PR. Antropologia e saúde caminhos possíveis para (re)pensar a prática médica: antropologia e saúde na formação médica. REVASF [Internet]. 2019; [citado 2020 Junho 05]; 9(20):50-64. Disponível em: https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/541

(39) Santos HLPC, Maciel FBM. Comunicação na formação médica: algumas reflexões. REVASF [Internet]. 2020; [citado 2020 Junho 05]; 10(21):201-18. Disponível em: https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1055

Publicado
2020-12-22
Como Citar
1.
Maciel FBM, Santos HLPC dos, Prado NM de BL. Contribuições técnicas e socioculturais da prevenção quaternária para a atenção primária à saúde: caminhos e desafios. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 22º de dezembro de 2020 [citado 17º de janeiro de 2021];15(42):2571. Disponível em: https://www.rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/2571
Seção
Artigos de Pesquisa