Sintomas respiratórios em pacientes atendidos em uma unidade básica de saúde de Goiânia-GO

Autores

  • José Laerte Rodrigues Silva Júnior Universidade Federal de Goiás. Goiânia, GO
  • Thiago Fintelman Padilha Universidade Federal de Goiás. Goiânia, GO
  • Jordana Eduardo Rezende Universidade Federal de Goiás. Goiânia, GO
  • Eliane Consuelo Alves Rabelo Universidade Federal de Goiás. Goiânia, GO
  • Anna Carolina Galvão Ferreira Universidade Federal de Goiás. Goiânia, GO
  • Marcelo Fouad Rabahi Universidade Federal de Goiás. Goiânia, GO

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc9(32)825

Palavras-chave:

Sinais e Sintomas Respiratórios, Transtornos Respiratórios, Centros de Saúde, Fatores de Risco

Resumo

Objetivo: verificar a prevalência de sintomas respiratórios em indivíduos que procuram uma unidade básica de saúde, descrevendo as distribuições desses sintomas e dos fatores de risco relacionados com doenças respiratórias. Métodos: estudo transversal em uma unidade básica de saúde de Goiânia-GO. Durante um ano, 44 observações, escolhidas de forma aleatória, foram realizadas, onze em cada estação do ano. Para análise dos dados, foram utilizados teste do qui-quadrado, ANOVA, correlação e regressão robusta univariada. Resultados: dentre os 3.354 indivíduos avaliados, 13,7% (458/3.354) possuíam sintomas respiratórios. A tosse foi o sintoma respiratório mais prevalente, ocorrendo em 91% (417/458) dos casos. Em relação aos que procuraram a unidade de saúde, 4,8% (161/3354) apresentavam tosse por duas semanas ou mais. A proporção dos diferentes sintomas respiratórios (tosse, dispneia e chiado) foi semelhante entre as estações, e as prevalências de sintomas respiratórios encontradas nas quatros estações (inverno, outono, verão e primavera) foram, respectivamente, 20%, 14%, 11,9% e 7,4%. A média do tempo de tosse para idosos foi estatisticamente maior que nos demais grupos (p=0,004). Os tabagistas, ex-tabagistas, portadores de baixo peso, pessoas que referiam pneumonia prévia, asma ou DPOC apresentaram médias de tempo de tosse maiores, mas essas diferenças não foram estatisticamente significativas. O modelo de regressão mostrou aumento do tempo de tosse com aumento da idade (r2=0,08; p=0,0001). Conclusão: as doenças respiratórias perfazem uma importante parcela dos atendimentos da unidade básica de saúde. A prevalência de sintomas respiratórios é maior no inverno e o tempo médio de tosse aumenta com a idade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

José Laerte Rodrigues Silva Júnior, Universidade Federal de Goiás. Goiânia, GO

Programa de pós - graduação  em Ciências da Saúde

 

Thiago Fintelman Padilha, Universidade Federal de Goiás. Goiânia, GO

Faculdade de Medicina -UFG

Jordana Eduardo Rezende, Universidade Federal de Goiás. Goiânia, GO

Faculdade de Medicina -UFG

Eliane Consuelo Alves Rabelo, Universidade Federal de Goiás. Goiânia, GO

Faculdade de Medicina -UFG

Anna Carolina Galvão Ferreira, Universidade Federal de Goiás. Goiânia, GO

Faculdade de Medicina -UFG

Marcelo Fouad Rabahi, Universidade Federal de Goiás. Goiânia, GO

Faculdade de Medicina -UFG

Referências

Aït-Khaled N, Enarson D, Bousquet J. Chronic respiratory diseases in developing countries: the burden and strategies for prevention and management. Bull World Health Organ. 2001;79(10):971-9.

World Health Organization (WHO). Practical Approach to Lung Health (PAL). A primary health care strategy for the integrated management of respiratory conditions in people of five years of age and over. Geneva, Switzerland: WHO; 2005. Disponível em: http://whqlibdoc.who.int/hq/2005/WHO_HTM_TB_2005.351.pdf

World Health Organization (WHO). Practical Approach to Lung Health - Manual on initiating PAL implementation. Geneva, Switzerland: WHO; 2008. Disponível em: http://whqlibdoc.who.int/hq/2008/WHO_HTM_TB_2008.410_eng.pdf

Costa LDC, Condino Neto A. Prevalência de asma e sintomas relacionados, em adolescentes de Goiânia avaliados pelo questionário ISAAC. Rev Bras Alergia Imunopatol. 2005;(28):309-314.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde. Informe técnico de Tuberculose. Brasil; 2010 Jul [acesso em 2012 Jan 16]. Disponível em: http://portalpbh.pbh.gov.br/pbh/ecp/files.do?evento=download&urlArqPlc=informe_PNCT_TB_julho2010.pdf

Carnelosso ML, Barbosa MA, Porto CC, Silva SA, Carvalho MM, Oliveira ALI. Prevalência de fatores de risco para doenças cardiovasculares na região leste de Goiânia (GO). Ciênc Saúde Coletiva [Internet]. 2010 [acesso em 2012 Feb 6];15(1):1073-80. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000700014 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232010000700014

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; Instituto Nacional de Câncer (INCA). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). Tabagismo, 2008. Rio de Janeiro; 2009. Disponível em: http://www1.inca.gov.br/inca/Arquivos/publicacoes/tabagismo.pdf

World Health Organization (WHO). Respiratory care in primary care services — A survey in 9 countries. Geneva, Switzerland: WHO; 2004. Disponível em: http://whqlibdoc.who.int/hq/2004/WHO_HTM_TB_2004.333.pdf

Lwanga SK, Lemeshow S. Sample size determination in health studies: a pratical manual. Geneva, Switzerland: WHO; 1991.

