Serviços de atendimento integral à saúde de transexuais e travestis no Sistema Único de Saúde

uma revisão integrativa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc17(44)2964

Palavras-chave:

Transexualidade, Identidade de Gênero, Sexualidade, Atenção Primária à Saúde, Sistema Único de Saúde

Resumo

Introdução: É inegável o cenário de marginalização institucional a que está exposta a população travesti e transexual. Isso inclui serviços mesmo no contexto do Sistema Único de Saúde (SUS). Esse fenômeno, como apontam a literatura e os próprios movimentos sociais, apresenta-se principalmente no desrespeito ao nome social, na discriminação, na necessidade de diagnóstico para acesso a serviços e no despreparo das equipes de saúde. Para que se possam reduzir iniquidades históricas na constituição da assistência e da implementação de políticas públicas em saúde, é necessário caracterizar a assistência ofertada a essa população no âmbito do SUS. Objetivo: Analisar como se vêm constituindo os serviços de atendimento integral à saúde de pessoas transexuais e travestis no Brasil com base em uma revisão integrativa da literatura sobre o tema. Métodos: Este é um estudo de natureza qualitativa, do tipo exploratório. Foi realizada revisão integrativa da literatura, buscando explorar o cenário de atenção à saúde trans atual no país. A busca foi conduzida nas bases Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), Scientific Electronic Library Online (SciELO) e Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) no período de julho a setembro de 2020. Os critérios de inclusão foram ter temática referente a serviços públicos e nacionais de atenção à saúde trans e travesti, independentemente do nível de complexidade. Resultados: Foi realizada a leitura completa de 22 trabalhos. O cenário de atenção à saúde trans e travesti no âmbito do SUS consiste, majoritariamente, em serviços de atenção especializada e concentra-se no Sul do país, em grandes centros urbanos. Os dispositivos de saúde já existentes na rede não se mostram suficientes e capacitados para realizar assistência integral em saúde, com uma ótica que fuja à heterocisnormatividade e ao modelo patologizador biomédico das transidentidades. Modelos de serviços exitosos na Atenção Primária à Saúde (APS), contudo, estão modificando esse cenário. Conclusões: Serviços específicos para a população trans e travesti são necessários, pois operam na lógica de sanar iniquidades históricas sofridas por essa população. A APS é um cenário estratégico nesse cuidado e políticas públicas devem operar nessa perspectiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Guilherme Gomes Ferreira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS

Bacharel, mestre e doutor em Serviço Social. Especialista em Saúde da Família e Comunidade. Professor do Departamento de Serviço Social da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Mayara Floss, Grupo Hospitalar Conceição (GHC), Porto Alegre, RS, Brasil.

Residente em Medicina de Família e Comunidade no Grupo Hospitalar Conceição

Diego Azevedo Conte de Melo, Grupo Hospitalar Conceição (GHC), Porto Alegre, RS, Brasil.

Médico de família e comunidade, mestre em saúde coletiva e preceptor do Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade do Grupo Hospitalar Conceição

Referências

Muller MI, Knauth DR. Desigualdades no SUS: o caso do atendimento às travestis é ‘babado’!. Cad EBAPE.BR 2008;(6)2:1-14. https://doi.org/10.1590/S1679-39512008000200002 DOI: https://doi.org/10.1590/S1679-39512008000200002

Costa AB, Rosa Filho HT, Pase PF, Fontanari AMV, Catelan RF, Mueller A, et al. Healthcare needs of and access barriers for brazilian transgender and gender diverse people. J Immigr Minor Health 2018;20(1):115-23. https://doi.org/10.1007/s10903-016-0527-7 DOI: https://doi.org/10.1007/s10903-016-0527-7

Rocon PC, Rodrigues A, Zamboni J, Pedrini MD. Dificuldades vividas por pessoas trans no acesso ao Sistema Único de Saúde. Ciênc Saúde Colet 2016;21(8):2517-25. https://doi.org/10.1590/1413-81232015218.14362015 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015218.14362015

