Produção de fumo e insônia

relato de caso sobre os determinantes socioeconômicos para o uso contínuo de benzodiazepínicos em uma zona rural no Sul do Brasil

Autores

  • Maria Luisa Kechichian Lucchini Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), Cascavel, PR https://orcid.org/0000-0003-0970-9035
  • Andreia Costa Universidade do Oeste de Santa Catarina – Joaçaba (CS), Brazil. https://orcid.org/0000-0002-2463-023X
  • Ana Júlia Araújo de Carvalho Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Uberlândia, MG
  • Mayara Floss Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-0926-1306
  • Marcela Araújo de Oliveira Santana Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Uberlândia, MG https://orcid.org/0000-0003-1368-2226
  • Gabriella d’Avila Lopes niversidade Comunitária da Região de Chapecó – Chapecó (SC), Brazil.

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc17(44)3019

Palavras-chave:

Determinantes Sociais da Saúde, Saúde da População Rural, Distúrbios do início e da manutenção do sono.

Resumo

Introdução: A fumicultura concentra-se sobretudo em áreas rurais do Sul do país. Reconhecidamente, as áreas rurais apresentam disparidades socioeconômicas, desigualdades no acesso geográfico, bem como dificuldade de retenção de profissionais na Atenção Primária à Saúde (APS). Apresentação do caso: Descrevem-se, neste artigo, as intersecções de determinantes socioeconômicos de saúde ao se abordar um paciente masculino, de 57 anos, em uso crônico de benzodiazepínicos para o tratamento de insônia. Ao se aprofundar a anamnese, os determinantes socioeconômicos que levaram ao desenvolvimento da insônia foram identificados como: dificuldades financeiras na produção de tabaco, preocupações excessivas com o trabalho e presença de depressão como comorbidade. Nesse sentido, ser produtor de tabaco e a relação com a empresa podem ser considerados determinantes socioeconômicos da saúde para o desenvolvimento de insônia. Conclusões: No contexto deste caso, a rotatividade de profissionais e a falta de criação de vínculo fez com que o paciente permanecesse cronicamente a tratar a insônia como benzodiazepínico, o que é proscrito. Assim, revelam-se a fragmentação do cuidado e a alta rotatividade de profissionais como determinantes socioeconômicos da saúde. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Andreia Costa, Universidade do Oeste de Santa Catarina – Joaçaba (CS), Brazil.

Enfermeira formada pela UNOESC, atua em Cunha Porã, Santa Catarina. Pós-graduada em Saúde da Família.

Ana Júlia Araújo de Carvalho, Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Uberlândia, MG

Médica pela Universidade Federal de Uberlândia, Minas Gerais, Brasil.

Mayara Floss, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil.

Médica de Família e Comunidade. Aluna de doutorado do Programa de Pós-Graduação da Universidade de São Paulo, Brasil.

Marcela Araújo de Oliveira Santana, Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Uberlândia, MG

Estudante do curso de medicina da Universidade Federal de Uberlândia, Minas Gerais, Brasil

 

Gabriella d’Avila Lopes, niversidade Comunitária da Região de Chapecó – Chapecó (SC), Brazil.

Estudante do curso de medicina da Universidade Comunitária da Região de Chapecó, Santa Catarina, Brasil

Referências

Silveira RLL. Complexo agroindustrial do fumo e território: a formação do espaço urbano e regional no Vale do Rio Pardo-RS [tese de doutorado]. Florianópolis: Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC); 2007.

Silveira RLL. A cultura do tabaco na Região Sul do Brasil: dinâmica de produção, organização espacial e características socioeconômicas. Geog Ens Pesq 2015;19(2):23-40. https://doi.org/10.5902/2236499413087

Riquinho DL, Hennington EA. Health, environment and working conditions in tobacco cultivation: a review of the literature. Cienc Saude Colet 2012;17(6):1587-600. https://doi.org/10.1590/S1413-81232012000600022 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232012000600022

Almeida MM, Floss M, Targa LV, Wynn-Jones J, Chater AB. Está na hora do treinamento em saúde rural para médicos de família no Brasil! Rev Bras Med Fam Comunidade 2018;13(40):1-4. https://doi.org/10.5712/rbmfc13(40)1696 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc13(40)1696

