Perfil das patologias prevalentes na gestação de alto risco em uma maternidade escola de Maceió, Alagoas, Brasil

Autores

  • Dialla Tâmara Alves dos Santos Universidade de Ciências da Saúde de Alagoas (UNCISAL). Maceió, AL
  • Carla Santana Mariano Campos Universidade de Ciências da Saúde de Alagoas (UNCISAL). Maceió, AL
  • Maria Luisa Duarte Universidade de Ciências da Saúde de Alagoas (UNCISAL). Maceió, AL

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc9(30)687

Palavras-chave:

Gravidez de Alto Risco, Prevalência, Perfil de Saúde

Resumo

Objetivos: Descrever o perfil epidemiológico das patologias prevalentes na gestação de alto risco na Maternidade Escola Santa Mônica, município de Maceió, Alagoas. Métodos: Estudo epidemiológico, transversal e retrospectivo, realizado por meio da análise descritiva dos dados de prontuários de gestantes atendidas por ocasião do parto no período de janeiro de 2006 a novembro de 2010. Foram incluídos prontuários das gestantes de alto risco atendidas na maternidade no período estudado e excluídos da pesquisa os prontuários não preenchidos corretamente ou incompletos quanto às patologias prevalentes na gestação de alto risco. O cálculo amostral foi realizado a partir do teste de hipótese para uma proporção, segundo Lwanga e Lemeshow. A coleta de dados foi realizada por meio de preenchimento de formulário contendo informações dos prontuários, desenvolvido para esta pesquisa. As variáveis foram: patologias prevalentes na gestação de alto risco, idade materna, paridade, tipo de parto e tempo de gestação. Resultados: Foram analisados 316 prontuários. O trabalho de parto prematuro foi a patologia mais prevalente, representando 31,4% (98/312; IC95% 26,5 a 36,8) das patologias de alto risco. Em relação à idade materna, 72,7% (227/312; IC95% 67,5 a 77,4) das gestantes eram jovens (<30 anos). Quanto ao número de gestações, as multíparas corresponderam a 52,9% (165/312; IC95% 47,3 a 58,3). Considerando o tipo de parto, 59,0% (184/312; IC95% 53,4 a 64,3) foram cesáreos. Quanto ao tempo de gestação, 47,4% (148/312; IC95% 42,0 a 53,0) foram prematuros. Conclusões: O perfil epidemiológico encontrado foi o trabalho de parto prematuro em gestantes jovens e multíparas que evoluíram para um parto cesariano e pré-termo. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Dialla Tâmara Alves dos Santos, Universidade de Ciências da Saúde de Alagoas (UNCISAL). Maceió, AL

Acadêmica do curso de medicina

Carla Santana Mariano Campos, Universidade de Ciências da Saúde de Alagoas (UNCISAL). Maceió, AL

Acadêmica do curso de medicina

Maria Luisa Duarte, Universidade de Ciências da Saúde de Alagoas (UNCISAL). Maceió, AL

Professora adjunta da disciplina de medicina legal e ética médica

Referências

Ministério da Saúde (BR). Gestação de alto risco. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2010. 9 p.

Gomes R, Cavalcanti LF, Marinho ASN, Silva LGP. Os sentidos do risco na gravidez segundo a obstetrícia: um estudo bibliográfico. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2001; 9(4):62-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692001000400011 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-11692001000400011

Maine D, Akalin MZ, Ward VM, Kamara A. The Design and Evaluation of Maternal Mortality Programs. New York: Center for Population and Family Health; 1997. 4 p. Disponível em: http://www.amddprogram.org/v1/resources/DesignEvalMM-EN.pdf

Costa AAR, Ribas MSSS, Amorim MMR, Santos LC. Mortalidade materna na cidade do Recife. Rev Bras Ginecol Obstet. 2002; 24: 455-61. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-72032002000700005 DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-72032002000700005

Low S, Batista MF, Souza AI. Assistência Pré-natal no Estado de Pernambuco. Recife: Bagaço; 2001.

