A pessoa como centro do cuidado na prática do médico de família

  • José Mauro Ceratti Lopes Serviço de Saúde Comunitária do Grupo Hospitalar Conceição (SSC-GHC). Universidade Federal de Ciências da Saúde (UFCSPA). Porto Alegre, RS
  • Jorge Alberto Rosa Ribeiro Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (FACED/UFRGS). Porto Alegre, RS
Palavras-chave: Medicina de Família e Comunidade, Assistência Centrada no Paciente, Relações Médico-Paciente

Resumo

Objetivo: uma atuação centrada na pessoa é considerada essencial para o médico de família e comunidade considerando-se as mudanças ocorridas na sociedade nos séculos XIX e XX. Este artigo apresenta um estudo de caso, cujo objetivo foi identificar se os componentes que caracterizam inequivocamente o Método de Abordagem Clínica Centrada na Pessoa (MCCP) estão presentes na prática do médico de família. Métodos: os dados foram coletados por meio de entrevistas com médicos de família e com pessoas por eles atendidas, sendo os depoimentos gravados, transcritos e analisados com base no Discurso do Sujeito Coletivo. Resultados: identificaram-se aspectos comuns ou contraditórios nos discursos de pessoas e médicos sobre a aplicação da Abordagem Centrada na Pessoa. Conclusão: ainda não existe por parte dos médicos de família um conhecimento adequado sobre significado e aplicação de uma Abordagem Clínica Centrada na Pessoa.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

José Mauro Ceratti Lopes, Serviço de Saúde Comunitária do Grupo Hospitalar Conceição (SSC-GHC). Universidade Federal de Ciências da Saúde (UFCSPA). Porto Alegre, RS
Mestre em Educação UFRGS. Médico de Família e Comunidade do Hospital Nossa Senhora da Conceição S/A - GHC. Professor Saúde Coletiva UFCSPA.

Mais informações: Currículo Lattes - CNPq.

Jorge Alberto Rosa Ribeiro, Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (FACED/UFRGS). Porto Alegre, RS
Bacharel em História, UFRGS, 1979; Licenciatura em História, UFRGS, 1981; Bacharel em Ciências Sociais, UFRGS, 1982; Mestre em Sociologia, UFRGS, 1984; e Doutor em Sociología de la Educación, Universidad de Salamanca (USAL), 2000. Professor Associado do Departamento de Estudos Básicos da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atua na área Sociologia da Educação e do Trabalho, com ênfase nos campos Educação e Trabalho e Educação e Inserção Profissional.

Referências

Cassel EJ. The nature of suffering and the goals of medicine. N Engl J Med. 1982;306:639-645. http://dx.doi.org/10.1056/NEJM198203183061104

Stewart M. Patiente-centered medicine: transforming the clinical method. 2a ed. Abingdon, United Kingdon: Redcliffe Medical; 2003.

Little P. Observational study of effect of patient centredness and positive approach on outcomes of general practice consultations. BMJ. 2001;323(908-911). http://dx.doi.org/10.1136/bmj.323.7318.908

Rakel RE. Essentials of family practice. 2a ed. Philadelphia: Saunders; 1998.

McWhinney IR. A textebook of family medicine. 2a ed. New York: Oxford University Press; 1997.

Lopes JMC. A pessoa como centro do cuidado: a abordagem centrada na pessoa no processo de produção do cuidado médico em Serviço de Atenção Primária à Saúde, 2005 [dissertação]. Rio Grande do Sul: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2005. Portuguese. Disponível em: http://hdl.handle.net/10183/5873

Lefèvre F, Lefèvre AMC. Discurso do sujeito coletivo: um novo enfoque em pesquisa qualitativa (Desdobramentos). Caxias do Sul, RS: EDUCS; 2003.

Boff L. Saber cuidar, ética do humano: compaixão pela terra. 9a ed. Petrópolis: Vozes; 2003.

Starfield B. Atenção primária equilíbrio entre as necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde; 2004.

Murray M, Berwick DM. Advanced access: reducing waiting and delays in primary care. Rev. JAMA. 2003;289(8):1035-40. http://dx.doi.org/10.1001/jama.289.8.1035

Wollmann A, Ros C, Lowen IMV, et al. Novas possibilidades de organizar o acesso e a agenda na Atenção Primária à Saúde. Curitiba: Prefeitura Municipal de Curitiba. Disponível em: http://www.saude.curitiba.pr.gov.br/images/cartilha%20acesso%20avan%C3%A7ado%2005_06_14.pdf

Chin JJ. Doctor-patient relationship: from medical paternalism to enhanced autonomy. Singapore Med J. 2002;43(3):152-155.

Clarke G, Hall RT, Rosencrance G. Physician-patient relations: no more models. Am J Bioeth. 2004;4(2):W16-W19.

http://dx.doi.org/10.1162/152651604323097934

Coulter A. After Bristol: putting patients at the centre. BMJ. 2002;324:16. http://dx.doi.org/10.1136/bmj.324.7338.648

Helman CG. Cultura, saúde e doença. 4a ed. Porto Alegre: Artmed; 2003.

Lown B. A arte perdida de curar. São Paulo: Fundação Petrópolis; 1997.

McWhinney IR. Beyond diagnosis: an approach to the integration of behavioural science and clinical medicine. NEJM. 1972;287:384-387. http://dx.doi.org/10.1056/NEJM197208242870805

Publicado
2015-03-31
Como Citar
Lopes, J. M. C., & Ribeiro, J. A. R. (2015). A pessoa como centro do cuidado na prática do médico de família. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 10(34), 1-13. https://doi.org/10.5712/rbmfc10(34)870
Seção
Artigos de Pesquisa