Estratégias para sustentar o interesse em realizar residência médica em Medicina de Família e Comunidade durante tempos de pandemia de COVID-19 no contexto brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc16(43)2817

Palavras-chave:

Internato e Residência, Motivação, Pandemias

Resumo

A residência médica é considerada o padrão-ouro na formação de especialistas em Medicina de Família e Comunidade. Há uma alta demanda por profissionais adequadamente qualificados nessa área no contexto brasileiro. No entanto, essa residência ainda se mostra pouco atrativa para boa parte dos egressos de Medicina, fato revelado pelas inúmeras vagas ociosas e altas taxas de desistência a despeito de seriadas tentativas de torná-la mais motivante para o candidato. A pandemia intensificou ainda mais esse desinteresse e há sinais de que ela persistirá em 2021. Assim, torna-se necessário e urgente buscar novas estratégias. Entre as alternativas que podem combater esse desânimo estão a reestruturação de ambientes de ensino virtual e a redistribuição da carga horária dos residentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rafael Fernandes de Almeida, Universidade de Brasília (UNB), Brasília, Distrito Federal, Brasil

Médico brasiliense graduado pela Universidade de Brasília. Foi intercambista pelo programa Ciência Sem Fronteiras na Universidade Radboud, em Nijmegen, nos Países Baixos. Atualmente é residente em Medicina de Família e Comunidade pelo Grupo Hospitalar Conceição. Possui interesse nas áreas de Saúde Mental, Educação Médica, Medicina Paliativa, Fotografia, Cinema e Literatura.

Bruna Lasserré Nunes Coêlho, Universidade de Brasília (UNB), Brasília, Distrito Federal, Brasil

Médica brasiliense graduada pela Universidade de Brasília. Atualmente é residente em Medicina de Família e Comunidade pelo Grupo Hospitalar Conceição. Possui interesse nas áreas de Comunicação Compassiva, Saúde Mental, Saúde da Família e Espiritualidade.

Referências

(1) Brasil. Ministério da Saúde. Lei 6.932, de 7 de julho de 1981. Dispõe sobre as atividades do médico residente e dá outras providências. Brasília: Presidência da República; 1981.

(2) Scheffer M, Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da USP, Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo. Demografia Médica no Brasil 2015. São Paulo: Conselho Federal de Medicina; 2015.

(3) Sobrinho WP. Residentes do HC reclamam de exploração e formação prejudicada na pandemia [Internet]. 2020 [acessado em 20 nov. 2020]. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2020/08/10/residentes-do-hc-reclamam-exploracao-e-formacao-prejudicada-na-pandemia.html

(4) Hahn TW. Virtual noon conferences: providing resident education and wellness during the COVID-19 pandemic. PRiMER 2020;4:17. https://doi.org/10.22454/PRiMER.2020.364166 DOI: https://doi.org/10.22454/PRiMER.2020.364166

(5) Ramos-Cerqueira ATA, Lima MCP. A formação da identidade do médico: implicações para o ensino de graduação em Medicina. Interface (Botucatu) 2002;6(11):107-16. https://doi.org/10.1590/S1414-32832002000200008 DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-32832002000200008

(6) Cavalcante Neto PG, Lira GV, Miranda AS. Interesse dos estudantes pela medicina de família: estado da questão e agenda de pesquisa. Rev Bras Educ Med 2009;33(2):198-204. https://doi.org/10.1590/S0100-55022009000200006 DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-55022009000200006

(7) Mello GA, Mattos ATR, Souto BGA, Fontanella BJB, Demarzo MMP. Médico de família: ser ou não ser? Dilemas envolvidos na escolha desta carreira. Rev Bras Educ Med 2009;33(3):464-71. https://doi.org/10.1590/S0100-55022009000300017 DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-55022009000300017

(8) Scudellari M. How the pandemic might play out in 2021 and beyond. Nature 2020;584(7819):22-5. https://doi.org/10.1038/d41586-020-02278-5 DOI: https://doi.org/10.1038/d41586-020-02278-5

(9) Martini S, Arfken CL, Balon R. Comparison of burnout among medical residents before and after the implementation of work hours limits. Acad Psychiatry 2006;30(4):352-5. https://doi.org/10.1176/appi.ap.30.4.352 DOI: https://doi.org/10.1176/appi.ap.30.4.352

(10) Ogawa R, Seo E, Maeno T, Ito M, Sanuki M, Maeno T. The relationship between long working hours and depression among first-year residents in Japan. BMC Med Educ 2018;18(1):50. https://doi.org/10.1186/s12909-018-1171-9 DOI: https://doi.org/10.1186/s12909-018-1171-9

(11) Moeller A, Webber J, Epstein I. Resident duty hour modification affects perceptions in medical education, general wellness, and ability to provide patient care. BMC Med Educ 2016;16:175. https://doi.org/10.1186/s12909-016-0703-4 DOI: https://doi.org/10.1186/s12909-016-0703-4

(12) Louie M, Moulder JK, Wright K, Siedhoff M. Mentoring millennials in surgical education. Curr Opin Obstet Gynecol 2019;31(4):279-84. https://doi.org/10.1097/GCO.0000000000000546 DOI: https://doi.org/10.1097/GCO.0000000000000546

(13) Yazdankhahfard M, Haghani F, Omid A. The Balint group and its application in medical education: a systematic review. J Educ Health Promot 2019;8:124. https://doi.org/10.4103/jehp.jehp_423_18

Downloads

Publicado

2021-12-29

Como Citar

1.
Almeida RF de, Coêlho BLN. Estratégias para sustentar o interesse em realizar residência médica em Medicina de Família e Comunidade durante tempos de pandemia de COVID-19 no contexto brasileiro. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 29º de dezembro de 2021 [citado 17º de janeiro de 2022];16(43):2817. Disponível em: https://www.rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/2817

Edição

Seção

Perspectivas