Percepções dos profissionais de saúde sobre a Estratégia Saúde da Família: equidade, universalidade, trabalho em equipe e promoção da saúde/prevenção de doenças

  • Jacks Soratto Programa de Pós-graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Florianópolis, SC
  • Regina Rigatto Witt Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Porto Alegre, RS
  • Denise Elvira Pires de Pires Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Florianópolis, SC
  • Soraia Dornelles Schoeller Departamento de Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Florianópolis, SC
  • Claudio Alex de Souza Sipriano Programa de Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva da Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC), Criciúma, SC
Palavras-chave: Estratégia Saúde da Família, Equidade em Saúde, Prevenção de Doenças, Promoção da Saúde, Prevenção Primária

Resumo

Objetivo: analisar as percepções dos profissionais de atenção primária à saúde sobre a Estratégia Saúde da Família (ESF) em um município do sul do Brasil. Métodos: pesquisa qualitativa e exploratório-descritiva realizada com 15 trabalhadores da ESF. Os dados foram obtidos por meio da observação participante e de oficinas orientadas pelo Método Criativo Sensível, e analisados segundo a Análise Temática de Conteúdo. Resultados: as percepções dos profissionais enfatizaram duas categorias ligadas aos princípios do Sistema Único de Saúde (SUS) universalidade e equidade, e outras duas categorias vinculadas ao trabalho em equipe e à prevenção de doenças/promoção da saúde. Conclusão: As percepções dos profissionais sugerem a Estratégia Saúde da Família como local de difusão de ações curativas, mas também, de promoção da mudança do modelo vigente de cuidado em saúde.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Jacks Soratto, Programa de Pós-graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Florianópolis, SC
Graduação em Enfermagem pela Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC 2005). É especialista em Desenvolvimento Gerencial de Unidades de Saúde do SUS (UNESC/ESP-SC/OPAS 2008). Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS); Doutorando pelo Programa de Pós-graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Membro do Grupo Práxis núcleo de estudos sobre trabalho, cidadania, saúde e enfermagem. Conselheiro do COREN/SC gestão 2012-2014. Bolsista Capes DS.
Regina Rigatto Witt, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Porto Alegre, RS
Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1982), mestrado em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo (1994) e doutorado em Enfermagem em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo (2005), com estágio na Organização Pan-Americana da Saúde. Atualmente é professor associado da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Tem experiência na área de Saúde Pública, com ênfase em Atenção Primária, atuando principalmente nos seguintes temas: saúde coletiva, enfermagem, atenção primária e competências profissionais. Está credenciada no Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. É membro do Comitê Gestor do Telessaúde/RS. Participa da Avaliação dos projetos e obras relacionados à Copa do Mundo FIFA 2014 promovida pelo Ministério dos Esportes, coordenando o subprojeto Saúde na cidade de Porto Alegre. Atualmente exerce a função de Vide-Diretora da Escola de Enfermagem da UFRGS.
Denise Elvira Pires de Pires, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Florianópolis, SC
Graduada em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1977), Mestrado em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa Catarina (1988), Doutorado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (1996), Pós-Doutorado na University of Amsterdam (2004). Atualmente é professora associada da Universidade Federal de Santa Catarina, atuando no Departamento de Enfermagem e Programa de Pós-Gradução em Enfermagem. É membro do grupo de Pesquisa PRAXIS: Trabalho, Cidadania, Saúde e Enfermagem. Desenvolve pesquisas sobre o processo de trabalho em saúde e políticas de saúde. É membro do Conselho Editorial das revistas Texto & Contexto. Enfermagem e Revista Brasileira de Enfermagem. Consultora ad-hoc das revistas Cadernos de Saúde Pública (FIOCRUZ) e Revista Latino-Americana de Enfermagem (Ribeirão Preto) (0104-1169). Tem experiência na área de Sociologia, com ênfase em Sociologia da Saúde, atuando principalmente nos seguintes temas: reestruturação produtiva e trabalho em saúde, história das profissões de saúde, organização do trabalho em saúde, processo de trabalho em saúde e enfermagem, saúde do trabalhador, políticas de saúde, saúde, enfermagem. Presidente do Conselho Regional de Enfermagem -SC, gestão 2008-2011, Conselheira na gestão 2012-2014.
Soraia Dornelles Schoeller, Departamento de Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Florianópolis, SC
Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Federal de Santa Catarina (1984), mestrado em Concentração Saúde Pública pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (1991) e doutorado em Filosofia da Saúde e Enfermagem pela Universidade Federal de Santa Catarina (2001). Atualmente é professora e coordenadora do curso de graduação em enfermagem na Universidade Federal de Santa Catarina, parcipante dos Grupos de Pesquisa - GRUPO PRAXIS e NUCRON. Desenvolve atividades de pesquisa e extensão voltadas à reabilitação, especialmente de pessoas com lesão medular.
Claudio Alex de Souza Sipriano, Programa de Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva da Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC), Criciúma, SC
É graduado em Enfermagem pela Universidade do Extremo Sul Catarinense UNESC, no ano de 2005. É especialista em Gestão da Atenção Básica em Saúde. Possui Mestrado em Educação, pelo Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE/UNESC, no ano de 2012, onde foi bolsista da Fundação de Apoio a Pesquisa de Santa Catarina FAPESC, durante o ano o periodo de 2010-2012.Tem experiência profissional em saúde coletiva, hospitalar e docência, atuando como: Enfermeiro Assistencialista em Unidade de Pronto Socorro, no ano de 2006, Coordenador da Estratégia da Saúde da Família-ESF, nos anos de 2007 a 2008. Foi responsável técnico por um serviço de emergência no ano de 2009. Trabalhou como professor em cursos Técnicos em Enfermagem e Projetos de Inclusão Social, no nordeste Brasileiro, no ano de 2007. No ano de 2011 e 2012 foi Supervisor de Estágio em Atenção Básica em Saúde junto ao Curso de Enfermagem da UNESC. Realiza pesquisa na área de Educação em Saúde, junto ao Grupo de pesquisa: Educação, Saúde e Meio Ambiente. Atualmente é Residente do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva da UNESC, com bolsa financiada pelo Núcleo Estadual do Ministério da Saúde do governo Federal Brasileiro.