Gouveia HG, Lopes MHBM. Diagnósticos de enfermagem e problemas colaborativos mais comuns na gestação de risco. Rev Latino-Am Enfermagem. 2004; 12(2): 175-82. PMid:15303220. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692004000200005 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-11692004000200005

Lwanga SK, Lemeshow S. Sample size determination in health studies: a practical manual. Geneva: World Health Organization; 1991. PMCid:PMC2393240. Disponível em: http://www.who.int/iris/handle/10665/40062#sthash.pQer9V7G.dpuf

Gois ALCG, Cravo EO, Mendes RB. Infecção do trato urinário e trabalho de parto prematuro: a realidade em uma maternidade referência para alto risco em Aracaju (SE). Cad Graduação – Ciênc Biol Saúde. 2010; (11): 65-80. Disponível em: http://www.unit.br/Publica/2010-1/BS_INFECCAO.pdf

Silva AMR, Almeida MF, Matsuo T, Soares DA. Fatores de risco para nascimentos pré-termo em Londrina, Paraná, Brasil. Cad Saúde Pública. 2009; (25):2125-38. PMid:19851613. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2009001000004 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2009001000004

Trevisan MR, De Lorenzi DRS, Araujo NM, Esber K. Perfil da assistência pré-natal entre usuárias do Sistema Único de Saúde em Caxias do Sul. Rev Bras Ginecol Obstet. 2002; 24: 293-9. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-72032002000500002 DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-72032002000500002

Silva AAM, Coimbra LC, Silva RA, Alves MTSSB, Lamy FF, Lamy ZC, et al. Perinatal health and mother-child health care in the municipality of São Luís, Maranhão State, Brazil. Cad Saúde Pública. 2001; 17(6): 1412-23. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2001000600025 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2001000600025

Santos GHN, Martins MG, Sousa MS, Batalha SJC. Impacto da idade materna sobre os resultados perinatais e via de parto. Rev Bras Ginecol Obstet. 2009; 31(7): 326-34. PMid:19838577. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-72032009000700002

Silva JLCP, Surita FGC. Idade materna: resultados perinatais e via de parto. Rev Bras Ginecol Obstet. 2009; 31(7): 321-5. PMid:19838576 http://dx.doi.org/10.1590/S0100-72032009000700001

Pinto LF, Malafaia MF, Borges JA, Baccaro A, Soranz DR. Perfil social das gestantes em unidade de saúde da família do município de Teresópolis. Ciênc Saúde Coletiva. 2005; 10: 205-13. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232005000100027 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232005000100027

Gama SGN, Szwarcwald CL, Leal MC. Experiência de gravidez na adolescência, fatores associados e resultados perinatais entre puérperas de baixa renda. Cad Saúde Pública. 2002; 18: 153-61. PMid:11910434. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2002000100016 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2002000100016

Carvalho VCP, Araújo TVB. Adequação da assistência pré-natal em gestantes atendidas em dois hospitais de referência para gravidez de alto risco do Sistema Único de Saúde, na cidade de Recife, estado de Pernambuco. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2007; (7):309-17. http://dx.doi.org/10.1590/S1519-38292007000300010 DOI: https://doi.org/10.1590/S1519-38292007000300010

Carniel EF, Zanolli ML, Morcillo AM. Fatores de risco para indicação do parto cesáreo em Campinas (SP). Rev Bras Ginecol Obstet. 2007; 29(1): 34-40. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-72032007000100006 DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-72032007000100006

Silveira MF, Santos IS, Barros AJD, Matijasevich A, Barros FC, Victora CG. Aumento da prematuridade no Brasil: revisão de estudos de base populacional. Revista de Saúde Pública. 2008; 42(5): 957-64. PMid:18833394. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102008000500023 DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-89102008000500023

Cascaes AM, Gauche H, Baramarchi FM, Borges CM, Peres KG. Prematuridade e fatores associados no Estado de Santa Catarina, Brasil, no ano de 2005: análise dos dados do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos. Cad. Saúde Pública. 2008; 24(5): 1024-32. PMid:18461231. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008000500009 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2008000500009

Dória MT, Spautz CC. Trabalho de parto prematuro: predição e prevenção. Femina. 2011; 39(9): 443-9.

