Inserção da fitoterapia em unidades de saúde da família de São Luís, Maranhão: realidade, desafios e estratégias

  • Waleska Regina Machado Araujo Universidade Federal do Maranhão (UFMA). São Luís, MA
  • Rômulo Vieira Silva Universidade Federal do Maranhão (UFMA). São Luís, MA
  • Clemilson da Silva Barros Universidade Federal do Maranhão (UFMA). São Luís, MA
  • Flavia Maria Mendonça do Amaral Universidade Federal do Maranhão (UFMA). São Luís, MA
Palavras-chave: Fitoterapia, Estratégia Saúde da Família, Capacitação Profissional

Resumo

Objetivo: analisar a inserção da fitoterapia em unidades de saúde da família (USF) no município de São Luís, Maranhão, Brasil. Métodos: estudo analítico, observacional e transversal, tendo sido empregado como instrumento de coleta de dados um questionário semiestruturado com perguntas diretas, fechadas e abertas, aplicado aos diretores de USF do município. As variáveis da pesquisa foram categoria profissional, implantação de serviços de fitoterapia nas USF, benefícios da terapêutica na atenção primária, capacitação na área e desafios para efetivação do serviço, com análise quantitativa e qualitativa. Resultados: foram entrevistados 18 diretores, predominando os enfermeiros (50%); 81% dos entrevistados desconheciam as normativas vigentes relacionadas à fitoterapia no âmbito das políticas nacionais de saúde; 94% acreditavam que a oferta da fitoterapia como terapia alternativa e/ou complementar traria benefícios à qualidade de vida da comunidade, sendo constatado ainda que 94% dos profissionais não tinham capacitação na área. Foram relatadas experiências pontuais referentes à fitoterapia por alguns diretores das unidades. Dentre os desafios citados pelos entrevistados, foi enfatizada a necessidade de estrutura física adequada e capacitação profissional. Conclusão: o estudo indica a real possibilidade da inserção da fitoterapia em USF mediante a promoção de mecanismos de capacitação profissional e educação permanente, a priorização do estudo de espécies vegetais locais de uso popular regional e a atuação efetiva da equipe multiprofissional, visando a qualificar a atenção primária e a ampliar o acesso às práticas alternativas e/ou complementares.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Waleska Regina Machado Araujo, Universidade Federal do Maranhão (UFMA). São Luís, MA

Pós-Graduação em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Maranhão

Especialista em Saúde da Família e Saúde Pública pela Faculdade Laboro/Estácio de Sá

Rômulo Vieira Silva, Universidade Federal do Maranhão (UFMA). São Luís, MA
Pós-graduação em Ciências da Saúde, Produtos Naturais pela Universidade Federal do Maranhão
Clemilson da Silva Barros, Universidade Federal do Maranhão (UFMA). São Luís, MA

Pós-Graduação em Saúde Materno-Infantil pela Universidade Federal do Maranhão

Especialista em Farmácia Hospitalar pelo Instituto Florence de Ensino Superior

Flavia Maria Mendonça do Amaral, Universidade Federal do Maranhão (UFMA). São Luís, MA
Departamento de Farmácia da Universidade Federal do Maranhão

Referências

Pinheiro R, Mattos R, Camargo Jr KR. Construção da integralidade: cotidiano, saberes e práticas em saúde. 4ª ed. Rio de Janeiro: ABRASCO; 2007.

Minayo MCS, Coimbra Jr CEA. Críticas e atuantes: ciências sociais e humanas em saúde na América Latina. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2005.

Andrade JT, Costa LFA. Medicina complementar no SUS: práticas integrativas sob a luz da Antropologia médica. Saúde Soc. 2010;19:497-508. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902010000300003.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS - PNPIC-SUS. Brasília: MS; 2006.

Pereira AMM, Castro ALB, Oviedo RAM, Barbosa LG, Gerassi CD, Giovanella L. Atenção primária à saúde na América do Sul em perspectiva comparada: mudanças e tendências. Saúde Debate. 2012;36(94):482-99. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-11042012000300019.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Brasília: MS; 2009.

Prefeitura de São Luís, Secretaria Municipal de Saúde. Guia de distritos. 2013. [acesso em 2013 Set 16]. Disponível em: http://www.saoluis.ma.gov.br/SEMUS.

Vanderlei MIG, Almeida MCP. A concepção e prática dos gestores e gerentes da estratégia de saúde da família. Ciênc Saúde Coletiva. 2007;12(2):443-53. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232007000200021.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 1886 de 18 de dezembro de 1997. Aprova as Normas e Diretrizes do Programa de Agentes Comunitários de Saúde e do Programa de Saúde da Família. Diário Oficial da União. 1997 Dec 22; Seção 1. Portuguese.

Rothbarth S, Wolff LDG, Peres AM. O desenvolvimento de competências gerenciais do enfermeiro na perspectiva de docentes de disciplinas de administração aplicada à enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2009;18(2):321-29. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072009000200016.

Cunha I, FRG XN. Competências gerenciais de enfermeiras: um novo velho desafio. Texto Contexto Enferm. 2006;15(3):479-82. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072006000300013.

