Avaliação da qualidade da ESF em Curitiba: estudo transversal com base no AMQ

  • Maria Terumi Maruyama Kami Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba.
  • Ademar Cezar Volpi Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba.
  • Camila Ament Giuliani dos Santos Franco Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba.
  • Nilza Terezinha Faoro Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba.
Palavras-chave: Qualidade da Assistência à Saúde, Saúde da Família, Avaliação em Saúde

Resumo

Atualmente a qualidade da atenção apresenta-se como um dos desafios ao Sistema Único de Saúde, devendo ser compreendida à luz dos princípios da integralidade, universalidade, equidade e participação social. Visando a melhoria da qualidade da atenção, o Ministério da Saúde desenvolveu a proposta “Avaliação para Melhoria da Qualidade da Estratégia Saúde da Família”, instrumento específico que busca o aprimoramento gerencial, técnico e científico. A Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba aderiu de maneira voluntária e participativa a esta proposta, situando a avaliação como instrumento permanente para tomada de decisões e a qualidade como um atributo fundamental a ser alcançado no SUS-Curitiba, ambas apropriadas pelos profissionais envolvidos na Estratégia. Este estudo tem por objetivo avaliar a qualidade autorreferida da ESF no município de Curitiba por meio do AMQ, identificando o estágio de qualidade alcançado pelos atores da SF no município. Para tal utilizou-se um estudo transversal e descritivo. No terceiro momento avaliativo, Curitiba contava com 49 Unidades Básicas de Saúde com Estratégia de Saúde da Família respondentes (instrumento 3), 153 equipes de saúde respondentes (instrumentos 4 e 5), um gestor municipal (instrumento 1) e uma Coordenação Municipal da Estratégia Saúde da Família (instrumento 2). Os resultados dos estágios de qualidade encontrados foram: qualidade Elementar (93,98%), qualidade em Desenvolvimento (90,79%), qualidade Consolidada (89,71%), qualidade Boa (88,25%) e qualidade Avançada (78,23%). Na perspectiva de melhoria contínua da qualidade, observou-se um incremento processual, com maior percentual em elementos dos padrões do estágio E, que abordam as condições elementares de estrutura e infraestrutura (qualidade E). A grande positividade das avaliações apresentadas, superior a 65% em todas as avaliações, indica o alto padrão de qualidade encontrado no município em todos os estágios de qualidade da AMQ. A forma de resposta dicotômica da AMQ não possibilita ver a evolução do trabalho realizado, devendo ser revista.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Maria Terumi Maruyama Kami, Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba.

Enfermeira especialista em Saúde da Família e em Gestão do Trabalho.

Trabalha como enfermeira na coordenação de atenção básica do centro de informação em saúde da SMS de Curitiba

Ademar Cezar Volpi, Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba.

Cirurgião dentista especialista em saúde da Família

Coordenador da Atenção Básica do Centro de Informação em Saúde da SMS de Curitiba

 

Camila Ament Giuliani dos Santos Franco, Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba.

Médica de Familia e Comunidade, especialista em terapia de Familia e Terapia Comunitária.

Médica da Coordenação de Atenção Básica do Centro de Informação em Saúde da SMS de Curitiba. Professora do internato de Medicina de Família e Comunidade da PUC-PR.

Nilza Terezinha Faoro, Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba.

Enfermeira, especialista em saúde pública e em epidemiologia

Coordenadora de Informação do Centro de Informação em Saúde da SMS de Curitiba

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Coordenação de Saúde da Comunidade. Saúde da Família: uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial. Brasília; 1997.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Curitiba. Rev Bras Saúde Fam. 2005; 6(8): 58-64.

Favoreto CAO, Camargo Junior, KR. Alguns desafios conceituais e técnico-operacionais para o desenvolvimento do Programa de Saúde da Família como uma proposta transformadora do modelo assistencial. Physis. 2002; 12(1).

Ronzani TM, Stalen CJV. Dificuldades de implementação do Programa Saúde da Família como estratégia de Reforma do Sistema de Saúde Brasileiro. Rev APS. 2003; 6(2):99-97.

Escorel S, Giovanella L, Mendonça MHM, Senna MCM. O Programa Saúde da Família e a construção de um novo modelo para a atenção básica no Brasil. Rev Panam Salud Publica / Pan Am J Public Health. 2007; 21(2).

Brasil. Ministério da Saúde. Avaliação para melhoria da qualidade da estratégia saúde da família. Brasília; 2005. Documento técnico.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília, 2006

Campos CEAA. Estratégias de avaliação e melhoria contínua no contexto da Atenção Primária à Saúde. Rev Bras Saude Mater Infant. 2005; 5(Supl 1): S63-S69.

Silva JM, Caldeira AP. Modelo assistencial e indicadores de qualidade da assistência: percepção dos profissionais da atenção primária à saúde. Cad Saúde Pública. 2010; 26(6): 1187-1193.

Venâncio SI, Silva AL, Martins MCFN, Martins PN, Figueiredo R, Rosa TEC, et al. Avaliação para a Melhoria da Qualidade da Estratégia Saúde da Família - AMQ: estudo de implantação no estado de São Paulo. São Paulo: Instituto de Saúde; 2008.

Sarti TD, Maciel ELN, Campos CEA, Zandonade E, Ruschi GEC. Validade de conteúdo da Avaliação para Melhoria da Qualidade da Estratégia Saúde da Família. Physis. 2011; 21(3): 865-878. [online] [acesso em 2012 Fev 02]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S093-7331201900300006&lng=en&nrm=iso

Publicado
2012-03-30
Como Citar
Kami, M. T. M., Volpi, A. C., Franco, C. A. G. dos S., & Faoro, N. T. (2012). Avaliação da qualidade da ESF em Curitiba: estudo transversal com base no AMQ. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 7(23), 117-121. https://doi.org/10.5712/rbmfc7(23)305
Seção
COMUNICAÇÕES BREVES