Perfil sociodemográfico, ocupacional e avaliação das condições de saúde mental dos trabalhadores da Estratégia Saúde da Família em um município do Rio Grande do Sul, RS

  • Izadora Joseane Borrajo Moreira Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC). Santa Cruz do Sul, RS
  • Jorge André Horta Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC). Santa Cruz do Sul, RS
  • Luciano Nunes Duro Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC). Santa Cruz do Sul, RS
  • Daniela Teixeira Borges Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC). Santa Cruz do Sul, RS
  • Anderson Berni Cristofari Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC). Santa Cruz do Sul, RS
  • Jéssica Chaves Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC). Santa Cruz do Sul, RS
  • Débora Cristina Haack Bassani Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC). Santa Cruz do Sul, RS
  • Emanuelle Damo Cerizolli Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC). Santa Cruz do Sul, RS
  • Raquel Montagna Teixeira Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC). Santa Cruz do Sul, RS
Palavras-chave: Atenção Primária à Saúde, Saúde do Trabalhador, Transtornos Mentais, Estresse Psicológico, Agentes Comunitários de Saúde

Resumo

Objetivo: Descrever os fatores sociodemográficos e ocupacionais e avaliar a prevalência de transtornos mentais comuns em trabalhadores das Estratégias de Saúde da Família (ESF) em Santa Cruz do Sul, RS. Métodos: Estudo com abordagem epidemiológica, de corte transversal e quantitativo, realizado no período de junho a agosto de 2013. Foram avaliados 83 trabalhadores, entre médicos, enfermeiros, técnicos/auxiliares de enfermagem e agentes comunitários de saúde, atuantes nas 11 unidades de saúde da família do município. O instrumento de pesquisa constituiu-se em um questionário autoaplicável, englobando aspectos sociodemográficos, ocupacionais e questões pertencentes ao Self-Reporting Questionnaire. Resultados: A idade média dos participantes foi de 37,1±8,9 anos, sendo a maioria agentes comunitários de saúde, do sexo feminino, casadas, com filhos, renda per capita de até 2 salários mínimos e ensino médio completo. A prevalência geral de transtorno mental comum foi de 19,7%, estando presente em todas as categorias profissionais, e mais frequente entre os enfermeiros (25%), porém sem diferenças estatísticas. Conclusão: O presente estudo, além de caracterizar a população de trabalhadores das ESF de Santa Cruz do Sul, RS, em seus aspectos sociodemográficos e ocupacionais, identificou que o sofrimento psíquico está presente, embora em graus variados, em todas as categorias profissionais avaliadas. Frente a esses achados relevantes, sugerem-se providências que visem à prevenção e promoção da saúde mental desses profissionais

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Programa de Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde; 1994.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política nacional de atenção básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Ribeiro SFR, Martins STF. Sofrimento psíquico do trabalhador da saúde da família na organização do trabalho. Psicol Estud. 2011;16(2):241-50. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722011000200007

Trindade LL, Lautert L. Síndrome de Burnout entre os trabalhadores da Estratégia de Saúde da Família. Rev Esc Enferm USP. 2010;44(2):274-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342010000200005

Barbosa GB, Correia AKS, Oliveira LMM, Santos VC, Ferreira SMS, Martins Júnior DF, et al. Trabalho e saúde mental dos profissionais da Estratégia Saúde da Família em um município do Estado da Bahia, Brasil. Rev Bras Saúde Ocup. 2012;37(126):306-15.

Resende MC, Azevedo EGS, Lourenço LR, Faria LS, Alves NF, Farina NP, et al. Saúde mental e ansiedade em agentes comunitários que atuam em saúde da família em Uberlândia (MG, Brasil). Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(4):2115-22. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000400011

Carreiro GSP, Ferreira Filha MO, Lazarte R, Silva AO, Dias MD. O processo de adoecimento mental do trabalhador da Estratégia Saúde da Família. Rev Eletr Enferm. 2013;15(1):146-55. DOI:http://dx.doi.org/10.5216/ree.v15i1.14084

World Health Organization. Investing in mental health. Geneva: World Health Organization; 2003.

World Health Organization. Mental Health: New Understanding, New Hope. Geneva: World Health Organization; 2001.

Silveira DP, Vieira ALS. Saúde mental e atenção básica em saúde: análise de uma experiência no nível local. Ciênc Saúde Coletiva. 2009;14(1):139-48. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232009000100019

Goldberg D, Huxley P. Commom mental disorders: a bio-social model. London: Tavistock; 1992.

Fonseca MLG, Guimarães MBL, Vasconcelos EM. Sofrimento difuso e transtornos mentais comuns: uma revisão bibliográfica. Rev APS. 2008;11(3):285-94.

