Perfil do profissional de nível superior nas equipes da Estratégia Saúde da Família em Montes Claros, Minas Gerais, Brasil

  • Simone de Melo Costa Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES).
  • Maria Clara Martins Prado Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES).
  • Thais Nunes Andrade Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES).
  • Eva Patrícia Pereira Araújo Secretaria Municipal de Saúde de Montes Claros (MG).
  • Waldir de Souza e Silva Junior Secretaria Municipal de Saúde de Montes Claros (MG).
  • Zenilton Charles Gomes Filho Secretaria Municipal de Saúde de Montes Claros (MG).
  • Carlos Alberto Quintão Rodrigues Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES).
Palavras-chave: Atenção Primária à Saúde, Saúde da Família, Recursos Humanos

Resumo

Objetivo: o presente trabalho teve por objetivo conhecer o perfil do profissional de nível superior que integra as equipes da Estratégia Saúde da Família (ESF) no município de Montes Claros, norte de Minas Gerais, Brasil. Método: trata-se de estudo quantitativo, transversal e de caráter censitário. A coleta de dados deu-se por meio de um questionário semiestruturado e autoaplicado. Resultados: participaram 95 profissionais entre enfermeiros, médicos e cirurgiões dentistas, o que correspondeu a 83,33% dos profissionais de nível superior da ESF. A maioria era do sexo feminino (80,0%), pós-graduado (85,3%), que se sentia preparado para o setor público de saúde (98,9%), com participação em atividades de educação permanente (97,9%) e com atuação exclusiva no setor público (77,7%). Conclusão: a qualificação profissional e a dedicação exclusiva ao sistema público de saúde revelaram características de perfil profissional importantes e condizentes com as exigências do trabalho junto à Estratégia Saúde da Família.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Simone de Melo Costa, Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES).

Doutora em Odontologia- Saúde Coletiva, Mestre em Ciências da Saúde. Especialista em Saúde Pública.

Tutora do Programa de Educação para o Trabalho, PET-Saúde 2010/2011.

Maria Clara Martins Prado, Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES).
Acadêmica do curso de Medicina da Universidade Estadual de Montes Claros, Unimontes. Acadêmica de iniciação científica do PET-Saúde 2010/2011.
Thais Nunes Andrade, Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES).
Acadêmica do curso de Medicina da Universidade Estadual de Montes Claros, Unimontes. Acadêmica de iniciação científica do PET-Saúde 2010/2011.
Eva Patrícia Pereira Araújo, Secretaria Municipal de Saúde de Montes Claros (MG).
Mestre em Ciências da Saúde. Enfermeira da Estratégia Saúde da Família-ESF de Montes Claros – MG. Preceptora do PET-Saúde 2010/2011.
Waldir de Souza e Silva Junior, Secretaria Municipal de Saúde de Montes Claros (MG).
Especialista em Saúde da Família. Cirurgião Dentista da Estratégia Saúde da Família- ESF de Montes Claros – MG. Preceptor do PET-Saúde 2010/2011
Zenilton Charles Gomes Filho, Secretaria Municipal de Saúde de Montes Claros (MG).
Médico da Estratégia Saúde da Família- ESF de Montes Claros – MG. Preceptor do PET-Saúde 2010/2011
Carlos Alberto Quintão Rodrigues, Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES).
Mestre em Ciências da Saúde. Professor do Departamento de Odontologia da Unimontes. Tutor e Coordenador do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família da Unimontes. Coordenador do PET-Saúde 2010/2011.

Referências

Martines WRV, Chaves EC. Vulnerabilidade e sofrimento no trabalho do agente comunitário de saúde no Programa de Saúde da Família. Rev. Esc. Enferm USP. 2007; 41(3): 426-33. [citado 2012 Mar 20]. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342007000300012

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas Públicas. Guia prático do Programa de Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde; 2001. [Internet]. Disponível em: http://dtr2002.saude.gov.br/caadab/arquivos%5Cguia_psf1.pdf

Cotta RMM, Schott M, Azeredo CM, Franceschini SCC, Priore SE, Dias G. Organização do trabalho e perfil dos profissionais do Programa Saúde da Família: um desafio na reestruturação da atenção básica em saúde. Epidemiol Serv Saúde 2006; 15(3):7-18. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742006000300002

Peduzzi M, Guerra DAD, Braga CP, Lucena FS, Silva JAM. Atividades educativas de trabalhadores na atenção primária: concepções de educação permanente e de educação continuada em saúde presentes no cotidiano de Unidades Básicas de Saúde em São Paulo. Interface. Comunic., Saúde, Educ.?2009; 13(30): 121-134. [citado 2012 fev 25]. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832009000300011

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução 196. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília: Conselho Nacional de Saúde; 1996.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria Interministerial nº 1 802, de 26 de agosto de 2008. Institui o Programa Nacional de Educação pelo Trabalho para a Saúde – PET Saúde. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília; 27 ago. 2008. Seção 1, p. 27.

