Sintomas depressivos e déficit cognitivo na população de 60 anos e mais em um município de médio porte do interior paulista*

  • José Evandro Marques Gomes Prefeitura Municipal de São Carlos (SP)
  • Tânia Ruiz Universidade Estadual Paulista - UNESP
  • José Eduardo Corrente Universidade Estadual Paulista - UNESP
Palavras-chave: Saúde do Idoso, Depressão, Transtornos Mentais, Manifestações Neurocomportamentais, Avaliação Geriátrica

Resumo

Introdução: a população mundial está envelhecendo e o Brasil segue essa tendência, o que demanda uma reorganização da sociedade para o cuidado desses idosos. Observa-se, nesta tendência, um aumento do número de casos de depressão e demência, além da vinculação destas com outras doenças crônico-degenerativas. Objetivo: estimar a prevalência dos sintomas depressivos e déficits cognitivos em uma população de 60 anos e mais, moradora de um município de médio porte do interior do estado de São Paulo, e sua associação com outras doenças crônico-degenerativas mais prevalentes. Métodos: estudo transversal, com 364 idosos, utilizando: instrumentos sociodemográficos e de morbidade; o Mini Exame do Estado Mental (MEEM), a Escala de Yesavage, a Escala de Atividades de Vida Diária e a Escala de Atividades Instrumentais de Vida Diária (AIVD). Foram realizadas: análises estatísticas de frequências dos escores dos instrumentos; apresentação da sumarização das variáveis e as possíveis associações entre depressão/demência, aplicando-se o teste do X2 seguido do ajuste de um modelo de regressão logística para dados ordinais. Resultados: a suspeita de depressão foi encontrada em 44% (160) e o déficit cognitivo foi identificado em 38,7% (141) dos idosos. Aproximadamente 75% dos idosos, com suspeita de depressão ou déficit cognitivo, eram portadores de pelo menos mais uma patologia crônica. Foi possível estabelecer associações estatisticamente significativas entre: suspeita de depressão e AIVD (p<0,0001; OR=7,59; IC=3,361-7,139) e déficit cognitivo e AIVD (p=0,0007; OR=3,967; IC=1,788-8,799). Não foram encontradas associações entre idade, situação conjugal, escolaridade, inserção no mercado de trabalho, aposentadoria ou renda. Conclusão: idosos de ambos os sexos estão vulneráveis a doenças como depressão e demência. Por outro lado, sintomas depressivos e déficit cognitivo foram associados ao escore dos idosos comprometidos, segundo as AIVD.

*Parte da Dissertação de Mestrado apresentada à Faculdade de Medicina de Botucatu para a obtenção do Título de Mestre em Saúde Pública.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

José Eduardo Corrente, Universidade Estadual Paulista - UNESP

Bacharel em Matemática pela UNESP - São José do Rio Preto, (1980), Licenciado em Matemática - Faculdades Integradas Regionais de Avaré (2005), mestrado em Estatística pela Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (1984) e Doutorado em Estatística e Experimentação Agronômica pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (1991). Atualmente é Professor Adjunto no Departamento de Bioestatística do Instituo de Biociências, UNESP - Botucatu, SP. É credenciado no PPG em Saúde Coletiva, no PPG em Enfermagem (Mestrado Profissonalizante) da Faculdade de Medicina de Botucatu, SP. Desenvolve projetos na área de Epidemiologia, em especial na Epidemiologia da Terceira Idade com ênfase na análise de instrumentos para qualidade de vida, satisfação com a vida e aspectos nutricionais. Atua também nos seguinte temas: modelos lineares generalizados, análise de sobrevivência, análise de instrumentos multidimensionais, métodos estatísticos em epidemiologia. É consultor estatístico no Grupo de Apoio à Pesquisa (GAP) da Faculdade de Medicina de Botucatu no planejamento e análise estatística de experimentos na Área Médica. É membro do Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade de Medicina de Botucatu.

Mais informações: Currículo Lattes - CNPq.

Referências

Carvalho J, Garcia RA. O envelhecimento da população brasileira: um enfoque demográfico. Cad Saúde Pública. 2003; 19(3): 725-33.

Negri LAS, Ruy GF, Collodeti JB, Pinto LF, Soranz DR. Aplicação de um instrumento para detecção precoce e previsibilidade de agravos na população idosa. Ciênc Saúde Coletiva. 2004; 9(4): 1033-46.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Dados amostragem por domicilio 2008. Contagem da população 2007. Censo 2000, censo 1982 [Internet]. [acesso em 10 maio 2008]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br.

Foss MP, Valle FAC, Speciali JG. Influência da escolaridade na avaliação neuropsicológica de idosos: aplicação e análise dos resultados da Escala de Mattis para Avaliação de Demência. Arq Neuropsiquiatr. 2005; 63(1): 119-26.

Smeltzer SC, Bare BG, Brunner & Suddarth. Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgica. 10 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2005.

Siberman C, Souza C, Fabio W, Kipper L, Wu V, Diogo C, et al. Cognitive deficit and depressive symptoms in a community group of elderly people: a preliminary study. Rev Saúde Pública. 1995; 29(6): 444-50.

Carvalho Filho ET, Papaléo Neto M. Geriatria: fundamentos, clínica e terapêutico. 2. ed. São Paulo: Editora Atheneu; 2006.

Katon WJ. Clinical and health services relationships between major depression, depressive symptoms, and general medical illness. Biol Psychiatry. 2003; 54: 216-26.

Ferrari JF, Dalacorte RR. Use of Yesavage Geriatric Depression Scale to evaluate the prevalence of depression in inpatient elderly subjects. Sci Med. 2007; 17(1): 3-8.