Braz C. Vidas que esperam? Itinerários do acesso a serviços de saúde para homens trans no Brasil e na Argentina. Cad Saúde Pública 2019;35(4):e00110518. https://doi.org/10.1590/0102-311X00110518 DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00110518

Oliveira I, Romanini M. (Re)escrevendo roteiros (in)visíveis: a trajetória de mulheres transgênero nas políticas públicas de saúde. Saúde Soc 2020;29(1):e170961. https://doi.org/10.1590/s0104-12902020170961 DOI: https://doi.org/10.1590/s0104-12902020170961

Bento B. O que é transexualidade. São Paulo: Brasiliense; 2017.

Gusso G, Lopes JMC, Dias LC. Tratado de medicina de família e comunidade: princípios, formação e prática. 2a ed. Porto Alegre: Artmed; 2019.

Lanz L. Dicionário transgênero; 2016 [acessado em jul. 2020]. Disponível em: https://leticialanz.blogspot.com/2016/08/dicionario-transgenero.html

Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto Federal do Rio Grande do Sul. Promotores e promotoras da saúde LGBT para profissionais no SUS. Porto Alegre: UFRGS; 2018 [acessado em jul. 2020]. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/189266/001082168.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Marsal C. Los principios de Yogyakarta: derechos humanos al servicio de la ideología de género. Díkaion 2011;20(1):119-30. Disponível em: http://www.scielo.org.co/pdf/dika/v20n1/v20n1a07.pdf DOI: https://doi.org/10.5294/dika.2011.20.1.6

Butler J. Sujeitos do sexo/gênero/desejo. In: Butler J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; 2003. p. 15-60.

Bento B. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. 3a ed. Salvador: Editora Devires; 2019.

Minayo MC. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 21a ed. Petrópolis: Vozes; 2002.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria no 457, de 19 de agosto de 2008. A Secretária de Atenção à Saúde – substituta, no uso de suas atribuições. Diário Oficial da União, 19 de agosto de 2008 [acessado em 15 out. 2020]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/sas/2008/prt0457_19_08_2008.html

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria no 2.803, de 19 de novembro de 2013. Redefine e amplia o processo transexualizador no Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, 19 de novembro de 2013 [acessado em 15 out. 2020]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt2803_19_11_2013.html

Mello L, Perilo M, Braz CA, Pedrosa C. Políticas de saúde para lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais no Brasil: em busca de universalidade, integralidade e equidade. Sex Salud Soc 2011;9:7-28. http://doi.org/10.1590/S1984-64872011000400002 DOI: https://doi.org/10.1590/S1984-64872011000400002

Popadiuk GS, Oliveira DC, Signorelli MC. A política nacional de saúde integral de lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros (LGBT) e o acesso ao processo transexualizador no Sistema Único de Saúde (SUS): avanços e desafios. Ciên Saúde Colet 2017;22(5):1509-20. https://doi.org/10.1590/1413-81232017225.32782016 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232017225.32782016

Marques P, Silva W. A construção coletiva do serviço especializado do processo transexualizador no SUS em Goiás – reflexões e ressignificações sobre a gestão de políticas públicas de saúde para pessoas trans. In: XII Reunión de Antropología del Mercosur – experiencias etnográficas: desafíos y acciones para el siglo 21. Argentina: Posadas; 2018. p. 8636-50.

Arán M, Murta D. Relatório preliminar dos serviços que prestam assistência a transexuais na rede de saúde pública no Brasil. Transexualidade e saúde: condições de

acesso e cuidado integra. Rio de Janeiro: Instituto de Medicina Social da UERJ; 2009 [acessado em jul. 2020]. Disponível em: https://docplayer.com.br/11138806-Relatorio-preliminar-dos-servicos-que-prestam-assistencia-a-transexuais-na-rede-de-saude-publica-no-brasil.html

Amaral DM. Os desafios da despatologização da transexualidade: reflexões sobre a assistência a transexuais no Brasil [tese de doutorado]. Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro; 2011.