Maragno L, Goldbaum M, Gianini RJ, Novaes HMD, César CLG. Prevalência de transtornos mentais comuns em populações atendidas pelo Programa Saúde da Família (QUALIS) no Município de São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2006;22(8):1639-48. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2006000800012

Lyra GFD, Assis SG, Njaine K, Oliveira RVC, Pires TO. A relação entre professores com sofrimento psíquico e crianças escolares com problemas de comportamento. Ciênc Saúde Coletiva. 2009;14(2):435-44. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232009000200012

Braga LC, Carvalho LR, Binder MCP. Condições de trabalho e transtornos mentais comuns em trabalhadores da rede básica de saúde de Botucatu (SP). Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(Suppl. 1):1585-96. DOI:http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000700070

Brasil. Ministério da Saúde. Doenças relacionadas ao trabalho: manual de procedimentos para serviços de saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2001.

Araújo TM, Aquino E, Menezes G, Santos CO, Aguiar L. Aspectos psicossociais do trabalho e distúrbios psíquicos entre trabalhadoras de enfermagem. Rev Saúde Pública. 2003;37(4):424-33. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S003489102003000400006

Nascimento Sobrinho CL, Carvalho FM, Bonfim TAS, Cirino CAS, Ferreira IS. Condições de trabalho e saúde mental dos médicos de Salvador, Bahia, Brasil. Cad Saúde Pública. 2006;22(1):131-40. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102311X2006000100014

Harding TW, de Arango MV, Baltazar J, Climent CE, Ibrahim HH, Ladrido-Ignacio L, et al. Mental disorders in primary health care: a study of their frequency and diagnosis in four developing countries. Psychol Med. 1980y;10(2):231-41. DOI:http://dx.doi.org/10.1017/S0033291700043993

Mari JJ, Williams P. A validity study of a psychiatric screening questionnaire (SRQ-20) in primary care in the city of Sao

Paulo. Br J Psychiatry. 1986;148:23-6. DOI: http://dx.doi.org/10.1192/bjp.148.1.23

Brasil. Ministério da Saúde. Saúde da Família: uma estratégia para reorientação do modelo assistencial. Brasília: Ministério da Saúde; 1997.

Camelo SHH, Angerami ELS. Riscos psicossociais relacionados ao trabalho das equipes de saúde da família: percepções dos profissionais. Rev Enferm UERJ. 2007;15(4):502-7.

Pinto ESG, Menezes RMP, Villa TCS. Situação de trabalho dos profissionais da Estratégia Saúde da Família em Ceará Mirim. Rev Esc Enferm USP. 2010;44(3):657-64. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342010000300015

Costa SM, Prado MCM, Andrade TN, Araújo EPP, Silva Junior WS, Gomes Filho ZC, et al. Perfil do profissional de nível superior nas equipes da Estratégia Saúde da Família em Montes Claros, Minas Gerais, Brasil. Rev Bras Med Fam Com. 2013;8(27):90-6. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc8(27)530

Camelo SHH, Angerami ELS. Formação de recursos humanos para a Estratégia de Saúde da Família. Ciênc Cuid Saúde. 2008;7(1):45-52. DOI: http://dx.doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v7i1.4895

Ludermir AB. Associação de transtornos mentais comuns com a informalidade das relações de trabalho. J Bras Psiquiatr. 2005;54(3):198-204

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n0 648 de 28 de março de 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica estabelecendo a revisão das diretrizes e normas para a organização da Atenção básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Oliveira EM, Spiri WC. Programa Saúde da Família: a experiência de equipe multiprofissional. Rev Saúde Pública. 2006;40(4):727-33. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102006000500025

Silva ATC, Menezes PR. Esgotamento profissional e transtornos mentais comuns em agentes comunitários de saúde. Rev Saúde Pública. 2008;42(5):921-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102008000500019

Dilélio AS, Facchini LA, Tomasi E, Silva SM, Thumé E, Piccini RX, et al. Prevalência de transtornos psiquiátricos menores em trabalhadores da atenção primária à saúde das regiões Sul e Nordeste do Brasil. Cad Saúde Pública. 2012;28(3):503-14. DOI:http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012000300011

Kirchhof ALC, Magnago TSBS, Camponogara S, Griep RH, Tavares JP, Prestes FC, et al. Condições de trabalho e características sócio-demográficas relacionadas à presença de distúrbios psíquicos menores em trabalhadores de enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2009;18(2):215-23. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S01047072009000200003

Pinho SP, Araújo TM. Trabalho de enfermagem em uma unidade de emergência hospitalar e transtornos mentais. Rev Enferm UERJ. 2007;15(3):329-36.

Camelo SHH, Angerami ELS. Sintomas de estresse nos trabalhadores atuantes em cinco núcleos de saúde da família. Rev Latino-Am Enfermagem. 2004;12(1):14-21 DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692004000100003

Publicado
2016-04-26
Como Citar
Moreira, I. J. B., Horta, J. A., Duro, L. N., Borges, D. T., Cristofari, A. B., Chaves, J., Bassani, D. C. H., Cerizolli, E. D., & Teixeira, R. M. (2016). Perfil sociodemográfico, ocupacional e avaliação das condições de saúde mental dos trabalhadores da Estratégia Saúde da Família em um município do Rio Grande do Sul, RS. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 11(38), 1-12. https://doi.org/10.5712/rbmfc11(38)967
Seção
Artigos de Pesquisa