Auriculoterapia na atenção primária

perspectivas de participantes de um grupo fechado

Autores

  • Lívia Karoline Morais da Silva Faculdade de Ciências Médicas da Paraíba https://orcid.org/0000-0002-2225-5616
  • Hannyelly de Souza Lima Faculdade de Ciências Médicas da Paraíba https://orcid.org/0000-0001-8005-8314
  • Wanessa Toscano Cavalcante Faculdade de Ciências Médicas da Paraíba https://orcid.org/0000-0003-3982-0594
  • Maria do Socorro Trindade Morais Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa, PB, Brasil.
  • Yullia Abreu Viana Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa, PB, Brasil.
  • Luana Martiniano da Silva Faculdade de Ciências Médicas da Paraíba https://orcid.org/0000-0003-4999-5662

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc17(44)2687

Palavras-chave:

Auriculoterapia, Terapias complementares, Atenção primária à saúde.

Resumo

Introdução: A inserção da auriculoterapia no âmbito da atenção primária à saúde em João Pessoa é recente e ocorre de forma autônoma e difusa, a depender da motivação dos profissionais. Objetivo: O objetivo deste artigo é apresentar uma breve análise sobre a oferta da auriculoterapia em um grupo de caráter fechado. Métodos: Pesquisa qualitativa exploratória utilizando dados coletados por meio de entrevistas semiestruturadas com usuários que utilizam a auriculoterapia no processo terapêutico. Resultados: Após a análise qualitativa dos dados por meio da técnica de análise de conteúdo de Bardin, emergiram três categorias: compreensão e construção de conceitos sobre auriculoterapia; concepção sobre a eficácia da auriculoterapia; experiência da auriculoterapia em grupo. Pode-se depreender que a oferta de auriculoterapia na atenção primária é visualizada pelo usuário como uma prática que leva ao bem-estar e alivia suas dores, sejam elas físicas ou emocionais. Os usuários revelam ainda a importância da educação em saúde para a compreensão da terapia da qual usufruem, construindo suas concepções pelas vivências, trocas e compartilhamento de conhecimentos. Conclusões: A auriculoterapia é, portanto, uma prática pela qual se pode construir e fortalecer vínculos e aumentar o escopo de ações ofertadas para o alcance da integralidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Hannyelly de Souza Lima, Faculdade de Ciências Médicas da Paraíba

Pós Graduanda Gestão em Saúde pela UFRGS. Residência em Saúde da Família e Comunidade pela FCM/UFPB (2018-2020).Auriculoterapeuta pela UFSC/FIOCRUZ (2018). Enfermeira da Estratégia Saúde da Família do Município de Mamanguape(2013-2017). Pós-graduada em Saúde da Família pela Faculdade Integrada de Patos(término em 2015).Capacitação em Urgência e Emergência- Curso de Socorrista.(2012). Integrante do Grupo de Estudo e Pesquisa Politicas Publicas de Atenção a Saúde da Mulher e Gênero. - UFPB/ CNPQ) (2011 - 2013).Bolsista no Programa de Iniciação Cientifica com o projeto de pesquisa "O trabalho das Práticas Profissionais na atenção à mulher em situação de violência doméstica e sua relação com a emancipação da opressão de gênero" ( 2011-2012) Extensionista pelo projeto "Passarinho" que atua na Casa da Criança com Câncer em vinculo com a UFPB.(2010-2013).

 

Wanessa Toscano Cavalcante, Faculdade de Ciências Médicas da Paraíba

Enfermeira graduada no curso de bacharelado e licenciatura em Enfermagem pela Universidade Federal da Paraíba (2014). Especialista em Saúde do Idoso na modalidade residência multiprofissional pela Universidade Federal da Paraíba/Hospital Universitário Lauro Wanderley (2017). Especialista em Saúde da Família e Comunidade na modalidade residência multiprofissional pela Faculdade de Ciências Médicas da Paraíba/Prefeitura Municipal de João Pessoa (2020)

Maria do Socorro Trindade Morais, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa, PB, Brasil.