Costa Neto MC, Dimenstein M. Cuidado psicossocial em saúde mental em contextos rurais. Trends Psychol 2017;25(4):1653-64. https://doi.org/10.9788/TP2017.4-09PT DOI: https://doi.org/10.9788/TP2017.4-09Pt

Bousquat A, Giovanella L, Fausto MCR, Fusaro ER, Mendonça MHM, Gagno J, et al. Tipologia da estrutura das unidades básicas de saúde brasileiras: os 5 R. Cad Saúde Pública 2017;33(8):e00037316. https://doi.org/10.1590/0102-311X00037316 DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00037316

Silva AR. O significado do trabalho na terra do fumo: perspectivas dos agricultores frente ao sistema integrado de produção industrial em Santa Cruz do Sul/RS [dissertação de mestrado]. Santa Cruz do Sul: Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional, Universidade de Santa Cruz do Sul; 2007.

Castro LSP, Monteiro JK. Fumicultores advertem: a causa de seu sofrimento é a exploração no trabalho. Psicol Soc 2015;27(1):87-97. https://doi.org/10.1590/1807-03102015v27n1p087 DOI: https://doi.org/10.1590/1807-03102015v27n1p087

Silveira RLL, Dornelles M. Mercado mundial de tabaco, concentração de capital e organização espacial. Notas introdutórias para uma geografia do tabaco. Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales 2010;14(338):1-27 Disponível em: https://actbr.org.br/uploads/arquivo/813_mercado_mundial.pdf

Almeida GEG. Fumo: servidão moderna e violação de direitos humanos. Curitiba: Terra de Direitos; 2005. Disponível em: https://actbr.org.br/uploads/arquivo/594_Fumo_serv_moderna_livro.pdf

Falk JW, Carvalho LA, Silva LR, Pinheiro S. Suicídio e doença mental em Venâncio Aires (RS): consequência do uso de agrotóxicos: organofosforados? In: Comissão Cidadania e Direitos Humanos AL/RS, orgs. Relatório azul: garantias e violações dos direitos humanos no Rio Grande do Sul – 1995. Porto Alegre: Assembleia Legislativa; 1995. p. 142-155. Disponível em: http://www.al.rs.gov.br/download/CCDH/RelAzul/relatorioazul-95.pdf

Åkerstedt T, Kecklund G, Axelsson J. Impaired sleep after bedtime stress and worries. Biol Psychol 2007;76(3):170-3. https://doi.org/10.1016/j.biopsycho.2007.07.010 DOI: https://doi.org/10.1016/j.biopsycho.2007.07.010

Carvalho AI. Determinantes sociais, econômicos e ambientais da saúde. In: Fundação Oswaldo Cruz. A saúde no Brasil em 2030 – prospecção estratégica do sistema de saúde brasileiro: população e perfil sanitário. Rio de Janeiro: Fiocruz/Ipea/Ministério da Saúde/Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República; 2013. Vol. 2. p. 19-38. Disponível em: https://saudeamanha.fiocruz.br/wp-content/uploads/2016/07/11.pdf DOI: https://doi.org/10.7476/9788581100166.0003

Almeida LM, Coutinho ESF, Pepe VLE. Consumo de psicofármacos em uma região administrativa do Rio de Janeiro: a Ilha do Governador. Cad Saúde Pública 1994;10(1):5-16. https://doi.org/10.1590/S0102-311X1994000100002 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X1994000100002

II Levantamento domiciliar sobre o uso de drogas psicotrópicas no Brasil: estudo envolvendo as 108 maiores cidades do país. São Paulo: CEBRID; 2006. Disponível em: http://www.mds.gov.br/webarquivos/arquivo/cuidados_prevencao_drogas/obid/publicacoes/Livros/II-Levantamento-Domiciliar-sobre-o-Uso-de-Drogas-Psicotr%C3%B3picas-no-Brasil.pdf

Bonfim IG, Bastos ENE, Góis CWL, Tófoli LF. Apoio matricial em saúde mental na atenção primária à saúde: uma análise da produção científica e documental. Interface (Botucatu) 2013;17(45):287-300. https://doi.org/10.1590/S1414-32832013005000012 DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-32832013005000012

Figueiredo MD, Campos RO. Saúde Mental na atenção básica à saúde de Campinas, SP: uma rede ou um emaranhado? Ciên Saúde Coletiva 2009;14(1):129-38. https://doi.org/10.1590/S1413-81232009000100018 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232009000100018

