Matriciamento em saúde mental na Atenção Primária: uma revisão crítica (2000-2010)

  • Karen Athié UDA Saúde Mental e Psicologia Médica - Faculdade de Ciências Médicas - Universidade do Estado do Rio de Janeiro - em Estágio Probatório para o doutorado no Núcleo de Políticas Públicas de Saúde Mental Instituto de Psiquiatria do Brasil - Universidade Federal do Rio de Janeiro (UERJ).
  • Sandra Fortes UDA Saúde Mental e Psicologia Médica - Faculdade de Ciências Médicas - Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).
  • Pedro Gabriel Godinho Delgado Núcleo de Políticas Públicas de Saúde Mental Instituto de Psiquiatria do Brasil - Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).
Palavras-chave: Serviços de Saúde Mental, Atenção Primária, Integração, Trabalho Compartilhado, Matriciamento

Resumo

Objetivo: Analisar artigos publicados entre 2000 e 2010 que versam sobre a articulação entre saúde mental e Atenção Primária no Brasil, na perspectiva da prática do matriciamento. Método: Revisão em banco de dados virtual, no período referido. Os descritores foram: “saúde mental”, “atenção primária”, “atenção básica”, “apoio matricial” e “matriciamento” e as categorias de análise foram construídas a partir da leitura dos artigos. Resultados: Foram selecionados 86 artigos, divididos em 3 categorias: a articulação analisada a partir da saúde mental, a partir da Atenção Primária e experiências de matriciamento. A análise evidenciou a existência de diferentes formas de descrever o trabalho em colaboração. Conclusões: A experiência brasileira está em consonância com as recomendações mundiais rumo à diminuição da lacuna terapêutica entre a oferta e as necessidades de cuidado. A construção da Rede de Saúde Mental integrada à Estratégia Saúde da Família é um novo desafio para a reforma psiquiátrica brasileira.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Karen Athié, UDA Saúde Mental e Psicologia Médica - Faculdade de Ciências Médicas - Universidade do Estado do Rio de Janeiro - em Estágio Probatório para o doutorado no Núcleo de Políticas Públicas de Saúde Mental Instituto de Psiquiatria do Brasil - Universidade Federal do Rio de Janeiro (UERJ).

graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Espírito Santo (1999) e mestrado em Etudes Feminines - Universite de Paris VIII (2001). Preceptora da pós-graduação em Saúde Mental e Psicologia Médica no Ambulatório de Medicina Integral e Policlínica Piquet Carneiro da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Facilitadora do curso Babel de Saúde Mental na Atenção Primária.

em Estágio Probatório para o doutorado no Núcleo de Políticas Públicas de Saúde Mental Instituto de Psiquiatria do Brasil - Universidade Federal do Rio de Janeiro (UERJ).

 

Sandra Fortes, UDA Saúde Mental e Psicologia Médica - Faculdade de Ciências Médicas - Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).
psiquiatra, Profa. Adjunta de Saúde Mental e Psicologia Médica da FCM/UERJ, vem desenvolvendo pesquisas na área de saúde mental na atenção primária desde 2002, e coordena os Grupos de Pesquisa nesta área na UERJ, incluindo o LIPAPS: “ Laboratório Interdisciplinar de Pesquisa em Atenção primária a saúde “ do Centro Biomédico/UERJ, iniciado há cerca de um ano. Participa também no Projeto Pro - Saúde da FCM/UERJ e coordena o Curso de Aperfeiçoamento em Saúde Mental que já capacitou mais de 250 profissionais nesta área na SMSDC-RJ.
Pedro Gabriel Godinho Delgado, Núcleo de Políticas Públicas de Saúde Mental Instituto de Psiquiatria do Brasil - Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).
graduação em Medicina pela Universidade Federal de Juiz de Fora (1975), mestrado em Psiquiatria pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1983), doutorado em Medicina (Medicina Preventiva) pela Universidade de São Paulo (1992) e pós-doutorado na London School of Hygiene and Tropical Medicine, da Universidade de Londres (2008). Foi Coordenador Nacional de Saúde Mental, Álcool & Outras Drogas do Ministério da Saúde de agosto de 2000 a dezembro de 2010 e presidente da III Conferência Nacional de Saúde Mental (2001) e da IV Conferência Nacional de Saúde Mental -Intersetorial (2010) . É professor adjunto da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Saúde Mental, atuando principalmente nos seguintes temas: políticas públicas de saúde mental, politicas de saúde mental, saúde mental, tendências, desinstitucionalização, políticas públicas para atenção em álcool & outras drogas. Publicou 19 artigos em periódicos científicos, 3 livros e 15 capítulos de livros.