Amaral DM. A psiquiatrização da transexualidade: análise dos efeitos do diagnóstico de transtorno de identidade de gênero nas práticas de saúde [dissertação de mestrado]. Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro; 2007.

Arán M, Zaidhaft S, Murta D. Transexualidade: corpo, subjetividade e saúde coletiva. Psicol Soc 2008;20(1):70-9. http://doi.org/10.1590/S0102-71822008000100008 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-71822008000100008

Franco T, Miranda LC, Franco D, Zaidhaft F, Arán M. Transgenitalização masculino/feminino: experiência do Hospital Universitário da UFRJ. Rev Col Bras Cir 2010;37(6):426-34. https://doi.org/10.1590/S0100-69912010000600009 DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-69912010000600009

Gianna MC. CRT DST/Aids-SP implanta primeiro ambulatório para travestis e transexuais do país. Bol Inst Saúde 2011;13(2):182-9.

Costa EMF, Mendonca BB. Clinical management of transsexual subjects. Arq Bras Endocrinol Metab 2014;58(2):188-96. https://doi.org/10.1590/0004-2730000003091 DOI: https://doi.org/10.1590/0004-2730000003091

Oliveira MJ. Uma etnografia sobre o atendimento psicoterapêutico a transexuais. Rev Estud Fem 2014;22(3):839-62. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2014000300007 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2014000300007

Lima F, Cruz KT. Os processos de hormonização e a produção do cuidado em saúde na transexualidade masculina. Sex Salud Soc 2016;23:162-86. https://doi.org/10.1590/1984-6487.sess.2016.23.07.a DOI: https://doi.org/10.1590/1984-6487.sess.2016.23.07.a

Prado MAM. Ambulare. Belo Horizonte: PPGCOM UFMG; 2018.

Rocon PC, Sodré F, Zamboni J, Rodrigues A, Roseiro MCFB. O que esperam pessoas trans do Sistema Único de Saúde? Interface 2018;22(64):43-53. https://doi.org/10.1590/1807-57622016.0712 DOI: https://doi.org/10.1590/1807-57622016.0712

Oliveira BP, Silva MAS, Souza MS. O direito à saúde de pessoas trans no Distrito Federal: entre o direito de existir e o direito à equidade. Cad Ibero Am Direito Sanit 2019;8(1):10-25. https://doi.org/10.17566/ciads.v8i1.502 DOI: https://doi.org/10.17566/ciads.v8i1.502

Serrano JL, Caminha IO, Gomes IS. Homens trans e atividade física: a construção do corpo masculino. Movimento 2019;25:e25007. https://doi.org/10.22456/1982-8918.83494 DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8918.83494

Saadeh A, Caetano LO, Gonzalez L, Bork B, Cordeiro DM, Santo CLE, et al. AMTIGOS – ambulatório transdisciplinar de identidade de gênero e orientação sexual, do IPq-HCFM/USP: proposta de trabalho com crianças, adolescentes e adultos. BIS 2018;19(2):86-97. DOI: https://doi.org/10.52753/bis.2018.v19.34595

Lima Filho JL. Processo transexualizador: a história de vida de pessoas transexuais no SUS [dissertação de mestrado]. Vitória de Santo Antão: Universidade Federal de Pernambuco; 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria no 3.233, de 29 de dezembro de 2016. Habilita o CRE Metropolitano, localizado no Município de Curitiba, Estado do Paraná, para realização do Componente Atenção Especializada no Processo Transexualizador. Diário Oficial da União, 29 de dezembro de 2016 [acessado em 14 nov. 2020]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2016/prt3233_29_12_2016.html

