A intersetorialidade como meio de superar desafios em educação em saúde

Autores

  • Maria Fernanda Oliveira Santos Universidade de Uberaba - UNIUBE
  • Mariana Sene Moreira
  • Samuel Gonçalves Rocha Universidade de Uberaba
  • Vanessa Fernandes Ribeiro Universidade de Uberaba

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc6(21)319

Palavras-chave:

Educação em saúde, Promoção da saúde, Ação intersetorial

Resumo

Este trabalho foi realizado por alunos do terceiro período de medicina da Universidade de Uberaba, com apoio dos alunos de Comunicação Social da mesma. O objetivo principal era a educação em saúde em um campo prático, em escolas públicas. O trabalho baseou-se na busca da aplicação prática da saúde em seu aspecto biopsicossocial, tentando criar um meio de troca de conhecimentos entre alunos da quinta série e acadêmicos do curso de medicina. As atividades foram realizadas com alunos da escola “Professor José Geraldo Guimarães”, cuja faixa etária variava de nove a quinze anos, no bairro Pacaembu, Uberaba-MG, ao longo do segundo semestre de 2009. Como é fundamental para o acadêmico de medicina uma formação humanística baseada no conhecimento da realidade da sociedade, a presente atividade possibilitou um contato mais próximo desta realidade, permitindo a percepção de angústias, dificuldades e diferenças individuais. Não foi possível realizar exposição apenas teórica do tema proposto – educação em saúde, porque o perfil agitado da sala não permitiu este tipo de intervenção. Então, optou-se por explorar o conhecimento dos alunos e colocá-los para fazer atividades manuais, como por exemplo, a confecção de um telejornal. Para que eles realizassem este trabalho foi oferecido referencial teórico. Os temas das atividades como, por exemplo, Anorexia e Bulimia, Alimentação Saudável e Importância da Educação, presentes nas matérias do telejornal, foram escolhidos a partir da constatação de problemas que a turma apresentou nos primeiros encontros. O resultado foi um belíssimo telejornal, apresentado pelos próprios alunos, mostrando não só as matérias relacionadas à saúde, mas também sua cultura. O potencial artístico da turma para artes plásticas e o hip-hop contribuíram de forma decisiva para esse sucesso. Acredita-se que tal experiência enriqueceu os acadêmicos, tanto por causa do vínculo criado com os alunos, como pela aquisição de conhecimento das diferentes realidades, colaborando assim para a formação de médicos que vão atuar não apenas promovendo saúde, mas também, qualidade de vida. Vimos o quão é importante saber trabalhar com profissionais de outras áreas (alunos do curso de Comunicação social, que gravaram o telejornal), porque somente com essa parceria foi possível realizar esse projeto. Desta forma, ficou claro a intersetorialidade tão debatida nas salas de aulas e congressos pelo Brasil e pelo mundo, que tivemos o privilégio de vivenciar. Os futuros médicos e profissionais da saúde necessitam de ter a habilidade de lidar com todas essas diversidades, respeitando sua cultura e seu modo de vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

APARECIDA, L.F.; RITA, M.B. A Abordagem do Processo Saúde-Doença. Ano 4p.

BARROS, José Augusto C.Pensando o processo saúde doença: a que responde o modelobiomédico.Saude soc. vol.11 no.1 São Paulo Jan./Jul2002.Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010412902002000100008&script=sci_arttext&tlng=pt>Acessado em 23 fev 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-12902002000100008

BRASIL. Ministério da Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização.

Acolhimento nas práticas de produção de saúde. 2. ed. Brasília, 2006. 44 p.

Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/APPS_PNH.pdf>.

BETTIOL, L.M. Saúde e Participação Popular em Questão: O Programa Saúde da

Família. São Paulo: Ed UNESP, 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. A vigilância, o controle e a prevenção das doenças

crônicas não-transmissíveis: DCNT no contexto do Sistema Único de Saúde

brasileiro. Brasília, 2005. Disponível em:

<http://portal.saude.gov.br/portal/saude/profissional/visualizar_texto.cfm?idtxt=31877&

janela=1>.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de

Atenção Básica. Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição. Guia

alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável.

Brasília: Ministério da Saúde, 2006. Disponível em:

http://nutricao.saude.gov.br/publicacoes.php >

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de

Atenção Básica. Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição. Guia

alimentar para crianças menores de 2 anos . 2ª ed Brasília: Ministério da Saúde,

Disponível em:< http://nutricao.saude.gov.br/publicacoes.php >

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de

Atenção Básica. Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição. Caderno de

Atenção Básica - Obesidade. nº 12. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. Disponível

em:< http://nutricao.saude.gov.br/publicacoes.php >

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990.

Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8069.htm

BRASIL. Política Nacional de Humanização - disponível em: - Portal da Saúde -

www.Saude.gov.br - HumanizaSUS – acesso em 22 de janeiro de 2009.

CANGUILHEM, G.O normal e o patológico.Rio de Janeiro, Forense-Universitária, 1978.

LANCETTI, A. (Org.). Saúde mental e saúde da família. São Paulo: Hucitec, 2000.

(SáudeLoucura, 7).

MARCONDES, Willer Baumgarten. A convergência de referências na promoção da saúde. Saúde e sociedade, São Paulo, n.1, v.13, p. 5-13, 2004. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-12902004000100002&script=sci_arttext&tlng=en>. Acesso em: 16 fev. 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-12902004000100002

MELLO, Dalva A.. Reflexões sobre promoção à saúde no contexto do Brasil. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, n.4, v.16, p.1149, 2000. Disponível em: <http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2000000400035&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 18 Feb. 2009. Acesso em: 16 fev. 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2000000400035

OLIVEIRA, Maria Amélia de Campos, EGRY Emiko Yoshikawa. A historicidade das teorias interpretativas do processo saúde-doença. Revista escola de enfermagem. Universidade de São Paulo vol.34 no.1 SãoPaulo Mar. 2000.Dispinívelem:<http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S008062342000000100002&script=sci_arttext> . Acessado em 23 fev 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S0080-62342000000100002

SALES, M.A.; MATOS, M.C.; LEAL, M.C. Política Social, Família e Juventude:

uma questão de direitos. São Paulo: Cortez, 2004.

SAPIENZA, Marcelo Tatit. Prevenção e saúde. Disponível em: <http://www.lincx.com.br/lincx/saude_a_z/prevencao/prevencao_saude.asp>. Acesso em: 18 fev. 2009.

SILVA, J. L. L. O processo saúde-doença e importância para a promoção da saúde. n.2.p.03-05. 2006. Disponível em: <http://www.uff.br/promocaodasaude/informe.html>. Acessado em: 23 fev 2009.

WRIGHT L.M.; LEAHEY M. Enfermeiras e famílias: um guia para avaliação e

intervenção na família. 3ª ed. São Paulo: Roca, 2002.

VASCONCELOS, A.M. A prática do Serviço Social: Cotidiano, formação e alternativas na área da saúde. 5ª ed. São Paulo: Cortez, 2007.

Downloads

Publicado

2012-01-18

Como Citar

1.
Santos MFO, Moreira MS, Rocha SG, Ribeiro VF. A intersetorialidade como meio de superar desafios em educação em saúde. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 18º de janeiro de 2012 [citado 6º de julho de 2022];6(21):288-92. Disponível em: https://www.rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/319

Edição

Seção

Relatos de Experiência