Uso de disciplina violenta na infância

percepções e práticas na Estratégia Saúde da Família

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc17(44)2835

Palavras-chave:

Estratégia saúde da família, Educação infantil, Punição.

Resumo

Introdução: A reflexão sobre violência familiar contra a criança ganhou destaque internacional nas últimas décadas, acompanhada de políticas para a abolição de atos de disciplina violenta, que ainda permanecem aceitos socialmente e são utilizados por muitos responsáveis. Objetivo: Conhecer as percepções e práticas no âmbito da Estratégia Saúde da Família (ESF) relacionadas à orientação sobre métodos de disciplina em duas unidades no município do Rio de Janeiro. Métodos: Foram abordados 38 profissionais que atuam no atendimento cotidiano às crianças. Procedeu-se à análise de conteúdo dos relatos obtidos por meio de entrevistas semiestruturadas, e os dados foram organizados nas categorias: “percepção dos profissionais da ESF sobre disciplina infantil” e “práticas sobre disciplina na infância: existem oportunidades de promoção na ESF?” Resultados: Parece ainda não existir abordagem rotineira sobre disciplina infantil em nenhuma das clínicas estudadas, nem são realizadas atividades direcionadas à prevenção de maus-tratos. Os profissionais relacionaram suas experiências pessoais (vivenciadas na própria infância e com seus filhos) com as ações realizadas em sua prática cotidiana. Conclusões: Os relatos sugerem que a abordagem do castigo corporal permanece encoberta nas consultas de puericultura, com perdas de oportunidades de apoio aos pais e de promoção de vínculos familiares positivos. Com base em mudanças significativas na percepção sobre o que se considera violência, os profissionais possam ressignificar suas crenças, ampliando suas ações sobre o tema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Silvana Martinho Sinhorinho, Universidade Estácio de Sá – Rio de Janeiro (RJ), Brasil.

Possui graduação em Medicina pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2011). Residência em Pediatria pelo HUPE-UERJ. Mestre em Saúde da Família pela UNESA.

Anna Tereza Miranda Soares de Moura, Universidade Estácio de Sá – Rio de Janeiro (RJ), Brasil.

Possui graduação em Medicina pela Universidade Gama Filho (1987), Mestrado (2002) e Doutorado (2006) ambos em Saúde Coletiva pelo Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IMS / UERJ), com área de concentração em Epidemiologia. 
Especialização (Residência Médica) em Pediatria na Secretaria Municipal de Saúde (HMSA) (1989) e Terapia Intensiva Pediátrica no Hospital Servidores do Estado - HSE / Rio de Janeiro (2001). 
Obteve o Título de Especialista em Pediatria pela Sociedade Brasileira de Pediatria/Associação Médica Brasileira. 
Atualmente é Professora Associada do Departamento de Pediatria da Faculdade de Ciências Médicas da UERJ e Professora Titular do Curso de Medicina e do Programa de Pós-Graduação em Saúde da Família da Universidade Estácio de Sá.
Gerente de Ensino da Diretoria Nacional de Medicina da YDUQS. 
É Pediatra do Hospital Universitário Pedro Ernesto desde 1996, onde foi COORDENADORA do Ambulatório da Família (2001 / 2012) - destinado ao atendimento de crianças vítimas de violência familiar. 
Atualmente é Secretária Geral da SOPERJ para o triênio 2019-2021 onde exerceu a função de Vice-Presidente (triênio 2016-2019) e Presidente do Comitê de Segurança da Criança e do Adolescente, nos triênios 2007-2009 & 2010-2012. 
Foi Editora Chefe da Revista de Pediatria SOPERJ de 2012 a 2017.
Foi Coordenadora de Graduação e Coordenadora Adjunta de Extensão da FCM / UERJ, por período de quatro anos, início em março de 2012.
Vice Diretora da FCM / UERJ, por período entre março de 2016 e fevereiro de 2019.
Fellow FAIMER (2013) no Curso de Especialização em Educação para Profissionais de Saúde. Também atua como faculty - preceptor no referido programa desde 2014.
Foi Subsecretária de Pós-Graduação, Ensino e Pesquisa em Saúde na Secretaria de Estado do Rio de Janeiro no período de 2019 a maio de 2020, com exoneração a pedido.
Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em Pediatria, atuando principalmente nos temas: Pediatria geral, Violência familiar, Saúde coletiva, Epidemiologia, Promoção da saúde, educação em saúde, linhas de cuidado.
Na área de educação médica, tem especial interesse em processos de aprimoramento curricular e desenvolvimento docente