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria no 2.051, de 5 de julho de 2018. Habilita o Hospital Universitário Professor Edgard Santos, para realização do Componente Atenção Especializada no Processo Transexualizador no Estado da Bahia. Diário Oficial da União, 6 de julho de 2018 [acessado em 14 nov. 2020]. Disponível em: https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/28980941/do1-2018-07-06-portaria-n-2-051-de-5-de-julho-de-2018-28980933

Videres T. Ambulatório de travestis e transexuais completa 4 anos e gestores participam de evento em Brasília. Pauta PB, 20 de junho de 2017 [acessado em 14 out. 2020]. Disponível em: http://pautapb.com.br/2017/07/20/ambulatorio-de-travestis-e-transexuais-completa-4-anos-e-gestores-participam-de-evento-em-brasilia/

Frazão JC. Percepções dos usuários e dos profissionais da saúde e perspectivas de atuação do sanitarista na atenção à saúde da população transexual [trabalho de conclusão]. Ceilândia: Faculdade de Ceilândia da Universidade de Brasília; 2016. Disponível em: https://bdm.unb.br/bitstream/10483/15077/1/2016_JulianaCunhaFrazao_tcc.pdf

Rogers J, Tesser-Júnior ZC, Moretti-Pires RO, Kovaleski DF. Pessoas trans na atenção primária: análise preliminar da implantação no município de Florianópolis, 2015. Sau Transf Soc 2016;7(3):49-58. Disponível em: http://incubadora.periodicos.ufsc.br/index.php/saudeetransformacao/article/view/4276/4647

Dantas CR, Dias FN, Dattoli VCC, Verzola YE, Mendonça AP. Atendimento integral em ambulatório trans na atenção primária à saúde de Florianópolis. In: Anais do 14o Congresso Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade; 2017 nov 2-5; Curitiba (PR), Brasil. Disponível em: https://proceedings.science/cbmfc/trabalhos/atendimento-integral-em-ambulatorio-trans-na-atencao-primaria-a-saude-de-florianopolis

Thomazi GL. Demandas em saúde de pessoas trans e barreiras de acesso: experiência dos seis primeiros meses do Ambulatório T da Atenção Primária à Saúde de Porto Alegre [trabalho de conclusão]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2020.

Hanauer OFD, Hemmi APA. Caminhos percorridos por transexuais: em busca pela transição de gênero. Saúde Debate 2019;43(spe8):91-106. https://doi.org/10.1590/0103-11042019S807 DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042019s807

Romano VF. As travestis no Programa Saúde da Família da Lapa. Saúde Soc 2008;17(2):211-9. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-12902008000200019 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-12902008000200019

Milagre LP. "O babado foi forte!" Relato de uma estratégia de educação continuada para atendimento de pessoas trans nos serviços de saúde da atenção primária de Porto Alegre [trabalho de conclusão]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2019.

Ferreira GG. Donas de rua, vidas lixadas: interseccionalidades e marcadores sociais nas experiências de travestis com o crime e o castigo [tese de doutorado]. Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; 2018.

Benevides B. Como acessar o SUS para questões de transição? Associação Nacional de Travestis e Transexuais; 2020 [acessado em 14 nov. 2020]. Disponível em: https://antrabrasil.org/2020/07/27/como-acessar-o-sus-para-questoes-de-transicao/

São Paulo. Comitê Técnico de Saúde Integral LGBTI. Coordenação da Atenção Básica. Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo. Protocolo para o atendimento de pessoas transexuais e travestis no município de São Paulo. [Internet]. 2020 [acessado em jan. 2021]. Disponível em: https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/saude/Protocolo_Saude_de_Transexuais_e_Travestis_SMS_Sao_Paulo_3_de_Julho_2020.pdf

Publicado

2022-04-24

Como Citar

1.
Lucena MM, Ferreira GG, Floss M, Melo DAC de. Serviços de atendimento integral à saúde de transexuais e travestis no Sistema Único de Saúde: uma revisão integrativa. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 24º de abril de 2022 [citado 28º de maio de 2022];17(44):2964. Disponível em: https://www.rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/2964

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa