Qualidade de vida dos pacientes hipertensos em uma unidade de saúde

  • André Alexey Polidoro Pontifícia Universidade Católica do Paraná
  • Marcelo Garcia Kolling Prefeitura Municipal de Curitiba (PMC). Curitiba, PR
Palavras-chave: Qualidade de Vida. Hipertensão. Inquéritos e Questionários. Avaliação de Resultados (Cuidados de Saúde).

Resumo

Objetivo: Avaliar a autopercepção da qualidade de vida dos pacientes hipertensos. Métodos: Foi realizado um estudo quantitativo transversal, por meio da aplicação do questionário o SF-36 (Medical Outcomes Study 36-Item Short-Form Health Survey) para 47 pacientes hipertensos de uma Unidade Municipal de Saúde do Município de Curitiba, sendo 10 homens e 37 mulheres. Resultados: Os resultados mostraram que a média global de saúde da população foi 61,0, variando do escore 11,0 até 92,1. O critério melhor avaliado foi “limitação por aspectos sociais”, enquanto o pior aspecto foi “limitação pela dor”. Conclusão: Os resultados apontam para a necessidade de não se desprezar nenhum dos componentes da qualidade de vida no cuidado aos pacientes hipertensos, com risco de causar prejuízo na mesma.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

André Alexey Polidoro, Pontifícia Universidade Católica do Paraná
Formado em Medicina pela Universidade Estadual de Maringá, com residência em Medicina de Família e Comunidade pela PUC-PR. Médico preceptor da residência de Medicina de Família e Comunidade da PUC - PR e mestrando em Saúde e Gestão do Trabalho, na UNIVALI.

Referências

Williams B. The year in hypertension. J Am Coll Cardiol. 2009;55(1):65-73. PMID: 20117366 DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.jacc.2009.08.037

Rosário TM, Scala LCNS, França GVA, Pereira MRG, Jardim PCBV. Prevalência, controle e tratamento da hipertensão arterial sistêmica em Nobres, MT. Arq Bras Cardiol. 2009;93(6):672-8.

Rouquayrol MZ, Almeida Filho N. Epidemiologia & Saúde. 6a ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2003. 708p.

McWhinney IR, Freeman T. Textbook of Family Medicine. New York: Oxford University Press; 2009. 472p.

Lessa I. Introdução à epidemiologia das doenças cardiovasculares no Brasil. In: Lessa I. O adulto brasileiro e as doenças da modernidade. Epidemiologia das doenças crônicas não-transmissíveis. São Paulo: Hucitec; 1998;73-6.

World Health Organization. Milestones in health promotion Statements from global conferences. Geneva: World Health Organization; 2009.

Organização Mundial da Saúde. Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde [Centro Colaborador da Organização Mundial da Saúde para a Família de Classificações Internacionais, org. coordenação da tradução, Buchalla CM. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo: EDUSP; 2003.

WHOQOL Group. Development of the WHOQOL: Rationale and current status. Int J Ment Health. 1994;23(3):24-56. DOI: http://dx.doi.org/10.1080/00207411.1994.11449286

Segre M, Ferraz FC. O conceito de saúde. Rev Saúde Pública. 1997;31(5):537-42.

Bion WR. Uma teoria sobre o processo de pensar. In: Estudos psicanalíticos revisados (Second Thoughts). Rio de Janeiro: Imago; 1967. p.101-9.

Ware JE Jr, Sherbourne CD. The MOS 36-item short-form health survey (SF-36). I. Conceptual framework and item selection. Med Care. 1992;30(6):473-83.

Bowling A, Brazier J. Quality of life in social science and medicine. Soc Sci Med. 1995;41(10):1337-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/0277-9536(95)00148-Z

Ciconelli RM. Tradução para o português e validação do questionário genérico de avaliação de qualidade de vida “Medical Outcomes Study 36-item Short-form Health Survey (SF-36)” [Tese de Doutorado]. São Paulo: Universidade Federal de São Paulo; 1997.

Gusso G, Poli Neto P. Gestão da Clínica. In: Gusso G, Lopes JMC. Tratado de medicina de família e comunidade: princípios, formação e prática. Porto Alegre: Artmed; 2012. p.159-66.

Brito DMS, Araújo TL, Galvão MTG, Moreira TMM, Lopes MVO. Qualidade de vida e percepção da doença entre portadores de hipertensão arterial. Cad Saúde Pública. 2008;24(4):933-40. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008000400025

Silqueira SMF. O questionário genérico SF-36 como instrumento de mensuração da qualidade de vida relacionada a saúde de pacientes hipertensos [Tese de doutorado]. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, USP-RP. Recuperado em 2014-02-05. [Acesso 2 Jan 2014]. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22133/tde-17052007-160822/

Cavalcante MA, Bombig MTN, Luna Filho B, Carvalho ACC, Paola AAV, Povoa R. Qualidade de vida de pacientes hipertensos em tratamento ambulatorial. Arq Bras Cardiol. 2007;89(4):245-50. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X2007001600006

Ramos V. A consulta em 7 passos - Execução e análise crítica de consultas em medicina geral e familiar. Lisboa: VFBM Comunicação; 2008.

Roncoleta AFT, Moreto G, Levites MR, Janaudis MA, Blasco PG, Leoto RF. Princípios da Medicina de Família. São Paulo: Sobramfa; 2003.

Fabrega H. Disease and social behavior. An interdisciplinary perspective. Cambridge: MIT Press; 1974.

Pendleton D, Schofield T, Tate P, Havelock P. The new consultation: developing doctor-pacient communication. Oxford: Oxford University Press; 2003.

Santos BS. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez; 2000.

Mattos RA. Os sentidos da integralidade: algumas reflexões acerca dos valores que merecem ser defendidos. In: Pinheiro R, Mattos RA, orgs. Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro: IMS- UERJ/ABRASCO; 2001. p.39-64.

Publicado
2016-08-24
Como Citar
Polidoro, A. A., & Kolling, M. G. (2016). Qualidade de vida dos pacientes hipertensos em uma unidade de saúde. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 11(38), 1-7. https://doi.org/10.5712/rbmfc11(38)976
Seção
Artigos de Pesquisa