Pinto ESG, Menezes RMP, Villa TCS. Situação de trabalho dos profissionais da Estratégia Saúde da Família em Ceará-Mirim. Rev Esc Enferm USP. 2010; 44(3): 657-64. [citado 2012 mar 23]. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342010000300015

Costa SM, Durães SJA, Abreu MHNG. Feminização do curso de odontologia da Universidade Estadual de Montes Claros [Internet]. Ciênc. saúde coletiva 2010; 15(supp.1): 1865-73. [citado 2012 fev 25]. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000700100

Brasil. Ministério da Saúde. Pró-saúde: programa nacional de reorientação da formação profissional em saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2005.

Medeiros CRG, Junqueira AGW, Schwingel G, Carreno I, Jungles LAP, Saldanha OMFL. A rotatividade de enfermeiros e médicos: um impasse na implementação da Estratégia de Saúde da Família. Ciênc Saúde Coletiva. 2010; 15(suppl.1): 1521-31. [citado 2012 fev 25]. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000700064

Gil CRR. Formação de recursos humanos em saúde da família: paradoxos e perspectiva. Cad Saúde Pública. 2005; 21(2): 490-8. [citado 2012 fev 25]. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2005000200015

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Residência multiprofissional em saúde: experiências, avanços e desafios. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Loch-Neckel G, Seemann G, Eidt HB, Rabuske MM, Crepaldi MA. Desafios para a ação interdisciplinar na atenção básica: implicações relativas à composição das equipes de saúde da família. Ciênc Saúde Coletiva. 2009; 14 (suppl.1): 1463-72. [citado 2012 fev 25]. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232009000800019

Romano VF. A busca de uma identidade para o médico de família. Physis. 2008; 18(1): 13-25. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312008000100002

Moretti-Pires RO, Bueno SMV. Freire e formação para o Sistema Único de Saúde: o enfermeiro, o médico e o odontólogo. Acta Paul Enferm. 2009; 22(4): 439-44. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002009000400015

Costa SM, Dias OV, Oliveira GS, Nascimento JE, Fonseca VIV, Silva LMC. Plano Diretor da Atenção Primária à Saúde: Perfil e Atuação Profissional dos Facilitadores de Microrregiões do Norte de Minas Gerais. Rev Pró-univerSUS 2011; 2(1): 75-82.

Cotrim-Guimarães IMA. Programa de educação permanente e continuada da equipe de enfermagem da clínica médica do Hospital Universitário Clemente de Faria: análise e proposições. [Dissertação]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca; 2009. Disponível em: http://bvssp.icict.fiocruz.br/pdf/25620.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 648 de 28 de março de 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica estabelecendo a revisão das diretrizes e normas para a organização da Atenção básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília; 2006.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.027, de 25 de agosto de 2011. Altera a Portaria nº 648/GM/MS, de 28 de março de 2006, na parte que dispõe sobre a carga horária dos profissionais médicos que compõem as Equipes de Saúde da Família (ESF) e na parte que dispõe sobre a suspensão do Piso de Atenção Básica (PAB Variável) [internet]. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília; 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2027_25_08_2011.html

Murofuse NT, Rizzotto MLF, Muzzolon ABF, Nicola AL. Diagnóstico da situação dos trabalhadores em saúde e o processo de formação no polo regional de educação permanente em saúde. Rev Latino-Am Enferm. 2009; 17(3): 314-20. [citado 2012 mar 12]. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692009000300006

Tomasi E, Facchini LA, Piccini RX, Thumé E, Silveira DS, Siqueira FV, et al. Perfil sócio-demográfico e epidemiológico dos trabalhadores da atenção básica à saúde nas regiões Sul e Nordeste do Brasil. Cad Saúde Pública. 2008; 24 (suppl.1):193-201. [citado 2012 abr 06]. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008001300023

Publicado
2013-04-11
Como Citar
Costa, S. de M., Prado, M. C. M., Andrade, T. N., Araújo, E. P. P., Silva Junior, W. de S. e, Gomes Filho, Z. C., & Rodrigues, C. A. Q. (2013). Perfil do profissional de nível superior nas equipes da Estratégia Saúde da Família em Montes Claros, Minas Gerais, Brasil. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 8(27), 90-96. https://doi.org/10.5712/rbmfc8(27)530
Seção
Artigos de Pesquisa