AMQ e POA: diferenças e semelhanças na avaliação da Estratégia de Saúde da Família

  • Camila Ament Giuliani dos Santos Franco Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba, Paraná.
  • Nilza Teresinha Faoro Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba, Paraná.
  • Maria Terumi Maruyama Kami Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba, Paraná.
  • Ademar Cezar Volpi Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba, Paraná.
Palavras-chave: Atenção Primária à Saúde, Avaliação, Saúde da Família

Resumo

Introdução: Instituída pelo Ministério da Saúde (MS), a Avaliação para Melhoria da Qualidade (AMQ) é um instrumento de avaliação e aperfeiçoamento das equipes da Estratégia de Saúde da Família (ESF). A Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba conta, desde 2002, com o Plano Operativo Anual (POA) que é uma estratégia de gestão voltada para resultados, aprimoramento, planejamento e avaliação. Este instrumento é composto por 81 indicadores. Assim, o município do estudo conta com duas formas de avaliação de qualidade em todas as suas Unidades de Saúde da Família. O objetivo deste trabalho foi analisar as concordâncias e discordâncias entre o POA e o AMQ nos programas da saúde da criança, adolescente, mulher, diabéticos, hipertensos e saúde mental. Metodologia: Participaram do estudo 12 equipes de Saúde da Família. Para realizar a comparação foram levantados os indicadores que estavam presentes tanto no AMQ (instrumento cinco) quanto no POA-2010. Após as comparações foram realizadas porcentagens simples e análise das discordâncias. Resultados: Ao total, 28 indicadores estavam presentes tanto na AMQ como no POA. No geral houve concordância de respostas em 53,6%. Na avaliação da AMQ, 82% das respostas foram consideradas totalmente adequadas para o item avaliado, enquanto na avaliação realizada pelo POA este índice caiu para 46,4%. Conclusão: Observou-se discordância entre os itens comparados da AMQ e do POA. Alguns fatores podem ser responsáveis pela discordância entre eles: a utilização de dados recuperados automaticamente através das ações registradas pela equipe no prontuário eletrônico no POA e a obrigatoriedade da sua realização. Além disso, a realização facultativa da AMQ e a não parametrização das respostas (SIM x NÃO) podem contribuir para a divergência das respostas.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Camila Ament Giuliani dos Santos Franco, Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba, Paraná.

Médica de Familia e Comunidade, especialista em terapia de Familia e Terapia Comunitária.

Médica da Coordenação de Atenção Básica do Centro de Informação em Saúde da SMS de Curitiba. Professora do internato de Medicina de Família e Comunidade da PUC-PR.

Nilza Teresinha Faoro, Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba, Paraná.

Enfermeira, especialista em Epidemiologia

Coordenadora de Informação em Saúde

Centro de Informação em Saúde

Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba

Maria Terumi Maruyama Kami, Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba, Paraná.

Enfermeira, especialista em : saúde da família, enfermagem do trabalho e auditoria em serviços de saúde.

atua com enfermeira na Coordenação de atenção Basica do centro de informação em saúde da SMS Curitiba

Ademar Cezar Volpi, Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba, Paraná.

Cirurgião Dentista especialista em saúde da Família

Coordenador da Atenção Básica do Centro de Informação em Saúde da SMS de Curitiba

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política nacional de atenção básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Starfield B. Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde; 2002.

Campos CEA. Estratégias de avaliação e melhoria contínua da qualidade no contexto da Atenção Primária à Saúde. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2005; 5(suppl.1): [online] [acesso em 2011 Abr. 20]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-38292005000500007&lng=en&nrm=iso. http://dx.doi.org/10.1590/S1519-38292005000500007

Felisberto E. Monitoramento e avaliação na atenção básica: novos horizontes. Rev Bras Saude Mater Infant. 2004; 4(3):[online] [acesso em 2011 Abr. 20]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-38292004000300012&lng=en&nrm=iso. http://dx.doi.org/10.1590/S1519-38292004000300012

Silva JM, Caldeira AP. Avaliação para melhoria da qualidade da estratégia saúde da família e a qualificação profissional.TrabEduc Saúde. 2011; 9(1):[online] [acessoem 2011 Jun. 15]. Disponívelem: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-77462011000100007&lng=en&nrm=iso. http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462011000100007

Ducci, L. Curitiba firma contrato de gestão com metas para a saúde. Rev Bras Saúde Fam. 2007; 14: 48-57.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Avaliação para melhoria da qualidade da Estratégia Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde; 2005.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria da Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Avaliação para melhoria da qualidade da estratégia saúde da família. Brasilia: Ministério da Saúde; 2005. 6 v. (Série B. Textos Básicos de Saúde).

Portugal. Ministério da Saúde. Cuidados de Saúde Primário. O processo de auto diagnóstico: metodologia e critérios do autodiagnóstico quantitativo – MoniQuor adaptado às USF – e qualitativo – fichas reservas do MoniQuor USF – na avaliação das pré-candidaturaa a modelo B [online]. Lisboa; 2007. Disponívelem:http//www.mcsp.min-saude.pt/engine.php?cat=46

Trad LAB, Rocha AARM. Condições e processo de trabalho no cotidiano do Programa Saúde da Família: coerência com princípios da humanização em saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2011; 16(3): [online] [acesso em 2011 Jun 16]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232011000300031&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000300031

Publicado
2012-02-29
Como Citar
Franco, C. A. G. dos S., Faoro, N. T., Kami, M. T. M., & Volpi, A. C. (2012). AMQ e POA: diferenças e semelhanças na avaliação da Estratégia de Saúde da Família. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 7(22), 44-48. https://doi.org/10.5712/rbmfc7(22)298
Seção
COMUNICAÇÕES BREVES