Óbitos por acidentes de transporte terrestre em município do noroeste do Paraná - Brasil

  • Meiri Vanderlei Nogueira de Lima Secretaria Estadual de Saúde do Paraná (SESA/PR). Curitiba, PR
  • Rosangela Ziggiotti de Oliveira Universidade Estadual de Maringá (UEM). Maringá, PR
  • Renata Bernardini de Lima Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFSCPA). Porto Alegre, RS
  • Letícia Ziggiotti de Oliveira Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC/PR). Curitiba, PR
  • Airton Pereira de Lima Universidade Estadual de Maringá (UEM). Maringá, PR
  • Fernanda Nomoto Fujii Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC/PR). Curitiba, PR
Palavras-chave: Acidentes de Trânsito, Coeficiente de Mortalidade, Vulnerabilidade

Resumo

Introdução: os problemas relacionados aos acidentes de trânsito não são atributos exclusivos das grandes cidades; o crescimento do número de veículos circulantes, acrescido ao fato de os veículos serem incorporados no cotidiano das comunidades, faz com que até mesmo os municípios de pequeno e médio porte evidenciem nesses eventos um complexo e importante problema social. Objetivo: o objetivo do estudo foi o de descrever as características dos óbitos por acidente de transporte terrestre (ATT) no município de Cianorte-PR, no período de 2000 a 2010. Métodos: trata-se de um estudo descritivo. O instrumento utilizado para coleta de dados foram as declarações de óbito obtidas do Sistema de Informação de Mortalidade (SIM), incluídos nas categorias V01 a V89 do CID-10-capítulo XX. Resultados: foram estudados 224 óbitos. No ano de 2010, foi registrada a maior taxa de mortalidade (45,7/100.000 hab), e em 2008 a menor (16,7/100.000 hab). Os homens foram 79% (n=177) das vítimas, e a razão de sexo foi 3,7:1. A maior proporção das mortes foi no grupo de 20 a 39 anos (n=95;42%). Motociclistas, ciclistas e pedestres foram os mais vulneráveis (n=127; 57%); no local do acidente, ocorreram 59% dos óbitos (n=132). Os óbitos predominaram nas rodovias (n=139; 62%), no horário das 18 às 24h (n=45; 34,1%) e nos finais de semana (n=70;54%). Conclusão: os ATT configuram-se em uma questão atual de saúde dessa população. Homens adultos jovens são os mais atingidos. Idosos também são vulneráveis. Estratégias de intervenção são intensamente apresentadas na literatura, mas, no cotidiano dos serviços, isso continua um desafio a ser enfrentado.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Meiri Vanderlei Nogueira de Lima, Secretaria Estadual de Saúde do Paraná (SESA/PR). Curitiba, PR
Mestre em Ciência da Saúde, Enfermeira da 13ªRS
Rosangela Ziggiotti de Oliveira, Universidade Estadual de Maringá (UEM). Maringá, PR
Professora Adjunta do Departamento de Medicina - UEM. Área: Saúde Coletiva
Renata Bernardini de Lima, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFSCPA). Porto Alegre, RS
Acadêmica de medicina da UFCSPA
Letícia Ziggiotti de Oliveira, Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC/PR). Curitiba, PR
Acadêmica de medicina - PUC-Pr
Airton Pereira de Lima, Universidade Estadual de Maringá (UEM). Maringá, PR
Professor Assistente Departamento de Medicina- UEM-Pr. Área: Clínica Médica/Dermatologia.
Fernanda Nomoto Fujii, Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC/PR). Curitiba, PR
Acadêmica de medicina - PUC-Pr

Referências

World Health Organization (WHO). Global status report on road safety: time for action. Geneva: WHO; 2009 [acesso em 2012 Jun 20]. Disponível em: http://www.who.int/violence_injury_prevention/road_safety_status/2009.

Murray CJ, Lopez A. The global burden of disease: a comprehensive assessment of mortality and disability from diseases, injuries and risk factors in 1990 and projected to 2020. Cambridge: Harvard University; 1996. (The global burden of disease and injury series, v. 1).

World Health Organization (WHO). Global status report on road safety 2013: supporting a decade of action. Geneva: WHO; 2013 [acesso em 2013 Mar 15]. Disponível em: http://www.who.int/violence_injury_prevention/road_safety_status/2013/report/en/index.html.

World Health Organization (WHO). Mejoramiento de la seguridad vial en el mundo. Geneva: WHO; 2011 [acesso em 2013 Mar 15]. Disponível em: http://www.who.int/roadsafety/about/resolutions/sept_2011_sg_report_es.pdf.

World Health Organization (WHO). Informe sobre la situación mundial de la seguridad vial. Geneva: WHO; 2009 [acesso em 2013 Mar 15]. Disponível em: http://www.who.int/violence_injury_prevention/road_safety_status/data/table_a2es.pdf.

Minayo MCS. Seis características das mortes violentas no Brasil. Rev Bras Est Pop. 2009;26(1):135-140. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-30982009000100010.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo Demográfico de 2010 [Internet]. [acesso em 2012 May 20]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010.