Referências

Minayo MCS, Deslandes SF. Análise diagnóstica da política nacional de saúde para redução de acidentes e violência. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; 2007. DOI: https://doi.org/10.7476/9788575415412

Krug EG, Dalbergh LL, Mercy JA, Zwi AB, Lozano R .World report on violence and health. Genebra: World Health Organization; 2002. [acessado em 4 set. 2019]. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/42495/9241545615_eng.pdf

Global Report 2017. Ending violence in childhood. Know violence in childhood: a global learning initiative. New Delhi, India; 2017. [acessado em 24 set. 2019]. Disponível em: https://resourcecentre.savethechildren.net/node/12380/pdf/global_report_2017_ending_violence_in_childhood.pdf

UNICEF. A Familiar Face: violence in the lives of children and adolescents. New York: UNICEF; 2017. [acessado em 24 set. 2019]. Disponível em: https://data.unicef.org/resources/a-familiar-face/

Minayo MCS, Souza ER, Silva MMA, Assis SG. Institucionalização do tema da violência no SUS: avanços e desafios. Ciênc Saúde Colet 2018;23(6):2007-16. https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.04962018 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.04962018

Maternowska C, Shackel RL, Carlson C, Levtov RG. The global politics of the age-gender divide in violence against women and children. Glob Public Health 20201;16(3):354-65. https://doi.org/10.1080/17441692.2020.1805783 DOI: https://doi.org/10.1080/17441692.2020.1805783

Lansford JE, Cappa C, Putnick DL, Bornstein MH, Deater-Deckard K, Bradley RH. Change over time in parents’ beliefs about and reported use of corporal punishment in eight countries with and without legal bans. Child Abuse Negl 2017;71:44-55. https://doi.org/10.1016/j.chiabu.2016.10.016 DOI: https://doi.org/10.1016/j.chiabu.2016.10.016

Gershoff ET. Corporal punishment by parents and associated child behaviors and experiences: a meta-analytic and theoretical review. Psychol Bull 2002;128(4):539-79. https://doi.org/10.1037/0033-2909.128.4.539 DOI: https://doi.org/10.1037/0033-2909.128.4.539

Gershoff ET, Grogan-Kaylor A. Spanking and child outcomes: old controversies and new meta-analyses. J Fam Psychol 2016;30(4):453-69. https://doi.org/10.1037/fam0000191 DOI: https://doi.org/10.1037/fam0000191

Font SA, Cage J. Dimensions of physical punishment and their associations with children's cognitive performance and school adjustment. Child Abuse Negl 2018;75:29-40. https://doi.org/10.1016/j.chiabu.2017.06.008 DOI: https://doi.org/10.1016/j.chiabu.2017.06.008

Reichenheim ME, Souza ER, Moraes CL, Jorge MHPM, Silva CMFP, Minayo MCS. Violência e lesões no Brasil: efeitos, avanços alcançados e desafios futuros. Lancet 2011;6736(11):75-89.

Saliba Garbin CA, Wakayama B, Arcieri RM, Paula AM, Garbin AJI. La violencia intrafamiliar y los processos notificatorios bajo la óptica del professional de salud pública. Rev Cubana Salud Pública 2017;43(2):204-13.

Peterman A, Potts A, O’Donnel M, Thompson K, Shah N, Oertel-Prigione S, et al. Pandemics and violence against women and children. Working paper 528. Washington: Center for Global Development; 2020. [acessado em 10 set. 2020]. Disponível em: https://www.cgdev.org/sites/default/files/pandemics-and-vawg-april2.pdf

Women’s Aid Until Women & Children are Safe. A perfect storm: the impact of the covid-19 pandemic on domestic abuse survivors and the services supporting them. [Internet] 2020. [acessado em 10 set. 2020]. Disponível em: https://www.womensaid.org.uk/a-perfect-storm-the-impact-of-the-covid-19-pandemic-on-domestic-abuse-survivors-and-the-services-supporting-them/

Marques ES, Moraes CL, Hasselmann MH, Deslandes SF, Reichenheim ME. A violência contra mulheres, crianças e adolescentes em tempos de pandemia pela covid-19: panorama, motivações e formas de enfrentamento. Cad Saúde Pública 2020;36(4):e00074420. https:// doi.org/10.1590/0102-311X00074420 DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00074420

Rosemberg F, Mariano CLS. A convenção internacional sobre os direitos da criança: debates e tensões. Cad Pesqui 2010;40(141):693-728. https://doi.org/10.1590/S0100-15742010000300003 DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-15742010000300003

World Health Organization. Global status report on violence prevention. Luxembourg: World Health Organization; 2014.