Possui graduação em Enfermagem, Especialização em Saúde da Família, Mestrado em Enfermagem, e Doutorado em Educação, na linha Educação Popular, todos pela Universidade Federal da Paraiba (UFPB). É professora do Departamento de Promoção da Saúde do Centro de Ciências Médica da Universidade Federal da Paraíba (DPS/CCM/UFPB). Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Saúde da Família, Saúde Comunitária, Educação Popular em saúde, e Práticas Integrativas e Complementares em Saúde.

Yullia Abreu Viana , Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa, PB, Brasil.

Bacharela e Licenciada em Enfermagem pela Universidade Federal da Paraíba (2013). Especialista em Saúde do Idoso na modalidade residência multiprofissional pelo Hospital Universitário Lauro Wandeley (2017). Especialista em Saúde da Criança e do Adolescente na modalidade Residência Multiprofissional pelo Hospital Universitário Lauro Wanderley (2019). Mestranda no Programa de pós graduação em Modelos de Decisão em Saúde (MDS), Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

Luana Martiniano da Silva, Faculdade de Ciências Médicas da Paraíba

Atualmente é Servidora Pública no Município de Pedras de Fogo-PB, atuando como Nutricionista do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). Especialista em Atenção Básica pelo Programa de Pós-graduação em Residência Multiprofissional em Saúde da Família e Comunidade - RMSFC com atuação na Estratégia Saúde da Família e Redes de Atenção à Saúde - RAS do município de João Pessoa-PB (2018-2020). Formação em Auriculoterapia; Aperfeiçoamento em andamento na prescrição de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e Formação em andamento em Aromaterapia Clínica

Referências

Arouca AS. O dilema preventivista. São Paulo: Unesp; Rio de Janeiro: Fiocruz; 2003.

Souto LRF, Oliveira MHB. Movimento da reforma sanitária brasileira: um projeto civilizatório de globalização alternativa e construção de um pensamento pós-abissal. Saúde Debate 2016;40(108):204-18. https://doi.org/10.1590/0103-1104-20161080017 DOI: https://doi.org/10.1590/0103-1104-20161080017

Paiva CHA, Teixeira LA. Reforma sanitária e a criação do Sistema Único de Saúde: notas sobre contextos e autores. Hist Cienc Saude-Manguinhos 2014;21(1):15-36. https://doi.org/10.1590/S0104-59702014000100002 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-59702014000100002

Ministério da Saúde (BR). Anais da 8ª Conferência Nacional de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 1986.

Brasil. Constituição 1988. Constituição da República Federativa do Brasil.

Brasília: Senado; 1988. Portuguese.

Brasil. Lei nº 8080, de 19 setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União; 1990. Portuguese.

Ministério da Saúde (BR). Portaria no 971 de 3 de maio de 2006. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União; 2006. Portuguese.

Tesser CD, Neves ML, Santos MC. Introdução à formação em Auriculoterapia. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2016.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 2.436 de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União; 2017. Portuguese.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual de implantação de serviços de práticas integrativas e complementares no SUS/Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2018.

Moreira DA. O método fenomenológico na pesquisa. São Paulo: Pioneira Thomson; 2002.

Minayo MCZ. O desafio do conhecimento. Pesquisa qualitativa em saúde. 9ª ed. São Paulo: Hucitec; 2006.

Piovesan A, Temporini ER. Pesquisa exploratória: procedimento metodológico para o estudo de fatores humanos no campo da saúde pública. Rev Saúde Pública 1995;29(4):318-25. https://doi.org/10.1590/S0034-89101995000400010 DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-89101995000400010

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011.

Osório LC. Psicologia grupal: uma nova disciplina para o advento de uma nova era. Porto Alegre: Artmed, 2003.