Secretaria de Estado da Segurança Pública (PR), Departamento de Trânsito, Divisão de Estatística. Anuário estatístico 2005. Paraná; 2005 [acesso em 2012 Feb 25]. Portuguese. Disponível em: http://www.detran.pr.gov.br/arquivos/File/estatisticasdetransito/anuario2005.pdf.

Secretaria de Estado da Segurança Pública (PR), Departamento de Trânsito, Divisão de Estatística. Anuário estatístico 2006. Paraná; 2006 [acesso em 2012 Feb 25]. Portuguese. Disponível em: http://www.detran.pr.gov.br/arquivos/File/estatisticasdetransito/anuario2006.pdf.

Secretaria de Estado da Segurança Pública (PR), Departamento de Trânsito, Divisão de Estatística. Anuário estatístico 2007. Paraná; 2007 [acesso em 2012 Feb 25]. Portuguese. Disponível em: http://www.detran.pr.gov.br/arquivos/File/estatisticasdetransito/anuario2007.pdf.

Secretaria de Estado da Segurança Pública (PR), Departamento de Trânsito, Divisão de Estatística. Anuário estatístico 2008. Paraná; 2008. [acesso em 2012 Feb 25]. Portuguese. Disponível em: http://www.detran.pr.gov.br/arquivos/File/estatisticasdetransito/anuario2008.pdf.

Secretaria de Estado da Segurança Pública (PR), Departamento de Trânsito, Divisão de Estatística. Anuário estatístico 2009. Paraná; 2009. [acesso em 2012 Feb 25]. Portuguese. Disponível em: http://www.detran.pr.gov.br/arquivos/File/estatisticasdetransito/anuario/2009/anuario2009.pdf.

Secretaria de Estado da Segurança Pública (PR), Departamento de Trânsito, Divisão de Estatística. Anuário estatístico 2010. Paraná; 2010. [acesso em 2012 Feb 25]. Portuguese. Disponível em: http://www.detran.pr.gov.br/arquivos/File/estatisticasdetransito/anuario/anuario2010.pdf.

Waiselfisz JJ. Mapa da violência 2012. Os novos padrões da violência homicida no Brasil. São Paulo: Instituto Sangari; 2012.

Morais Neto OL, Montenegro MMS, Monteiro RA, Siqueira Jr JB, Silva MMA, Lima CM, et al. Mortalidade por acidentes de transporte terrestre no Brasil na última década: tendência e aglomerados de risco. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(9):2223-2236. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012000900002.

Mello Jorge MHP, Koizum MS. Acidentes de trânsito causando vítimas: possível reflexo da lei seca nas internações hospitalares. Rev ABRAMET. 2009;27(2):16-25. Disponível em: http://producao.usp.br/handle/BDPI/13441.

Teixeira RJ, Calixto R, Pinheiro ACD. O reflexo da lei seca nos acidentes de trânsito em Londrina. In: Peixe BCS, Müller CC, Hilgemberg CMAT, Melatti GA, Bertolini GRF, Machado HPV, et al., editors. Formulação e gestão de políticas públicas no Paraná: reflexões, experiências e contribuições. Curitiba: Editora Progressiva; 2008 [acesso em 2012 Jun 20]. Vol 1. p. 457-475. Disponível em http://www.escoladegoverno.pr.gov.br/arquivos/File/formulacao_e_gestao_de_politicas_publicas_no_parana/volume_II/capitulo_4_seguranca_publica/4_11.pdf.

Andreuccetti G, Carvalho HB, Cherpitel CJ, Ye Y, Ponce JC, Kahn T, et al. Reducing the legal blood alcohol concentration limit for driving in developing countries: a time for change? Results and implications derived from a time-series analysis (2001-10) conducted in Brazil. Addiction. 2011;106(12):2124-31. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1111/j.1360-0443.2011.03521.x.

Duarte EC, Tauil PL, Duarte E, Sousa MC, Monteiro RA. Mortalidade por acidentes de transporte terrestre e homicídios em homens jovens das capitais das Regiões Norte e Centro-Oeste do Brasil, 1980-2005. Epidemiol Serv Saúde. 2008 [acesso em 2012 Feb 25];17(1):7-20. Disponível em: http://scielo.iec.pa.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-49742008000100002&lng=en&nrm=iso.

Patton GC, Cofey C, Sawyer SM, Viner RM, Haller DM, Bose K, et al. Global patterns of mortality in young people: a systematic analysis of population health data. Lancet. 2009;374:881–892. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(09)60741-8.

Bacchieri G, Barros AJD. Acidentes de trânsito no Brasil de 1998 a 2010: muitas mudanças e poucos resultados. Rev Saúde Pública. 2011;45(5):949-963. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102011005000069.

Choquehuanca-Vilca V, Cardenas-Garcia F, Collazos-Carhuay J, Mendoza-Valladolid W. Perfil epidemiológico de los accidentes de tránsito en el Perú, 2005-2009. Rev Peru Med Exp Salud Publica. 2010 [acesso em 2012 Feb 25];27(2):162-169. Disponível em: http://www.scielo.org.pe/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1726-46342010000200002&lng=es&nrm=iso.