Gil CRR. Formação de recursos humanos em saúde da família: paradoxos e perspectivas. Cad Saúde Pública. 2005;21(2):490-98. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2005000200015.

Medeiros CRG, Junqueira A, Schwingel G, Carreno I, Jungles LAP, Saldanha O. A rotatividade de enfermeiros e médicos: um impasse na implementação da Estratégia de Saúde da Família. Ciênc Saúde Coletiva. 2007;15(1):1521-31. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000700064.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 154 de 24 de janeiro de 2008. Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família – NASF. Brasil: MS; 2008.

Fontenele RP, Sousa DMPd, Carvalho ALM, Oliveira FdA. Fitoterapia na Atenção Básica: olhares dos gestores e profissionais da Estratégia Saúde da Família de Teresina (PI), Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(8):2385-94. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000800023.

Cantarelli AP. Estudo da utilização de plantas medicinais pelos usuários do SUS e das práticas dos profissionais de saúde de Doutor Maurício Cardoso em relação à fitoterapia [Monografia]. Porto Alegre: Curso de Especialização em Gestão em Saúde EAD. Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2012. Portuguese. http://hdl.handle.net/10183/67671.

Thiago SCS, Tesser CD. Percepção de médicos e enfermeiros da Estratégia de Saúde da Família sobre terapias complementares. Rev Saúde Pública. 2011;45(2):249-57. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102011005000002.

Ischkanian PC, Pelicioni MCF. Challenges of complementary and alternative medicine in the SUS aiming to health promotion. Journal of Human Growth and Development. 2012;22(2):233-38.

Silva MIG, Gondim APS, Nunes IFS, Sousa FCF. Utilização de fitoterápicos nas unidades básicas de atenção à saúde da família no município de Maracanaú (CE). Rev Bras Farmacogn. 2006;16(4):455-62. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-695X2006000400003.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 886 de 20 de abril de 2010. Institui a Farmácia Viva no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasil: MS; 2010.

Camargo EES, Bandeira MAM, Oliveira AGD. Diagnosis of public programs focused on herbal medicines in Brazil. Bol Latinoam Caribe Plantas Med Aromát. 2012;11(4):362-368.

Sampaio LA, Oliveira DR, Kerntopf MR, Brito Jr FE, Menezes IRA. Percepção dos enfermeiros da estratégia saúde da família sobre o uso da fitoterapia. REME Rev Min Enferm. 2012;17(1):76-84. http://dx.doi.org/10.5935/1415-2762.20130007.

Rosa C, Câmara SG, Béria JU. Representações e intenção de uso da fitoterapia na atenção básica à saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(1):311-18. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000100033.

Batista LM, Valença AMG. A fitoterapia no âmbito da Atenção Básica no SUS: realidades e perspectivas. Pesq Bras Odontoped Clin Integr. 2012;12(2):293-96.

Schwambach KH, Amador TA. Estudo da utilização de plantas medicinais e medicamentos em um município do sul do Brasil. Latin American Journal Pharmacy. 2007;26(4):602. http://hdl.handle.net/10915/7523.

Agra MF, Freitas PF, Barbosa-Filho JM. Synopsis of the plants known as medicinal and poisonous in Northeast of Brazil. Rev Bras Farmacogn. 2007;17(1):114-40. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-695X2007000100021.

Amaral F, Coutinho D, Ribeiro M, Oliveira M. Avaliação da qualidade de drogas vegetais comercializadas em São Luís/Maranhão. Rev Bras Farmacogn. 2003;13:27-30. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-695X2003000300011.

Badke MR, Budó MLD, Alvim NAT, Zanetti GD, Heisler EV. Saberes e práticas populares de cuidado em saúde com o uso de plantas medicinais. Texto Contexto Enferm. 2012;21(2):363-70. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072012000200014.

Michiles E. Diagnóstico situacional dos serviços de fitoterapia no Estado do Rio de Janeiro. Rev Bras Farmacogn. 2004;14(1):16-19. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-695X2004000300007.

Santos RL, Guimaraes GP, Nobre MSC, Portela AS. Análise sobre a fitoterapia como prática integrativa no Sistema Único de Saúde. Rev Bras Plantas Med 2011;13(4):486-91. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-05722011000400014.

Nunes MO, Trad LB, Almeida BA, Homem CR, Melo MCC. O agente comunitário de saúde: construção da identidade desse personagem híbrido e polifônico. Cad Saúde Pública. 2002;18(6):1639-46. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2002000600018.

Silvello CLC. O uso de plantas medicinais e de fitoterápicos no SUS: uma revisão bibliográfica [Monografia]. Porto Alegre: Escola de Enfermagem, Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2010. Portuguese. http://hdl.handle.net/10183/28232.

Publicado
2014-01-09
Como Citar
Araujo, W. R. M., Silva, R. V., Barros, C. da S., & Amaral, F. M. M. do. (2014). Inserção da fitoterapia em unidades de saúde da família de São Luís, Maranhão: realidade, desafios e estratégias. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 9(32), 258-263. https://doi.org/10.5712/rbmfc9(32)789
Seção
Artigos de Pesquisa