Moura ATMS, Moraes CL, Reichenheim ME. Detecção de maus-tratos contra a criança: oportunidades perdidas em serviços de emergência na cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saúde Pública 2008;24(12):2926-36. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2008001200022 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2008001200022

Fertonani HP, Pires DEP, Biff D, Scherer MDA. Modelo assistencial em saúde: conceitos e desafios para a atenção básica brasileira. Ciênc Saúde Coletiva 2015;20(6):1869-78. https://doi.org/10.1590/1413-81232015206.13272014 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015206.13272014

Costa GD, Cotta RMM, Ferreira MLSM, Reis JR, Franceschini SCC. Saúde da família: desafios no processo de reorientação do modelo assistência. Rev Bras Enferm 2009;62(1):113-8. https://doi.org/10.1590/S0034-71672009000100017 DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-71672009000100017

Silva GS, Fernandes DRF, Alves CRL. Avaliação da assistência à saúde da criança na Atenção Primária no Brasil: revisão sistemática de métodos e resultados. Ciênc Saúde Coletiva 2020;25(8):3185-200. https://doi.org/10.1590/1413-81232020258.27512018 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232020258.27512018

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2010. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; 2010. [acessado em 20 jan. 2019]. Disponível em: http://censo2010.ibge.gov.br

Bardin L. Análise de conteúdo. 4a ed. Lisboa: Edições 70; 1977.

Caregnato RCA, Mutti R. Pesquisa qualitativa: análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto Contexto Enferm 2006;15(4): 679-84. https://doi.org/10.1590/S0104-07072006000400017 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-07072006000400017

Araújo GB, Sperb TM. Crianças e a construção de limites: narrativas de mães e professoras. Psicol Estud 2009;14(1):185-94. https://doi.org/10.1590/S1413-73722009000100022 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-73722009000100022

Wachelke JFR, Camargo BV. Representações sociais, representações individuais e comportamento. Revista Interamericana de Psicologia. 2007;41(2):379-90.

Ribeiro JM. O uso do castigo físico em crianças e adolescentes como prática educativa: algumas perspectivas da Sociologia, Filosofia e Psicologia. Pesqui Prát Psicossociais 2014;9(2):213-21.

Beatriz E, Salhi C. Child discipline in low- and middle-income countries: socioeconomic disparities at the household-and country-level. Child Abuse Negl 2019;94:104023. https://doi.org/10.1016/j.chiabu.2019.104023 DOI: https://doi.org/10.1016/j.chiabu.2019.104023

Ribeiro JML. Uso da palmada como ferramenta pedagógica no contexto familiar: mania de bater ou desconhecimento de outra estratégia de educação? Pesquisas e Práticas Psicossociais 2012;7(1):52-8.

Minayo MCS. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciênc Saúde Coletiva 2012;17(3):621-6. https://doi.org/10.1590/S1413-81232012000300007 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232012000300007

United Nations. General Assembly. Resolution adopted by the General Assembly on 25 September 2015. Transforming our world: the 2030 agenda for sustainable development. Disponível em: https://www.un.org/en/development/desa/population/migration/generalassembly/docs/globalcompact/A_RES_70_1_E.pdf

Rodrigues LS, Chalhub AA. Contextos familiares violentos: da vivência de filho à experiência de pai. Pensando Fam 2014;18(2):77-92.

Sinhorinho SM, Moura ATS. Disciplina violenta: uma revisão sobre suas causas, consequências e alternativas para prática pediátrica. Rev Ped SOPERJ 2020;20(1):10-7. https://doi.org/10.31365/ISSN.2595-1769.V20I1P10-17

Santos LF, Costa MM, Javae ACRS, Mutti CF, Pacheco LR. Fatores que interferem no enfrentamento da violência infantil por conselheiros tutelares. Saúde Debate 2019;43(120):137-49. https://doi.org/10.1590/0103-1104201912010 DOI: https://doi.org/10.1590/0103-1104201912010

Carlos DM, Pádua EMM, Ferriani MGC. Violência contra crianças e adolescentes: o olhar da Atenção Primária à Saúde. Rev Bras Enferm 2017;70(3):537-44. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0471 DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0471

Figueiredo GLA, Mello DF. Atenção à saúde da criança no Brasil: aspectos da vulnerabilidade programática e dos direitos humanos. Rev Latino-Am Enfermagem 2007;15(6):1-7. https://doi.org/10.1590/S0104-11692007000600018 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-11692007000600018