Beck LF, Dellinger AM, O’Neil ME. Motor vehicle crash injury rates by mode of travel, United States: using exposure-based methods to quantify differences. Am J Epidemiol. 2007;166(2):212-8. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1093/aje/kwm064.

Gawryszewski VP, Coelho HMM, Scarpelini S, Zan R, Jorge MHPM, Rodrigues EMS. Perfil dos atendimentos a acidentes de transporte terrestre por serviços de emergência em São Paulo, 2005. Rev Saúde Pública. 2009;43(2):275-282. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102009000200008.

Chandran A, Sousa TRV, Guo Y, Bishai D, Pechansky F. Road traffic deaths in Brazil: rising trends in pedestrian and motorcycle occupant deaths. Traffic Inj Prev. 2012;13(Supp1):11-16. http://dx.doi.org/10.1080/15389588.2011.633289.

Mascarenhas MD, Monteiro RA, Sá NNB, Gonzaga LAA, Neves ACM, Roza DL, et al. Epidemiologia das causas externas no Brasil: mortalidade por acidentes e violências no período de 2000 a 2009. In: Ministério da Saúde (BR). Saúde no Brasil 2010: uma análise da situação de saúde e de evidências selecionadas de impacto de ações de vigilância em saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2011 [acesso em 2013 Mar 15]. Chapter 11, p. 225-249. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_brasil_2010.pdf.

Souza RKT, Soares DFPP, Mathias TAF, Andrade OG, Santana RG. Idosos vítimas de acidentes de trânsito: aspectos epidemiológicos e impacto na sua vida cotidiana. Acta Sci. Health Sci. 2003;25(1):19-25. Disponível em: http://dx.doi.org/10.4025/actascihealthsci.v25i1.2247.

Organização Pan-Americana da Saúde. Seguranca de pedestres: manual de seguranca viária para gestores e profissionais da área. Brasilia: OPAS; 2013. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/79753/7/9789275718117_por.pdf

Andrade SM, Mello Jorge MH. Características das vitimas por acidente de transporte terrestre em município da Região Sul do Brasil. Rev Saúde Pública. 2000;34(2):149-156. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102000000200008.

Montenegro MMS, Duarte EC, Prado RR, Nascimento AF. Mortalidade de motociclistas em acidentes de transporte no Distrito Federal, 1996 a 2007. Rev Saúde Pública. 2011;45(3):529-538. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102011000300011.

Fey A, Bahten LCV, Becker IC, Furlani LF, Teixeira João VC, Teixeira Jair VC. Perfil epidemiológico dos óbitos em acidentes de trânsito na região do Alto Vale do Itajaí, Santa Catarina, Brasil. ACM Arq Catarin Med. Jan–mar.2011;40(1):23-27.

Mello Jorge MHP, Koizumi MS. Acidentes de trânsito no Brasil: um atlas de sua distribuição. Rev ABRAMET. 2008;26(1):52-58. Disponível em: http://producao.usp.br/handle/BDPI/13445.

Cabral APS, Souza WV, Lima MLC. Serviço de Atendimento Móvel de Urgência: Um observatório dos acidentes de transportes terrestre em nível local. Rev Bras Epidemiol. 2011;14(1):03-14. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2011000100001.

Bastos YGL, Andrade SM, Soares DA. Características dos acidentes de trânsito e das vítimas atendidas em serviço pré-hospitalar em cidade do Sul do Brasil, 1997/2000 Cad Saúde Pública. 2005;21(3):815-822. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2005000300015.

Scalassara MB, Souza RKT, Soares DFPP. Características da mortalidade por acidentes de trânsito em localidades da região Sul do Brasil. Rev Saúde Pública. 1998;32(2):125-32. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101998000200004.

Andrade SM, Mello Jorge MHP. Acidentes de transporte terrestre em município da Região Sul do Brasil. Rev Saúde Pública. 2001;35(3):318-320. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102001000300017.

Mauro MLF. Acidentes de trânsito: perfil epidemiológico de vítimas e caracterização de alguns traços de personalidade de motoristas infratores em Campinas [tese]. São Paulo: Universidade Estadual de Campinas; 2001. 610 p.

Abreu AMM; Lima JMB. Silva LM. Níveis de alcoolemia e mortalidade por acidentes de trânsito na cidade do Rio de Janeiro. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2007;11(4):575-580. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452007000400003.

Publicado
2014-10-20
Como Citar
Lima, M. V. N. de, Oliveira, R. Z. de, Lima, R. B. de, Oliveira, L. Z. de, Lima, A. P. de, & Fujii, F. N. (2014). Óbitos por acidentes de transporte terrestre em município do noroeste do Paraná - Brasil. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 9(33), 350-357. https://doi.org/10.5712/rbmfc9(33)854
Seção
Artigos de Pesquisa