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei no 12.871, de 22 de outubro de 2013. Institui o Programa Mais Médico, altera as Leis no 8.745, de 9 de dezembro de 1993, e no 6.932, de 7 de julho de 1981, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 22 de outubro de 2013. [acessado em 18 fev. 2021]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12871.htm

Ribeiro NF. Tratamento da insônia em atenção primária à saúde. Rev Bras Med Fam Comunidade 2021;11(38):1-14. https://doi.org/10.5712/rbmfc11(38)1271 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc11(38)1271

Ohayon MM. Epidemiology of insomnia: what we know and what we still need to learn. Sleep Med Rev 2002;6(2):97-111. https://doi.org/10.1053/smrv.2002.0186 DOI: https://doi.org/10.1053/smrv.2002.0186

Morin CM, Colecchi C, Stone J, Sood R, Brink D. Behavioral and pharmacological therapies for late-life insomnia: a randomized controlled trial. JAMA 1999;281(11):991-9. https://doi.org/10.1001/jama.281.11.991 DOI: https://doi.org/10.1001/jama.281.11.991

Barcelar A, Pinto Jr LR. Insônia: do diagnóstico ao tratamento. São Caetano do Sul: Difusão Editora; 2013.

Nastasy H, Ribeiro M, Marques ACPR. Abuso e dependência dos benzodiazepínicos. São Paulo: Associação Brasileira de Psiquiatria; 2013.

Marques ACPR, Natasy H, Ribeiro M. Abuso e dependência de benzodiazepínicos. São Paulo: Associação Brasileira de Psiquiatria; 2008.

Barcellos MT. Como fazer a retirada de um benzodiazepínico? Telessaúde. [Internet] 2017. Disponível em: https://www.ufrgs.br/telessauders/perguntas/ps-ansioliticos-benzodiazepinicos-dependencia

Sateia MJ, Buysse DJ, Krystal AD, Neubauer DN, Heald JL. Clinical practice guideline for the pharmacologic treatment of chronic insomnia in adults: an American Academy of Sleep Medicine Clinical Practice Guideline. J Clin Sleep Med 2017;13(2):307-49. https://doi.org/10.5664/jcsm.6470 DOI: https://doi.org/10.5664/jcsm.6470

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira. Brasília: Ministério da Saúde; 2011. Disponível em: https://www.gov.br/anvisa/pt-br/assuntos/farmacopeia/formulario-fitoterapico

Organização Mundial de Saúde. Conferência Internacional sobre Cuidados Primários de Saúde. Declaração de Alma Ata. Alma-Ata, URSS, 6-12 de setembro de 1978. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/declaracao_alma_ata.pdf

Oliveira MAC, Pereira IC. Atributos essenciais da Atenção Primária e a Estratégia Saúde da Família. Rev Bras Enferm 2013;66(spe):158-64. https://doi.org/10.1590/S0034-71672013000700020 DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-71672013000700020

Lefèvre F. A função simbólica dos medicamentos. Rev Saúde Pública 1983;17(6):500-3. https://doi.org/10.1590/S0034-89101983000600007 DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-89101983000600007

Rosa FS, Monteiro MTM, Fortunato JJ, Galato D. A prescrição de psicotrópicos e a reavaliação médica. J Bras Psiquiatr 2012;61(1):52-3. https://doi.org/10.1590/S0047-20852012000100011 DOI: https://doi.org/10.1590/S0047-20852012000100011

Fegadolli C, Varela NMD, Carlini ELA. Uso e abuso de benzodiazepínicos na atenção primária à saúde: práticas profissionais no Brasil e em Cuba. Cad Saúde Pública 2019;35(6):e00097718. https://doi.org/10.1590/0102-311x00097718 DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00097718

Publicado

2022-07-30

Como Citar

1.
Lucchini MLK, Costa A, Carvalho AJA de, Floss M, Santana MA de O, Lopes G d’Avila. Produção de fumo e insônia: relato de caso sobre os determinantes socioeconômicos para o uso contínuo de benzodiazepínicos em uma zona rural no Sul do Brasil. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 30º de julho de 2022 [citado 12º de agosto de 2022];17(44):3019. Disponível em: https://www.rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/3019

Edição

Seção

Casos Clínicos