Moré CLOO, Ribeiro C. Curso de Especialização em Saúde da Família – modalidade a distância. Trabalhando com grupos na estratégia Saúde da Família. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2010.

Zimerman DE, Osório DC. Como trabalhamos com grupos. Porto Alegre: Artes Médicas; 1997.

Sousa IMC, Tesser CD. Medicina Tradicional e Complementar no Brasil: inserção no Sistema Único de Saúde e integração com a atenção primária. Cad Saúde Pública 2017;33(1):e00150215. https://doi.org/10.1590/0102-311X00150215 DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00150215

Santos JF. Auriculoterapia e cinco elementos. 3ª ed. São Paulo: Ícone; 2010.

Nogier PMF. Noções práticas de Auriculoterapia. São Paulo: Andrei Editora; 1998.

Chiquetti CB. A utilização de Auriculoterapia como recurso terapêutico no controle da pressão arterial [tese de conclusão de curso]. Cascavel: Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE); 2004.

Yamamura Y. Entendendo medicina chinesa e acupuntura. São Paulo: Centre AO; 2006.

Souza MP. Tratado de auriculoterapia. Brasília: Instituto Yang; 2007.

Abbate S. Chinese auricular acupuncture. 2a ed. Flórida: CRC Press; 2016.

Hou PW, Hsu HC, Lin YM, Tang NY, Cheng CY, Hsieh CL. The history, mechanism, and clinical application of Auricular Therapy in Traditional Chinese Medicine. Evid Based Complement Alternat Med 2015;2015:495684.https://doi.org/10.1155/2015/495684 DOI: https://doi.org/10.1155/2015/495684

Manfroi MN, Correia PMS, Franzoni WCC, Moraes LB, Stein F, Marinho A. Dor: o impulso na busca pela saúde por meio de práticas integrativas e complementares. BrJP 2019;2(4):316-20. https://doi.org/10.5935/2595-0118.20190058 DOI: https://doi.org/10.5935/2595-0118.20190058

Kurebayashi LFS, Turrini RNT, Souza TPB, Marques CF, Rodrigues RTF, Charlesworth K. Auriculotherapy to reduce anxiety and pain in nursing professionals: a randomized clinical trial. Rev Latino-Am Enfermagem 2017;25:e2843. https://doi.org/10.1590/1518-8345.1761.2843 DOI: https://doi.org/10.1590/1518-8345.1761.2843

Nascimento MC. As duas faces da montanha: estudos sobre medicina chinesa e acupuntura. São Paulo: Hucitec, 2006.

Brasil. Ministério da Saúde. Carta dos direitos dos usuários da saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Fortuna CM, Mishima SM, Matumoto S, Pereira MJB. O trabalho de equipe no programa de saúde da família: reflexões a partir de conceitos do processo grupal e de grupos operativos. Rev Latino-Am Enfermagem 2005;13(2):262-8. https://doi.org/10.1590/S0104-11692005000200020 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-11692005000200020

Menezes KPP, Avelino PR. Grupos operativos na Atenção Primária à Saúde como prática de discussão e educação: uma revisão. Cad Saúde Colet 2016;24(1):124-30. https://doi.org/10.1590/1414-462X201600010162 DOI: https://doi.org/10.1590/1414-462X201600010162

Pereira AV, Vieira ALS, Amâncio Filho A. Grupos de educação em saúde: aprendizagem permanente com pessoas soropositivas para o HIV. Trab Educ Saúde 2011;9(1):25-41. https://doi.org/10.1590/S1981-77462011000100003 DOI: https://doi.org/10.1590/S1981-77462011000100003

Publicado

2022-07-30

Como Citar

1.
Silva LKM da, Lima H de S, Cavalcante WT, Morais M do ST, Viana YA, Silva LM da. Auriculoterapia na atenção primária: perspectivas de participantes de um grupo fechado. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 30º de julho de 2022 [citado 12º de agosto de 2022];17(44):2687. Disponível em: https://www.rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/2687

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa