Seguimento psicológico para agressores domésticos de crianças: protocolo de atendimento psicoterápico breve

  • Artenira da Silva e Silva Sauaia Universidade Federal do Maranhão - UFMA
  • Maurilene de Andrade L Bacelar de Arruda Universidade Federal do Maranhão - UFMA
  • Jonhnny Welton Feitosa Melo Universidade Federal do Maranhão - UFMA
Palavras-chave: Violência doméstica, Infância, Psicoterapia, Maus-Tratos Infantis, Pré-Escolar

Resumo

Pessoas que sofreram violência doméstica na primeira infância carregam sequelas emocionais, que se perpetuam em diferentes níveis. Isso representa um alto risco de repetição, quer no âmbito familiar, quer servindo de mola propulsora para a violência social, perpetuando-se um ciclo de violência que constitui uma epidemia no Brasil. Em especial porque na primeira infância ocorre a construção da autoestima e da visão de mundo, a partir das sensações experimentadas e das relações vivenciadas. Propor e reforçar a importância de um tratamento psicoterápico para o agressor doméstico de crianças trata-se de uma ação pioneira no Brasil, e constitui o objetivo do presente trabalho. Foram acompanhados 98 agressores em núcleo específico para esse fim. O recrutamento se deu por demanda espontânea e contou com uma rede social de apoio para divulgação na comunidade. O estudo revelou que tratar o agressor é uma alternativa viável e muito eficiente no que tange a proteger a própria vítima. Por meio dessa intervenção, objetiva-se contribuir para tentar interromper de forma eficaz o ciclo de repetição de violência que muitas famílias carregam.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Artenira da Silva e Silva Sauaia, Universidade Federal do Maranhão - UFMA
Doutora em Saúde Coletiva e docente adjunta do Departamento de Saúde Pública da Universidade Federal do Maranhão – UFMA.
Maurilene de Andrade L Bacelar de Arruda, Universidade Federal do Maranhão - UFMA
Acadêmico de Medicina e Membro do Grupo de Pesquisa em Saúde Mental da Universidade Federal do Maranhão – UFMA
Jonhnny Welton Feitosa Melo, Universidade Federal do Maranhão - UFMA
Acadêmico de Medicina e Membro do Grupo de Pesquisa em Saúde Mental da Universidade Federal do Maranhão – UFMA

Referências

Bobbio N. A era dos direitos. Rio de Janeiro: Campus; 1992.

Campos GJB. Teoría de los derechos humanos. Cidade do México: Universidade Nacional Autônoma do México - Instituto de Investigações Jurídicas; 1989.

Scherer EA, Scherer ZA. A criança maltratada. Rev Latino-Am Enfermagem. 2000; 8 (4) : 22-9.

Sauaia ASS. Violência doméstica contra a criança: uma epidemia ainda silenciosa. São Luís: Universidade Federal do Maranhão; 2010.

Bee H. A criança em desenvolvimento. 3. ed. São Paulo: Harbra; 1986.

Brito AMM, Zanetta DMT, Mendonça RCV, Barison SZP, Andrade VAG. Violência doméstica contra crianças e adolescentes: estudo de um programa de intervenção. Cienc Saúde Coletiva [periódico na Internet]. 2005 [citado 2012 Jan 18]; 10(1): 143-9. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232005000100021&lng=pt http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232005000100021.

Boarati MC, Sei MB, Arruda SLS. Abuso sexual na infância: a vivência em um ambulatório de psicoterapia de crianças. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2009; 19(3): 426-34.

Winnicott DW. Tudo começa em casa. Tradução: Paulo Sandler. São Paulo: Martins Fontes; 1999.

Hirigoyen M. Assédio moral: a violência perversa no cotidiano. 4ª Ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil; 2000.

Oliveira IT. Psicoterapia Psicodinâmica Breve: dos precursores aos modelos atuais. Psicol Teor Prat. 1999; 1(2): 9-19.

Moreno M. Falemos de sentimento: a afetividade como tema transversal. São Paulo: Moderna; 1999.

Publicado
2012-01-17
Como Citar
Sauaia, A. da S. e S., Arruda, M. de A. L. B. de, & Melo, J. W. F. (2012). Seguimento psicológico para agressores domésticos de crianças: protocolo de atendimento psicoterápico breve. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 6(21), 264-270. https://doi.org/10.5712/rbmfc6(21)311
Seção
Artigos de Pesquisa