Damasceno SS, Nóbrega VM, Coutinho SED, Reichert APS, Toso BRGO, Collet N. Saúde da criança no Brasil: orientação da rede básica à Atenção Primária à Saúde. Ciênc Saúde Colet 2016;21(9):2961-73. https://doi.org/10.1590/1413-81232015219.25002015 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015219.25002015

Oliveira SF, Machado FCA. Percepção dos profissionais da estratégia saúde da família sobre processos educativos em saúde. Rev Ciênc Plur 2020;6(1):56-70. DOI: https://doi.org/10.21680/2446-7286.2020v6n1ID18905

Buss PM, Hartz ZMA, Pinto LF, Rocha CMF. Promoção da saúde e qualidade de vida: uma perspectiva histórica ao longo dos últimos 40 anos (1980-2020). Ciênc Saúde Colet 2020;25(12):4723-35. https://doi.org/10.1590/1413-812320202512.15902020 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-812320202512.15902020

Sasaki AK, Ribeiro MPDS. Percepção e prática da promoção da saúde na estratégia saúde da família em um centro de saúde em São Paulo, Brasil. Rev Bras Med Fam Comunidade 2013;8(28):155-63. https://doi.org/10.5712/rbmfc8(28)664 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc8(28)664

Benício LFR, Barros JPP. Estratégia saúde da Família e violência urbana; abordagens e práticas sociais em questão. Sanare. 2017;16(supl 1):102-12.

Pires JM, Goldani MZ, Vieira EM, Nava TR, Feldens L, Castilhos K, et al. Barreiras, para notificação pelo pediatra, de maus tratos infantis. Rev Bras Saúde Matern Infant 2005;5(1):103-8. http://doi.org/10.1590/S1519-38292005000100013 DOI: https://doi.org/10.1590/S1519-38292005000100013

Buss PM. Promoção da saúde e qualidade de vida. Ciênc Saúde Coletiva 2000;5(1):163-77. https://doi.org/10.1590/S1413-81232000000100014 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232000000100014

Del Ciampo LA, Ricco RG, Daneluzzi JC, Del Ciampo IRL, Ferraz IS, Almeida CAN. O programa de saúde da família e a puericultura. Ciênc Saúde Coletiva 2006;11(3):739-43. https://doi.org/10.1590/S1413-81232006000300021 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232006000300021

Melo EM, Silva JM, Belisário SA, Jorge AO, Pinheiro TMM, Cunha CF, et al. Promoção de saúde, práxis de autonomia e prevenção da violência. Saúde Debate 2018;42(spe4):5-12. https://doi.org/10.1590/0103-11042018S400 DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042018s400

Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde; 2002. [acessado em 18 jan. 2019]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_primaria_p1.pdf

Kessler M, Lima SBS, Weiller TH, Lopes LFD, Ferraz L, Thumé E. A longitudinalidade na Atenção Primária à Saúde: comparação entre modelos assistenciais. Rev Bras Enferm. 2018;71(3):1127-35. http://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0014 DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0014

Santos JS, Yakuwa MS. A Estratégia Saúde da Família frente à violência contra crianças: revisão integrativa. Rev Soc Bras Enferm Ped 2015;15(1):38-43. http://doi.org/10.31508/1676-3793201500006

Fortuna CM, Matumoto S, Pereira MJB, Camargo-Borges C, Kawata LS, Mishima SM. Educação permanente na estratégia saúde da família: repensando os grupos educativos. Rev Latino-Am Enfermagem 2013;21(4):1-8. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-11692013000400022

Ferreira CLS, Côrtes MCJW, Gontijo ED. Promoção dos direitos da criança e prevenção de maus tratos infantis. Ciênc Saúde Coletiva 2019;24(11):3997-4008. https://doi.org/10.1590/1413-812320182411.04352018 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-812320182411.04352018

Cunha MS, Castilho Sá M. A visita domiciliar na estratégia de saúde da família: os desafios de se mover no território. Interface (Botucatu) 2013;17(44):61-73. https://doi.org/10.1590/S1414-32832013000100006 DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-32832013000100006

Publicado

2022-06-14

Como Citar

1.
Sinhorinho SM, Moura ATMS de. Uso de disciplina violenta na infância: percepções e práticas na Estratégia Saúde da Família. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 14º de junho de 2022 [citado 27º de junho de 2022];17(44):2835. Disponível em: https://www.rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/2835

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa