Perfil dos pacientes e contexto das consultas em que se fez pela primeira vez o diagnóstico de depressão no Centro de Saúde de Eiras, durante o ano de 2011

Paula Miranda, Philippe Botas, Mariana Abreu, Carolina Pereira, Luiz Miguel Santiago

Resumo


Objetivo: Este estudo pretendeu conhecer aspectos dos utentes e consultas em que se fez pela primeira vez o diagnóstico de depressão. Métodos: Estudo observacional, transversal e descritivo. População obtida por aplicação de critérios de exclusão aos utentes que, em consulta durante 2011, tiveram em “Avaliação” a codificação “Perturbações depressivas”. Pela análise do registro da consulta, estudaram-se as variáveis: idade, sexo, mês, tipo de consulta, consulta presencial/não presencial, sinais/sintomas depressivos anotados e/ou codificados, prescrição de psicofármacos, prescrição pela primeira vez/renovação de receituário. No caso de prescrição pela primeira vez: psicofármacos segundo grupo farmacológico e Denominação Comum Internacional, prescrição de antidepressivo na dose terapêutica e referência ao tempo de tratamento antidepressivo. Resultados: População de 105 indivíduos. Consultas maioritariamente presenciais (79%). Maior codificação de sinais/sintomas depressivos que anotação apenas ou que anotação e codificação. O sinal/sintoma mais codificado foi “Sensação de depressão” (28%). Houve prescrição de ansiolíticos isoladamente e um caso de prescrição subterapêutica do antidepressivo. Quanto à duração do tratamento antidepressivo, em 13,7% das receitas houve menção de que o tratamento deveria prolongar-se no mínimo por 6 meses. Conclusão: A obtenção de uma população pequena e possíveis vieses de informação foram limitações encontradas. Achamos curioso que o sinal/sintoma depressivo mais codificado fosse “Sensação de depressão”. É necessário melhorar os registros clínicos e prescrição na depressão.


Palavras-chave


Depressão. Sinais e Sintomas . Preparações Farmacêuticas. Antidepressivos. Ansiolíticos.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Isometsä E. Depressão. In: FMUC, Jujitsu e APMCG. Normas de Orientação Clínica. Duodecim Medical Publications; 2009. p. 19-22.

Madeira I. Referenciação por depressão à consulta de saúde mental do centro de saúde de Oeiras. Rev Port Clin Geral Fam. 2001;17(2):101-8.

Saeed SA, Bruce TJ. Seasonal affective disorders. Am Fam Physician. 1998;57(6):1340-6.

Santiago LM, Cobrado NM. Custos directos da terapêutica farmacológica no ambulatório de Clínica Geral. Rev Port Clin Geral Fam. 2002;18(6):351-9.

Falcão IM, Monsanto A, Nunes B, Marau J, Falcão JM. Prescrição de psicofármacos em Medicina Geral e Familiar: um estudo na Rede Médicos-Sentinela. Rev Port Clin Geral Fam. 2007;23(1):17-30.

Portugal. Ordem dos Médicos. Norma da Direcção Geral da Saúde nº 034/2012, de 30 de dezembro de 2012.

Cipriani A, Furukawa TA, Salanti G, Geddes JR, Higgins JP, Churchill R, et al. Comparative efficacy and acceptability of 12 new-generation antidepressants: a multiple-treatments meta-analysis. Lancet. 2009;373(9665):746-58. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(09)60046-5

ACSS, APMCG, WONCA. Classificação Internacional de Cuidados de Saúde Primários Segunda Edição. 2a ed. Oxford: Oxford University Press; 2011.

Marques-Teixeira J. Consensos psiquiátricos: manual prático para clínicos gerais. Linda-a-Velha: Vale & Vale Editores; 2007.

Portugal. Ministério da Saúde. Serviço Nacional de Saúde. INFARMED.Prontuário terapêutico. Lisboa: Ministério da Saúde; 2011.

Braga R. Os registos clínicos e a codificação. Rev Port Med Geral Fam. 2012;28(3):155-6.

Martins S. O peso da mente feminina: associação entre obesidade e depressão. Rev Port Clin Geral Fam. 2012;28(3):163-6.

Pinto D. Classificar motivos de consulta e procedimentos com a ICPC na prática clínica? Rev Port Med Geral Fam. 2012;28(4):247-8.

Melo M. O uso da ICPC nos registos clínicos em Medicina Geral e Familiar. Rev Port Med Geral Fam. 2012;28(4):245-6.




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc11(38)923

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Paula Miranda, Philippe Botas, Mariana Abreu, Carolina Pereira, Luiz Miguel Santiago

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia