Avaliação dos atributos da atenção primária à saúde em Chapecó, Brasil

  • Angela Moreira Vitoria Universidade Comunitária da Região de Chapecó (UNOCHAPECÓ). Chapecó, SC
  • Erno Harzheim Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Porto Alegre, RS
  • Silvia Pasa Takeda Grupo Hospitalar Conceição (GHC). Porto Alegre, RS
  • Lisiane Hauser Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Porto Alegre, RS
Palavras-chave: Atenção Primária à Saúde, Pesquisa sobre Serviços de Saúde, Estratégia Saúde da Família

Resumo

Objetivo: Este estudo buscou avaliar, em um município de médio porte do sul do Brasil, a adequação da estrutura e dos processos da atenção primária à saúde (APS). Métodos: Usando um recorte transversal, avaliaram-se a estrutura da APS, com base nas orientações do Ministério da Saúde, entrevistando-se 24 coordenadores de unidades básicas de saúde (UBS); e os processos, com base no grau de orientação para APS pelo PCATool- Brasil, entrevistando-se 98 médicos e enfermeiros. Resultados: Foi encontrada inadequação no alto número de habitantes por equipe de saúde, na baixa oferta de consultas, na baixa formação profissional para a APS e na falta de avaliação sistemática das ações. Da mesma forma, o processo foi considerado satisfatório em alguns atributos da APS e insatisfatório em acesso de primeiro contato (escore: 3,6) e longitudinalidade (escore: 6,0). Conclusão: A adequação do sistema de saúde de Chapecó implicaria a ampliação de 56 mil consultas médicas/ano, na construção de 2 novas UBS e o estímulo à formação profissional para a APS, bem como na avaliação sistemática das ações.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Angela Moreira Vitoria, Universidade Comunitária da Região de Chapecó (UNOCHAPECÓ). Chapecó, SC
Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal de Pelotas (1997). Atualmente é docente do curso de medicina da Unochapecó e mestranda do Mestrado Profissional em Tecnologias de Saúde com ênfase na linha de pesquisa de Atenção Primária a Saúde. Tem experiência em Gestão em Saúde e assistência em Medicina de Família e Comunidade. É especialista em Gestão de Sistemas e Serviços de Saúde e em Medicina de Família e Comunidade.
Erno Harzheim, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Porto Alegre, RS

Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1998), doutorado em Medicina Preventiva e Saúde Pública pela Universidade de Alicante (2004) e pós-doutorado em Epidemiologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2006). Atualmente é professor adjunto e representante do Departamento de Medicina Social da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em Medicina de Familia e Comunidade, atuando principalmente nos seguintes temas: medicina de família e comunidade, epidemiologia, atenção primária, avaliação de serviços de saúde, telemedicina e telessaúde.

Mais informações: Currículo Lattes - CNPq

Silvia Pasa Takeda, Grupo Hospitalar Conceição (GHC). Porto Alegre, RS
Possui graduação em Medicina pela Universidade de Caxias do Sul (1982) e mestrado em Epidemiologia pela Universidade Federal de Pelotas (1992). Atualmente é epidemiologista do Serviço de Saúde Comunitária do Grupo Conceição S/A, docente da Organização Panamericana de Saúde, consultora do Ministério da Saúde e consultora do Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em avaliação de serviços de Atenção Primária à Saúde.
Lisiane Hauser, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Porto Alegre, RS
Possui graduação em Estatística pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2008) e mestrado em Epidemiologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2012). Atualmente realizando doutorado em Epidemiologia na UFRGS e consultora em Estatística do projeto Telemática e Telemedicina em Apoio à Atenção Primária à Saúde no Brasil: Pólo Rio Grande do Sul, um projeto de teleducação e teleassistência do Ministério da Saúde em parceria com 9 universidades do país. Participa do Grupo de Pesquisa em Atenção Primária à Saúde de Porto Alegre

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Site do Departamento de Atenção Básica. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab

Macinko J, Souza MFM, Guanais FC, Simões CCS. Going to scale with community-based primary care: an analysis of the family health program and infant mortality in Brazil, 1999-2004. Soc Sci Med. 2007 Nov; 65(10): 2070-80. PMid:17689847. http://dx.doi.org/10.1016/j.socscimed.2007.06.028

Fernandes VBL, Caldeira AP, Faria AA, Rodrigues JF Nº. Internações sensíveis na atenção primária como indicador de avaliação da Estratégia Saúde da Família. Rev Saúde Pública. 2009; 43(6): 928-36. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102009005000080

Giovanella L, Mendonça MHM, Almeida PF, Escorel S, Senna MCM, Fausto MCR, et al. Saúde da família: limites e possibilidades para uma abordagem integral de atenção primária à saúde no Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2009; 14(3): 783-794. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232009000300014

Samico I, Hartz ZMA, Felisberto E, Carvalho EF. Atenção à saúde da criança: uma análise do grau de implantação e da satisfação de profissionais e usuários em dois municípios do estado de Pernambuco, Brasil. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2005; 5(2): 229-240. http://dx.doi.org/10.1590/ S1519-38292005000200012

Piccini RX, Facchini LA, Tomasi E, Thumé E, Silveira DS, Siqueira FV, et al. Necessidades de saúde comuns aos idosos: efetividade na oferta e utilização em atenção básica a saúde. Cienc Saúde coletiva. 2006 Jul; 11(3): 657-667. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232006000300014

Donabedian A. The quality of care. How can it be assessed? Arch Pathol Lab Med. 1997 Nov; 121(11): 1145-1150.

Habicht JP, Victora CG, Vaughan JP. Evaluation designs for adequacy, plausibility and probability of public health programme performance and impact. Int J Epidemiol. 1999; 28:10-18 http://dx.doi.org/10.1093/ije/28.1.10

Starfield B. Primary Care: balancing health needs, services, and technology. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde; 2002. 726 p.

Shi L, Stardield B, Xu J. Validating the adult primary care assessment tool. J Fam Pract. 2001; 50(2): 161-175.

Brasil. Ministério da Saúde. Manual do Instrumento de avaliação da atenção primária à saúde: primary care assessment tool Pcatool-Brasil. Brasília: Ministério da Saúde; 2010. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_avaliacao_pcatool_brasil.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica, 2007. 4. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2007. 68 p. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/pactos/pactos_vol4.pdf

Brasil. Departamento de Atenção Básica. Manual de Estrutura Física das Unidades Básicas de Saúde. Brasíla: Ministério da Saúde; 2010 [acesso em 2011 Jan 20]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_estrutura_fisica_ubs.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE [homepage]. Brasília: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; 2010. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria GM 1.101 de 12 de junho de 2002. Brasíla: Ministério da Saúde; 2002. Disponível em: http://dtr2001.saude.gov.br/sas/PORTARIAS/Port2002/Gm/GM-1101.htm

Royal College of General Practioners. Urgent care: a practical guide to transforming same-day care in general practice. BMA; 2009. Disponível em: www.primarycarefoundation.co.uk/report.html

Mendes EV. Revisão Bibliográfica sobre redes de atenção à saúde. Assessoria de Normalização; 2007. Disponível em: http://observasaude.fundap. sp.gov.br/pacto/Redesatencao/Acervo/RAS_revBblg.pdf

Leão CDA, Caldeira AP. Assessment of association between qualification of doctors and nurses in primary health care and the quality of care. Ciênc Saúde Coletiva. 2011 Nov; 16(11): 4415-4423. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011001200014

Kolling J. Orientação à Atenção Primária à Saúde das equipes de saúde da família nos municípios do projeto Telessaúde RS: estudo de linha de base. Porto Alegre; 2008. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/16375

Castro R. Percepção dos profissionais médicos e enfermeiros sobre a qualidade da atenção à saúde do adulto: comparação entre os serviços de atenção primária de Porto Alegre. [Dissertação]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2009. Disponível em: http://hdl.handle. net/10183/18766

Stralen CJ, Belisario SA, Stralen TBS, Lima A. Massot e AMD, Olivetra CL. Percep.;ao dos usuarios e profisstonais de saude sobre aten.;ao bastca compara.;ao entre untdades com e sem saude da familia na Regtao Centro-Oeste do Brasil. 2008. Cad Saude Publica. 2008; 24(Suppl 1) s148- s158. http//dx. dol.org/10.1590/S0102-311X2008001300019

.AJmetda C, Macinko J. Valtda<;ao de uma metodologia de uma avalta<;ao rapida das caracterfsticas orgamacionais e do desempenho do servi<;o de aten.;ao basica do Sistema Unicode Saude (SUS) em nlvellocal. BrasOia: Organiza.;ao Pan-Americana da Saude; Organtza.;ao Mundtal da Saude; Mtntsteno da Saude; 2006. Disponlvel em: http//www.saude.mt.govbr/arqutvo/2946

Publicado
2013-10-07
Como Citar
Vitoria, A. M., Harzheim, E., Takeda, S. P., & Hauser, L. (2013). Avaliação dos atributos da atenção primária à saúde em Chapecó, Brasil. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 8(29), 285-293. https://doi.org/10.5712/rbmfc8(29)832
Seção
Artigos de Pesquisa