Referências

Kohn R, Saxena S, Levav I, Saraceno B. The treatment gap in mental health care. Bull World Health Organ. 2004 Nov; 82(11): 858-866.

Whiteford H, Knaap M, Thornicroft G, Saxena S. Resources for mental health: scarcity, inequity, and inefficience. Lancet. 2007 Sep; 370(9590): 878-89. http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(07)61239-2

Weiss MG. Reducing the stigma of mental illness: a report from a global programme of the World Psychiatric Association. Bull World Health Organ. 2006 Apr; 84(4): 333-334.

Global Mental Health: The Lancet Series. London; 2007.

Thornicroft G, Tansella M. Quais são os argumentos a favor da atenção comunitária à saúde mental?. Pesqui Prát Psicossociais. 2008; 3(1): 9-25.

Konh R, Saraceno B, Levav I, Saxena S. The treatment gap in mental health care. Bull World Health Organ. 2004; 82(11): 858-866. http://dx.doi.org/10.1590/S0042-96862004001100011

Prince M, Patel V, Saxena S, Maj M, Maselko J, Phillips MR et al. No health without mental health. Lancet. 2007 Sep 8; 370(9590): 859-77. http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(07)61238-0

Lancet Global Mental Health Group, Chisholm D, Flisher AJ, Lund C, Patel V, Saxena S, et al. Scale up services for mental disorders: a call for action. Lancet. 2007 Oct; 370(9594): 1241-52. http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(07)61242-2

World Health Organization - WHO, World Organization of Family Doctors - WONCA. Integração da saúde mental nos cuidados de saúde primários: Uma perspectiva global. Lisboa: WHO, WONCA; 2009.

Bartels, Coakley EH, Zubritsky C, Ware JH, Miles KM, Areán PA, et al. Improving Access to Geriatric Mental Health Services: A Randomized Trial Comparing Treatment Engagement With Integrated Versus Enhanced Referral Care for Depression, Anxiety, and At-Risk Alcohol Use. Am J Psychiatry. 2004; 161:1455-1462. http://dx.doi.org/10.1176/appi.ajp.161.8.1455

Gask L, Bower P, Lovell K, Escott D, Archer J, Gilbody S, et al. What work has to be done to implement collaborative care for depression? Process evaluation of a trial utilizing the Normalization Process Model. Implement Sci. 2010 Feb; 5: 15. http://dx.doi.org/10.1186/1748-5908-5-15

A Report of The Collaborative Working Group on Shared Mental Health Care. Canadian Psychiatric Association, College of Family Physicians of Canada; 2000.

Arona E. Implantação do matriciamento nos serviços de saúde de Capivari. Saúde Soc. 2009; 18(Suppl. 1): 26-36. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902009000500005

Barban E, Oliveira A. O modelo de assistência da equipe matricial de saúde mental no Programa Saúde da Família do município de São José do Rio Preto. Arq Ciênc Saúde; 2007 jan./mar.;14(1):54-65.

Canadian Collaborative Mental Health Conference. The College of Family Physicians of Canada. [acesso em 2011 nov.]. Disponível em http://www.shared-care.ca/page.aspx?menu=57&app=251&cat1=628&tp=2&lk=no.

Campos GWS. Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para a gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cad Saúde Pública. 2007 fev.; 23(2): 399-407. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2007000200016

Brasil. Ministério da Saúde. Secretária de Atenção à Saúde. Portaria nº 154, de 24 de janeiro de 2008. Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família - NASF. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília,jan. 2008.

Brasil. Governo Federal. Lei nº 10.216, de 06 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, abr. 2001.

Weber R, Vieira SF, Godinho Delgado PG. Política de Saúde Mental do Brasil - evolução do gasto federal entre 2001 e 2009. Rev Saúde Pública. 2012; 46(1): 51-58. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102011005000085

Greenhalgh T. Meta-narrative mapping: a new approach to the systematic review of complex evidence. In: Hurwitz B, Greenhalgh T, Skultans V. Narrative Research in Health and Illness. BMJ Books; 2004.

