Prevalência de hiperutilizadores de serviços de saúde com histórico positivo para depressão em Atenção Primária à Saúde

  • Iana Pires do Amaral Carvalho Prefeitura Municipal de Joinville. Joinville, SC
  • Cesar Gattermann Xavier Carvalho Prefeitura Municipal de Joinville. Joinville, SC
  • José Mauro Ceratti Lopes Grupo Hospitalar Conceição (GHC). Porto Alegre, RS
Palavras-chave: Depressão, Acesso aos Serviços de Saúde, Atenção Primária à Saúde

Resumo

Objetivo: estudar a associação entre história de depressão e hiperutilização de serviços de saúde (HSS) entre usuários da Atenção Primária à Saúde (APS), além de estabelecer a prevalência de HSS, o número médio de consultas e o perfil epidemiológico dos grupos com história positiva e negativa para depressão. Métodos: os dados foram obtidos de prontuários familiares de duas Unidades de Saúde. Para analisar dados sobre o desfecho primário e para comparar o perfil epidemiológico dos grupos foi utilizado o teste qui-quadrado. Para comparar a diferença na média de consultas entre os grupos, utilizou-se o teste t de student. Resultados: foram analisados 278 pacientes. As prevalências de depressão e de HSS na amostra foram, respectivamente, de 15,1 e 4,3%. Houve diferença na prevalência de HSS no grupo com história positiva para depressão, 14,3%, quando comparado ao grupo com história negativa para depressão, 2,5% (RP = 5,62, IC 95% 1,90 a 16,59, p = 0,004). A média de consultas no grupo com história positiva para depressão foi de 5,25 consultas/ano, enquanto no grupo com história negativa para depressão foi de 2,59, com diferença de médias de 2,65 (IC 95% 1,90 a 3,40; p < 0,001). Observou-se também maior prevalência de dispepsia e uso de antidepressivos entre HSS. Conclusão: os resultados reforçam dados da literatura, indicando que pessoas com histórico de depressão tendem a utilizar mais os serviços de APS, apresentando uma prevalência maior de HSS. Dessa forma, um maior conhecimento acerca do perfil dos HSS permitirá desenvolver abordagens mais resolutivas para esses usuários.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Iana Pires do Amaral Carvalho, Prefeitura Municipal de Joinville. Joinville, SC
Médica de Família e Comunidade; Prefeitura Municipal de Schroeder
Cesar Gattermann Xavier Carvalho, Prefeitura Municipal de Joinville. Joinville, SC
Médico de Família e Comunidade; Prefeitura Municipal de Schroeder
José Mauro Ceratti Lopes, Grupo Hospitalar Conceição (GHC). Porto Alegre, RS
Médico de Família e Comunidade; Grupo Hospitalar Conceição

Referências

Berghöfer A, et al. Efficacy of a systematic depression management program in high utilizers of primary care: a randomized trial. BMC Health Services Research. 2012;12:298. http://dx.doi.org/10.1186/1472-6963-12-298

Bromet, et al. Cross-national epidemiology of DSM-IV major depressive episode. BMC Medicine. 2011;9:90. http://dx.doi.org/10.1186/1741-7015-9-90

IBGE. Sala de Imprensa: Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2008 – Um Panorama da Saúde no Brasil [acesso em 2012 Ago 25]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_visualiza.php?id_noticia=1580&

Maurer DM. Screening for depression. Am Fam Physician. 2012;85(2):139-144.

Gilbody S, Sheldon T, House A. Screening and case-finding instruments for depression: a meta-analysis. CMAJ. 2008;178(8):997-1003. http://dx.doi.org/10.1503/cmaj.070281

Molina MRAL,et al. Prevalência de depressão em usuários de unidades de atenção primária. Rev Psiq Clin. 2012;39(6):194-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-60832012000600003

Sharp LK, Lipsky MS. Screening for depression across the lifespan: a review of measures for use in primary care settings. Am Fam Physician. 2002;66:1001-8,1045-6,1048,1051-2.

MacMillan HL, et al. Screening for depression in primary care: recommendation statement from the canadian task force on preventive health care. CMAJ. 2005 Jan 4;172(1):33-5. http://dx.doi.org/10.1503/cmaj.1030823

U.S. Preventive Services Task Force. Screening for Depression in Adults: U.S. Preventive Services Task Force Recommendation Statement. Ann Intern Med. 2009;151:784-792. http://dx.doi.org/10.7326/0003-4819-151-11-200912010-00006

Mautner DB, et al. Generating hypotheses about care needs of high utilizers: lessons from patient interviews. http://dx.doi.org/10.1089/pop.2013.0033

Nunes JM, Yaphe J, Santos I. Sintomas somatoformes em medicina de família: um estudo descritivo da incidência e evolução em uma unidade de saúde familiar de Portugal. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2013;8(28):164-71. http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc8(28)652

Savageau JA, et al. Characteristics of frequent attenders at a community health center. J Am Board Fam Med. 2006;19:265–75. http://dx.doi.org/10.3122/jabfm.19.3.265

Pearson, et al. Depression among hith utilizers of medical care. J Gen Intern Med. 1999;14:461-468. http://dx.doi.org/10.1046/j.1525-1497.1999.06278.x

Lefevre, et al. Screening for undetected mental disorders in high mental disorders in high utilizers of primary care. J Gen Intern Med. 1999;14:425–431. http://dx.doi.org/10.1046/j.1525-1497.1999.07238.x

Hildebrandt DE, et al. Are frequent callers to family physicians high utilizers? Ann Fam Med. 2004;2:546-548. http://dx.doi.org/10.1370/afm.127

O´Connor EA, et al. Screening for depression in adult patients in primary care settings: a systematic evidence review. Ann Intern Med. 2009;151:793-803. http://dx.doi.org/10.7326/0003-4819-151-11-200912010-00007

Gunn JM, et al. Who is identified when screening for depression is undertaken in general practice? baseline findings from the diagnosis, management and outcomes of depression in primary care (diamond) longitudinal study. MJA. 2008;188:S119–S125.

Simon GE, et al. Cost-effectiveness of sistematic depression treatment for high utillizers of general medical care. Arch Gen Psychiatry. 2001;58:181-187. http://dx.doi.org/10.1001/archpsyc.58.2.181

Publicado
2015-03-31
Como Citar
Carvalho, I. P. do A., Carvalho, C. G. X., & Lopes, J. M. C. (2015). Prevalência de hiperutilizadores de serviços de saúde com histórico positivo para depressão em Atenção Primária à Saúde. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 10(34), 1-7. https://doi.org/10.5712/rbmfc10(34)957
Seção
Artigos de Pesquisa