European Commision. The Gallup Organisation. Survey on Tobacco. Analytical report. Flash Eurobarometer 253. Brussels: European Commision; 2009. Disponível em: http://ec.europa.eu/health/ph_determinants/life_style/Tobacco/keydo_tobacco_en.htm

Rodrigues ILA, Cardoso NC. Detecção de sintomáticos respiratórios em serviços de saúde da rede pública de Belém, Pará. Rev Pan-Amaz Saúde. 2010;1(1):67-71. http://dx.doi.org/10.5123/S2176-62232010000100010 DOI: https://doi.org/10.5123/S2176-62232010000100010

Moreira CMM, Zandonade E, Lacerda T, Maciel ELN. Sintomáticos respiratórios nas unidades de atenção primária no Município de Vitória, Espírito Santo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2010;26(8):1619-26. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2010000800015 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2010000800015

Gabardo BMA, Rossoni AMO, Costa HMLM, Schichta BS, Schlichting GCB, Gomes DC, et al. Prevalência de sintomáticos respiratórios em Unidades de Saúde. In: Anais do III Encontro Nacional de Tuberculose. Brasília: Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia; 2008. p. R21.

Freitas FTM, Yokota RTC, Castro APB, Andrade SSCA, Nascimento GL, Moura NFO, et al. Prevalência de sintomáticos respiratórios em regiões do Distrito Federal, Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2011;29(6):451-6. http://dx.doi.org/10.1590/S1020-49892011000600011

Ministério da Saúde (BR). Manual de Recomendações para o Controle da Tuberculose no Brasil. Brasília, DF; 2010. 186 p. Disponível em: http://www.paho.org/bra/index.php?option=com_docman&task=doc_details&gid=1042&Itemid=423

Ahrens CD, Samson PJ. Temperature and Humidity extremes. In: Ahrens CD, Samson PJ, editors. Extreme Weather and Climate. Belmont, CA: Cengage Learning; 2010. p. 86.

Silva Júnior JLR, Padilha TF, Rezende JE, Rabelo ECA, Ferreira ACG, Rabahi MF. Efeito da sazonalidade climática na ocorrência de sintomas respiratórios em uma cidade de clima tropical. J Bras Pneumol. 2011;37(6):759-67. http://dx.doi.org/10.1590/S1806-37132011000600009 DOI: https://doi.org/10.1590/S1806-37132011000600009

Rangan S, Uplekar M. Gender perspectives of access to health and tuberculosis care. In: Diwan VK, Thorson A, Winkvist A, (editors). Gender and tuberculosis: an international research workshop. Report from the workshop at the Nordic School of Public Health: Göteborg; 1998 May 24-26, p. 107-125.

Godoy I, Tanni SE, Coelho LS, Martin RSS, Parenti LC, Andrade LM, et al. Programa de cessação de tabagismo como ferramenta para o diagnóstico precoce de doença pulmonar obstrutiva crônica. J Bras Pneumol. 2007;33(3):282-6. http://dx.doi.org/10.1590/S1806-37132007000300009 DOI: https://doi.org/10.1590/S1806-37132007000300009

Chatkin MN, Menezes AMB. Prevalência e fatores de risco para asma em uma coorte no sul do Brasil. J Pediatr, Rio de Janeiro. 2005;81(5):411-6. http://dx.doi.org/10.2223/JPED.1393 DOI: https://doi.org/10.2223/JPED.1393

Luna MFG, Almeida PC, Silva MGC. Prevalência de sintomas de rinite em adolescentes de 13 e 14 anos avaliada pelo método ISAAC, na cidade de Fortaleza. Rev Bras Alerg Imunopatol. 2009;32(3):106-11.

Bousquet J, Dahl R, Khaltaev N. Global Alliance against Chronic Respiratory Diseases. Eur Respir J. 2007;29(2):233-9. http://dx.doi.org/10.1183/09031936.00138606 DOI: https://doi.org/10.1183/09031936.00138606

Pauwels RA, Buist AS, Calverley PM, Jenkins CR, Hurd SS; GOLD Scientific Committee. Global strategy for the diagnosis, management, and prevention of chronic obstructive pulmonary disease. NHLBI/WHO Global Initiative for Chronic Obstructive Lung Disease (GOLD) Workshop summary. Am J Respir Crit Care Med. 2001;163(5):1256-76. http://dx.doi.org/10.1164/ajrccm.163.5.2101039 DOI: https://doi.org/10.1164/ajrccm.163.5.2101039

Jones SC, Iverson D, Burns P, Evers U, Caputi P, Morgan S. Asthma and ageing: an end user's perspective--the perception and problems with the management of asthma in the elderly. Clin Exp Allergy. 2011;41(4):471-81. http://dx.doi.org/10.1111/j.1365-2222.2011.03718.x DOI: https://doi.org/10.1111/j.1365-2222.2011.03718.x

Downloads

Publicado

2014-07-25

Como Citar

1.
Silva Júnior JLR, Padilha TF, Rezende JE, Rabelo ECA, Ferreira ACG, Rabahi MF. Sintomas respiratórios em pacientes atendidos em uma unidade básica de saúde de Goiânia-GO. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 25º de julho de 2014 [citado 29º de novembro de 2022];9(32):264-72. Disponível em: https://www.rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/825

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa

Plaudit