Lopes HV, Tavares W. Infecções do Trato Urinário: Diagnóstico. Sociedade Brasileira de Infectologia, Sociedade Brasileira de Urologia; 2004. Projeto Diretrizes.

Baleiras C, Campos A, Lorenço I, Revez AI. Infecções Urinárias e Gravidez. Act Med Port. 1998; 11(10): 839-46. Disponível em: http://www.actamedicaportuguesa.com/revista/index.php/amp/article/view/2336

Bittar RE, Zugaib M. Qual é a melhor via de parto para o feto prematuro? Femina. 2010; 38(10): 543-6.

Lee HC, Gould J. Survival advantage associated with cesarean delivery in very low birth weight vertex neonates. Obstet Gynecol. 2006; 107(6): 97-105. PMid:16394046. http://dx.doi.org/10.1097/01.AOG.0000192400.31757.a6 DOI: https://doi.org/10.1097/01.AOG.0000192400.31757.a6

Colletto GMD, Segre CAM, Beiguelman B. Twinning rate in a sample from a Brazilian hospital with a high standard of reproductive care. Rev Paul Med. 2001; 119(6): 216-9. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-31802001000600007 DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-31802001000600007

Rodrigues CT, Branco MR, Ferreira ID, Nordeste A, Fonseca M, Taborda A, et al. Epidemiologia da gestação múltipla: Casuística de 15 anos. Acta Méd Port. 2005; 18(2): 107-11. PMid:16202342. Disponível em: http://www.actamedicaportuguesa.com/revista/index.php/amp/article/view/1016.

Cabral SALCS, Ferreira C, Costa CFF, Cabral SF Jr. Correlação entre a Idade Materna, Paridade, Gemelaridade, Síndrome Hipertensiva e Ruptura Prematura de Membranas e a Indicação de Parto Cesáreo. RBGO. 2003; 25(10): 739-44. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-72032003001000007 DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-72032003001000007

Gonçalves R, Fernandes RAQ, Sobral DH. Prevalência da Doença Hipertensiva Específica da Gestação em hospital público de São Paulo. Rev Bras Enferm. 2005; 58(1):61-4. PMid:16268285. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672005000100011 DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-71672005000100011

Jacobsson B, Ladfors L, Milsom I. Advanced maternal age and adverse perinatal outcome. Obstet Gynecol. 2004; 104(4): 727-33. PMid:15458893. http://dx.doi.org/10.1097/01.AOG.0000140682.63746.be DOI: https://doi.org/10.1097/01.AOG.0000140682.63746.be

Mirás RG, Valdés AL, Bermúdez ALP, González MJD, Sánchez AG. Resultados maternos-perinatales de pacientes con preeclampsia. Rev Cubana Obstetricia Ginecol. 2012; 38(4): 467-77. Disponível em: http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0138-600X2012000400004&lng=es.

Paula GM, Silva LGP, Moreira MEL, Bonfim O. Repercussões da amniorrexe prematura no pré-termo sobre a morbimortalidade neonatal. Cad Saúde Pública. 2008; 24(11):2521-31. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008001100007 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2008001100007

Oliveira CA, Lins CP, Sá RAM, Chaves Netto H, Bornia RG, Silva NR, et al. Síndromes hipertensivas da gestação e repercussões perinatais. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2006; 6(1): 93-8. http://dx.doi.org/10.1590/S1519-38292006000100011 DOI: https://doi.org/10.1590/S1519-38292006000100011

Downloads

Publicado

2013-11-25

Como Citar

1.
Santos DTA dos, Campos CSM, Duarte ML. Perfil das patologias prevalentes na gestação de alto risco em uma maternidade escola de Maceió, Alagoas, Brasil. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 25º de novembro de 2013 [citado 27º de junho de 2022];9(30):13-22. Disponível em: https://www.rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/687

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.