Referências

Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2012.

Araujo MBS, Rocha PM. Trabalho em equipe: um desafio para a consolidação da estratégia de saúde da família. Ciênc Saúde Coletiva. 2007;12(2):455-464. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232007000200022.

Sipriano CAS. Educação Popular: círculos de cultura e os limites e as possibilidades de empowerment do conselho local de saúde [dissertação]. Criciúma: Universidade do Extremo Sul Catarinense; 2012. 121 p.

Paim JS. A reforma sanitária brasileira e o Sistema Único de Saúde: dialogando com hipóteses concorrentes. Physis. 2008;18(4):625-644. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312008000400003.

Guedes CR, Nogueira MI, Camargo JRKR. A subjetividade como anomalia: contribuições epistemológicas para a crítica do modelo biomédico. Ciênc Saúde Coletiva. 2006;11(4):1093-1103. http://dx.doi.org/10.1590/S141381232006000400030.

Conill EM. Ensaio histórico-conceitual sobre a Atenção Primária à Saúde: desafios para a organização de serviços básicos e da Estratégia Saúde da Família em centros urbanos no Brasil. Cad Saúde Pública. 2008;24(1):7-16. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008001300002.

Soratto J, Witt RR. Participação e controle social: percepção dos trabalhadores da saúde da família.Texto Contexto Enferm. 2013;22(1):89-96. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072013000100011.

Minayo MCS. Desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec; 2010.

Cabral IE. Uma abordagem criativo e sensível de pesquisa a família. In: Althoff CR, Elsen I, Nietschke RG, editors. Pesquisando a família: olhares contemporâneos. Florianópolis: Papa-livros; 2004. p. 127-140.

Freire RP. Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra; 2005.

Issi HB, Motta MGC, Ribeiro NRR. Método criativo sensível: uma alternativa para pesquisar famílias. In: Anais Congresso Íbero-Americano de Investigação Qualitativa em Saúde, 2008 May 8-9; Porto Rico. Porto Rico: Escola Graduada de Saúde Pública; 2008.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011.

Ministério da Saúde (BR), Conselho Nacional de Saúde. Resolução no. 466, de 12 de dezembro de 2012. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília: Ministério da Saúde; 2012. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf

Vieira-da-Silva LM, Almeida Filho N. Eqüidade em saúde: uma análise crítica de conceitos. Cad Saúde Pública. 2009;25(2):217-226. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2009001400004

Viegas FSM, Penna MMC.O SUS é universal, mas vivemos de cotas. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(1):181-190. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000100019

Nora RDC, Junges RJ.Política de humanização na atenção básica: revisão sistemática. Rev Saúde Pública. 2013;47(6):1186-1200. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-8910.2013047004581

Camargo Jr KR, Campo EMS, Teixeira MTB, Mascarenhas MTM, Mauad NM, Franco TB, et al. Avaliação da atenção básica pela ótica político institucional e da organização da atenção com ênfase na integralidade. Cad Saúde Pública. 2008;24(1):58-68. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008001300011.

Gomes RS, Pinheiro R, Guizard FL. A orquestração do trabalho em saúde: um debate sobre a fragmentação das equipes. In: Pinheiro R, Mattos RA, editors. Construção social da demanda: direito à saúde, trabalho em equipe, participação e espaços públicos. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Saúde Coletiva; 2010. p.107-118.

Pires D. A enfermagem enquanto disciplina profissão e trabalho. Rev Bras Enferm. 2009;62(5):739-744. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672009000500015.

Freire PR. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 1997.

Mattos RA. A integralidade na prática (ou sobre a prática da integralidade). Cad Saúde Pública. 2004;20(5):1411-1416. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2004000500037.

Ministério da Saúde (BR). Portaria n° 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Brasília: Ministério da Saúde; 2011. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2488_21_10_2011.html.

Roecker S, Budó MLD, Marcon SS. Trabalho educativo do enfermeiro na Estratégia Saúde da Família: dificuldades e perspectivas de mudanças. Rev Esc Enferm USP. 2012;46(3):641-649. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342012000300016

Publicado
2015-03-31
Como Citar
Soratto, J., Witt, R. R., Pires, D. E. P. de, Schoeller, S. D., & Sipriano, C. A. de S. (2015). Percepções dos profissionais de saúde sobre a Estratégia Saúde da Família: equidade, universalidade, trabalho em equipe e promoção da saúde/prevenção de doenças. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 10(34), 1-7. https://doi.org/10.5712/rbmfc10(34)872
Seção
Artigos de Pesquisa