American Psychiatric Association. DSM-IV-TR – Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. Trad. Claudia Dornelles. 4. ed. Porto Alegre: Artmed; 2002.

Scazufca M, Cerqueira ATAR, Menezes PR, Prince M, Vallada HP, Miyazaki, MCOS, et al. Investigações epidemiológicas sobre demências nos países em desenvolvimento. Rev Saúde Pública. 2002; 36(6): 773-8.

Machado JC, Ribeiro RCL, Leal PFG, Cotta RMM. Avaliação do declínio cognitivo e sua relação com as características socioeconômicas dos idosos em Viçosa-Mg. Rev Bras Epidemiol. 2007; 10(4): 592-605.

Herrera JRE, Caramelli P, Nitrini R. Estudo epidemiológico-populacional de demência na cidade de Catanduva, Estado de São Paulo, Brasil. Rev Psiquiatr. 1998; 25: 70-3.

Almeida OP, Almeida AS. Confiabilidade da versão Brasileira da escala de Depressão em Geriatria (GDS) versão reduzida. Arq Neuropsiquiatr. 1999; 57(2B): 421-6.

Carvalho AM, Coutinho ESF. Demência como fator de risco para fraturas graves em idosos. Rev Saúde Pública. 2002; 36(4): 448-54.

Teng CT, Humes EC, Demetrio FN. Depression and medical comorbidity. Rev Psiquiatr Clin. 2005; 32(3): 149-59.

Scalco AZ, Scalco MZ, Azul JBS, et al. Hipertensão arterial sistêmica e depressão. Clinics. 2005; 60(3): 241-50.

Musselmann DL, Betan E, Larsen H, Phillips LS. Relationship of Depression to Diabetes Types 1 and 2: Epidemiology, Biology and Treatment. Biol Psychiatry. 2003; 54: 317-29.

Bush DE, Ziegeltein RC, Tayback M, et al. Even Minimal Symptoms Depression Increase Mortality Risk after Acute Myocardial Infaction. Am J Cardiol. 2001; 88: 337-41.

Almeida-Pitito B, Almada Filho CM, Cendoroglo MS. Déficit cognitivo: mais uma complicação do diabetes melito. Arq Bras Endocrinol Metab. 2008; 52(7): 1073-83.

Okereke OI, Kang JH, Cook NR, Gaziano JM, Manson JE, Buring JE, et al. Type 2 Diabetes Mellitus and Cognitive Decline in Two Large Cohorts of Community-Dwelling Older Adults. J Am Geriatr Soc. 2008; 56: 1028-36.

Saxby BK, Harrington F, McKeith IG, Wesnes K, Ford GA. Effects of hypertension on attention memory, and executive function in older adults. Health Psychol. 2003; 22(6): 587-91.

Melo ROV, Martin JFV. Influência dos níveis pressóricos no desenvolvimento do déficit cognitivo. Rev Bras Hipertens. 2008; 15(1): 37-8.

Katz S, Ford AB, Moskowitz RW, Jackson BA, Jaffe MW. Studies of illness in the aged. The Index of ADL: a standardized measure of biological and psychosocial function. J Am Med Assoc. 1963; 165: 94-9.

Lawton MP, Brody EM. Assessment of older people: self-maintaining and instrumental activities of daily living. Gerontologist. 1969; 9: 179-86.

Yesavage JA, Brink TL, Rose TL, Lum O, Huang V, Adey M, et al. Development and validation of a geriatric depression screening scale: a preliminary report. J Psychiatr Res. 1982-1983; 17(1): 37-49.

Folstein MF, Folstein SE, Mchugh PR. Mini-Mental State: a practical method for grading the cognitive state of patients for clinician. J Psichiatry Res. 1975; 12:189-98.

Oliveira DAAP, Gomes L, Oliveira RF. Prevalência de depressão em idosos que freqüentam centros de convivência. Rev Saúde Pública. 2006; 40(4): 734-6.

Borges LJ, Benedetti TRB, Mazo GZ. Rastreamento cognitivo e sintomas depressivos em idosos. J Bras Psiquiatr. 2007; 56(4): 273-9.

Paradela EMP, Lourenço RA, Veras RP. Validação da escala de depressão geriátrica em um ambulatório geral. Rev Saúde Pública. 2005; 39(6): 918-23.

Engelhardt E, Laks J, Rozenthal M, Marinho VM. Idosos institucionalizados: rastreamento cognitivo. Rev Psiquiatr Clin. 1998; 25(2): 74-9.

Lourenco RA, Veras RP. Mini-exame do estado mental: características psicometricas em idosos ambulatoriais. Rev Saúde Pública. 2006; 40(4): 712-9.

Almeida Filho N, Lessa I, Magalhães L, Araujo MJ, Aquino E, James AS, et al. Social inequality and depressive disorders in Bahia, Brazil: interactions of gender, ethnicity and social class. Soc Sci Med. 2004; 59: 1339-53.

Pereira RJ, Cotta RMM, Franceschini SCC, Ribeiro RCL, Sampaio RF, Cecon PR. Contribuição dos domínios físico, social, psicológico e ambiental para a qualidade de vida global de idosos. Rev Psiquiatr Rio Gd Sul. 2006; 28(1): 27-38.

Colombini Neto M. Validade e coerência de instrumentos utilizados em avaliações clínicas de idosos. [dissertação]. Botucatu: Faculdade de Medicina da Universidade Estadual Paulista; 2008.

Publicado
2011-05-12
Como Citar
Gomes, J. E. M., Ruiz, T., & Corrente, J. E. (2011). Sintomas depressivos e déficit cognitivo na população de 60 anos e mais em um município de médio porte do interior paulista*. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 6(19), 125-132. https://doi.org/10.5712/rbmfc6(19)90
Seção
Artigos de Pesquisa