Noyes J, Popay J, Pearson A, Hannes K, Booth A. Qualitative research and Cochrane reviews. In: Higgins P, Green S. Cochrane Handbook for Systematic Reviews of Interventions: Cochrane Book Series. Chichester: John Wiley & Sons, Ltd; 2008. cap. 20. http://dx.doi.org/10.1002/9780470712184.ch20

Nascimento A, Braga V. Atenção em Saúde Mental: a prática do enfermeiro e do médico do Programa Saúde da Família de Caucaia - CE. Cogitare Enferm. 2004 jan./jun.; 9(1): 84-93.

Carneiro A, Oliveira ACM, Santos MMS, Alves MS, Casais NA, Santos JE. Saúde mental e atenção primária: uma experiência com agentes comunitários de saúde em Salvador-BA. Rev Bras Promoç Saúde. 2009 out./dez.; 22(4): 264-271. http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2009.p264

Coyne JC, Schwenk TL, Fechner-Bates S. Non detection of Depression by Primary Care Physicians Reconsidered. Gen Hosp Psychiatry. 1995; 17(1): 3-12. http://dx.doi.org/10.1016/0163-8343(94)00056-J

Ustun TB, Sartorius N. Mental Ilness in General Health Care: na International Study. Chichesser: John Wiley & sons; 1995.

Mari J. Minor Psychiatric Morbidity in Three Primary care Clinics in the City of São Paulo. Soc Psychiatry Psychiatr Epidemiol. 1987; 22:129-138. http://dx.doi.org/10.1007/BF00583847

Mari J, Willians P. A Comparison of the Validity of Two Psychiatric Screening Questionnaires (GHQ-12 and SRQ-20) in Brazil Using Relative Operating Characteristic (ROC) Analysis. Psychol Med. 1985 Aug; 15(3): 651-9. http://dx.doi.org/10.1017/S0033291700031500

Vilano L. Problemas Psicológicos e morbidades psiquiátricas em serviços de saúde não psiquiátricos: o ambulatório de clinica geral. [Tese]. São Paulo: Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo; 1998. 227 p.

Lacoponi E. The Detection of Emotional Disorders by Primary Care Physicians – a Study in São Paulo, Brazil. [Thesis]. London: University of London; 1989.

Mari J, Iacoponi E, Williams P, Simões O, Silva JB. Detection of psychiatric morbidity in the primary medical care setting in Brazil. Rev Saúde Públ. 1987; 21:501-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101987000600006

Fortes S, Villano LAB, Lopes CS. Nosological profile and prevalence of common mental disorders of patients seen at the Family Health Program (FHP) units in Petrópolis, Rio de Janeiro. Rev Bras Psiquiatr. 2008 Mar;

(1): 32-37. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462006005000066

Elias E, Ferreira CW, Alves MCG, Cohn A, Kishima V, Escrivão Júnior A, et al. A atenção Básica em saúde: comparação entre PSF e UBS por extrato de exclusão social no município de São Paulo. Ciênc Saúde Coletiva. 2006; 11(3): 633-641. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232006000300012

Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO Brasil, Ministério da Saúde; 2004.

Macincko J, Almeida C, Oliveira E, Sá P. Organization and delivery of primary health care services in Petrópolis, Brazil. Int J Health Plann Mgmt. 2004; 19: 303-17.

Tofoli LF, Fortes S. Apoio Matricial de Saúde Mental na Atenção Primária no Município de Sobral no Ceará: relato de experiência. Sanare. 2007; 6(2): 34-42.

Figueiredo Dorsa M, Onocko R. Saúde Mental e Atenção Básica à Saúde: o apoio matricial na construção de uma rede multicêntrica. Saúde Debate. 2008; 32(78-80): 143-150.

Publicado
2013-02-13
Como Citar
Athié, K., Fortes, S., & Delgado, P. G. G. (2013). Matriciamento em saúde mental na Atenção Primária: uma revisão crítica (2000-2010). Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 8(26), 64-74. https://doi.org/10.5712/rbmfc8(26)536
Seção
ARTIGOS DE REVISÃO